Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

VOCÊ PODE CHAMAR UMA CRIANÇA DE 9 ANOS DE IDADE DE PSICOPATA?

Obs: Artigo publicado originalmente no jornal New York Times, traduzido para este blog na íntegra.

Michael de 9 anos de idade, que apresenta períodos de raiva alternados com momentos de distanciamento e frieza, com a sua mãe, Anne.

No verão passado, Anne e seu marido Miguel, levaram seu filho de 9 anos de idade, Michael, para uma escola primária da Flórida para o primeiro dia daquilo que a família escolheu para chamar de "acampamento de verão". Durante anos, Anne e Miguel têm se esforçado para compreender o seu filho mais velho, um rapaz bonito, de bochechas rosadas, olhos arregalados e encaracolados cabelos castanhos claro, cujo humor alterna com momentos de frieza e distanciamento. O programa de oito semanas para o qual Michael foi levado, é na realidade, resultado um estudo psicológico altamente estruturado - um acampamento de verão como um último recurso.


No verão passado, Anne e seu marido Miguel, levaram seu filho de 9 anos de idade, Michael, para uma escola primária da Flórida para o primeiro dia daquilo que a família escolheu para chamar de "acampamento de verão". Durante anos, Anne e Miguel têm se esforçado para compreender o seu filho mais velho, um rapaz bonito, de bochechas rosadas, olhos arregalados e encaracolados cabelos castanhos claro, cujo humor alterna com momentos de frieza e distanciamento. O programa de oito semanas para o qual Michael foi levado, é na realidade, resultado um estudo psicológico altamente estruturado  - um acampamento de verão como um  último recurso.



Os problemas de Michael começaram de acordo com sua mãe, por volta dos 3 anos de idade, pouco depois que seu irmão Allan nasceu. Na época, ela disse que Michael na maior parte do tempo apenas agia "como um moleque", mas seu comportamento logo evoluiu para birras durante a qual ele gritava de maneira incansável. Estes não foram ataques infantis comuns. Não era apenas 'Eu estou cansado" ou "estou frustrado" -  porque as crianças normais fazem essas coisas ", Anne lembrou. Seu comportamento era realmente atípico. E isso acontecia por horas e horas todos os dias, não importa o que nós fizéssemos. "Há alguns anos, Michael gritava cada vez que seus pais lhe diziam para colocar seus sapatos ou executar outras tarefas comuns, como levar um de seus brinquedos para o quarto. "Ir a algum lugar, ficar em algum lugar - qualquer coisa seria deixá-lo fora de si", disse Miguel. Esses ataques de fúrias duraram muito além da primeira infância. Aos 8 anos, Michael ainda tinha ataques de fúria quando Anne ou Miguel tentavam levá-lo para a escola, perfurando a parede e chutando a porta. Deixado sem vigilância, ele iria cortar as calças com uma tesoura ou metodicamente arrancar seu cabelo. Ele também descarregava a sua raiva batendo cadeira no chão até ela quebrar.

Quando Anne e Miguel levaram Michael para ver um terapeuta pela primeira vez, ele recebeu um diagnóstico de "síndrome do primogênito": agia fora, porque ele se ofendeu com sua nova irmã. Embora os pais reconhecessem que Michael era profundamente hostil ao novo bebê, a rivalidade entre irmãos não parece suficiente para explicar o seu constante comportamento extremo.



Até o momento em que ele fez 5 anos, Michael desenvolveu uma incrível capacidade de mudar a sua raiva explosiva para momentos de pura racionalidade ou charme calculado - um mecanismo que Anne descreve como profundamente inquietante. "Você nunca sabe quando você vai ver uma emoção boa", disse ela. Ela lembrou do momento em que na lição de casa, Michael gritou e chorou quando ela tentou argumentar com ele. "Eu disse: 'Michael, lembre-se do que fizemos ontem, portanto podemos evitar todo esse drama hoje! "Ele parou, no meio da gritaria, virou-se para mim e disse com uma voz alta e adulta, 'Bem, você não achou que passaria por isso claramente, achou?'
Anne e Miguel vivem em uma pequena cidade costeira ao sul de Miami, o tipo de lugar onde as crianças andam de bicicleta em acentos bem conservado . (Para proteger a privacidade dos sujeitos, apenas o primeiro nome ou o nome do meio serão utilizados.) Na manhã em que eu os conheci estava nublada e quente. Sentado em um sofá na sala de estar da família, Anne bebeu uma Coca-Cola, enquanto seus dois filhos mais novos – Allan de 6 anos, e Jake de 2 anos - jogavam no tapete. Até agora, segundo ela, nenhum dos meninos mais novos apresentaram problemas como Michael.

"Temos estantes cheias desses livros -" The Defiant Criança - A Criança Explosiva ", ela me disse. "Todos estes livros, com estratégias diferentes, e nós os analisamos, e às vezes eles parecem funcionar por alguns dias, mas depois ele vai sai dos trilhos e volta a ser como era." Professora em uma escola com licenciatura em psicologia infantil, Anne admitiu sua frustração, apesar de sua formação. "Nós nos sentimos como se estivéssemos sem controle ", disse ela. "Somos nós? É ele? Ambos? Todos esses médicos e toda essa tecnologia, mas ninguém foi capaz de nos dizer: 'Este é o problema, e é isso que você precisa fazer. "

Um desenho feito por Michael ano passado

Aos 37 anos, Anne é volúvel e franca. Ela recentemente começou a gerenciar um caminhão de alimentos, e no dia em que nos encontramos, ela estava na Flórida para um negócio mufti: um fone de ouvido Bluetooth e iPhone, shorts jeans e uma regata verde fluorescente estampada com o nome de seu negócio. Miguel é mais reservado. Um ex-piloto comercial, que agora trabalha como agente imobiliário; muitas vezes ele agiu como mediador da família, negociando momentos tensos com a calma de um homem que caiu de um avião em meio a tempestade. 



"No início, eu pensei que era nós", disse Miguel, com seus dois filhos mais novos jogando em voz alta com um carrinho de brinquedo. "Mas Michael desafia a lógica. Você faz as coisas de acordo com o livro, e ele ainda está fora do limite. Nós ficamos tão cansados de lutar com ele em público que realmente acabamos com a nossa vida social." 

Ao longo dos últimos seis anos, os pais de Michael o levaram a oito terapeutas diferentes e receberam um número crescente de diagnósticos. "Nós tivemos muitas pessoas nos dizendo tantas coisas diferentes", disse Anne. "Ah, é A.D.D. - Oh, não é. É depressão - ou não é. Você poderia abrir o DSM e apontam para uma coisa aleatória, e as chances são de que ele tenha todos os elementos. Ele tem características de O.C.D. Ele tem características de desordem de integração sensorial. Ninguém sabe qual é a característica predominante a ser tratada, que é a parte frustrante". 

Então, na primavera passada, o psicólogo de Michael indicou aos seus pais Dan Waschbusch, um pesquisador da Universidade Internacional da Flórida. Após uma bateria de avaliações, Anne e Miguel foram apresentados a outro diagnóstico possível: seu filho Michael pode ser um psicopata. 

Nos últimos 10 anos, Waschbusch vem estudando crianças “insensíveis - sem emoção” - aquelas que apresentam uma distintiva falta de remorso, afeto, ou empatia - e que são consideradas em risco de se tornarem psicopatas quando adultos. Para avaliar Michael, Waschbusch usou uma combinação de exames psicológicos e de professores- e classificação de escalas da família, incluindo o Inventário de Traços de Insensibilidade- Falta de emoção, a Escala de psicopatia Infantil e uma versão modificada do Dispositivo de processos de seleção Antissocial - todas as ferramentas para medir a frieza, a conduta predatória mais associada com a psicopatia adulta. (Os termos "sociopata" e "psicopata" são essencialmente idênticas.) Um assistente de pesquisa entrevistou os pais de Michael e os professores sobre o seu comportamento em casa e na escola. Quando todos os exames e relatórios foram tabulados, Michael tinha quase dois desvios-padrão fora da faixa normal para comportamento insensível - sem emoção, o que o colocou no espectro grave. 

Atualmente, não existe um teste padrão para psicopatia em crianças, mas um número crescente de psicólogos acreditam que a psicopatia, assim como o autismo, é uma condição neurológica distinta - que pode ser identificada em crianças tão novas quanto 5 anos. Crucial para este diagnóstico são os traços insensível – sem emoção, no qual a maioria dos pesquisadores agora acreditam distinguir "psicopatas incipientes" de crianças com transtorno de conduta comum, que também são impulsivos e difíceis de controlar e apresentam um comportamento hostil ou violento. Segundo alguns estudos, cerca de um terço das crianças com graves problemas de comportamento - como a desobediência agressiva exibida por Michael - também estão acima do normal em traços insensível –sem emoção. (Narcisismo e impulsividade, que fazem parte dos critérios de diagnóstico adultos, são de difícil aplicação para as crianças, que são narcisistas e impulsivos por natureza). 

Em algumas crianças, os traços se manifestam de maneiras óbvias. Paul Frick, um psicólogo da Universidade de Nova Orleans, que estudou os fatores de risco para a psicopatia em crianças em duas décadas, descreveu um menino que usou uma faca para cortar o rabo do gato da família pouco a pouco, ao longo de um período de semanas. O menino estava orgulhoso das amputações em série, que seus pais inicialmente não perceberam. "Quando nós conversamos sobre isso, ele foi muito honesto", lembra Frick. "Ele disse: 'Eu quero ser um cientista, e eu estava experimentando. Eu queria ver como o gato iria reagir." 

Em outro caso famoso, um menino de 9 anos de idade, chamado Jeffrey Bailey empurrou uma criança para o fundo de uma piscina de um motel, na Flórida. Enquanto o menino lutava e afundava, Bailey puxou uma cadeira para assistir. Questionado pela polícia depois, Bailey explicou que ele estava curioso para ver alguém se afogar. Quando ele foi levado em custódia, ele pareceu tranqüilo com a possibilidade de prisão, mas teve a satisfação de ser o centro das atenções.


Em muitas crianças, no entanto, os sinais são mais sutis. Os traços Insensível - sem emoção em crianças tendem a ser altamente manipuladas, nota Frick. Eles fazem isso com frequência - não apenas para evitarem a punição, como todas as crianças, mas por qualquer motivo, ou nenhum. "Na maioria das crianças, se você pegá-los roubando um biscoito de um pote antes do jantar, eles vão olhar com culpa", diz Frick. "Eles querem o biscoito, mas eles também se sentem mal. Mesmo as crianças com TDAH grave: eles podem ter um controle fraco dos impulso, mas eles ainda se sentem mal quando percebem que sua mãe está brava com eles". Crianças com traços insensível – sem emoção não se arrependem.. "Elas não se importam se alguém está bravo com elas", diz Frick. "Elas não se importam em ferir os sentimentos de alguém." Como os adultos psicopatas, eles podem parecer ter falta de humanidade. "Se eles podem conseguir o que querem sem serem cruéis, se torna muito mais fácil", observa Frick. "Mas no final do dia, eles vão fazer o que funciona melhor." 


A idéia de que uma criança poderia ter tendências psicopatas permanece controversa entre os psicólogos. Laurence Steinberg, um psicólogo na Universidade de Temple, argumentou que a psicopatia, como os outros transtornos de personalidade, é quase impossível de diagnosticar com precisão em crianças, ou mesmo em adolescentes - tanto porque seus cérebros ainda estão em desenvolvimento, como porque o comportamento normal nessas idades pode ser mal interpretado como psicopatia. Outros temem que, mesmo que tal diagnóstico possa ser feito com precisão, o custo social de marcar uma criança como um psicopata é simplesmente muito alto. (O transtorno tem sido historicamente considerado intratável.) John Edens, um psicólogo clínico na Texas A & M University, alertou contra gastar dinheiro em pesquisas para identificar crianças com risco de psicopatia. "Isto não é como o autismo, onde a criança e os pais vão encontrar apoio", Edens observa. "Mesmo se preciso, é um diagnóstico destruidor. Ninguém é simpático com a mãe de um psicopata." 

Mark Dadds, um psicólogo da Universidade de Nova Gales do Sul que estuda o comportamento antissocial em crianças, reconhece que "ninguém está confortável em rotular crianças com 5 anos de idade como psicopatas." Mas, diz ele, ignorar essas características pode ser pior. "A pesquisa mostra que esse temperamento existe e pode ser identificado em crianças pequenas com bastante força." Estudos recentes revelaram que parecem ser significativas as diferenças anatômicas no cérebro de crianças adolescentes que pontuaram alto na versão juvenil do Checklist para Psicopatia - uma indicação de que o traço pode ser inato. Outro estudo, que acompanhou o desenvolvimento psicológico de 3.000 crianças durante um período de 25 anos, descobriu que os sinais de psicopatia podem ser detectados em crianças a partir dos 3 anos de idade. Um número pequeno, mas crescente de psicólogos, Dadds e Waschbusch entre eles, dizem que confrontando o problema mais cedo pode significar uma oportunidade de ajudar essas crianças a mudarem de rumo. Pesquisadores esperam, por exemplo, que a capacidade para a empatia, a qual é controlada por partes específicas do cérebro, pode ainda existir fracamente em crianças insensíveis – sem emoção, e podem ser reforçadas. 

Os benefícios de um tratamento bem sucedido podem ser enormes. Estima-se que Psicopatas podem representar 1% da população, mas constituem cerca de 15% a 25% dos criminosos na prisão que são responsáveis ​​por um número desproporcional de crimes brutais e assassinatos. Uma estimativa recente do neurocientista Kent Kiehl colocou o custo nacional da psicopatia em 460 bilhões de dólares por ano - cerca de 10 vezes o custo da depressão - em parte porque os psicopatas tendem a serem presos várias vezes. (Os custos sociais dos psicopatas não violentos podem ser ainda maiores; Robert Hare, co-autor de "Snakes in Suits", descreve evidências de psicopatia entre alguns financistas e empresários. Ele suspeita que Bernie Madoff esteja nessa categoria). O potencial para a melhoria também é o que separa o diagnóstico do determinismo: uma razão para tratar crianças psicopatas, em vez da prisão delas. "Como as freiras costumavam dizer: 'Pegue-os jovens o suficiente, e eles podem mudar", Dadds observa: "Você tem que esperar que seja verdade. Caso contrário, com o que estamos presos? Esses monstros". 

Quando eu conheci o Michael ele parecia tímido, mas muito bem comportado. Enquanto seu irmão Allan correu pela casa com um saco plástico como se fosse um paraquedas, Michael entrou na sala como se flutuasse, se aninhando no sofá da sala e escondendo o rosto nas almofadas. "Você pode vir dizer Olá?" Anne perguntou a ele. Ele olhou para mim, então saltou alegremente e disse: "Claro!" correndo para abraçá-la. Reprimido por uma bola quicando na cozinha, ele revirou os olhos como qualquer criança de 9 anos de idade, e então docilmente foi para fora. Poucos minutos depois, ele estava de volta saltando na frente de Jake, que estava balançando para cima e para baixo em sua cadeira de balanço. Quando a cadeira virou, Michael ofegou teatralmente e correu para o lado de seu irmão. "Jake, você está bem?", Ele perguntou, com os olhos arregalados com preocupação. Sinceramente despenteando o cabelo do seu irmão mais novo, e então ele me deu um sorriso vencedor. 

A exibição de afeto fraternal pareceu forçado, mas era difícil vê-lo como fundamentalmente perturbado. Aos poucos, porém, o comportamento de Michael começou a se transformar. Enquanto estava em fila perto do computador da família vendo um vídeo do Pokémon, Michael se virou para mim e disse secamente: "Como você pode ver, eu realmente não gosto de Allan"; quando eu perguntei se isso era realmente verdade, ele disse: "Sim. É verdade", e então sem emoção disse: "Eu o odeio". 

Olhando para baixo um segundo depois, ele percebeu o meu gravador digital sobre a mesa. "Você gravou isso?", Perguntou. Eu disse que eu tinha gravado. Ele olhou para mim brevemente antes de voltar para o vídeo. Quando um ruído súbito do outro quarto me fez desviar o olhar, Michael aproveitou a oportunidade para pegar o gravador e pressionar o botão de apagar. (Waschbusch mais tarde observou que tal ato calculado foi incomum para uma criança de 9 anos de idade, e que normalmente pegam o gravador imediatamente ou simplesmente lamentam com mau humor.) 

Era tentador examinar Anne e Miguel , e como os sinais disfuncionais de suas dinâmicas podem ser a fonte do comportamento estranho de Michael. Mas se a família parecia alguma coisa, era muito normal. Assistindo Anne passeando com seus dois meninos mais novos, naquela tarde, eu achei que ela fosse brusca e de bom senso. Quando Allan começou a correr pela sala de estar e, em seguida bater nas almofadas do sofá, ela falou rispidamente: "Allan! Pare com isso", (Ele obedeceu.) Quando Jake e Allan começaram a brigar por um brinquedo comum, ela arbitrou a disputa com um tom de exasperação paciente familiar para a maioria dos pais. "Basta deixá-lo brincar com ele por cinco minutos, Allan, e então será a sua vez." E quanto a serem sensíveis sobre estratégias parentais - Anne favorece estrutura e regras estritas; Miguel está inclinado a ser indulgente - Miguel escutou em silêncio, e em seguida, admitiu que a sua abordagem descontraída pode ser "otimista". 

Ele certamente parecia. Conforme a noite avançava, o comportamento de Michael ficou mais violento. Em um ponto, enquanto Michael estava no térreo, Jake subiu para a cadeira do computador e, acidentalmente, parou o vídeo do Pokémon de Michael. Allan deu uma risadinha, e até mesmo Miguel sorriu carinhosamente. Mas a diversão foi breve, ouvindo Michael na escada, Miguel disse: "Uh oh!" Jake e empurrou para fora da cadeira. 

Ele não foi rápido o suficiente. Vendo a reprodução de vídeo, Michael deu um grito agudo, e então examinou o quarto para achar o culpado, seu olhar pousou em Allan. Agarrando uma cadeira de madeira, ele a ergueu com dificuldade como que para ameaçar com violência, mas parou por alguns segundos, dando uma chance para Miguel pará-lo. Aos gritos, Michael correu para o banheiro e começou a bater o assento para baixo repetidamente. Arrastado para fora e levado para a cama, ele chorou lamentavelmente. "Papai! Papai! Por que está fazendo isso comigo?", "Não, papai! Eu tenho um vínculo maior com você do que com a mamãe! "Durante a hora seguinte, Michael chorou e gritou, enquanto Miguel tentou acalmá-lo. No hall de fora de seu quarto, Miguel pediu desculpas, acrescentando que foi "uma noite anormalmente ruim." 

"O que você viu, é o Michel de verdade," ele continuou,"Ele era assim o dia todo. Chutando e batendo, batendo o assento. "Mas ele também observou que Allan provocou Michael a ponto de fazê-lo chorar. "Ele adora cutucar quando ele pode", disse Miguel. 

Do seu quarto, Michael gritou: "Ele sabe das consequências, então eu não sei por que ele faz isso. Eu vou machucá-lo". 

Miguel: "Não, você não vai". 

Michael: "Eu estou indo até você, Allan". 

Uma hora mais tarde, depois que os meninos finalmente estavam dormindo, Miguel e eu nos sentamos à mesa da cozinha. Enquanto crescia, ele disse, ele também havia sido uma criança difícil - embora não tão problemático como Michael. "Muitos pais não me queriam perto dos seus filhos, porque eles achavam que eu estava louco", ele disse, fechando os olhos para a memória. "Eu não ouvia os adultos. Eu estava sempre com problemas. Minhas notas eram horríveis. Eu andava na rua e eu os ouvia dizer, em espanhol: "Ay! Viene el loco! '-' Aí vem o louco ". 

De acordo com Miguel, este comportamento antissocial durou até a sua adolescência, altura em que, segundo ele, "cresceu." Quando perguntei o que causou a mudança, ele parecia incerto. "Você aprende a pacificar as águas turbulentas", disse ele, por fim. "Isso só acontece. Você aprende a se controlar de fora para dentro". 

Se a trajetória de Miguel parecia oferecer alguma esperança para Michael, Anne permaneceu com dúvidas. Recordando o abraço que Michael deu nela mais cedo naquela noite, ela balançou a cabeça. "Dois abraços em 10 minutos?", Disse. "Eu não recebi dois abraços em duas semanas" Ela suspeitava que Michael estava tentando me manipular e estava usando truques semelhantes para manipular seus terapeutas: enganando-os para fazê-los acreditar que ele estava fazendo progressos, comportando-se bem durante as horas em está sob tratamento. "Miguel gosta de pensar que Michael está crescendo e amadurecendo", disse ela. "Eu odeio dizer isso, mas eu acho que na verdade ele está desenvolvendo um conjunto maior de habilidades de manipulação." Ela fez uma pausa. "Ele sabe como conseguir o que ele quer." 

Uma manhã encontrei-me com Waschbusch no local onde realiza seu programa de tratamento de verão, uma pequena escola elementar localizada no canto noroeste do campus da Flórida. Antes de se tornar interessado em psicopatia, Waschbusch especializou-se em déficit de atenção e hiperatividade, e durante os últimos oito verões ajudou a realizar um programa de tratamento de verão para crianças com TDAH grave. No ano passado foi a primeira vez que ele incluiu um programa separado para crianças insensíveis e sem emoção - uma dúzia de crianças entre 8 e 11 anos. Michael era uma de suas primeiras referências. 

O estudo de Waschbusch é um dos primeiros tratamentos a olhar para crianças insensíveis e sem emoção. Psicopatas adultos são conhecidos por responderem a prêmios muito mais do que punições; Waschbusch esperava para testar se isso era verdade em crianças também. Mas o processo tinha sido um desafio. Enquanto crianças com TDAH eram perturbadas e difíceis de controlar, crianças insensíveis/sem emoção mostraram uma capacidade de gerar o caos - gritando, deitando sobre as mesas e dando voltas ao redor da sala de aula – o que Waschbusch chamou de "fora das cartas." 

"Nós tínhamos crianças que estavam tentando escalar o muro e correr para o próximo campo, algumas crianças que tiveram que ser contidas fisicamente muitas vezes ao dia", disse Waschbusch, "Isso realmente nos surpreendeu." Enquanto me levava para o corredor principal da escola, ele cautelosamente verificava cada porta de sala de aula que passou, como que a confirmar que nenhuma criança estava prestes a sair. O estudo teve uma proporção de um conselheiro para cada duas crianças. Mas as crianças, Waschbusch disse, rapidamente descobriram que era possível testar a ordem com episódios de mau comportamento em massa. Uma criança veio gritava palavras em código em momentos-chave: era o sinal para todas as crianças para fugirem ao mesmo tempo. 

"Tudo o que veio pra mim até agora é o quanto manipulativas essas crianças estão se mostrando", disse ele, balançando a cabeça em admiração. "Eles não são como os TDAH, crianças que apenas agem impulsivamente; e eles não são como aqueles com transtorno de conduta que dizem: 'Dane-se você e seu jogo! Tudo o que você me disser, eu vou fazer o oposto. "As crianças insensíveis/sem emoção são capazes de seguir as regras com muito cuidado, mas elas simplesmente as usam ao seu favor. " 

Enquanto conversávamos, Waschbusch me levou para a quadra de basquete da escola que fica ao ar livre, onde um jogo estava em andamento. Inicialmente o jogo parecia quase normal, em pé e em círculo as crianças tentavam passar a bola um para o outro, sobre a cabeça da criança do meio, enquanto que os conselheiros davam feedbacks constantes - louvando o foco e o espírito esportivo e tomando nota a cada mau comportamento. Quando a bola voou em um dos passes, um rapaz corpulento de cabelo curto deu ao seu receptor um olhar ardente. "Essa raiva - que vai além do que você vê em crianças normais", disse Waschbusch. "Essas crianças, elas se ofendem facilmente e reagem de forma desproporcional. O mesmo é verdade com relação aos rancores. Se uma das crianças marcou um gol sobre ele, ele ficaria furioso. Ele estaria irritado com o garoto por alguns dias". 

Eu tinha observado a mesma raiva intensa em Michael. Uma noite, enquanto Michael via o vídeo do Pokémon, Allan subiu para sentar-se na cadeira ao lado dele com a extremidade de um brinquedo pendendo de sua boca. Michael olhou para ele com ódio, e então calmamente voltou para o computador. Trinta segundos se passaram, e de repente Michael girou, agarrou o brinquedo com força e o arremessou para o outro lado da sala. 

Enquanto conversávamos, Waschbusch me levou para a quadra de basquete da escola que fica ao ar livre, onde um jogo estava em andamento. Inicialmente o jogo parecia quase normal, em pé e em círculo as crianças tentavam passar a bola um para o outro, sobre a cabeça da criança do meio, enquanto que os conselheiros davam feedbacks constantes - louvando o foco e o espírito esportivo e tomando nota a cada mau comportamento. Quando a bola voou em um dos passes, um rapaz corpulento de cabelo curto deu ao seu receptor um olhar ardente. "Essa raiva - que vai além do que você vê em crianças normais", disse Waschbusch. "Essas crianças, elas se ofendem facilmente e reagem de forma desproporcional. O mesmo é verdade com relação aos rancores. Se uma das crianças marcou um gol sobre ele, ele ficaria furioso. Ele estaria irritado com o garoto por alguns dias". 

Eu tinha observado a mesma raiva intensa em Michael. Uma noite, enquanto Michael via o vídeo do Pokémon, Allan subiu para sentar-se na cadeira ao lado dele com a extremidade de um brinquedo pendendo de sua boca. Michael olhou para ele com ódio, e então calmamente voltou para o computador. Trinta segundos se passaram, e de repente Michael girou, agarrou o brinquedo com força e o arremessou para o outro lado da sala.


No programa de verão no entanto, Michael parecia menos violento do que sombrio. Vestido com shorts vermelhos e um boné de beisebol azul ele jogou bem, mas parecia entediado na avaliação do grupo que veio depois. Enquanto um conselheiro computava os pontos, Michael estava deitado no chão, sacudindo um fio que havia retirado de sua camisa. 

O programa de verão estava agora em sua sétima semana, e a maioria das crianças ainda não haviam mostrado sinais de melhora. Alguns, incluindo Michael, estavam na verdade piores, um tinha começado a morder os conselheiros. No início do programa, Waschbusch observou que o comportamento de Michael foi relativamente bom: ele às vezes pulava em cima de sua mesa ou corria ao redor da sala de aula, mas raramente tinha que ser retirado à força, como muitas vezes aconteceu com as crianças mais selvagens. Desde então, seu comportamento tinha piorado - em parte, Waschbusch pensou que era porque Michael estava tentando impressionar outra criança no programa, uma menina que eu vou chamar de L. (Seu nome foi abreviado proteger sua privacidade). 

Charmosa, mas volátil L. rapidamente encontrou maneiras de jogar com meninos diferentes um do outro. "Algumas manipulações por meninas são típicas", disse Waschbusch. "A frequência com que ela faz isso, e a precisão com que ela faz isso - Que é sem precedentes" Ela estava, por exemplo, contrabandeando uma série de pequenos brinquedos para o acampamento, me disse Waschbuschem, e em seguida distribuiu-os como prêmios para as crianças que se comportavam mal em seu comando. Essa estratégia pareceu particularmente eficaz com Michael, que costumava ir à detenção gritando seu nome. 

“De acordo com Waschbusch, um comportamento calculado como o de L. ‘distingue aqueles chamados de “sangue quente” com transtornos de conduta, daqueles mais “sangue frio” que possuem problemas como a psicopatia. "De Sangue quente são as crianças que tendem a agir de forma muito impulsiva. Uma teoria é de que eles têm um sistema de detecção de ameaças muito ativo. Eles são muito rápidos para reconhecerem raiva e medo. "As crianças de Sangue frio, insensíveis-sem emoção, também são capazes de serem impulsivas, mas o seu mau comportamento parece ser calculado com mais frequência. “ Ao contrário de alguém que não pode ficar parado, você tem uma pessoa que pode ser hostil quando provocada, mas que também tem essa capacidade de ser muito fria. A atitude é: 'Vamos ver como eu posso usar essa situação para a minha vantagem, não importa quem se machuca com isso". 

Os investigadores têm ligado o comportamento sangue frio a baixos níveis de cortisol e ao funcionamento abaixo do normal na amígdala, a parte do cérebro que processa o medo e outras emoções aversivas sociais, como a vergonha. O desejo de evitar esses sentimentos desagradáveis, Waschbusch observa, é parte do que motiva as crianças a se comportarem. "Normalmente, quando uma criança de 2 anos de idade empurra sua irmãzinha, esta chora e seus pais a repreendem, essas reações fazem a criança se sentir desconfortável", continuou Waschbusch. "E esse desconforto é que a impede de fazer isso novamente. A diferença das crianças insensívei s- sem emoção é que elas não se sentem desconfortáveis. Então, elas não desenvolvem a mesma aversão à punição ou à experiência de ferir alguém".

Waschbusch citou um estudo que comparou os registros criminais de adultos com 23 anos de idade com sua sensibilidade a estímulos desagradáveis ​aos 3 anos de idade. Nesse estudo, as crianças de três anos de idade foram expostos a um ruído simples, em seguida, expostos a uma explosão breve de ruído desagradável. Apesar de todas as crianças desenvolveram a capacidade de antecipar o ruído da explosão, a maioria das crianças que se tornaram criminosas como os adultos não mostram os mesmos sinais de aversão - Tensão ou suor - quando o ruído desagradável foi lançado. 

Para testar a idéia de que essas crianças podem ser menos sensíveis a recompensa e punição do que a média das crianças, Waschbusch estabeleceu um sistema de pontos, onde as crianças ganham pontos ao se comportarem bem, e então ele modificou o sistema para incluir durante a semana, um aumento da recompensa (pontos ganhos) ou da punição (pontos perdidos). No final de cada semana, as crianças escolheram prêmios com base no número de pontos que tinham obtido. Todos os dias, Waschbusch e seus conselheiros monitoravam o comportamento de cada criança - o número e a gravidade dos surtos, e quaisquer casos de bom comportamento - e lançaram os resultados. Com apenas uma dúzia de crianças no programa, Waschbusch admitiu que as observações eram mais como uma série de estudos de caso do que como um ensaio com estatísticas palpáveis. Ainda assim, ele espera que os dados possam fornecer um ponto de partida para pesquisadores que tentam tratar dessas crianças.


"Pouco se sabe sobre como esses garotos funcionam", disse Waschbusch. Mesmo agora, observou ele, a idéia de que essas crianças podem responder de forma diferente ao tratamento foi amplamente testada. "Este é um território desconhecido", ele admitiu. "As pessoas estão preocupadas com o rótulo, mas se podemos identificar essas crianças, pelo menos temos a chance de ajudá-las." Ele fez uma pausa. "E se perdermos essa chance, podemos não ter outra." 

Na manhã seguinte a minha visita, Waschbusch me convidou para assistir a um vídeo feito durante uma das sessões do programa na sala de aula. A visualização foi realizada em uma sala cheia de cadeiras extras e uma pequena TV. William Pelham, o presidente do Departamento de Psicologia da Florida International, parou para dizer Olá. "Dan vai impedir o próximo Ted Bundy", ele me disse alegremente. 

Waschbusch olhou fixamente para a tela. A câmera mostrou toda a sala de aula, Michael empurrou sua mesa desconfortavelmente, e então se inclinou para trás na cadeira, inquieto. "Michael, você não está na tarefa", um conselheiro o repreendeu suavemente."OK!" Michael disse com raiva. Próximo a ele, um menino pequeno com óculos deixou cair o lápis no chão várias vezes, ganhando uma bronca, então fingiu mastigar seu próprio braço. 

Após o almoço, a situação se deteriorou. Durante a aula, L. arremessou um apagador em outra garota, mas em vez disso, bateu em um menino de cabelos escuros que prontamente saiu da sua cadeira e correu em alta velocidade, colidindo com a mesa dos alunos atrás dele. Assistindo L. perseguir o menino ao redor da sala, Waschbusch rejeitou a idéia de que ela estava simplesmente fora de controle. "Isso está previsto", disse ele severamente. "Ela sabe exatamente o que ela está fazendo." Quando um conselheiro mandou L. se sentar, ela voltou para sua cadeira e ficou em silêncio por dois minutos, ganhando 10 pontos de recompensa. "Essa é a diferença," Waschbusch disse, apontando para a tela."Se isso fosse impulsividade, ela já estaria “normal” de novo." 

Um dos desafios em trabalhar com crianças gravemente perturbadas, Waschbusch observou, é descobrir as raízes de seus problemas comportamentais. Isto é particularmente verdadeiro para crianças insensíveis - sem emoção, disse ele, porque o seu comportamento - uma mistura de impulsividade, agressividade, manipulação e desafio - muitas vezes se sobrepõe a outros transtornos. "Um garoto como Michael é diferente a cada minuto", Waschbusch observou. "Então, podemos dizer que os impulsivos sofrem de TDAH e o restante são insensíveis – sem emoção? Ou vamos dizer que seu humor é oscilante, e isso é transtorno bipolar? Se uma criança não está prestando atenção, isso reflete um comportamento de oposição: você não está prestando atenção, porque você não quer? Ou você está deprimido, e você não está prestando atenção, porque você não pode ter energia para fazê-lo? " 

Além de aperfeiçoar as medidas psicológicas que testem esses traços em crianças, Waschbusch também espera ter uma melhor noção do porquê algumas crianças insensíveis – sem emoção crescem e se tornar adultos profundamente perturbados, enquanto outros não. Uma ressonância magnética no cérebro de psicopatas adultos mostrou o que parecem ser significativas as diferenças anatômicas: um menor córtex subgenual e uma redução de 5 % para 10% em densidade no cérebro, em partes do sistema paralímbico, regiões do cérebro associadas com empatia e valores sociais, e ativa na tomada de decisão moral. De acordo com James Blair, neurocientista cognitivo do Instituto Nacional de Saúde Mental, duas dessas áreas são fundamentais por reforçarem os resultados positivos e desestimularem os negativos. Em crianças insensíveis – sem emoção, Blair diz que a conexão pode estar com defeito, onde feedback negativo não é registrado da mesma maneira que um cérebro normal faria. 

Essas diferenças, dizem os pesquisadores, é mais provável serem de origem genética. Um estudo calculou a hereditariedade dos traços insensíveis –sem emoção em ao menos 8%. Donald Lynam, um psicólogo da Universidade Purdue, que passou duas décadas estudando psicopatas "incipientes", diz que estas diferenças podem, eventualmente, solidificarem para produzir a mistura incomum de inteligência e frieza que caracteriza os psicopatas adultos."A questão não é" Por que algumas pessoas fazem coisas más? "Lynam me disse por telefone. "É ,Por que mais pessoas não fazem coisas ruins?"E a resposta é porque a maioria de nós tem coisas que nos inibem. Como nossa preocupação em ferir os outros, porque sentimos empatia, ou nossa preocupação se outras pessoas vão ou não gostar de nós; ou ainda nossa preocupação em sermos pegos. Quando você começa a tirar esses inibidores, eu acho que é quando você chega até a psicopatia. "


Enquanto a chance de herdar uma predisposição para a psicopatia é alta, Lynam observou que não é maior do que a hereditariedade para a ansiedade e depressão, que também têm grandes fatores de risco genéticos, mas que ainda respondem ao tratamento. Waschbusch concordou, "Na minha opinião, essas crianças precisam de intervenção intensiva para trazê-las de volta ao normal - para o lugar onde outras estratégias podem até ter um efeito. Há um estigma de que os psicopatas são os criminosos mais difíceis e inflexíveis. Meu medo é que, se nós chamarmos essas crianças de "pré-psicopatas," as pessoas terão em mente que: esta é uma qualidade que não pode ser mudada, que é imutável. Eu não acredito nisso. Fisiologia não é o destino. " 

Nos anos 1970, a psiquiatra pesquisadora Lee Robins realizou uma série de estudos sobre crianças com problemas comportamentais, seguindo-os até a idade adulta. Esses estudos revelaram duas coisas,a primeira foi que quase todos os adultos psicopatas são profundamente antissociais, como uma criança. A segunda foi que quase 50% das crianças que pontuaram alto em características antissociais não irão se tornar adultos psicopatas.Os resultados dos testes iniciais, em outras palavras, eram necessários, mas não suficientes para finalmente prever que finalmente quando um criminoso se torna violento. 

Essa lacuna é o que dá o que os pesquisadores esperam; se uma predisposição genética para a psicopatia é um fator de risco, a lógica é que o risco pode ser atenuado por influências ambientais - da mesma maneira que a alimentação pode ser usada para reduzir o risco de doença cardíaca hereditária. Como muitos psicólogos, Frick e Lynam também suspeitam que a natureza notoriamente "intratável" da psicopatia pode realmente ser exagerada, um produto de estratégias de tratamentos desinformados. Os pesquisadores atualmente estão procurando distinguir com cautela os traços observados entre crianças insensíveis – sem emoção e psicopatas adultos, que como a maioria das doenças psicológicas, torna-se mais difícil de tratar quanto mais tempo persistir. 

Ainda assim, Frick reconhece que ainda não está claro qual a melhor forma de intervir."Antes de desenvolver tratamentos eficazes, você precisa de várias décadas de pesquisa básica só para descobrir o que essas crianças são, como, e a quê eles respondem a", disse ele."Isso é o que estamos fazendo agora -, mas vai demorar um pouco para tornar realidade." 

E há outros desafios. Desde que foi concluída que a psicopatia é altamente hereditária, Lynam diz que uma criança que é fria ou insensível é mais propensa a ter um pai que é da mesma maneira. E porque os pais não necessariamente vínculo com as crianças que se comportam de forma cruel, essas crianças tendem a ser mais punidas e menos alimentadas, criando o que ele chama de "uma profecia auto - realizável". 

"Chega um ponto em que os pais só param de tentar", disse Lynam. "Uma grande parte do treinamento é tentar fazer com que os pais dessas crianças se motivem, porque eles sentem que já tentaram de tudo e nada funciona". 

Anne admitiu para mim que esta tinha sido a sua experiência. "Por mais horrível que isso seja, como uma mãe, a verdade é que você coloca um muro. É como estar no exército, enfrentando uma barragem de fogo todos os dias. Você tem de armar-se contra as explosões e o ódio". 

Quando eu perguntei se ela estava preocupada se o comportamento de Michael estava influenciando o psicológico dos seus irmãos - Allan, em particular, parecia adorar Michael – e ela parecia surpresa com a ideia. Então ela me disse que na semana anterior, Allan tinha "fugido" para a casa de um amigo, localizada a mais de um quilômetro de casa. "É claro que nós estávamos muito preocupados", acrescentou ela apressadamente. "Mas Allan é confiável de qualquer maneira". 

Anne é uma disciplinadora rigorosa, disse ela, especialmente com Michael, com quem ela se preocupa de maneira aberta. Ela mencionou um episódio de "Criminal Minds", que a aterrorizava, em que o filho mais novo de um casal foi assassinado por seu irmão mais velho. "No seriado, o irmão mais velho não mostrou qualquer remorso, ele apenas disse, 'Ele mereceu, porque ele estragou os meus planos "; Quando eu vi aquilo eu disse, 'Oh meu Deus, não quero que o episódio seja a minha história de vida". "Ela riu sem jeito, então balançou a cabeça. "Eu sempre disse que Michael vai crescer ou para ser um ganhador do Prêmio Nobel ou um assassino em série."


Disse também que outros pais podem ficar chocados ao ouvi-la dizer tal coisa, ela suspirou, então ficou em silêncio por alguns segundos. "Para eles, eu diria que eles não devem julgar até estejam no meu lugar", disse ela finalmente. "Porque, você sabe, isso tem um preço. Não há um monte de alegria e felicidade ao acordar Michael. " 

Embora possa ser possível modificar o comportamento de uma criança insensível - sem emoção, o que é menos claro é se é possível regredir déficits neurológicos – como a falta de empatia. Em um estudo frequentemente citado, um grupo de terapia de detentos que reduziu pela metade a taxa de reincidência de prisioneiros violentos famosos, aumentou a taxa de "sucesso" em criminosos psicopatas, melhorando a sua capacidade de imitar arrependimento e auto - reflexão. Um artigo relacionado recentemente especulou que o tratamento de crianças antissociais com Ritalina pode ser perigoso, porque a droga suprime o seu comportamento impulsivo e lhes permiti planejar represálias mais cruéis e frias. 

Em outro estudo, o pesquisador Dadds Mark descobriu que, crianças com traços insensíveis- sem emoção mais amadurecidas desenvolveram a capacidade de simular interesse nos sentimentos das pessoas. "Nós chamamos esse papel de Aprender a falar por falar", disse Dadds. "Eles não têm empatia emocional, mas eles têm empatia cognitiva, pois eles podem dizer o que os outros sentem, eles simplesmente não se importam ou não sentem." Quando Anne revelou sua preocupação de que Michael pode ter começado a manipular os seus terapeutas - fingindo certos sentimentos para marcar pontos - ela poderia estar mais certo do ela sabia. 

A maioria dos pesquisadores que estudam crianças insensíveis – sem emoção, no entanto permanecem otimistas de que o tratamento certo pode não só mudar o comportamento, mas também ensinar um tipo de moral intelectual, que não é apenas uma cortina de fumaça. "Se uma pessoa não tem o hardware para fazer o processamento de emoção, você não será capaz de ensiná-lo", disse Donald Lynam, e observa "Pode ser como o diabetes : você nunca está realmente se tratando para curá-lo. Mas se a sua ideia de sucesso é que essas crianças não são tão propensas a se tornarem violentas e acabarem na cadeia, então eu acho que o tratamento poderia funcionar. " 

Frick está disposto a ir mais longe. Se o tratamento for iniciado cedo o suficiente, diz ele, pode ser possível reprogramar o cérebro de modo que até mesmo as crianças com esses traços possam desenvolver uma maior empatia, através de terapias que ensinam tudo, de emoções de identificação (essas crianças tendem a ter dificuldade em reconhecer o medo nos outros) até o básico do básico. Ninguém ainda testou esses tratamentos em crianças com esses traços, mas observou Frick que um estudo inicial indicou que os pais afetuosos parecem reduzir a insensibilidade nessas crianças por mais tempo - mesmo em crianças que inicialmente resistem tal proximidade. 

Em janeiro, o tratamento de estratégias de recompensa versus punição de Waschbusch, mostrou pouca consistência - possivelmente porque o grupo de estudo era muito pequeno. Neste verão, ele planeja expandir o programa a partir de quatro grupos: cada grupo será dividido entre crianças com traços psicopatas e crianças com transtorno de conduta. Waschbusch espera que, ao comparar os dois, será possível avaliar as diferenças nas suas respostas ao tratamento. 

Quanto a Michael, é difícil dizer se o programa tenha ajudado. Durante a última semana no acampamento, ele mordeu um conselheiro no braço, algo que nunca tinha feito antes. Em casa, Miguel disse que Michael havia se tornado expert em sua desobediência. "Ele não grita tanto", ele me disse. "Mas ele só faz o que quer e depois fica por isso mesmo." 

Miguel disse que ainda tinha esperança de que o desenvolvimento de Michael iria seguir um caminho semelhante ao seu. "Às vezes, quando Michael faz as coisas, eu sei exatamente o porquê", disse ele encolhendo os ombros. "Porque eu tenho feito o mesmo tipo de coisa." Enquanto isso, ele oferece a Michael todo conselho que ele pode. "Eu tento dizer-lhe: Você está aqui com um monte de outras pessoas, e todos eles têm suas próprias ideias do que eles querem fazer. Quer você goste ou não, você apenas tem que se dar bem com essas pessoas".

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário