Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Serial Killers Parte I - Introdução/Histórico



"Eu fiz tudo isso por mim. Puramente egoísta.
 Adorei a arte e ato da morte repetidamente. Simples assim. 
Depois foi tudo confusão sexual, simbolismo, 
exaltação do “caído”. Eu estava exaltando a mim mesmo. Odiei a 
decadência e a dissecação. Não houve prazer sádico em matar. 
Eu os assassinei como eu mesmo gostaria de ser morto, aproveitando a 
extremidade do próprio ato da morte. Se eu fizesse isso comigo, 
experimentaria apenas uma vez. 
Se eu fizesse isso com outros, provaria do ato da morte diversas vezes. "   
  - Dennis Andrew Nilsen


INTRODUÇÃO

O presente tema foi escolhido por se tratar de matéria polêmica, intrigante e atual, sendo importantíssimo seu estudo uma vez que os crimes praticados por serial killers estão crescendo e são cada vez mais misteriosos, confusos, incompreensíveis e violentos, assustando toda a sociedade. 

O que levaria um ser humano a cometer assassinatos em série? Praticar atos tão terríveis? Serem tão agressivos? Há um motivo justificado para esse desvio de caráter? São questões levantadas pela sociedade que, cada vez mais, está aterrorizada com tanta insensibilidade humana. 

Os serial killers demonstram sempre uma vontade de correr riscos, sem medo de ameaças e muito menos de serem pegos e punidos. Sempre estão em busca de novas experiências e sensações. Eles desenvolvem uma personalidade para o contato, para parecerem pessoas normais e misturar-se a outros seres humanos, pois se não fosse assim não poderiam viver na sociedade sem serem presos rapidamente

Nos Estados Unidos, os policias estão bem equipados em relação a essa área. No Brasil, ainda não há um estudo aprofundado sobre o assunto. Vários casos que só tiveram vítimas como fato concreto, sendo a maioria deles arquivados pela falta de preparo das autoridades que, muitas vezes, deixaram de relacionar um crime ao outro, não acreditando na capacidade intelectual desses assassinos.

Um estudo recente do FBI diz que houve cerca de 400 serial killers nos Estados Unidos nos últimos cem anos, com aproximadamente 2.526 a 3.860 vítimas, porém não há como saber quantos estão ativos neste momento. A intenção do trabalho é de entender ou pelo menos clarear a ideia de quem seja um serial killer, o que leva um indivíduo a praticar atos tão perversos e horrendos, e, a partir dessas análises, frisar a importância de chegar a um perfil criminal, que, junto com o trabalho tradicional da polícia, é importantíssimo para a investigação.


                                                           HISTÓRICO 

Diversos estudiosos reconhecem como sendo o primeiro serial killer da história Jack, o Estripador, que aterrorizou Londres no século XIX, porém erram cerca de dois milênios. 

Efetivamente, o primeiro caso registrado como assassinato em série foi em Roma, durante o primeiro século d.C., sendo Locusta, a Envenenadora, a primeira serial killer documentada. Aproximadamente quatrocentos anos depois, no Iêmen, Zu Shenatir seduzia garotos para a sua casa em troca de dinheiro e comida, sujeitava-os à sodomia; depois, atirava-os da janela. 

Há também, na história, o conhecimento de realizações de cultos de assassinos, como na Pérsia, no século XI, com aproximadamente doze mil membros assassinados. No início do século XIII, havia uma seita, na índia, denominada como thag – em hindu “impostor” – sendo seus membros denominados thugs também conhecidos como phansigars, em hindu “laço”, isso porque eles preferiam estrangular as vítimas com um lenço usado na cintura por todos os membros da seita. Faziam parte de seus rituais homicídios ocasionais, elementos masoquistas, segundo os quais os devotos eram vítimas de flagelação e mutilação por seus 
sacerdotes, ou eram suspensos no alto com ganchos em sua carne. Durante seis séculos de caça, os thugs devem ter assassinato milhões de vítimas. 

Na Europa, os serial killers surgiam principalmente na classe dos nobres e camponeses. Gilles De Rais, confidente de Joana D’Arc, em 1440, foi executado por matar mais de cem crianças em rituais de magia e sexo. Margaret Davey, cozinheira inglesa, em 1542, foi fervida viva por envenenar, sem motivo, vários empregados. 

Entre os anos de 1573 e 1590, pelo menos cinco canibais foram acusados como “lobisomens”, na França e Alemanha. 

Em 1611, Erzsebet Bathory, condessa húngara, foi condenada por prática de tortura, tendo como vítimas mulheres jovens, que eram torturadas até a morte para o divertimento da condessa. Marie de Brinvilliers, executada em 1676 por envenenar inválidos, amigos e parentes. Na França, quatro anos depois, houve o caso da “chambre ardente”, que envolviam uma feiticeira, a amante do rei e um velho padre, que mataram diversas crianças em rituais. 

Os assassinatos em série continuaram na Europa até o século XIX, com a alemã Gessina Gottfried, condenada à decapitação pelo envenenamento de vinte pessoas. Swiatek, um pedinte austríaco, em 1850, alimentou sua família com cerca de seis crianças assassinadas. Joseph Philips matou prostitutas francesas na década de 1860, e vinte anos depois, foi à vez de Jack, o Estripador. Amélia Dyer, dona de uma creche inglesa, em 1896, foi condenada pela morte de cerca de quinze crianças; no ano seguinte, o Joseph Vacher, um necrófilo francês que foi executado por matar quatorze pessoas por três anos. 

Os irmãos Harpe, nos Estados Unidos na década de 1790, estriparam várias vítimas, depois colocavam pedras dentro dos corpos e jogavam nos lagos e rios. 

Dentre os anos de 1875-1876, em Boston, houve dois casos de assassinato em série que marcaram, como Thomas Piper, sacristão da igreja, que matou três mulheres e o caso de Jessé, uma adolescente que foi condenada à prisão perpétua por torturar e assassinar crianças. 

Em 1880, Jane Toppan, uma enfermeira da Nova Inglaterra, deu início ao envenenamento de vários pacientes. Já no século XX, a mídia teve como principais manchetes assassinatos 
cometidos por serial killers. Leonard Nelson, na década de 1920, estuprou e assassinou locatárias. Na década de 1930, o auge foi o Carniceiro Louco de Cleveland, que dissecou dezesseis pessoas com tanta engenhosidade que dez cabeças nunca foram achadas. 

Melvin Rees, conhecido como a “Besta do Sexo”, aterrorizou a nação em 1960, com a prática de terríveis homicídios. 
O percentual de assassinos e vítimas vem aumentando drasticamente. 
A polícia americana registrou, entre os anos de 1900 e 1959, uma média de dois assassinatos em série por ano no país. Já em 1969, registraram-se pelo menos seis casos por ano. Esse número triplicou na década de 70. 

Entre 1985 a 1990, a taxa de assassinatos cometidos por serial killers manteve-se estável, numa média de três ao mês. 
De fato, nota-se que assassinatos em série não são novidade. O estudo a respeito que é novo, porém esse tipo de crime é muito antigo, sendo Locusta a primeira serial killer documentada, que viveu no primeiro século d.C. 
O grande desafio das autoridades é o de aprofundar-se no assunto, a fim de que possam lidar adequadamente com esses crimes e criminosos que são cada vez mais freqüentes


Fontes: 
RIGONATTI, Sérgio Paulo. Temas em psiquiatria forense e psicologia jurídica. 1. 
ed. São Paulo: Vetor, 2003. 


PALOMBA, Guido Arturo. Tratado de psiquiatria forense civil e penal. São Paulo: 

Atheneu, 2003. 

POLES, Cristina; BOCCIA, Sandra. Paciência, determinação e raiva para matar. 
Disponível em

NEWTON, Michael. A enciclopédia de serial killers. São Paulo: Madras, 2005. 
















Reações:

0 comentários:

Postar um comentário