Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

domingo, 17 de julho de 2016

1974 - O Ano em que nós começamos a entender os Serial Killers


Não há nenhum outro assunto que provoque reações tão adversas nos meus leitores como quando escrevo sobre Serial Killers. A resposta para a pergunta - “Porque nós somos tão fascinados por esses assassinos em série?” - vai depender da pessoa para quem você pergunta.

Dr. Scott Bonn (1), um professor de Criminologia da Universidade de Drew University diz, “Para os adultos, Serial Killers se assemelham àquilo que os monstros são para as crianças. É excitante – é estimulante ler e aprender sobre as suas “façanhas”, por mais que provoque medo.

Dr. Casey Jordan (2), uma criminóloga, analista comportamental e advogada, diz que nós somos cativados por histórias sobre Serial Killers porque “Nós gostaríamos de saber até que ponto eles são como nós.”

Gostaria de dar um passo adiante, e dizer que somos atraídos pelos detalhes sobre assassinos em série, porque nós queremos saber se um dia poderíamos chegar a um ponto de fazer o que eles fazem.

Eu leio muito sobre o tema há anos, e li ainda mais durante as minhas pesquisas para um especial sobre esse tema no meu blog; e descobri um conjunto intrigante de fatos que remontam há quatro décadas. Podemos dizer que são 40 anos de Medo.
Nos anos 70, os Estados Unidos experimentou um aumento assustador no número de Serial Killers ativos. Nessa década, de acordo com o Centro de Informações de Serial Killers( 3) da Universidade de Radford, havia 450 Serial Killers atuando individualmente. Ao longo da década anterior, esse número foi de 156 ativos.

O que causou essa disparada? Existiam muito mais predadores cruéis e dementes ao redor do país? Ou a aplicação da lei se tornou mais rigorosa e evoluiu na capacidade de identificar aqueles que matam diversas vezes?

Dois anos antes, o FBI permitiu que um agente especial visionário chamado Howard Teten (4) estabelecesse o que acabaria por se tornar a Unidade de Ciências Comportamentais. Teten concebeu uma abordagem analítica inovadora, agora conhecida como perfil psicológico criminal para tentar identificar os assassinos desconhecidos.

Seus agentes se dedicaram a estudar áreas pelo país com elevados números de assassinatos, e meticulosamente ligavam as similaridades encontradas entre os casos. Eles analisavam o estilo de vida, os atributos físicos e a localização de moradia das vítimas; o modo como os assassinos cometiam os assassinatos e como exatamente eles descartavam suas vítimas. 

Padrões surgiram. Descobriu-se que havia regiões do país nas quais mulheres com determinados biotipos eram constantemente dadas como desaparecidas. Alguns hospitais experienciavam um extraordinário número de mortes, até o momento, inexplicáveis. Corpos foram encontrados com padrões de feridas semelhantes e únicos. As vítimas haviam sido deixadas em posições provocantes, todas de maneiras semelhantes. Todas essas semelhanças foram reunidas como peças de um grande quebra-cabeças perturbador. Agentes começaram a conhecer o "como" e "onde" desses assassinatos múltiplos, mas não o "quem". Ainda não.

Apesar da data exata ser desconhecida, foi nessa época que a equipe do FBI começou a usar o termo “serial killer”, termo oposto àquele que eles usavam antigamente - “assassino sem motivação”.

Minha pesquisa também levou a uma revelação surpreendente: 1974 foi o ano em que alguns dos mais notórios e prolíficos assassinos iniciaram seu reino de sangue e terror.

Ted Bundy cometeu seu primeiro assassinato em Janeiro de 1974.

Dennis Rader (BTK-Bind-Torture-Kill) cometeu seu primeiro assassinato em Janeiro de 1974.

John Wayne Gacy matou a segunda das suas 34 vítimas em Janeiro de 1974.

Coral Eugene Watts assassinou a primeira das suas 90 vítimas em 1974.

Paul John Knowles foi um spree killer (5), matando 18 pessoas em 1974.


O que houve em 1974?

O agente especial aposentado do FBI Jim Clemente (6), trabalhou na Unidade de Análise Comportamental FBI (BAU) durante os seus 22 anos de carreira. Ele disse: “Na época da BAU, eu não tinha ideia do quão devastador seria o ano de 1974. Alguns dos mais brilhantes e prolíficos serial killers iniciariam suas destrutivas carreiras nesse momento; e hoje eu sei que esse início seria de décadas antes que todos eles pudessem ser levados à justiça”. 

Enquanto os agentes do FBI estavam montando as múltiplas peças desse quebra cabeça, o evasivo Bundy mataria mais de 36 pessoas ao longo dos próximos quatro anos. Dennis Rader matou até 1991. Gacy não seria pego até o final de 1978. Watts continuou a sua “farra de sangue” por mais de oito anos. Felizmente, Knowles estava em um caminho rápido de destruição. Sua compulsão assassina terminou após cinco meses, quando um policial atirou nele até a sua morte.

Certamente, sempre chegavam novas notícias sobre alguns desses assassinatos, e sobre pessoas desaparecidas que acabavam se tornando vítimas desse frenesi de assassinatos em série. Mas em 1974 a atenção da nação estava dispersa; a Guerra do Vietnã ainda estava acontecendo. 

Uma frenética corrida por armas nucleares em todo o mundo estava em andamento, após o Caso Watergate. Mesmo depois que a filha de multimilionário Randolph Hearst foi sequestrada, a maioria dos americanos não notou que a taxa de criminalidade do país estava em ascensão.

Mas o FBI sabia dos índices de assassinatos, e os agentes mantinham a informação em segredo, pois estavam preocupados em causar pânico na população. Também em 1974, os agentes estavam cientes de um maníaco homicida que estava atuando em São Francisco. Esse maníaco escrevia cartas criptografadas e com insultos para a polícia sob o apelido de “Zodíaco”. Além do Zodíaco, havia mais alguém raptando militares de licença no sul da Califórnia e despejando seus corpos desmembrados ao longo das principais rodovias da cidade.

O que restou ao olhar para trás na história é que, desde esse o pico de assassinatos em série nos anos 70 e 80 - (havia 603 serial killers identificados nos anos 80); os números têm diminuído a cada década desde então. Na década de 90, havia 498 assassinos em série, nos anos 2000 havia 275. Até agora, nesta década, existem apenas 67 assassinos em série ativos registrados sem um traço de dúvida no Site da Universidade de Radford (7). Esse resultado atual é um testemunho da perseverança do FBI, e de todos os policiais que estudaram e implantaram o revolucionário Protocolo de Perfis Criminais criado pelo Agente Especial Teten.

“Serial killers” pode ser um assunto que ainda desperta o fascínio de muitos de nós, porém esperamos com convicção de o número de serial killers atuantes possa diminuir cada dia mais.



Referências





(5) Spree killer é alguém que comete um ato assassino contra duas ou mais vítimas num curto período de tempo e em locais diferentes. O U.S. Bureau of Justice Statistics, órgão do departamento de Justiça dos Estados Unidos responsável por estatísticas criminais, define o ato de um spree killer como "assassinatos em dois ou mais locais com quase nenhuma pausa entre os crimes". ¹ De acordo como o FBI, a definição se aplica a dois ou mais assassinatos cometidos por um criminoso ou criminosos, com um período significativo entre as mortes; este período significativo de tempo marca a diferença entre um spree killer e um serial killer(assassino em série). ²

Esta categorização no entanto, nunca teve real valor para forças da lei devido a problemas relacionados ao conceito de "período significativo de tempo".² Outra distinção que os separados assassinos em série é que os assassinatos cometidos por estes são eventos claramente distintos, ocorridos em épocas diferentes, enquanto o ataque dos spree killers são definidos por um rápido incidente que provoca a morte de várias pessoas ao mesmo tempo.²

Spree killers são geralmente definidos como assassinos em massa No entanto, as duas categorias se diferem por serem manifestações distintas de um mesmo fenômeno psicológico².

¹ "No evidence of spree killer yet, police say" The Anderson Independent-Mail Charalambous, Nick, & Meryl Dillman (Anderson, South Carolina)

² Serial Murder — Multi-Disciplinary Perspectives for Investigators" - Morton, Robert J., & Mark A. Hilts (eds.) National Center for the Analysis of Violent Crime,Federal Bureau of Investigation




Autor: Tamara Arianne Gallo da Silva
Reações:

1 comentários:

Postar um comentário