Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

ÚLTIMAS NOTÍCIAS! (24/01/2014 - 30/01/2014)


28/01/2014

- Padres são indiciados por pedofilia na Espanha
Papa Francisco incentivou uma das vítimas a denunciar os culpados

Um juiz espanhol indiciou dez religiosos por um suposto caso de pedofilia no qual o papa Francisco se envolveu pessoalmente depois de ser alertado por uma das supostas vítimas.

O escândalo explodiu em novembro depois que a vítima, agora com 25 anos, informou sobre os abusos sexuais que sofreu quando era menor de idade em Granada, sudeste da Espanha, em uma carta dirigida ao pontífice.

Francisco incentivou a vítima a denunciar os culpados judicialmente.

Segundo o auto judicial, com data de segunda-feira, há 12 acusados, dez padres e dois laicos, imputados como autores ou cúmplices dos supostos abusos cometidos contra o homem entre 2004 e 2007, quando tinha entre 14 e 17 anos, em um chalé em Granada.

A vítima era membro da Opus Dei e foi seduzido pelo padre da paróquia que frequentava como participante do coro.

Francisco expressou em 25 de novembro sua "enorme dor" depois de ter conhecimento deste caso através da carta da vítima, que disse temer que outros menores estivessem envolvidos.

Desde sua eleição em março de 2013, o papa Francisco defende a tolerância zero contra a pedofilia, que pode ter produzido milhares de vítimas no mundo todo, atingindo em cheio a credibilidade da Igreja católica.
Fonte: AFP /Agence France-Presse



27/01/2014

- Rio de Janeiro tem mais de 8 mil presos sem registro


No Rio de Janeiro, cerca de 8 mil presos pertencem ao grupo dos “sub-identificados”, detentos que possuem apenas a identificação criminal — ou seja, o RG atribuído em razão de procedimento criminal. Para reverter esse quadro, a Corregedoria-Geral de Justiça daquele estado, em parceria com o Grupo de Monitoramento e Fiscalização Carcerária do Tribunal de Justiça, criaram uma força tarefa para trabalhar na erradicação do sub-registro da população carcerária.

Participam desse trabalho a Defensoria Pública, o Ministério Público, a Polícia Civil, o Instituto Félix Pacheco, o Detran e a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado. Após três anos de reuniões para o estudo do problema, uma das metas começa a ser cumprida. Três presos do Complexo de Gericinó participaram, na última sexta-feira (23/1), de audiências por videoconferência para a concessão do registro civil. A entrevista foi presidida pela juíza auxiliar da Vara de Execuções Penais, Roberta Barrouin.

As audiências foram possíveis por causa do Projeto Justiça Itinerante, que há mais de dez anos leva a Justiça a pessoas hipossuficientes. Em agosto de 2014, foi inaugurada a Justiça Itinerante Especializada em sub-registro. Familiares de presos começaram a buscar o serviço diante da facilidade de acesso viabilizada pelo projeto.

Segundo a juíza e coordenadora da Secretaria de Erradicação do Sub-Registro, Raquel Chrispino, a audiência com os detentos é um marco. “Pela primeira vez estamos realizando audiências para o processo de registro tardio de pessoas que estão presas. Normalmente atendemos os egressos do sistema que, após a liberdade, procuram o Judiciário para obter o registro civil. Ao curso dos últimos três anos no atendimento deste grupo, já foram localizadas e obtidas centenas de segundas vias de certidões de presos. No entanto, esses três detentos tiveram suas histórias detalhadas pela equipe da CGJ”, afirmou.

E concluiu: “A videoconferência contribui para segurança, celeridade e menor custo (do procedimento). É um marco também se pensarmos que, pela primeira vez, é usada, não para processos criminais, e sim para garantir a cidadania desses detentos”. 

Fonte: Com informações da assessoria de imprensa do TJ-RJ.



- Aumenta número de denúncias de pedofilia em Ipatinga, MG

Número de registros cresceu 44% após campanha contra pedofilia.
Pesquisas apontam que 90% casos de pedofilia o agressor é um conhecido.


Dados levantados pela 12ª Regional de Polícia Militar apontam o número de crimes sexuais registrados contra crianças e adolescentes em Ipatinga cresceu 44% em 2014, em comparação ao mesmo período do ano de 2013.

Segundo a presidente da Regional I do Conselho Tutelar do Município, Marli Augusta da Silva Andrade, isso não significa que o número de casos tenha crescido, mas que as vítimas, com mais informação, estão tendo mais coragem para denunciar.

De acordo com ela, aproximadamente 3% dos atendimentos mensais feitos na Regional 1, passaram a ser relativos a denúncias de suspeita de pedofilia.

“O que a gente vê é que os pais estão ficando mais atentos ao comportamento dos filhos. Isso graças ao trabalho de conscientização que vem sendo realizado junto à comunidade ipatinguense. Hoje, as queixas de pedofilia figuram em 6º lugar na nossa lista de denúncias e encaminhamentos", conta.

Campanha
Marli conta que em 2013 foi criada uma campanha para incentivar que as vítimas, e também os famíliares, denunciem os casos de crimes sexuais registrados contra crianças e adolescentes, visando facilitar o trabalho da polícia e também do Conselho Tutelar.

"Se denunciam, temos como auxiliar. Muitas das vezes esses crimes ficavam escondidos, e não tinha como desenvolver bons trabalho de combate. Após a campanha, iniciada em 2013, percebi um aumento das denúncias", relatou.

Também em 2013, a Câmara Municipal de Ipatinga, já havia realizado uma audiência pública, denominada "Ipatinga Contra Pedofilia", para buscar soluções e prevenções para o problema, já que na época foram registrados três caso de pedofilia em um curto espaço de tempo, no bairro Bom Jardim em Ipatinga.

Perigo
A presidente do Conselho Tutelar, Marli Augusta, relata que muitos pais temem que o filho seja abordado por um estranho na rua, e sofra algum tipo de abuso sexual. Segundo a conselheira, em muitos casos o perigo está mais próximo que muitos pais imaginam.

"Pesquisas disponíveis no Observatório Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente apontam que em 90% dos casos de pedofilia registrados no Brasil, o agressor é um conhecido da família, podendo ser inclusive mãe ou pai da vítima, sendo que 70% dos abusos sexuais aconteceram dentro da casa da vítima", alerta.

Fonte: G1 Vales de Minas Gerais
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário