sexta-feira, 30 de novembro de 2012

CASO BULGER



James Bulger Patrick nasceu em 16 de Março de 1990, morava em Kirkby na Inglaterra, e foi assassinado em 12 de fevereiro de 1993. 



Em 12 de fevereiro de 1993, Denise Bulger entrou com seu filho, James Bulger, de apenas 3 aninhos de idade, no Strand Shopping Center, na cidade de Liverpool, Inglaterra. Denise não sabia, mas ela nunca mais veria o seu filho vivo. 

Ela entrou em um açougue dentro do shopping e 5 segundos de descuido foram o suficiente para James Bulger simplesmente desaparecer. Denise entrou em desespero e logo todos os guardas do Shopping estavam a procura do pequenino James. Mas a busca foi em vão.


Começa a Investigação 
Começava a caçada pelo maníaco assassino de James Bulger. O desfecho do caso deixaria não só a Inglaterra, mas como o mundo inteiro estarrecidos. 

O caso começou a ficar estranho para os investigadores quando 38 testemunhas disseram terem visto uma criança chorando em companhia de duas outras crianças maiores indo em direção ao local onde James foi encontrado. Para essas 38 testemunhas não havia dúvidas: Era o pequeno James. Essa criança que estava chorando possuia as mesmas características de James e estava vestindo as mesmas roupas com as quais ele foi dado como desaparecido. Algumas testemunhas chegaram a discutir com as outras 2 crianças perguntando o que havia com o menorzinho e elas responderam que ele era o irmão mais novo e que estavam levando ele para casa. 

Não passava pela cabeça de ninguém que uma ou duas crianças poderiam ter assassinado James, mas as tais duas crianças que foram vistas com ele, para a polícia, eram a chave para elucidar o mistério. 

O caso James Bulger ficou mais horripilante ainda quando os investigadores examinaram o circuito interno de TV do shopping. Ao examinar as imagens, os investigadores se depararam com algo absolutamente bizarro.


A Evidência 

Analisando os vídeos do Circuito Interno de TV do shopping em Bootle na data do desaparecimento (12 de Fevereiro 1993), os investigadores puderam ver o momento em que James é levado para fora do shopping pelas 2 crianças que a horas observavam outras crianças. 
Na Foto: Câmera de segurança do Shopping flagra 2 crianças em atitudes suspeitas. Créditos da Imagem: Corbis.
Durante todo o dia , Thompson e Venables também foram vistos roubando vários itens, incluindo doces, uma boneca Troll, algumas baterias e uma lata de tinta azul, alguns dos quais mais tarde foram encontrados na cena do crime. Mais tarde foi revelado por um dos meninos que eles estavam planejando encontrar uma criança para raptar, levar para a rua movimentada ao lado do shopping, e empurrá-la para o meio do tráfego. 

Analisando os vídeos, os investigadores perceberam 2 crianças em atitudes muito estranhas. Elas pareciam observar outras crianças dentro do shopping, como um lobo que fareja a ovelha. Isso deixou os investigadores boquiabertos, pois aparentemente, eles estavam vendo os passos de 2 supostos assassinos, mas não eram adultos, e sim crianças. As duas crianças ficaram várias horas observando outras crianças até que viram James vagando pela porta aberta da loja enquanto sua mãe fazia um pedido, e foi descoberto por Thompson e Venables. Eles se aproximaram do garoto e falaram com ele antes de tomar-lhe a mão, levando-o depois para fora. Esse momento foi capturado pela câmera às 15:42. 

Na Foto: Uma imagem que percorreu o mundo: Imagem original do Circuito Interno de TV do Shopping Stradin mostra o pequeno James sendo levado por 2 crianças. Créditos da Imagem: Corbis
A pista final veio de uma mulher que viu as imagens do Circuito Interno de TV do Shopping, que passavam insistentemente nas emissoras de TV inglesas, e que reconheceu as duas crianças. O crime gerou grande comoção e raiva na Inglaterra. Tanto que a família de uma criança, que foi considerada suspeita, teve que mudar de Liverpool depois que a polícia convocou o menino para depor.


O Assassinato 

Dois dias depois do desaparecimento de James, o horror: Seu corpo foi encontrado partido ao meio em uma ferrovia a 4 km de distância do shopping. 

Os meninos levaram Bulger em uma caminhada sinuosa de 2,5 milhas (4,0 km) de Liverpool para o Canal de Leeds. Durante a caminhada em Liverpool, os meninos foram vistos por 38 pessoas. Bulger tinha um galo na testa e estava chorando, mas a maioria dos espectadores não fez nada para intervir, assumindo que ele era um irmão mais novo. Duas pessoas desafiaram os meninos mais velhos, mas eles alegaram que Bulger era um irmão mais novo, ou que ele estava perdido e que estavam levando-o para a delegacia de polícia local. Em um momento, os meninos levaram Bulger em um pet shop, de onde foram expulsos. Eventualmente, os meninos chegaram na aldeia de Walton, mas ao verem uma delegacia hesitaram e levaram Bulger para uma linha ferroviária abandonada perto da Walton & Anfield, perto do cemitério Anfield, onde começaram a torturá-lo. 

No julgamento, foi estabelecido que neste local um dos rapazes jogou tinta azul Humbrol, que tinham roubado anteriormente, no olho esquerdo Bulger. Ele estava sem roupas e a polícia suspeitava que o agressor ou agressores também introduziram pilhas em seu ânus. Depois da tortura e do abuso sexual, o pequeno James foi espancado até a morte com a barra de ferro e tijolos. As baterias foram colocadas na boca de Bulger. 

O crime chocou a Inglaterra. Não pelo assassinato em si, mas pela forma horrenda com a qual o pequeno James foi morto. O médico patologista Dr. Alan Williams, que trabalhou no caso, disse que James sofreu 10 fraturas no crânio decorrentes de golpes desferidos com uma barra de ferro, arma a qual foi encontrada no local do crime. No total, havia 42 ferimentos no corpo de James, e segundo o patologista, nenhum poderia ser excluído como golpe fatal. 

Seu pequenino corpo foi colocado em cima da linha do trem e coberto com pedaços de madeira, na esperança de que um trem iria acertá-lo e fazer com que sua morte parecesse um acidente. Quando o corpo foi encontrado estava partido ao meio. O patologista chegou à conclusão que James já estava morto quando seu corpo foi dilacerado por um Trem.


Processo Judicial - Prisão

Exames periciais confirmaram que os dois rapazes tinham em suas roupas a mesma tinta azul que foi encontrada no corpo de Bulger. Ambos tinham sangue em seus sapatos, o sangue no sapato de Thompson testado e comprovando como sendo de Bulger, através de testes de DNA. Um padrão de hematomas na face direita de Bulger combinavam com as características da parte de cima do sapato usado por Thompson. Uma marca de tinta na biqueira de um dos sapatos de Venables indicou que ele deve ter usado a força quando chutou Bulger. 

As meias, calças e cuecas de Bulger haviam sido removidas. O relatório do patologista lido em tribunal declarou que o prepúcio de Bulger tinha sido forçado. Quando questionados sobre este aspecto do ataque por detetives e pelo psiquiatra infantil, o Dr. Eileen Vizard, Thompson e Venables ficaram relutantes em dar detalhes, mas também negaram veementemente a inserção de algumas das baterias no ânus de Bulger. 

Os rapazes foram acusados ​​de assassinato Bulger em 20 de fevereiro de 1993, elevados para o South Tribunal Juventude Sefton em 22 de fevereiro de 1993, para cumprirem prisão preventiva enquanto aguardavam o julgamento. 

Na Foto: Não se engane com o rostinho de Anjo. Jon Venables, 10 anos de idade, sendo fichado pela polícia inglesa em 20 de Fevereiro de 1993 pelo assassinato de James Bulger


  Na Foto: O outro “anjinho” era Robert Thompson, 10 anos

Até 500 manifestantes se reuniram na Magistratura do Sul Sefton durante os momentos iniciais do julgamento. Os pais dos acusados ​​foram transferidos para diferentes partes do país, assumindo novas identidades após as ameaças de morte dos vigilantes. 



O julgamento completo aconteceu na Preston Crown Court em 1 de Novembro de 1993, eles foram julgados como adultos e permaneceram durante todo o julgamento no banco dos réus longe de seus pais, sem nenhum tipo de regalia legal. Os meninos negaram as acusações de rapto, homicídio e tentativa de sequestro movida contra eles. Houve outro incidente no Novo Centro de Compras Strand anteriormente em 12 de Fevereiro de 1993, dia da morte de Bulger. Thompson e Venables tinham tentado raptar um outro menino de dois anos de idade, mas foram impedidos pela mãe desse menino. 

As notícias relataram o comportamento dos réus, estes aspectos foram mais tarde criticados pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos, que decidiu em 1999 que os meninos não tinham recebido um julgamento justo por serem julgados em público, e em um tribunal de adultos. 

No julgamento, liderando a acusação estava Richard QC Henriques cujo sucesso refutou o princípio da “doli incapax”, que pressupõe que as crianças não podem ser consideradas legalmente responsáveis por suas ações. O psiquiatra infantil Dr. Eileen Vizard, que entrevistou Thompson antes do julgamento, foi questionado no tribunal se Thompson sabia a diferença entre o certo e o errado, e se errado levar uma criança para longe de sua mãe, e se era errado causar ferimentos a uma criança. Vizard respondeu: "Se a questão é sobre o balanço das probabilidades, eu acho que posso responder com certeza que ele sabia que era errado". Vizard também disse que Thompson estava sofrendo de transtorno de estresse pós-traumático após o ataque a Bulger. A Dr. Susan Bailey, a psiquiatra forense que entrevistou Venables, disse inequivocamente que ele sabia a diferença entre o certo e o errado. 

Thompson e Venables não falaram durante o julgamento, e o processo contra eles foi baseado em grande medida sobre as mais de 20 horas de entrevistas gravadas pela polícia com os meninos, que foram escutados no tribunal. Thompson foi considerado aquele que teve o papel de liderança no processo do rapto, embora fosse Venables que aparentemente tinha iniciado a idéia de levar Bulger para a linha ferroviária. Venables descreveria mais tarde como Bulger segurava a sua mão, permitindo que ele o levasse na viagem sinuosa para a cena de sua eventual morte. 

A acusação admitiu uma série de exposições durante o julgamento, incluindo uma caixa de 27 tijolos, uma pedra manchada de sangue, cuecas Bulger, ea barra de ferro enferrujado descrito como um fishplate ferroviária. O patologista passou 33 minutos descrevendo os ferimentos sofridos por Bulger; muitos daqueles a suas pernas tinham sido infligidas depois que ele foi despojado da cintura para baixo. A lesão cerebral foi extensa e inclui uma hemorragia. [38] 

Os dois rapazes, até então com 11 anos, foram considerados culpados pelo assassinato de Bulger na corte de Preston em 24 de Novembro de 1993, tornando-se os mais jovens assassinos condenados do século 20. O juiz, Sr. Justice Morland, disse a Thompson e Venables, que eles tinham cometido um crime de "mal sem medidas e bárbaro” Morland os condenou a serem detidos pela Sua Majestade da época, com a recomendação de que eles deviam ser mantidos em custódia por “muitos e muitos anos que virão", com a recomendação de um prazo mínimo de oito anos. 

No final do julgamento, o juiz determinou os seus nomes deverão ser liberados (por causa da natureza do crime e da reação do público), e eles foram identificados, juntamente com longas descrições de suas vidas e experiências. O choque público foi agravado pela liberação, após o julgamento, dos tiros de uma caneca apreendidas durante o interrogatório pela polícia. Sir David Omand viria a criticar esta decisão, delineando as dificuldades criadas para o serviço de reinserção social devido ao caso.


Pós- Julgamento 

Logo após o julgamento, e depois de o juiz ter recomendado uma pena mínima de oito anos, Lord Taylor de Gosforth, o Senhor Chefe de Justiça, ordenou que os dois meninos deveriam servir um mínimo de 10 anos, o que os tornou elegíveis para uma possível libertação em fevereiro de 2003 quando chegassem aos 20 anos. 

Os editores do jornal The Sun entregaram uma petição com cerca de 280 mil assinaturas para o secretário Michael Howard, em uma tentativa de aumentar o tempo de custódia a ser cumprido pelos meninos. Esta campanha foi um sucesso, e em julho de 1994 Howard anunciou que os meninos seriam mantidos sob custódia por um mínimo de 15 anos, o que significou que eles não seriam considerados aptos para libertação até fevereiro de 2008, época em que eles teriam 25 anos de idade. 

Sir Donaldson criticou a intervenção de Howard, descrevendo o acontecido como "vingança institucionalizada por um político que estava jogando com o povo". O prazo mínimo para o aumento foi revogado em 1997 pela Câmara dos Lordes, que determinou ser "ilegal" que o Ministro do Interior decidisse sobre penas mínimas para os jovens infratores. O Supremo Tribunal e o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, desde então, decidiu que, embora o Parlamento possa fixar prazos mínimos e máximos para determinadas categorias de crime, é responsabilidade do juiz de instrução, com o benefício de todas as provas e argumentos mostrados pela acusação e pelo advogado de defesa, determinar o prazo mínimo, em determinados casos criminais. 

O caso levou à angústia pública e aoo pânico moral na Grã-Bretanha; Tony Blair, em seguida fez um discurso em Wellingborough, durante o qual ele disse:. "Ouvimos falar de crimes tão horríveis que provocam raiva e incredulidade em proporções iguais ... Essas são as manifestações feias de uma sociedade que está se tornando indigna desse nome ". O primeiro-ministro John Major, disse que" a sociedade precisa condenar um pouco mais, e entender um pouco menos". O Sr. Juiz Justice Morland afirmou que a exposição aos vídeos violentos pode ter incentivado as ações de Thompson e Venables, mas este argumento foi refutado por David Maclean, o Ministro de Estado do Ministério do Interior na época, que apontou que a polícia não encontrou nenhuma evidência vinculando o caso com "influência por vídeos". Alguns tablóides do Reino Unido afirmaram que o ataque contra James Bulger foi inspirado pelo filme O Brinquedo Assassino 3, e fez campanha para que as regras dos "males dos vídeos" fossem mais rígidas. A Justiça Criminal e a Ordem Pública de 1994 clarificaram as regras sobre a disponibilidade de certos tipos de material de vídeo para as crianças.

Detenção 

Thompson foi levado para a unidade Moss Barton em Manchester, que abrigava 14 jovens infratores e foi dividido em três alas, incluindo uma para meninas. Venables foi detido em Vardy House, uma unidade de oito camas Red Banck em St. Helens em Merseyside - mesmo estabelecimento onde, 25 anos antes, Mary Bell tinha sido detida por metade de sua sentença de 12 anos. Esses locais não foram publicamente conhecidos até a libertação dos meninos. 

Detalhes da vida dos meninos eram registrados duas vezes por dia em fichas de acompanhamento e assinadas pelo membro da equipe que tinha escrito. Os registros foram armazenados nas unidades e copiados para os funcionários em Whitehall. Os meninos foram ensinados a mentir sobre seus nomes reais, e para ocultarem o crime que tinham cometido. Venables era regularmente visitado pelo pai em Red Bank, assim como a mãe de Thompson o fez - a cada três dias - em Barton Moss. 

Os meninos receberam educação e reabilitação; apesar dos problemas iniciais disseram que Venables finalmente fez um bom progresso em Red Bank, resultando nele sendo mantido lá por oito anos. Um assistente social que observou Thompson por seus oito anos na Barton Moss, relatou que ele se comportou bem e era inteligente, lidou bem com a situação e se adaptou à vida na unidade de segurança rapidamente, mas nunca mostrou qualquer remorso pelo seu crime. Com 14 anos, Thompson foi levado à passeios e ao teatro, e centros comerciais onde podia gastar um pouco dos R$ 60,00 por mês que ele recebia. Com 16 anos, ele arranjou uma namorada, uma colega de cela que cumpriu pena na unidade por um ano. Venables foi levado em viagens para o País de Gales para nadar em Wigan, e outra vez para assistir a um jogo de futebol do Manchester United, em Old Trafford. Apesar disso, existem relatos de que os meninos a sofriam transtorno de estresse pós-traumático, e em particular Venables que relatou sofrer pesadelos e flashbacks envolvendo o assassinato.


Recursos e Libertação 

Em 1999, os advogados de Thompson e Venables recorreram para o Tribunal Europeu de Direitos Humanos dizendo que o "julgamento não foi imparcial, uma vez que eles eram jovens demais para acompanhar os processos e entender como funcionava um tribunal de adultos. O Tribunal Europeu rejeitou a alegação de que o julgamento foi desumano e degradante, mas manteve sua reivindicação negando uma audiência justa por natureza dos processos judiciais. O Tribunal Europeu considerou ainda que a intervenção de Michael Howard levou a uma "atmosfera altamente carregada", o que resultou em um julgamento injusto. Em 15 de março de 1999, o Tribunal de Estrasburgo decidiu por 14 votos a cinco que houve uma violação do artigo 6 º da Convenção Européia dos Direitos Humanos relacionada à imparcialidade do julgamento de Thompson e Venables, afirmando: "O processo de julgamento público em um tribunal de adultos deve ser considerada no caso de uma criança de 11 anos de idade, como um procedimento extremamente intimidante" 

Em setembro de 1999, os pais de Bulger recorreram ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, mas não conseguiram convencer o tribunal de o tipo de vítima de um crime tem o direito de influenciar na determinação da pena do agressor. 

O caso foi levado ao novo Lorde Chefe de Justiça, Lord Woolf, para a revisão da pena mínima. Em outubro de 2000, ele recomendou que fosse reduzida de dez para oito anos, acrescentando que as instituições para jovens infratores foram uma "atmosfera corrosiva" para os jovens. 

Em junho de 2001, depois de uma revisão de seis meses, o conselho de liberdade condicional afirmou que os meninos já não eram uma ameaça à segurança pública e poderiam ser libertados, já que a pena mínima tinha expirado em fevereiro desse ano. O secretário do Interior David Blunkett aprovou a decisão, e eles foram libertados algumas semanas mais tarde, depois de cumprirem oito anos. Os dois receberam novas identidades e se mudaram para locais secretos ao estilo do programa de "proteção de testemunhas". Foram dados aos meninos novos passaportes, números de seguro nacionais, certificados de qualificação e registros médicos. Blunkett acrescentou suas próprias condições para que isso acontecesse e insistiu que fossem enviadas pra ele atualizações diárias sobre o comportamento dos dois. 

Os termos de libertação incluem o seguinte: eles não estão autorizados a entrar em contato com a família Bulger, são proibidos de visitar a região de Merseyside, devem obedecer ao toque de recolher imposto a eles e devem apresentar-se para os agentes de liberdade condicional. Se violarem essas regras ou forem considerados um risco para o público, eles poderiam voltar para a prisão. 

Uma liminar foi imposta na mídia após o julgamento, impedindo a publicação de detalhes sobre os meninos. A liminar mundial foi mantida em vigor após a liberdade condicional deles, assim suas novas identidades e localizações não poderiam ser publicadas. Blunkett afirmou em 2001: "A liminar foi concedida porque havia uma real e forte possibilidade de que suas vidas estariam em risco se suas identidades fossem reveladas".


Eventos subsequentes 

Nos meses após o julgamento, e aoo nascimento de seu segundo filho, Michael, o casamento dos pais Bulger, Ralph e Denise acabou e eles se divorciaram em 1995. Denise casou novamente, com Stuart Fergus em 1998 e atualmente têm dois filhos juntos. Ralph também casou-se novamente e tem três filhas com sua segunda esposa. 

The Guardian revelou que Venables e Thompson tinham burlado muitas regras durante as suas sentenças. O jornal também disse que os advogados da família Bulger tinham consultado especialistas psiquiátricos com o objetivo de apresentar ao painel de liberdade condicional um relatório que sugeria que Thompson é um psicopata não diagnosticado, citando a sua falta de remorso durante o julgamento e prisão. O relatório não foi finalmente admitido. No entanto, sua falta de remorso na época, em contraste com a de Venables, levou a um prolongamento considerável do processo no painel de liberdade condicional. Após a libertação, foi considerado que tanto Thompson como Venables tinham perdido todos os vestígios de periculosidade presentes na época de Liverpool. Em um relatório psiquiátrico elaborado em 2000 antes da libertação de Venables, o descreveu como um risco "trivial" para o público, sendo improvável que reincidisse. As chances de sucesso de sua reabilitação foram descritas como "muito altas". 

O Manchester Evening News entraram em contato com instituições de segurança em que o os meninos estavam, resultando em possível violação da liminar contra a publicidade que tinha sido renovado no início de 2001. Em dezembro daquele ano, o jornal foi multado em £ 30,000 por desacato ao tribunal e condenado a pagar os custos de £ 120.000. 

Nenhuma publicação significativa ou ação vigilante contra Thompson ou Venables ocorreu. Apesar disso a mãe de Bulger, Denise contou como, em 2004, ela recebeu uma dica de uma fonte anônima que a ajudou a localizar Thompson. Ao vê-lo, ela estava "paralisada de ódio" e foi incapaz de confrontá-lo.

Denise Fergus, mãe de James Bulger.

Em abril de 2007, documentos liberados sob a Lei de Liberdade de Informação confirmaram que o Ministério do Interior havia gasto £ 13.000 em uma liminar para impedir que uma revista estrangeira revelasse as novas identidades de Thompson e Venables. 


Em 14 de março de 2008, um apelo à criação de um Centro Learner Red Balloon em Merseyside, em memória de James Bulger foi lançado por Denise Fergus, sua mãe, e Rantzen Esther. Um jardim em memória de Bulger foi criado na Escola Primária Sagrado Coração em sua cidade natal de Kirkby. 

Em março de 2010, um apelo foi feita para aumentar a idade de responsabilidade criminal na Inglaterra de 10 para 12 anos. Maggie Atkinson disse que os assassinos de James Bulger deveriam ter passado por "programas" para ajudar a transformar suas vidas, em vez de serem processados. O Ministério da Justiça rejeitou o apelo, dizendo que as crianças com idade superior a 10 sabem a diferença "entre mau comportamento e falta grave". 

Em abril de 2010, um homem de 19 anos de idade, da Ilha de Man foi preso por três meses devido a uma falsa alegação em uma mensagem no Facebook; que uma de suas ex-colegas de trabalho fez alegando inclusive que ele seria Robert Thompson. Durante a sentença, o Vice Alastair Montgomery disse que a adolescente havia"colocado a pessoa em risco de danos graves" e em uma "posição perigosa", fazendo tal alegação. 

Em março de 2012, um homem de 26 anos de idade, de Chorley, Lancashire, foi preso depois de supostamente ter criado um grupo no Facebook com o título "O que aconteceu com Jamie Bulger foi f ** hilariante". O computador do homem foi apreendido para futuras investigações.


2010 - A Prisão de Venables 

Em 2 de março de 2010, o Ministério da Justiça revelou que Venables Jon tinha sido devolvido para a prisão por uma violação não especificada dos termos de sua libertação. A Justiça, especificamente Jack Straw, afirmou que Venables voltou para a prisão por causa de "alegações extremamente sérias", e afirmou que ele era "incapaz de dar mais detalhes sobre os motivos relacionados ao retorno de Jon Venables sob custódia, porque não era de interesse público a fazê-lo". Após reivindicação do Sunday Mirror, em 7 de março, dizendo que Venables voltou para a prisão sob a acusação de suspeita de pornografia envolvendo crianças, Straw repetiu que a divulgação prematura de detalhes sobre o retorno de Venables sob custódia não foi de interesse público, e que a "motivação durante todo o processo foi apenas para garantir que algumas alegações extremamente graves sejam devidamente investigadas e que a justiça seja feita". Foi alertado que algumas partes da mídia do Reino Unido estavam perto de quebrar a lei, e declarou: "Se responder ao desejo das pessoas de conhecer os fatos em público de uma forma que acaba prejudicando um caso legal, nós olhamos para trás e pensamos que tomamos decisões muito irresponsáveis". Straw revelou no programa Radio 4 da BBC que, devido aos meios de comunicação e a pressão da opinião pública para mais detalhes serem liberados, ele iria "fazer um julgamento sobre se há informações - uma vez que ele já está nos jornais -. Se podemos confirmar" 

Em uma declaração à Câmara dos Comuns em 8 de março de 2010, Jack Straw reiterou que "não era do interesse da justiça” revelar a razão pela qual Venables voltou à prisão. A Baronesa Butler-Sloss, e o juiz que tomou a decisão de conceder o anonimato à Venables, em 2001, alertou que ele poderia ser morto se sua nova identidade fosse revelada. 

A mãe de James Bulger, Denise Fergus disse que ela estava com raiva pelo conselho de liberdade condicional não lhe dizer que Venables havia voltado à prisão, e pediu que o seu anonimato fosse removido caso ele fosse acusado de outro crime. Um porta-voz do Ministério da Justiça afirmou que há uma liminar mundial contra a publicação sobre qualquer "localização ou nova identidade dos assassinos”. 

Venables retornou à prisão sob uma falsa alegação de que um homem de Fleetwood, Lancashire fosse Venables Jon e não ele mesmo. O pedido foi feito e depois rejeitado em setembro de 2005, mas reapareceu em março de 2010, quando foi amplamente divulgado através de mensagens via SMS, Facebook e Twitter. O inspetor-chefe Tracie O'Gara de Lancashire Constabulary declarou: "Um indivíduo que foi preso há quatro anos e meio atrás não era Venables Jon, e agora ele deixou a prisão ". 

Em 21 de junho de 2010, Venables foi acusado de posse e distribuição de imagens indecentes de crianças. Foi alegado que ele tinha baixado 57 imagens indecentes de crianças durante um período de 12 meses até fevereiro de 2010, e permitiu que outras pessoas pudessem acessar os arquivos através de uma rede de downloads. Venables enfrentou duas acusações sob a Lei de Proteção de Crianças de 1978. Em 23 de julho de 2010, Venables apareceu em uma audiência no Old Bailey através de um link de vídeo, visível apenas para o juiz do caso. Ele se declarou culpado das acusações sobre download e distribuição de pornografia infantil, e foi dada uma sentença de dois anos de prisão. Na audiência, foi revelado que Venables tinha colocado em salas de bate-papo on-line, Dawn "Dawnie "Smith uma mulher casada de Liverpool de 35 anos, que se gabava por abusar de sua filha de 8 anos de idade, na esperança de obter mais pornografia infantil. Venables tinha contatado o seu oficial de condicional em fevereiro de 2010, temendo que sua nova identidade fosse comprometida no seu local de trabalho. Quando o policial chegou ao seu apartamento, Venables tentou de remover ou destruir o disco rígido de seu computador com uma faca e um abridor de lata; as suspeitas do oficial foram despertadas, e o computador foi levado para exame levando à descoberta da pornografia infantil, que incluiu crianças a partir dos dois anos que foram estupradas por adultos e de sexo com penetração de crianças com sete ou oito anos de idade. 

O juiz determinou que a nova identidade Venables não poderia ser revelada, mas a mídia foi autorizada a informar que ele estava morando em Cheshire, no momento de sua prisão. O Tribunal Superior também ouviu que Venables foi preso por suspeita de tumulto em setembro de 2008, após uma briga de rua com outro homem. No mesmo ano, ele foi advertido por posse de cocaína. Em novembro de 2010, uma revisão do tratamento do Serviço Nacional de Provação reviu o caso, e Sir David Omand descobriu que funcionários da justiça não poderiam ter evitado que Venables de baixasse pornografia infantil. Harry Fletcher, o secretário-geral adjunto da Associação Nacional de Oficiais de liberdade condicional, comentou que só a vigilância de 24 horas teria impedido Venables de baixar o material. 

Venables era apto para a liberdade condicional em julho de 2011. Em 27 de Junho de 2011, o conselho de liberdade condicional decidiu que Venables teria que permanecer sob custódia, e que sua liberdade condicional não seria considerada novamente por pelo menos mais um ano. 


Venables, seus relacionamentos e contravenções 

Durante a sua prisão em 2010, as alegações foram relatadas nos meios de comunicação sobre encontros sexuais de Venables com um membro feminino da equipe da unidade de segurança, ele foi detido em sua sentença. Em abril de 2011, essas alegações foram descritas em um artigo da revista Sunday Times escrito por David James Smith, que vinha acompanhando o caso Bulger desde o julgamento de 1993, e mais tarde, em um documentário da BBC intitulado Jon Venables: O que deu errado? Pouco antes de sua libertação de 2001 e, quando com 17 anos, Venables também foi acusado de ter tido relações sexuais com uma mulher que trabalhava na unidade de Segurança de Red Bank onde ele foi detido. A funcionária foi acusada de má conduta sexual e suspensa, e ela nunca mais voltou a trabalhar em Red Bank. Um porta-voz da St Helens Borough Council negou que o incidente tinha sido acobertado, dizendo: "Todas as alegações foram completamente investigadas por uma equipe independente sob as ordens do Ministério do Interior e presidido por Arthur de Frischling, um chefe de prisão aposentado ". 

Venables começou a viver de forma independente em março de 2002. Algum tempo depois, ele começou um relacionamento com uma mulher que tinha uma criança de cinco anos de idade. Não se sabe se Venables já tinha começado a fazer download de pornografia infantil na época do namoro. Em 2005, quando Venables estava com seus 20 e poucos anos, seu oficial de condicional conheceu outra namorada dele, que estava com 17 anos. Depois de uma série de "namoradas jovens" foi presumido que Venables estava tendo uma adolescência tardia. 

Após um período de supervisão aparentemente reduzido, Venables começou a beber excessivamente, usar drogas, fazer download de pornografia infantil, bem como visitar Merseyside (uma violação de uma condição fundamental de sua licença). Em 2008, um oficial de condicional novo notou que ele passou "uma grande quantidade de tempo de lazer" jogando e assistindo vídeos na Internet. Em Setembro daquele ano, Venables foi preso por suspeita de tumulto depois de uma briga fora de uma boate, ele alegou que ele estava agindo em defesa própria e as acusações foram retiradas mais tarde depois que ele concordou em ir em um curso sobre dependência álcoolica. Três meses depois, ele foi encontrado em posse de cocaína, ele foi submetido a um toque de recolher. 

Em duas ocasiões distintas, Venables revelou a um amigo a sua verdadeira identidade.


Uma Nova identidade para Venables 

Em 4 de maio de 2011, foi relatado que Venables mais uma vez teria uma nova identidade, seguindo o que foi descrito como uma "falha de segurança grave" que revelou a identidade que ele estava usando antes de sua prisão em 2010. Detalhes da violação não puderam ser relatadas por razões legais. Um porta-voz do Ministério da Justiça comentou: "Essa nova mudança de identidade é extremamente rara e concedida apenas quando a polícia avalia que não há evidência clara e credível de forma sustentada de ameaça à vida do ofensor sobre sua libertação para a comunidade". O incidente ocorreu depois que um homem de Exeter postou fotos em um site dedicado à pedófilos, que supostamente mostram Venables como adulto revelando o seu nome. O Ministério da Justiça se recusou a confirmar ou negar se a informação era precisa. A mãe de Bulger, Denise Fergus criticou a decisão de dar a Venables uma nova identidade, e comentou: "É hora de repensarmos sobre a maneira que lidamos com este caso, ou ele vai continuar nos assombrando".


Venables "preso indefinidamente"
Em novembro de 2011, foi relatada a decisão de que Venables iria ficar na prisão durante um bom tempo no futuro próximo, pois ele seria suscetível a revelar sua verdadeira identidade, se liberado. Um porta-voz do Ministério da Justiça não quis comentar sobre os relatórios. 


Representações do caso na mídia 

Em junho de 2007, um jogo de computador baseado na série de TV Law & Order, intitulado Law & Order: Double or Nothing (feito em 2003), foi retirado das lojas após relatos no Reino Unido de que ele continha uma imagem de Bulger. A imagem em questão é o quadro de CCTV, onde mostra Bulger sendo levado pelos seus assassinos, Thompson e Venables. A cena do jogo envolve um detetive gerado pelo computador apontando a imagem, que é utilizada para representar um rapto de criança ficcional onde o jogador deverá, então investigar. A família de Bulger queixou-se, juntamente com muitos outros, e o jogo foi posteriormente retirado pelo seu distribuidor no Reino Unido, o GSP. A criadora do jogo, Legacy Interactive (uma empresa americana), divulgou um comunicado no qual pediu desculpas pela inclusão da imagem no jogo; de acordo com o comunicado, o uso da imagem foi "acidental" e aconteceu "sem qualquer conhecimento do crime, que ocorreu no Reino Unido e foi minimamente divulgado nos Estados Unidos". 

Em 2008, Niklas Rådström dramaturgo sueco usou as transcrições das entrevistas de interrogatórios com os assassinos e suas famílias para recriar a história. Sua peça, Monstros, foi lançada e recebeu críticas mistas no Teatro Arcola em Londres, em maio de 2009. 

Em agosto de 2009, uma rede de Tv da Austrália usou imagens reais do seqüestro para promover sua polícia e mostrar os Homicídios da cidade. O uso do filme foi criticado pela mãe de Bulger e a rede de tv se desculpou. 

Atualmente nenhuma nova polêmica surgiu em torno do caso, caso esse que ainda mobiliza a opinião pública levando a publicação de inúmeros livros em torno do caso; e motivando a Mãe de Bulger a criar uma página na internet/ong em homenagem ao filho: http://forjames.org/
Para acessar alguns jornais da época: 

3 comentários:

  1. Obrigada por disponibilizar esse e vários outros casos. Seu blog é ótimo. Continue assim.

    ResponderExcluir
  2. Esse caso é realmente obscurecido pelo governo. Obrigado pela informação.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelos elogios, vocês é que me motivam a continuar!

    ResponderExcluir