Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Caso da Semana - Randy Kraft, The Freeway Killer



Pouco depois da meia-noite de 14 de maio de 1983, dois agentes da California Highway Patrol pararam um motorista aparentemente bêbado na San Diego Freeway, em Mission Viejo, Califórnia. Em vez de esperar em seu carro, o motorista saiu despejando o conteúdo de uma garrafa de cerveja na calçada. Um olhar sobre a carteira de motorista identificou o homem como Randy Steven Kraft, 38 anos de Long Beach. Kraft admitiu ter bebido, mas jurou que estava sóbrio. Um teste de sobriedade provou o contrário, e ele foi preso por dirigir embriagado. 

Até agora, a parada parecia outra rotina na noite de sábado em Orange County. Em seguida, o sargento Michael Howard se aproximou do carro de Kraft e viu um homem caído no banco do passageiro parcialmente coberto por um casaco, com garrafas de cerveja vazias espalhadas ao redor de seus pés. A faca dobrável estava à vista de todos, no banco do motorista. Howard bateu na janela, mas não obteve resposta. Abrindo a porta, ele tentou em vão despertar o passageiro de Kraft. O homem estava descalço, com a calça aberta e os órgãos genitais expostos. Ele não tinha pulso e seu pescoço estava rodeado com marcas vermelhas, como se tivesse sido estrangulado. Paramédicos o declararam morto às 01h21. 

O xerife de Orange County obteve um mandado de busca para o carro de Kraft, e vasculhou o veículo para buscar provas. Além da cerveja, encontraram nove medicamentos diferentes, incluindo Valium e vários analgésicos. O assento onde estava o homem sem vida estava manchado de sangue, embora o homem morto não tivesse feridas abertas. Debaixo de um tapete de chão encontraram provas mais perturbadoras ainda: 47 Polaroids de jovens nuas, que pareciam estar inconscientes ou mortas. A mala no porta-malas continha uma folha de papel amarelo de um bloco, com 61 comentários codificados nitidamente impressos em duas colunas. Eles começaram com "estável" e terminavam com "o que você tem." Logo, os detetives descreveriam as notas como uma lista codificada de vítimas de assassinato. 

A vítima foi logo identificad como Terry Gambrel, um fuzileiro naval de 25 anos de idade, que vivia na El Toro Marinha Air Base. Seu sangue continha altos níveis de álcool e tranqüilizantes. Juntos, a cerveja e os comprimidos poderiam tê-lo matado, mas uma autópsia confirmou a morte através estrangulamento por ligadura. 

Buscas foram feitas na casa que Kraft compartilhava com o amante gay Jeffrey Seelig, e um tesouro de provas foram descobertas. O sofá na sala de estar era o mesmo usado para fotografar várias das modelos nuas da coleção de Polaroids de Kraft. Um tapete amarelo velho na casa parecia coincidir com as fibras obtidas a partir de um cadáver encontrado em Anaheim, em abril de 1978. E na garagem da Kraft, a polícia encontrou um esconderijo ímpar de cintos incompatíveis, correntes, laços e roupas. Uma das jaquetas pertencia a uma vítima de assassinato de Michigan, morto em dezembro de 1982. Nos dias que se seguiram, os detetives identificariam mais três vítimas de homicídio na Califórnia estampados nos Polaroids de Kraft. Suas impressões digitais iriam coincidir com aquelas encontradas em cacos de vidro em uma cena de assassinato de Dezembro de 1975. 

Kraft foi inicialmente acusado de apenas um homicídio (de Terry Gambrel) com a possibilidade de ser solto sob fiança de US $ 250.000 em títulos. Ele não se declarou culpado da acusação, e em 16 de maio de 1983, o juiz Gary Ryan achou ele perigoso o suficiente para triplicar sua fiança, efetivamente confinando Kraft na prisão até o seu julgamento. Em uma audiência de redução fiança uma semana mais tarde, o advogado de Kraft o chamou de "passivo, não violento e trabalhador". O procurador Bryan Brown respondeu acusando Kraft de mais outros quatro assassinatos desde o início de 1983, as vítimas incluíam Geoffrey Nelson de 18 anos , Robert Loggins de 19, Rodger DeVaul de 20 e Eric Church de 21 anos de idade. O Juiz Robert Thomas aceitou a declaração de inocência da Kraft nessas contagens e revogou a fiança inteiramente. Uma semana depois, Kraft foi acusado pelo assassinato e tortura de Mark Hall de 22 anos de idade, ocorrido em 1975. 

William Bonin
    A Califórnia já estava sofrendo com o "Trash Bag Killer" - Patrick Kearney e o "Freeway Killer" - William Bonin, que estavam ligados a 49 assassinatos entre 1978 e 1981, respectivamente. Agora, os investigadores de homicídio suspeitavam que Randy Kraft poderia ter feito mais vítimas do que Kearney e Bonin juntos.



                                                          Desenvolvimento
   
Randy Kraft aos 9 anos

Randy Kraft nasceu em Long Beach, Califórnia, em 19 de março de 1945; era o filho único de pais que haviam se mudado para o estado de Wyoming quatro anos antes. Quando era criança, Kraft era propenso a acidentes, quebrando a clavícula em uma ocasião e caindo de uma escadaria em outra. Em 1948 a família mudou-se para Westminster, para o ultraconservador Orange County. Randy parecia se encaixar bem, tocou saxofone na banda da escola e formou-se em junho de 1963; depois  mudou-se para o conservador Claremont College, em Pomona, Califórnia, a partir daí começou a queda, junto com um grupo de amigos confiáveis.


Foto de seu Anuário em 1963
Em Claremont, Kraft juntou-se ao ROTC, em favor da guerra do Vietnã, e fez uma campanha enérgica para o candidato presidencial de direita Barry Goldwater em 1964, mas no ano seguinte ele sofreu uma mudança radical, à deriva para a esquerda política e deixando o cabelo e o bigode crescerem . Ele conseguiu um trabalho de meio período como bartender em um bar gay chamado Garden Grove. Ainda no seu primeiro ano, rumores sobre seu gosto por escravidão haviam começado a circular em torno do campus de Claremont. Seu colega de quarto lembra que ele "desaparecia com frequência, talvez duas ou três vezes por semana", reaparecendo em horários estranhos. "O que ele fazia era algo que ele não queria que você soubesse" Entre as aulas e os sumiços, Kraft engoliu Valium em uma vã tentativa de acabar com as dores de estômago e as dores de cabeça da enxaqueca.


Kraft foi expulso do campus em 1966 e gastou muito de seu tempo livre em bares gays. Ele foi preso naquele ano por conduta lasciva, após se insinuar para um policial disfarçado em Huntington Beach, mas ele saiu com uma advertência por ser réu primário. Na faculdade, a devoção de Kraft  por noites regadas a cervejas e jogos de poker, o impediram de se formar com o resto de sua classe em junho de 1967. Kraft teve que repetir uma classe antes que ele ganhasse seu diploma de bacharel em economia, oito meses depois. 


Por esse tempo, a Kraft havia se imerso em uma outra campanha política, trabalhando tão duro para Robert Kennedy em 1968, que por sua dedicação Kraft ganhou uma carta pessoal de JFK, e ele ficou arrasado quando um assassino matou  seu candidato em junho. Dias depois, Kraft ingressou na Força Aérea dos Estados Unidos, tirando notas altas nos testes de aptidão e passando na verificação de antecedentes; residindo na Base da Força Aérea Edwards, ele supervisionou a pintura de aviões de teste.

Foto Militar de 1969
A família de Kraft ficou chocada quando ele se assumiu como gay em 1969. Assim como os seus superiores da Força Aérea, que lhe aposentaram por "problemas de saúde" em Julho. Voltar à vida civil, Kraft retomou sua carreira bartender, perdeu peso em "uma dieta a base de velocidade e cerveja", e mergulhou em tempo integral no estilo de vida gay. Seus velhos amigos ficaram surpresos, tentando entender quando Kraft enigmaticamente lhes disse: "Há uma parte de mim que vocês nunca vão conhecer." 


Foram necessários mais 14 anos para eles para descobrir o que ele quis dizer e quando o fizeram, a verdade seria chill-los até o osso.





O Hedonista 


O comportamento errático da Kraft continuou até a década de 1970. Um companheiro de quarto recordou mais tarde que "Randy costumava ir pra longe por alguns dias, aí voltava e se trancava em seu quarto por mais alguns dias. Ele descia pela base da Marinha. Ele não quis falar muito sobre isso, apenas murmurava algo sobre ir para baixo e olhava para os fuzileiros navais. "Outra característica de Kraft "ele era um tipo de cara muito tenso e muito rigoroso consigo mesmo." Amigos disseram que ele tinha um temperamento muito volátil.



A primeira vítima conhecida da Kraft, foi um fugitivo de 13 anos de idade que se juntou a Kraft na beira da praia em Huntington Beach em março de 1970. Kraft levou o menino - Joseph Alwyn Fancher - para casa, onde o drogou com maconha, pílulas e vinho, e mostrando-lhe fotos de homens fazendo sexo. Fancher estava semiconsciente enquanto Kraft despia e sodomizava ele, resistindo apenas o suficiente para fazer Kraft ameaçar sua vida. Fugindo do apartamento após Kraft ir trabalhar, Fancher cambaleou com os pés descalços até um bar nas proximidades, onde os clientes chamaram uma ambulância. Depois que os médicos limparam seu estômago na sala de emergência,  Fancher levou a polícia de volta para a casa de Kraft em busca de seus sapatos. Eles encontraram o seu tênis, juntamente com várias drogas ilícitas e 76 fotos de Kraft fazendo sexo com vários homens. Mas como a busca foi feita sem um mandado, a polícia sabia que o seu caso estava condenado e não fez uma prisão. 



Em 1971 Kraft encontrou trabalho em uma fábrica de água engarrafada em Huntington Beach. Ele dirigia empilhadeiras de dia e frequentava bares gays de noite, marcando 129 pontos (considerado "altamente inteligente") em um teste de QI relacionado ao trabalho. Kraft matriculou-se brevemente em Long Beach State University, em cursos de educação com um olho em direção a uma credencial de ensino, mas a vontade de partir superou sua ambição escolar. Seu colega de classe, Jeff Graves tornou-se amante de Kraft, mas Randy gostava de cruzeiros e bares gays  estranhos, e mostrava uma preferência por fuzileiros navais. 



Em 05 de outubro de 1971, a polícia encontrou o corpo nu de um homem em decomposição ao lado de Ortega Highway, no sul de Orange County. O corpo foi identificado como sendo de Joseph Wayne Dukette, um barman gay de 30 anos de idade de Long Beach que estava desaparecido havia duas semanas. O legista estipulou a data de sua morte em torno de 20 de setembro, mas não encontrou sinais óbvios de crime. Os objetos pessoais de Dukette nunca foram encontrados. 



Viagem da Morte


Quase 15 meses se passaram antes que a próxima vítima confirmada foi encontrada ao lado da Freeway 405 em Seal Beach, um dia após o Natal de 1972. Edward Daniel Moore era um fuzileiro naval de 20 anos, visto pela última vez com vida em seu acampamento do quartel Pendleton na véspera de Natal. Um motorista o encontrou às 1:45 da manhã, aparentemente jogado de um carro em movimento. Moore tinha sido estrangulado e espancado; haviam marcas de mordidas em seus órgãos genitais, e uma de suas meias foi inserida em seu reto. 



Seis semanas depois, em 6 de fevereiro de 1973, o corpo nu de "John Doe" foi encontrado ao lado da Ilha Terminal Freeway, no bairro de Wilmington de Los Angeles. Ele foi estrangulado um ou dois dias antes de ser encontrado, e tinha cerca de 18 anos de idade. A vítima, que não foi identificada, tinha uma meia marrom de pelúcia em seu ânus. 



O Domingo de Páscoa trouxe mais uma descoberta sinistra, com outro cadáver ao estilo "John Doe" descartado em Huntington Beach. Este foi completamente vestido, exceto pelos sapatos e meias, mas por baixo das calças ensanguentadas os seus órgãos genitais estavam faltando. Havia marcas de ligaduras com cicatrizes nos pulsos. A causa da morte foi questionável: perda de sangue ou asfixia. 



No ano seguinte outra vítima foi encontrada, seu corpo foi desmembrado e espalhado por dois municípios: a cabeça em Long Beach; o tronco, perna direita e os dois braços em San Pedro; e a perna esquerda em Sunset Beach. Marcas Bondage eram evidentes, e os restos tinham sido congelados antes de serem descartados. As mãos da vítima nunca foram encontradas. 



Ron Wiebe, um jovem de 20 anos de Fullerton desapareceu enquanto em 28 de julho de 1973. Seu cadáver estava totalmente vestido, mas com os pés descalços; e foi encontrado dois dias depois ao lado da Freeway 405 em Seal Beach. Espancado e estrangulado, Wiebe tinha sido preso e aparentemente pendurado de cabeça para baixo antes de ser morto, a tortura incluiu mordidas em seu estômago e pênis. Uma de suas próprias meias ausentes foi encontrada em seu reto.


O corpo do estudante de arte de 23 anos de idade, Vincent Cruz Mestas foi retirado de um barranco nas montanhas de San Bernardino, em 29 de dezembro de 1973. Assim como como Ron Wiebe, ele estava vestido mas com os pés descalços, e com uma das suas próprias meias em seu ânus. O rosto e a cabeça de Cruz e cabeça foram raspadas, suas mãos estavam faltando, e sacos plásticos de sanduíche cobriam os tocos sangrentos. Um objeto do tamanho de lápis, não identificado foi forçado para dentro do seu pênis antes da morte. 


O assassino aparentemente fez uma pausa de seis meses antes de matar Malcolm Eugene de 20 anos de idade em 1 de junho de 1974, deixando seu corpo nu encostado contra uma árvore ao lado da Highway 86, a oeste do Mar Salton no Condado de Imperial. Ele era um caminhoneiro desempregado que tinha chegado de Alabama uma semana antes para procurar trabalho. Seu assassino deixou o corpo com suas pernas abertas para enfatizar os genitais decepados, um ramo de algaroba foi introduzido em seu reto. 



 Roger Dickerson de 18 anos, foi visto pela última vez vivo em um bar em San Clemente, quando ele disse a amigos que tinha conseguido uma carona para Los Angeles para o fim de semana. Ele não disse o nome do motorista, que aparentemente o sodomizou e o estrangulou, deixando marcas de mordidas no pênis de Dickerson e no mamilo esquerdo antes que seu cadáver nu fosse jogado perto de um campo de golfe Laguna Beach. 




A próxima vítima foi encontrada em 03 de agosto de 1974, por trabalhadores de uma pretrolífera. O cadáver foi estrangulado manualmente e estava completamente vestido, foi identificado como Thomas Lee Paxton de 25 anos; um garçom local e um traficante gay o viram vivo pela última vez no Wilmington bar na noite anterior. Nove dias depois,  Gary Wayne Cordova de 23 anos foi encontrado, totalmente vestido mas com os pés descalços, ao lado de uma estrada no sul do condado de Orange. A morte foi causada por uma overdose de álcool e Valium. Pela falta de qualquer uma das mutilações que são marcas registradas do assassino, inicialmente a vítima  não foi ligada à série de assassinatos. 


Não havia dúvidas sobre James Dale Reeves, quando a polícia de Irvine encontrou seu corpo em 29 de novembro de 1974. Estava nu com exceção de uma camiseta ensanguentada, o gay de 19 anos de idade tinha saído de um cruzeiro no Dia de Ação de Graças e nunca mais voltou . O assassino deixou o corpo com as pernas abertas e um galho de árvore de quatro pés de comprimento e três polegadas de diâmetro saindo de seu ânus. 



Dois assassinos estavam aparentemente envolvidos no assassinato de John Leras, um estudante do ensino médio de 17 anos;  ocorrido em Dezembro de 1974. Sendo vítima mais jovem até agora, Leras desapareceu a caminho de uma pista de patinação em Long Beach, estava para experimentar os patins que havia ganhado para aproveitar o Natal. Leras tinha sido estrangulado  e tinha álcool em seu organismo. Um par de pegadas  foi achado perto do local.



Pouco depois do meio dia em 17 de janeiro de 1975, os trabalhadores de uma construção encontraram Craig Victor Jonaites de 21 anos de idade, estrangulado até a morte perto de um motel em Long Beach na Pacific Coast Highway. Jonaites  usava dois pares de calças, um sobre o outro. 



O assassino não deixou nada para trás.






Força Tarefa


Por conta do aumento dos assassinatos, os detetives de várias jurisdições se reuniram em Santa Ana, em 24 de janeiro de 1975 para organizar uma força-tarefa. Oficiais de Orange, Imperial e San Bernardino Counties participaram da reunião, assim como representantes da polícia de Los Angeles, Long Beach, Seal Beach, Irvine e Huntington Beach. Um agente do FBI de Quantico, Virginia, e um investigador especial do gabinete da Procuradoria Geral da República de California State também se juntou à reunião, juntamente com vários psicólogos forenses. Vários assassinatos foram comparados, mas nenhum ofereceu nenhuma pista significativa. Dr. E. Mansell Patterson, da Universidade da Califórnia Irvine, fez o perfil e descreveu o assassino como um homem que "deseja ser masculino, mas não se sente masculino, e morde os mamilos e órgãos genitais de sua presa para simbolicamente tornar a vítima uma mulher." 



Os assassinatos continuaram, sem esmorecer. 



Keith Daven Crotwell de 19 anos deixou Long Beach em 29 de março de 1975 e desapareceu. Em 8 de maio, três meninos que caçavam estrelas do mar encontraram uma cabeça decepada perto da Praia Marina Long. Amigos de Keith vasculharam Long Beach a procura do Mustang preto e branco que Crotwell dirigia em seu último passeio, localizando-o alguns dias depois. A polícia rastreou o registro e questionou o proprietário Randy Kraft em 19 de maio; Kraft admitiu ter levado Crotwell para um passeio, "apenas para se distrair", mas alegou que ele deixou o jovem vivo e bem em um café no fim da noite. Os detetives queriam acusar Kraft pelo assassinato, mas os promotores de LA County recusaram, alegando a ausência de um corpo e a causa da morte desconhecida. 




 Kraft conseguiu um emprego de meio período como operador de computador em uma empresa no aeroporto de Long Beach. Suas enxaquecas crônicas e dores de estômago pioraram, agravados pela insônia. Um médico o diagnosticou com hipoglicemia, uma doença que o serial killer Jerome Brudos também teve. Em junho de 1975, Kraft foi preso por conduta lasciva em Cherry Park. Logo depois, seu empregador despediu Randy, mas sua experiência com computadores logo ajudaram Kraft a conseguir uma posição com uma nova empresa de consultoria. 


Enquanto isso, os assassinatos recomeçaram após um hiato de 24 semanas. Larry Gene Walters de 21 anos foi morto em Los Angeles County no Halloween de 1975, dois meses depois, na véspera de Ano Novo, Mark Hall de 22 anos desapareceu de uma festa em San Juan Capistrano. Policiais que estavam fora do horário de serviço encontraram seu cadáver nu em 3 de janeiro de 1976, no Cleveland National Forest, perto da linha de Riverside County. Nu e acorrentado em uma árvore, ele havia sido sodomizado e torturado antes da morte: as pernas foram cortadas com uma faca; seus olhos, rosto, peito e genitais foram queimados com um isqueiro; e um palito swizzle foi inserido em seu pênis com tanta força que entrou até na sua bexiga; seus órgãos genitais foram cortados e enfiados em seu reto, junto com  sujeiras e folhas. O nível de álcool no sangue de Hall estava sete vezes acima do limite legal, provavelmente uma dose fatal, mas o assassino queria ter a certeza de que estivesse morto e inseriu mais folhas e sujeiras em sua garganta. 



O relacionamento de Randy Kraft com Jeff Graves começou a se desintegrar após problemas com a polícia em 1975. Eles se separaram no final do ano, e Kraft com 19 anos se mudou, dividindo um apartamento com Jeff Seelig em Laguna Hills. Na mesma época, no início de 1976, um desconhecido predador da Califórnia começou a fazer vítimas mais jovens. As vítimas eram descartadas ao lado das rodovias, colocadas em sacos de lixo; às vezes eram deixadas em lixeiras e descobertas somente quando os sacos rasgavam durante a coleta. Nove assassinatos foram confirmados em 1976.



O primeiro foi o assassinato de Oliver Peter Molitor de 13 anos, cujo corpo foi encontrado em Manhattan Beach em 21 de Março de 1976. Duas semanas e meia depois, no dia 07 de abril, Kenneth Eugene Buchanan de 17 anos foi despejado em Inglewood. Larry Armendariz de 14 anos foi encontrado em Los Angeles em 19 de abril, seguido pela descoberta do corpo de Michael Craig McGheede de 13 anos, em 11 de junho.  Em Outubro, Randall Lawrence Moore de 16 anos, foi deixado em um saco de lixo ao longo da estrada 80, a leste de El Cajon. Paul Fuchs de 19 anos, desapareceu de Redondo Beach em 10 de dezembro e nunca mais foi visto. Outras vítimas foram jogados no Borrego Hot Springs, perto de Calexico, na fronteira com o México. As autoridades permaneciam perplexas, incapazes de relacionar as poucas pistas colhidas com qualquer suspeito conhecido.



Sacos de Lixo


     A polícia da Califórnia estava distraída em 1977 pela prisão de Patrick Kearney, e sua confissão pela responsabilidade dos assassinatos do "Saco de Lixo" de 28 homens jovens. As vítimas de Kearney eram geralmente alvejadas na cabeça, no entanto ele recusou as alegações de que as vítimas foram torturadas. Depois do que foi considerada uma virada de sorte, os assassinatos brutais das rodovias voltaram a ocorrer logo após a chegada de Kearney na prisão de San Quentin, no início de 1978.

Patrick Kearney
(CORBIS)



A primeiro vítima conhecida desse ano foi Scott Michael Hughes, um fuzileiro naval de 19 anos de Camp Pendleton, encontrado ao lado da Rodovia 91 em Orange, em 16 de Abril. Hughes estava completamente vestido, com seu tênis sem os cardaços. Sob suas calças manchadas de sangue, seus órgãos estavam mutilados e o seu testículo foi removido. Conhecido pelos colegas fuzileiros como um drogado "turbulento", Hughes tinha Valium no seu sangue, mas a morte resultou de estrangulamento por ligadura.


Dois meses depois, em 10 de junho, o jovem Roland de 23 anos foi libertado da prisão  de Orange County depois de uma de suas inúmeras prisões por embriaguez pública. Ele deixou a prisão às 20:19, e foi encontrado morto dia 11 de junho morto em uma sarjeta em Irvine. Algum tempo depois de sua libertação da prisão, o Jovem havia consumido álcool e Valium. Seus pulsos estavam amarrados quando o assassino cortou seu escroto e parte de seu pênis, e em seguida, o esfaqueou quatro vezes no peito.

No dia do funeral de Young, o assassino vitimou mais um fuzileiro, Richard Keith de 23 anos. Keith pegou carona de Camp Pendleton para Los Angeles para visitar sua namorada, mas eles discutiram sobre seus passeios e ele saiu às 11 horas do dia 19 de junho para voltar para a base. Um bombeiro de folga encontrou o seu cadáver na manhã seguinte, no sul do condado de Orange. Mais uma vez, a polícia suspeita de dois assassinos, um para dirigir e outro para empurrar o corpo de Keith de seu carro em movimento.

Nativo de Washington Keith Klingbeil ainda estava vivo quando um motorista o encontrou em 6 de julho de 1978, esparramado sobre uma pista norte da I-5 em Mission Viejo. Os paramédicos chegaram ao local às 3h30, mas eles não foram capazes de salvá-lo de uma overdose maciça de licor e Tylenol. Na necropsia, as marcas de ligadura foram encontradas nos tornozelos de Klingbeil, e marcas de queimado de um isqueiro em torno de um dos mamilos.

O próximo a morrer foi Michael Joseph Inderbeiten, um motorista de caminhão de 21 anos de Long Beach, encontrado em 18 de novembro de 1978. Ele foi emasculado e sodomizado com um grande objeto estranho, suas pálpebras foram queimados com uma cigarreira de automóvel, Inderbeiten foi despejado a 20 metros do local onde Edward Moore foi encontrado em dezembro de 1972.

Várias testemunhas observaram de perto a queda do corpo, quando Donald Harold Crisel foi empurrado de um veículo lento ao longo da autoestrada 405 em Irvine, em 16 de junho de 1979, mas não conseguiram concordar sobre se o veículo era um carro ou uma van. O cadáver do jovem fuzileiro naval estava marcado por marcas de pneus, e ainda estava quente quando a polícia chegou, com marcas de ligadura no pescoço e nos pulsos. A causa da morte foi a overdose de álcool e analgésicos..
Donnie Crisel, military
photo
Mais de uma dúzia de cadáveres do sexo masculino foram encontrados ao longo de rodovias do sul da Califórnia em 1979; as vítimas tinham entre 13 a 24 anos de idade. Os policiais foram capazes de identificar  Thomas Lundgren de 13 anos, ele foi pego em Reseda, às 11 horas em 28 de maio, e despejado em Agoura às 13:30. Lundgren tinha sido espancado e estrangulado, esfaqueado várias vezes, sua garganta e os órgãos genitais foram cortados. Aos dezessete anos de idade, Marcus Grabbs foi para o que seria seu último passeio fora de Newport Beach, ao longo Pacific Coast Highway, em 05 de agosto de 1979; foi sodomizado, esfaqueado e estrangulado, e foi encontrado às 6h30 da manhã seguinte, ao lado da Ventura Freeway, perto da linha de LA County. Donald Hayden de 15 anos, foi visto pela última vez vivo em Hollywood, a 1 da manhã em 27 de agosto de 1979; foi encontrado por trabalhadores da construção civil em Liberty Canyon, sodomizado e estrangulado, deixado em uma caçamba de lixo em um novo projeto de habitação. David Murillo de 17 anos, desapareceu enquanto viaja ao longo da estrada 101 em 09 de setembro; dois dias depois seu cadáver nu foi encontrado no ombro da rodovia, espancado e estrangulado, violado, e com queimaduras de corda nos tornozelos.

Body of Donnie Crisel, crime
scene photo
Em todo o sul da Califórnia, oa bares gays começaram a postar avisos para seus clientes, juntamente com as fotos que buscavam informações para identificar as diversas vítimas de "John Doe". Randy Kraft habitualmente frequentava os bares e parecia ser o único a ignorar a ameaça, e a não se incomodar com o massacre em curso.

Na verdade, ele parecia estar tendo o momento de sua vida.




O Viajante

Randy Kraft estava indo tão bem como consultor de informática freelance em julho de 1979, que ele foi capaz de pagar uma casa em Long Beach, e dividir algusn quartos com Jeff Seelig. Ele também viajou para o México em agosto de 1978, Lake Tahoe em maio de 1979, além de um passeio em East Coast prolongado por uma ida à Nova Youk e para Key West. Amigos lembrar que tanto os homens mantidos "horas bizarros", Seelig operar uma padaria enquanto Kraft continuou sua tradição de unidades de fim de noite sem rumo. Em meados de agosto de 1980,  Kraft estava consultando para Lear Sigler Industries (LSI), com escritórios regionais em Michigan, Oregon e San Diego. Somando seu salário habitual do trabalho e seu pagamento fim de semana freelance, ele ganhou pelo menos 50.000 dólares anualmente em 1980 e 1981.

Os empregadores da Kraft descreveram-no como um "self-starter", um "excelente solucionador de problemas", e "um funcionário excepcional ... [que] merece um tratamento excepcional", mas o trabalho duro teve um preço. Kraft muitas vezes se mantinham com junk food, agravando sua hipoglicemia e causando dores no peito. Em junho de 1982 ele procurou aconselhamento com Seelig; seu terapeuta o descreveu como "defensivo e ansioso," com um desejo sexual "insaciável". Eles planejaram férias pela Europa para consertar seus problemas, mas nem sempre Kraft parecia ter tempo. As sessões de terapia foram frequentemente interrompidas pelas viagens de Kraft para LSI-de Oregon, a área de San Francisco Bay, e Michigan.

E independente de onde quer que Kraft tenha viajado, os assassinatos continuaram.

Michael Sean O'Fallon era um nativo de Coloradode 17 anos, com a esperança de "ver o mundo" após o ensino médio. Ele pegou carona para British Columbia, em Junho de 1980 e conseguiu voltar para Oregon antes que a sua sorte acabasse. Seu corpo nu foi encontrado junto à I-5, a 10 quilômetros de Salem em 17 de julho de 1980. O'Fallon foi amarrado com cadarços, e tinha uma corda atada ao redor de seu escroto. Apesar dos níveis quase fatais de álcool e Valium em seu sangue, a morte tinha sido causada por estrangulamento.


 
Robert Wyatt Loggins Jr.
  Em 03 de setembro de 1980, crianças brincando pertoda Marina da Base Aérea de El Toro Marinha encontraram o cadáver de Robert Wyatt Loggins Jr. enrolado em um saco plástico de lixo. O fuzileiro naval de 19 anos, foi visto pela última vez vivo em 22 de agosto, Loggins já estava morto há dois ou três dias quando  foi encontrado. Recentemente confinado ao quartel por beber, ele tinha desaparecido em sua primeira noite de liberdade, encontrado com níveis mortais de álcool e anti-histamínicos em seu sangue. Apesar do saco plástico, a polícia considerou a morte como "acidental" até 1983, quando provas apreendidas a partir de casa e carro de Randy Kraft mudaram os rumos da investigação.


Michael Duane Cluck de 17 anos, foi a primeira vítima conhecida de 1981. Viajando de Seattle para a Califórnia em abril, eletinha visitado apenas Oregon antes de aceitar uma carona do assassino. Despejado ao longo I-5 próximo Goshen, Cluck tinha sido violentamente sodomizado, e em seguida chutado e espancado até a morte, suas coxas e virilha estavam marcados por arranhões de unhas. No mesmo dia que seu corpo foi encontrado, Randy Kraft visitou um hospital próximo para tratamento de uma ferida feita acidentalmente, ele disse, pois havia contundido o pé enquanto caminhava com os pés descalços em seu quarto de hotel.


Em 29 de Julho, os moradores de Echo Park em Los Angeles, queixaram-se à polícia do mau cheiro nas proximidades Hollywood Freeway. Durante a averiguação os investigadores recuperaram dois cadáveres de um barranco no local. Uma das vítimas, Raymond Davis de 13 anos de idade, tinha desaparecido várias semanas antes, enquanto procurava por um cão perdido. A outra vítima, Robert Avila de 16 anos de idade, tinha sido dado como desaparecido em Hollywood, seus pais procuraram em vão por ele através de médiuns. Três semanas depois, em 20 de agosto de 1981, Christopher Williams de 17 anos foi encontrado morto ao lado de uma estrada nas montanhas de San Bernardino. Conhecido como um traficante de Hollywood, Williams havia sido dopado com dois sedativos diferentes antes que alguém enfiasse papel nas suas narinas, o fazendo sufocar.


A agenda lotada de Kraft manteve os policiais em sobressalto, em 1982. A terceira vítima feita em Oregon, foi Brian Whitcher de 26 anos, levado ao longo da I-5 perto de Portland em 26 de novembro, drogado com álcool e Valium e morto por asfixia. Em 07 de dezembro, Kraft estava em Grand Rapids, Michigan, para uma conferência de computador LSI. Os primos Dennis Alt e Chris Schoenborn desapareceram naquela noite no bar do hotel de Kraft, e seus cadáveres foram encontrados juntos em Plainfield Township dois dias depois. Ambos foram dopadas com álcool e Valium, e então estrangulados. Schoenborn estava nu, com uma caneta esferográfica do hotel inserida em sua bexiga através do pênis; Alt estava completamente vestido com exceção dos sapatos, a camisa estava levantada e a calça aberta mostrava seus órgãos genitais.

Até Alt e Schoenborn serem encontrados, Kraft estava de volta a Oregon e outro adolescente foi morto. Em 09 de dezembro, enquanto Kraft estava voltando de seu hotel em Wilsonville, um motorista  chamado Trenton Taggs de 19 anos, foi encontrado morto ao lado de uma estrada nas proximidades, não muito longe do local onde Brian Whitcher foi despejado em Novembro. Ex-morador do Havaí, Taggs veio morar com seus avós em setembro de 1982. Agora ele estava morto, foi drogado com álcool e Valium, e morreu engasgado com uma meia que seu assassino tinha forçado goela abaixo. Nove dias depois, um homem recolhendo latas encontrou o corpo de Anthony Jose Silveira de 19 anos em Oregon. Foi visto pela última vez vivo em 3 de Dezembro, pedindo carona para casa de seu emprego; Silveira havia consumido bebidas alcoólicas e Valium antes que fosse estrangulado e sodomizado com um grande objeto estranho, uma escova de dentes de plástico vermelho saía de seu ânus.


A Polícia de Oregon reconheceu um padrão nos assassinatos e obteve informação de uma fonte segura do Sul da Califórnia, onde outras vítimas haviam sido drogadas e estranguladas ao longo da última década. A busca através do computador, de registros de companhias aéreas, livros de hotéis e empresas de aluguel de automóveis foi iniciada, buscando visitantes frequentes da Califórnia. O nome de Randy Kraft apareceria 18 vezes na lista final, mas não antes dele ser preso em Orange County, dirigindo bêbado com um cadáver no banco do passageiro.

O número de mortos na Califórnia continuaram a aumentar em 1983. Eric Church de 21 anos, foi encontrado sodomizado, espancado e estrangulado ao longo da Freeway 605 em 28 de Janeiro, o sêmen encontrado em seu corpo, mais tarde combinou com o tipo sanguíneo de Kraft. Mikeal Laine de 24 anos, desapareceu enquanto viajava através de Orange County; Kraft já estava na cadeia antes do esqueleto de Laine vir à tona perto Ramona, em 1984. Geoffrey Nelson de 18 anos e Rodger DeVaul Jr. de 20 anos desapareceram juntos, enquanto saiam de um bar em 11 de Fevereiro; eles foram encontrados juntos perto Claremont College, drogados, sodomizados e estrangulados, dois dias depois. Três meses e um dia depois, as autoridades começaram a solucionar os casos, com a prisão por acidente de Kraft pela morte de Terry Gambrel, em Orange County.


O predador foi enjaulado, mas os promotores ainda tinham anos de trabalho pela frente antes que eles pudessem ter a certeza de que ele não mais iria matar.


Números 
The scorecard, trial evidence
Numeração dos assassinatos- Evidência de julgamento























A suposta "lista de morte" de Randy Kraft consistiu de duas colunas ordenadamente impressas, com 30 itens enigmáticos no lado esquerdo de uma folha amarela e 31 à direita. Tudo começou com "estável" e terminou com "o que você tem." As autoridades estavam convencidas de que a lista era um "scorecard" codificada das vítimas da Kraft, mas o documento ainda deu-lhes dores de cabeça. Quatro códigos- "2 EM 1 ENGATE", "2 EM 1 BEACH", "GR2" e "2 EM 1 MKV PL" -aparentemente se referiam a assassinatos duplos, elevando o número de mortos para 65, mas apenas uma dessas anotações poderia ser traduzida: "2 EM 1 ENGATE" supostamente se refere aos assassinatos de Geoffrey Nelson e Rodger DeVaul. A polícia finalmente ligou vítimas conhecidas com 45 notas da lista, mantendo ao mesmo tempo as vítimas que não existiam na lista como Erich Church ou Terry Gambrel. A contagem final: 67 mortos, sendo que 22 dos corpos não foram recuperados e nem identificados.

Mas era verdade?

Algumas dos códigos desse "scorecard" pareciam bem claros. "EDM" combinava as iniciais de Edward Daniel Moore, enquanto "CADEIA OUT" referiam-se à Roland Young, morto poucas horas depois de sua libertação da Orange County . "PORTLAND HAWAII" parecia se encaixar comLance TAGGS, que havia voltado recentemente do Estado de Aloha para Oregon. "PORTLAND DENVER referia-se nativo de Colorado Michael O'Fallon, igualmente morto em Oregon, enquanto" PORTLAND BLOOD ", descreveu o cadáver maltratado de Michael Cluck." Seventh Street "marcou o local na  rodovia onde Ron Wiebe foi despejado em 1973, assim como" EUCLID "nomeou a rampa onde Kraft despejou Scott Hughes. "MARINE CARSON" se referia ao subúrbio Los Angeles, onde a namorada de Richard Keith residia. "ESTACIONAMENTO" descreveu o encontro fatal de Kraft com Keith Crotwell. "VÉSPERA DE ANO NOVO", lembrou o desaparecimento de Mark Hall. "MCHB TATTOO "tornou-se Robert Loggins." WESTMINSTER DATE "marcou o desaparecimento de Jeffrey Bryan Sayre de 15 anos, desaparecido para sempre depois de visitar sua namorada em Westminster, em 24 de novembro de 1979." AVIÃO HILL "apontou um John Doe jogado perto de Hungington Beach. Don Crisel, descartado em Irvine sem as calças, se tornou "MARINE DRUNK SHORTS durante a noite."

Outras notas- "estável", "Angel", "HARI KARI", "INGLATERRA", "azeite", "TWIGGY", "PORTLAND", "PORTLAND cabeça", "PORTLAND RESERVA", "PORTLAND ECK", e assim por diante - premaneceram inexplicáveis, e Kraft não dava nenhuma ajuda para a polícia, teimosamente insistindo que as notas referiam suasvárias ligações com amantes ainda vivos, ou a outros incidentes banais de seu cotidiano gay. Ele era um"anal retentivo," propenso a um comportamento obsessivo-compulsivo. A lista era inocente, Kraft afirmou.

A polícia pensava o contrário. Eles encontraram um cadáver no carro de Randy, a jaqueta de outra vítima escondida em sua garagem, fotos instantâneas de várias outras vítimas escondidas em seu carro, fibras do tapete do seu carro foram encontradas em um outro cadáver, as impressões digitais da Kraft foram recuperadas de uma cena do crime, além de uma lista que o  ligava aos assassinatos, marcando Kraft como um caçador de troféus prolífico.

Agora, tudo o que os promotores tinham que fazer, era mantê-lo no tribunal.


Julgamento

Em 08 de setembro de 1983, O Xerife de Orange County, Brad Gates, realizou uma coletiva de imprensa, anunciando que seus homens tinham "sido capazes de estabelecer a propensão de Randy Kraft, sem dúvidas, para o comportamento sexualmente desviante que remonta ao período de 1970". O Procurador Bryan Brown declarou que ele estava pronto para o julgamento de 16 acusações de assassinato, a contagem final que incluia as vítimas Don Crisel, Keith Crotwell, Scott Hughes, Michael Inderbeiten, Richard Keith, Edward Moore, Ron Wiebe, Roland Youngs e "John Doe", de 1973.

A audiência preliminar de Kraft começou depois de cinco adiamentos, em 27 de setembro de 1983 e durou sete semanas. O Juiz John Ryan proibiu câmeras em sua corte, mas rejeitou uma oferta da defesa para excluir espectadores. Os Oficiais de patrulha da estrada descreveram a prisão de Kraft com um cadáver em seu carro, e os detetives de homicídios delinearam as evidências ligando Kraft a vários assassinatos. Os Patologistas forenses Walter Fischer e Robert Richards detalharam as lesões sofridas pelas vítimas específicas. Em alegações finais, Kraft Bryan Brown foi apelidado de "um verdadeiro assassino scorecard", enquanto seu advogado Doug Otto, afirmou que Brown não estava ligado à nenhuma prova. O Juiz Ryan encontrou evidênciaa suficientea para manter Kraft preso para o julgamento.

Doug Otto não estaria lá quando começou, no entanto. Em agosto de 1984, retirou-se do caso, adiados por insistência de Kraft em servir como co-assessor. Otto foi rapidamente substituído e as manobras legais se arrastavam, custando aos contribuintes da Califórnia dois milhões dólares em abril de 1986. Mais Oito acusações de homicídio foram apresentadas contra Kraft, seis em Oregon e dois em Michigan, mas nenhum jamais foi a julgamento.


Judge Donald McCartin
Juíz Donald McCartin


Mais de cinco anos depois de sua prisão, em 26 de setembro de 1988, o julgamento de Kraft foi realizado perante o juiz Donald McCartin. As manobras da defesa para anular todas as provas oriundas de 1.983 pesquisas foram negadas, mas McCartin barrou qualquer referência às vítimas além daquelas nomeadas nas 16 acusações de Orange County. A declaração de abertura da Procuradoria citou C. Thomas McDonald, demitido do caso pelo Estado como "suspeita, insinuações e retórica do Ministério Público", ao chamar a Kraft  de "proprietário, contribuinte e trabalhador, assim como muitos outros cidadãos de nosso país." A questão de fundo: "Mr. Kraft, não matou ninguém."

Os promotores chamaram mais de 157 testemunhas e apresentaram 1.052 exposições para contestar afirmações divergentes, em 30 de novembro de 1988. Os defensores da Kraft contaram com uma dupla estratégia de álibis e suspeito, com os serial killers presos William Bonin e Patrick Kearney. As alegações finais terminaram em 1 de Mai de, 1989, e os jurados deliberaram por 11 dias para chegar ao seu veredito final. Eles absolveram Kraft de sodomizar Rodger DeVaul, mas o condenaram em todas as acusações de homicídio 16, além de uma contagem de sodomia para cada uma das acusações (Inderbeiten) e mutilação (por castrar Geoff Nelson).

Randy Kraft in court (CORBIS)
Randy Kraft na corte 
(CORBIS)


A fase das penalidades ocorreu de maneira separada do julgamento de Kraft, e  começou em junho 5. Os advogados de defesa apresentaram uma pilha de álbuns de fotos de família, em uma tentativa de humanizar seu cliente. Quase uma dúzia de carcereiros testemunharam que Kraft tinha sido um prisioneiro modelo durante seus seis anos atrás das grades, enquanto seus ex-colegas de trabalho chamaram-no de simpático, extrovertido e "normal", o que sugere que uma sociedade "perderia uma mente muito brilhante" se Kraft fosse executado . Não é possível afirmar inocência após o veredito de culpado, mas os advogados da Kraft chamaram um psiquiatra para testemunhar que a violência de Randy era "algo sobre o qual ele não tinha o controle." Vários ministros que se opunham à pena capital também apareceram, até que o Juiz McCartin classificou tais seu testemunhos como "bobos" e "tão incoerentes que chegam a ser estúpidos."

O Estado chamou Joe Fancher, preso em Orange County depois de violar sua liberdade condicional em Colorado por roubo de carros, para descrever o ataque de Kraft em Março 1970, quando Fancher era um fugitivo de 13 anos de idade. O Procurador Brown revisou a lista "scorecard", dizendo aos jurados, "Não há nada de errado com ele, além de que gosta de matar por satisfação sexual." Os jurados concordaram e recomendaram a pena de morte em 11 de agosto de 1989. O Juiz McCartin tornou o veredito oficial em 29 de novembro, quando ele condenou Kraft à morte. McCartin observou o recebimento de várias cartas de pais de crianças desaparecidas, buscando informações sobre se Kraft tinha matado seus filhos. "Em algum lugar abaixo da linha," McCartin sugeriu, "com a resposta a seus fundamentos jurídicos de recursa, talvez você possa dar um pouco de humanidade em seus momentos finais para ajudar estas pessoas."

Kraft estava pensando, tudo bem, mas a única pessoa que ele parecia querer ajudar era ele mesmo.


Corredor da Morte


O julgamento de Kraft tinha sido o mais longo (13 meses) e mais caro (US $ 10 milhões) na história de Orange County, mas o processo de apelação se arrastaria por até mais longos 13 anos e contando, até o momento. Seu apelo inicial, alegava que a câmara de gás da Califórnia violava a Primeira Emenda dos princípios religiosos, forçando um preso condenado a "participar ativamente de sua própria morte" foi rapidamente rejeitada, mas Kraft teve outros truques legais na manga.

Em 1992, a Kraft processou o autor Dennis McDougal e a Warner Books por publicar Angel of Darkness, um estudo de seu caso que alegadamente, manchava  seu "bom nome", injustamente retratando-o como um "homem torcidamente doente" e assim, acabando com as suas "perspectivas de futuro emprego. "Kraft pediu $ 62 milhões em danos, e enquanto a ação foi julgada improcedente como frívolo em Junho de 1994, custou a McDougal e Warner cerca de US $ 50.000 em taxas legais. McDougal retaliou em setembro a permissão de uma apelação do Estado em 1994-com o juiz- procurando recuperar os custos ocasionados por Kraft, talvez confiscando o computador que Kraft tinha usado para arquivar seu processo. "Eu não estou insistindo nisso, porque eu acho que Randy vai tirar um cachê em barras de ouro debaixo do colchão", disse McDougal a repórteres. "O que me preocupa nisso tudo é que um criminoso que foi condenado a um dos piores crimes que se possa imaginar, pode processar qualquer um e sair impune, e tudo isso sobre uma base regular. Eles entopem os tribunais com ternos baloney falsos, e o Estado permite que eles façam isso sem cobrar-lhes um centavo pelo arquivo. "

As autoridades estavam mais preocupadas com os nomes em falta no "scorecard" de Kraft e com a perspectiva de cúmplices não identificados. A vítima de Huntington Beach de Kraft chamada de "John Doe" foi finalmente identificado em Março de 1995, como Kevin Clark Bailey de 18 anos, porém mais 22 nomes da lista de morte permanecem desconhecidos.

O Autor McDougal pensa que resolveu uma parte do mistério, anos após a condenação de Kraft e os seus anos em tribunal civil. Em seu artigo publicado na revista Praia em Janeiro de 2000, McDougal relatou suas entrevistas com um Bob Jackson, que supostamente confessou ter assassinado dois caronistas com Kraft,  um em Wyoming (1957) e outro em Colorado (1976), em seguida se juntou a Kraft em "vários" assassinatos na Califórnia depois de 1977. Apelidado de "Twiggy" por Kraft, Jackson assumiu a notação correspondente na lista enigmática da Kraft que se refere a um dos seus homicídios conjuntos. Mais arrepiante ainda, ele disse  aMcDougal que a lista incluiu apenas assassinatos "mais memoráveis" de Kraft, mas que a contagem total de corpos ficou próximo de 100. McDougal relatou as alegações de Jackson para o Departamento do Xerife de Orange County, com as gravações das entrevistas. Os Detetives interrogaram Jackson, e finalmente o convenceram a ser internado em um hospital psiquiátrico, mas não há acusações de homicídio e tudo foi arquivados. As autoridades de Colorado e Wyoming são incapazes de confirmar os assassinato de dois andarilhos sem nome, de quase 30 anos atrás.

Randy Kraft, por sua vez, ocupou seu tempo jogando bridge no corredor da morte. Seus parceiros regulares incluíam os serial killers condenados Lawrence ("Alicate") Bittaker, "O Assassino de Sunset Strip" Douglas Clark, e o "Freeway Killer" William Bonin. Juntos, o quarteto ficou condenado por 41 assassinato.; Se a especulação da polícia for precisa, a verdadeira contagem está mais perto de 100 mortos, sendo Kraft responsável por dois terços do total. Bonin deixou o jogo em aberto, com sua execução em 23 de fevereiro de 1996, mas os outros vivem. A Sentença de morte de Randy Kraft foi confirmada pela Suprema Corte da Califórnia para 11 de Agosto de 2000.

Fonte: Artigo totalmente retirado e traduzido do Site Crime Library













































Reações:

0 comentários:

Postar um comentário