Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

segunda-feira, 14 de maio de 2018

No fundo os criminosos desejam ser pegos?


Resultado de imagem para criminosos desejam ser pegos

De tempos em tempos, ouvimos falar sobre criminosos que cometem seus crimes de maneira tão despreocupada que até parece que eles querem ser pegos. Diversos casos aparecem na mídia sobre criminosos “idiotas”; como o caso de um homem que ligou para uma loja de conveniência para saber quanto dinheiro estava no caixa antes de roubar a loja. A ligação serviu como alerta, e quando o homem chegou na loja a polícia já estava no local para prendê-lo.

Quem nunca se deparou com ladrões postando fotos nas redes sociais se gabando de suas façanhas apenas para serem apreendidos pela polícia?

Estudantes de comportamento humano têm especulado que geralmente as pessoas são extremamente descuidadas enquanto cometem crimes porque em algum nível elas realmente querem ser pegas. Tal pensamento parece derivar de escritos de Sigmund Freud, que escreveu sobre um desejo inconsciente de ser pego e punido. Em um artigo de 1915 intitulado “Alguns tipos de caráter encontrados no trabalho psicanalítico”, Freud abordou “a criminalidade a partir de um sentimento de culpa”. Sua tese era de que todos nós carregamos o peso da culpa edipiana inconsciente. Freud afirmou em "O Ego e o Id" que "um aumento nesse sentimento inconsciente de culpa pode transformar pessoas em criminosos". Freud afirmou que o sentimento de culpa "existia antes do crime" e constituía o "motivo" para o crime.

Por décadas, os defensores da psicanálise se apegaram à teoria de Freud. Em seu livro de 1960, The Roots of Crime, Edward Glover referenciou esse conceito como “a chave para todos os problemas de delinquência”. Em suma, os adeptos da psicanálise argumentaram que a necessidade de ser punido por culpa edípica não resolvida é um fator causal criticamente importante na explicação do comportamento criminoso. A prática clínica de Freud não era com criminosos. No entanto, muitos de seus seguidores fizeram observações sobre pacientes neuróticos e as aplicaram a criminosos, uma população muito diferente.

Psiquiatras e psicólogos que conduzem avaliações psicológicas em criminosos, geralmente alegam não encontrar indícios de que esses criminosos desejam ser pegos. Na verdade, uma compreensão detalhada dos padrões de pensamento subjacentes ao comportamento criminoso leva a uma conclusão completamente diferente. Em sua maioria, os criminosos planejam cada movimento enquanto premeditam os crimes. Eles calculam o que vai acontecer desde cometimento do crime até o momento da fuga; eles conhecem os riscos ocupacionais do crime - serem pegos, condenados, confinados, feridos ou mortos (no caso de um crime de alto risco).

No momento em que um criminoso está preparado para cometer o crime, ele está certo de que terá sucesso e eliminou esses impedimentos. Existe um “superotimismo” em que ele considera o crime como um fato consumado. Sua experiência suporta essa certeza, e ele sabe que a probabilidade de ser preso é baixa. Anteriormente, ele escapou de crimes sem que ninguém suspeitasse dele como perpetrador. Consciente da possibilidade de que possa escorregar, ele está certo de que isso não acontecerá "desta vez".

Um criminoso observou em uma conversa comigo que o super otimismo "mata criminosos mais do que qualquer outra coisa". Como o criminoso acumula cada vez mais e mais crimes, ele se torna encorajado e desenvolve um senso de invulnerabilidade. Então ele pode ter mais chances. Em alguns casos, o uso de substâncias que alteram a mente contribui para a imprudência. "Drogas acabam com a minha cautela", um desses criminosos me disse. Alguns criminosos que se safam de crimes complicados abaixam a guarda enquanto cometem um outro crime relativamente pequeno.

Do ponto de vista de um criminoso "responsável", um criminoso descuidado pode parecer “louco” ou “estúpido”. Mas o superotimismo do criminoso é garantido por sua habilidade extraordinária de cortar impedimentos, pelo número de seus sucessos passados ​​e pelo cuidado com o qual ele inventa esquemas atuais. Depois do fato, os criminosos podem reconhecer que fizeram algo estúpido ou louco, mas se ofendem com a menor sugestão de que são loucos ou estúpidos.

Em suma, os criminosos não querem ser pegos. Nem se sentem culpados pelo que fizeram. Seus arrependimentos são sobre serem pegos, não sobre o dano que infligem aos outros. Eles também não cometem crimes com um desejo (inconsciente ou não) de obter ajuda. Na maioria das circunstâncias, a única “ajuda” que eles procuram é sair de um buraco que eles criaram para si mesmos.

Por Tamara Arianne.


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário