Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

sábado, 2 de junho de 2012

Notícias da Semana - 02/06/2012 - 08/06/2012

08/06/2012

- Histórico diz que Elize Matsunaga tem 30 anos e era boa alunaDiretoria da escola diz que professores ficaram surpresos com o crime.
Documento de identidade informa que Elize tem 30 e não 38 anos.


Histórico escolar mostra que Elize Araújo Matsunaga tem 30 anos (Foto: Cassiane Seghatti/G1)

O histórico escolar de Elize Araújo Kitano Matsunaga afirma que a assassina confessa de Marcos Matsunaga tem 30 anos e era boa aluna. O documento foi obtido pelo G1 nesta sexta-feira (8), em Chopinzinho, no interior do Paraná. Na cópia da identidade anexada, a data de nascimento de Elize aparece como 29/11/1981. Já de acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, ela tem 38 anos. O boletim da escola também mostra que durante o período em que estudou no colégio, Elize tinha boas notas.

A pedagoga da Escola Estadual Nova Visão Sandra Inêz Ceni Bortolon, que na época em que Elize estudava era a diretora, disse em entrevista ao G1 que ficou triste com o fato. “É um sentimento de tristeza. A gente educa. Tenta transmitir para os alunos coisas boas para a vida deles”.

Na quarta-feira (6), Elize confessou ter matado e esquartejado o empresário Marcos Matsunaga, de 42 anos, com quem era casada e tem uma filha. O crime ocorreu no apartamento do casal, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de
São Paulo.

De acordo com a pedagoga, que trabalha na escola há 22 anos, Elize estudou de 1988 até 1997 no local. Começou no primeiro ano do Ensino Fundamental e foi até a metade do primeiro ano do Ensino Médio, quando pediu desistência. “Ela era uma menina muito tranquila e bem estudiosa. Era a primeira da sala e sempre com ótimas notas”, lembra.

Sandra disse que Elize sempre teve um ótimo relacionamento com os colegas e professores. “Ela não era uma menina que arrumasse encrenca. Se é um adolescente que briga, geralmente chama a nossa atenção, mas ela me marcou porque era muito estudiosa”, garante.
Sandra Bortolon foi diretora e garante que Elize foi
boa aluna (Foto: Cassiane Seghatti/G1)

Em um dos relatórios de fim de ano, guardados em uma pasta com todos os boletins de Elize, uma professora deixou registrado que “devido a sua timidez a aluna não conseguiu se entrosar totalmente com os alunos, porém nunca teve problemas de atritos”. O texto se refere à Elize.

Segundo a pedagoga, a mãe sempre foi muito presente na escola. Mesmo sendo e uma “família humilde, sempre tinha todo o material”. Ela garantiu que depois que Elize pediu a desistência da escola, nunca mais a viu.

De acordo com o advogado Auro Almeida Garcia, Elize foi embora de Chopinzinho aos 18 anos para estudar e trabalhar em
Curitiba e acabou não retornando à cidade por causa do mercado de trabalho. Contudo, Elize e o marido vinham constantemente visitar a família. “Eles vinham nos finais de semana e em datas especiais”.
Fonte: G1 PR, em Chopinzinho


- Elize discutiu com marido sobre guarda da filha, afirma advogadoCasal vivia crise conjugal e ela já havia pedido a separação, diz defensor.
Na noite do crime, Elize disse a Marcos que sabia que ele tinha amante.


O advogado de Elize Matsunaga, Luciano Santoro, contou na manhã desta sexta-feira (8) à equipe do SPTV que ela atirou no marido, Marcos Matsunaga, diretor-executivo da empresa Yoki, depois de uma discussão sobre a guarda da filha do casal, que tem 1 ano.

Na quarta-feira (6), Elize confessou à polícia ter matado e esquartejado o executivo dentro do apartamento da família, na Zona Oeste de
São Paulo.

O advogado deu detalhes sobre a discussão do casal na noite do crime, dia 19 de maio. Ele afirmou que Elize contou para o marido que tinha contratado um detetive particular e que sabia que Marcos tinha uma amante. Segundo o advogado, o marido ficou muito nervoso, deu um tapa em Elize e ameaçou ficar com a guarda da filha, caso eles se separassem.

O advogado disse ainda que eles viviam uma crise no casamento e que ela já tinha pedido a separação em outras oportunidades. No salão de cabelereiro frequentado por Elize, os funcionários contam que ela chegou chorando e usando óculos escuros quatro dias antes do assassinato.

Nesta segunda-feira (11), a polícia deve voltar ao local onde encontrou partes do corpo de Marcos, em
Cotia, na Grande São Paulo, para tentar localizar as malas que Elize usou para transportar os sacos plásticos com o marido morto.

FilhaA filha do casal Matsunaga estava no apartamento na noite de 19 de maio, quando Marcos foi assassinado. Ela dormia em um dos quartos quando o executivo levou um tiro na cabeça após discutir com sua mulher, a bacharel em direito Elize Araújo Kitano Matsunaga, segundo confissão dela à polícia. Peritos realizaram uma reconstitução do crime na quarta-feira (6).

A babá havia sido dispensada por Elize horas antes do crime. "A nova babá chegou às 5h e não percebeu nada", afirmou nesta quinta-feira (7) o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carlos Carrasco. Em nenhum momento os vizinhos foram procurados pela bacharel em direito, afirma Carrasco.

A criança acordou por volta das 6h30, segundo o advogado da família da vítima, Luiz Flávio D'Urso. Neste horário, a nova babá já havia chegado e estava no quarto para cuidar da menina. "No momento em que houve o disparo, estavam os três no apartamento”, disse D’Urso, referindo-se ao casal e à filha.

“Depois que chegou essa babá, na manhã do dia seguinte, é que a Elize foi para o quarto onde estava Marcos [diretor da Yoki]. Foi aí que, até segundo a própria confissão, ela começou o esquartejamento”, disse D'Urso.

A criança ficou com a babá no apartamento durante as 12 horas em que Elize esteve fora do prédio, no dia 20 de maio, afirma o advogado. A bacharel, que também é técnica em enfermagem, saiu levando três malas contendo as partes do corpo do diretor-executivo.

A polícia não divulgou se já colheu o depoimento das duas babás - a que foi dispensada no dia 19 de maio e a que chegou na manhã do dia 20. Nesta quinta-feira (7), ainda de acordo com o advogado D'Urso, a filha do casal estava no apartamento onde ocorreu o crime, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo. “Como já houve a perícia, o apartamento foi liberado”, disse. A criança estava no local sob os cuidados de uma tia materna e passava bem.

O advogado afirmou que os familiares de Marcos ainda não pararam para discutir se irão pedir a guarda da criança. Segundo D’Urso, eles estão aguardando o final das investigações policiais para pensar no assunto.

ReconstituiçãoApós prestar depoimento durante oito horas na sede do DHPP e ter confessado ser autora do homicídio e esquartejamento, Elize foi levada ao edifício onde morava com Marcos e a filha. Ela chegou ao local por volta das 20h55 de quarta-feira (6). Peritos já estavam no apartamento para seguir com o trabalho iniciado na noite de segunda (5), quando utilizaram o luminol, um reagente químico, para procurar manchas de sangue na cozinha, no quarto do casal e na área de serviço. Desta vez, os reagentes foram utilizados nos cômodos apontados por Elize.

Os peritos levaram um boneco para auxiliar na reconstituição do crime, que teve início pouco depois das 21h e terminou às 0h30, de acordo com o delegado do DHPP, Mauro Dias. Aos peritos, Elize indicou o local onde alvejou o marido, por onde o arrastou e onde realizou o esquartejamento. Em todos os pontos indicados, os peritos encontraram vestígios de sangue humano, segundo o perito criminal Ricardo da Silva Salada.

"Todos os locais estavam coerentes com os vestígios encontrados. Ela atirou nele na sala e depois o arrastou até um quarto de hóspede, uma distância de 15 metros. O luminol indicou por onde ela foi arrastado e depois onde o esquartejou, no banheiro da empregada. A versão dela foi comprovada com reagentes. Um destes reagentes comprovou que se trata de sangue humano. Agora o exame de DNA deverá comprovar que é o sangue do Marcos. Com a simulação, temos a comprovação de toda a dinâmica do crime", disse Salada.

Segundo o perito criminal, a arma utilizada no crime, uma pistola .380, estava em uma gaveta na sala onde ocorreu o homicídio. Elize teria se emocionado em alguns momentos da reconstituição. "Mas creio que muito mais por preocupação do que vai ocorrer com a filha. Em termos de arrependimento, não me pareceu", disse. Pouco antes da 1h da madrugada de quinta, Elize saiu em um carro da Polícia Civil e foi levada para a delegacia de Itapevi, na Grande São Paulo.

O delegado do DHPP Mauro Dias acompanhou a reconstituição e a conclusão do trabalho da perícia, finalizado totalmente às 2h30, no apartamento. "Ela apontou e detalhou tudo sobre o que ocorreu no dia dos fatos. Inclusive, carregou malas com pesos aproximados com os dias do crime. Agora vamos em busca de provas que confirmem ou não a versão dela", disse Dias.

A polícia retirou do apartamento 30 armas, entre elas pistolas, fuzis e até submetralhadora, que faziam parte da coleção do diretor-executivo da Yoki, por uma medida de segurança. "É para a tranquilidade dos moradores. As armas vão ser guardadas no cofre do DHPP e consultaremos o Exército sobre qual o procedimento a ser tomado. As armas são todas regularizadas e autorizadas para uso de colecionador", afirmou Dias.
Fonte: G1/SP


- 'Ela é fria e calculista', diz delegado sobre babá presa por torturaMulher acusada de agredir criança de 7 anos no Rio foi presa no Paraná.
Agressão foi filmada; em 2008, Justiça a condenou a 5 anos de prisão.


A babá Silvia dos Santos de 42 anos, condenada em 2008 por torturar um menino deficiente de 7 anos no Rio de Janeiro, se mostrou fria e calculista durante a prisão, ocorrida no litoral do Paraná. O delegado Hilton Pinho Alonso, da 62ª DP (Imbariê), disse nesta sexta-feira (8) que Silvia - que estava foragida desde a condenação - não demonstrou nenhum tipo de sentimento quando foi detida, nesta quarta (6).

" Ela é uma pessoa extremamente fria e calculista. Não teve nenhuma compaixão pelo menino e veio do Paraná, onde foi presa, até o Rio sem demonstrar nenhum tipo de arrependimento do que fez. Muito pelo contrário, ela nega o tempo todo e se faz de vitima da situação", contou. À imprensa, Silvia negou o crime (leia abaixo).

O caso ocorreu em 2005, na Tijuca, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Depois das agressões, o menino, que era deficiente físico e mental e necessitava de cuidados especiais, ficou internado por sete meses e morreu. Silvia foi condenada por tortura em 2008 a 5 anos e 7 meses de prisão.

De acordo com o delegado, a mulher foi encontrada na cidade de
Matinhos, no litoral do Paraná, após informações de pessoas da comunidade onde ela morava em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e investigação da policia.

"Em agosto de 2005, a família já estava desconfiada porque a criança tinha marcas pelo corpo. A desconfiança se agravou quando uma mãe de um aluno onde Pedro estudava achou que Silvia tratava a criança de modo estranho. Depois disso, os pais instalaram câmeras na residência, filmaram o ocorrido e mandaram as imagens para a polícia", explicou o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, Silvia mudava de endereço o tempo todo para não ser presa, mas um recadastramento da ficha de um hospital foi o que ajudou a polícia a encontra-lá.

"Primeiro fomos até o endereço que tínhamos, mas ela não estava lá. Só que nós sabíamos que ela tinha uma filha doente e fomos até o hospital onde a menina era tratada. Para nossa sorte, a unidade estava fazendo recadastramento e foi assim que conseguimos o endereço dela", contou.

O delegado ainda informou que no momento da prisão, Silvia disse que seu nome era Renata. "Ela tentou se esconder o tempo todo e até trocou o nome, mas não adiantou. Fizemos um trabalho com informações minuciosas e chegamos até o local onde ela estava com a filha de 22 anos", concluiu.

Dever cumprido pela políciaSegundo a delegada Martha Rocha, chefe da Polícia Civil, apesar do fato ter ocorrido em 2005, ele não caiu no esquecimento e o dever da polícia foi cumprido.

"Nós estamos falando de uma pessoa que passa anos de sua vida escondida, que articula estratégias de fuga. Nesse sentido eu quero destacar outra coisa: a pessoa que sabia da informação se dirigiu à delegacia, estabeleceu relações de confiança através de seu trabalho com a comunidade, que recebeu essa informação e que trabalhou essa informação. A gente vê essas facetas e temos o resultado da prisão dela. Foi um crime que chocou pela magnitude que ela cometeu", disse a delegada.

Babá nega as agressõesSegundo Silvia, a criança estava engasgada e ela só estava tentando ajudaá-la. " Eu sempre cuidei do Pedro com carinho. Ele estava engasgado e eu estava tentando ajudar o menino. Nunca bati nele. Ele já era uma criança doente. Não tenho culpa pela morte dele.", contou Silvia.
Fonte: G1/RJ


- Adolescente usa machado para matar o pai em Sergipe, diz delegadaRapaz de 17 anos e pai brigavam por conta de uma dívida de drogas.
Delegada diz que pai espancava o adolescente, a irmã e a mãe deles.


Um adolescente de 17 anos foi apreendido por volta das 12h30 desta sexta-feira (8) no Povoado Jenipapo no município de Lagarto, em Sergipe. Segundo informações do 7º Batalhão de Polícia Militar (7º BPM), o jovem quis levar um celular para pagar uma dívida de drogas, mas o pai não deixou e durante a briga o adolescente desferiu um único golpe de machado no pescoço do pai, que morreu na hora.

“As diligências sobre este caso já foram concluídas e o jovem confessou o homicídio. Além de usuário de drogas, o adolescente, a irmã dele e a mãe sofreram violência doméstica que vinha sendo praticada pelo pai há anos”, revela a delegada Ana Carolina Machado Jorge.

Os vizinhos ouviram a discussão, acionaram a polícia e em poucos minutos os agentes militares que trabalham na região chegaram à casa localizada na Rua Contorno, no povoado. Policiais do 7º BPM informaram que o rapaz estava sob o efeito de drogas quando foi detido. O adolescente está apreendido na Delegacia Regional de
Lagarto.
Fonte: G1/SE
 

- 'Eu queria estar com ela, mas não posso', diz mãe de Elize Matsunaga

Mãe de Elize tem problemas de saúde e não pode deixar Chopinzinho (PR).
Advogado diz que todos na cidade ainda estão surpresos com o crime.

Dilta Araújo, mãe de Elize Matsunaga, afirmou ao G1 nesta quinta-feira (7) que gostaria muito de ver a filha em São Paulo, mas por problemas de saúde está impossibilitada de deixar Chopinzinho, cidade que fica a 400 km de Curitiba, no Paraná. "Eu queria estar com ela, mas não posso", disse.

Elize confessou ter matado e esquartejado o empresário Marcos Matsunaga, de 42 anos, com quem era casada e tem uma filha. O crime ocorreu no apartamento do casal, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de
São Paulo.

O G1 esteve na casa da família de Elize em Chopinzinho. No local moram a mãe, o padrasto e duas irmãs. Ninguém quis receber a equipe de reportagem, e poucas palavras foram concedidas na porta da residência. Dilta afirmou que todos estão muito abalados e que o advogado da família está respondendo aos questionamentos.

Ainda em
Chopinzinho, o advogado da família Auro Almeida Garcia disse que todos ficaram sabendo do crime na terça-feira (05), através da imprensa.

“Foi um choque muito grande. Tendo em vista que a família não tinha nenhum conhecimento de divergência do casal. Eles estão bastante chateados e indignados com tudo o que aconteceu”, explica.

Garcia garante que todos da cidade, que tem pouco menos de 20 mil habitantes, estão surpresos com a notícia, pois se trata de uma “moça muito tranquila, inteligentíssima, dedicada e muito ligada à família. São pessoas sérias, humildes e trabalhadoras”.

O advogado acredita que Elize teve essa atitude brutal de matar o marido porque tinha “alguma razão ou motivo. Eles (família) estão entendendo que isso não devia de ter acontecido. E se aconteceu, alguma coisa, certamente, a levou a fazer”, completou.

O advogado garantiu que a família não pediu a guarda da filha de Elize. “Não existe razão ou motivo para que eles já entrem com o pedido da guarda. Ainda segundo Garcia, se ambas as famílias não entrarem num acordo sobre o destino da menina, “logicamente eles [família da Elize] vão querer ficar com a criança”.

Elize foi embora de Chopinzinho aos 18 anos para estudar e trabalhar em
Curitiba e acabou não retornando à cidade por causa do mercado de trabalho. Contudo, Elize e o marido vinham constantemente visitar a família. “Eles vinham nos finais de semana e em datas especiais”.
Fonte: G1 PR, em Chopinzinho



- Mãe abandona filhos de 2 e 4 anos em residência de Ribeirão Preto, SPPolícia Militar encontrou as crianças após denúncia feita por vizinha.
Pais não foram encontrados e vítimas foram encaminhadas para abrigo.

Um menino de dois anos e uma menina de quatro anos foram levados para um abrigo na noite de quinta-feira (7) após serem abandonados pela mãe em uma residência da rua Peru, no bairro Vila Carvalho, em Ribeirão Preto (SP).

As crianças foram encontradas após uma vizinha ligar para a Polícia Militar (PM). A mulher informou que as vítimas haviam sido deixadas sozinhas e que isso acontecia com frequência. Elas foram levadas para o 2º Distrito Policial, onde o Conselho Tutelar foi acionado.

Segundo o conselheiro Marcio Labate, os pais das crianças não foram encontrados. Elas foram encaminhadas para o Centro de Atendimento à Criança e ao Adolescente Vitimizados (Cacav).

Labate também informou que essa não é a primeira ocorrência do tipo envolvendo a família. Segundo ele, a mãe das crianças é usuária de drogas.

Até o momento, os responsáveis pelas vítimas não foram encontrados.
Fonte: G1 ribeirão e Franca


- Canibalismo pode ser novo efeito de droga sintética disseminada nos EUAPaís registrou alguns casos de canibalismo recentemente.
Em um deles, homem nu foi visto comendo rosto de indigente.

A droga "Cloud Nine" e outras substâncias sintéticas conhecidas como "sais de banho" podem provocar uma sensação de relaxamento extremo, ataque de pânico, apoplexia ou, inclusive, converter o usuário num canibal da noite para o dia.

Segundo agentes da ordem em Miami (sudeste dos Estados Unidos), esta teoria pode explicar por que um homem nu comeu há algumas semanas, em plena luz do dia, os olhos, o nariz, as bochechas e a boca de um indigente.

"Devemos esperar os informes toxicológicos para poder afirmar esta possibilidade", declarou à AFP a porta-voz da administração antidrogas americana (DEA), Barbara Carreno.

Mas, segundo ela, certamente percebe-se um comportamento estranho na atitude do homem, identificado como Rudy Eugene. "Estas substâncias químicas são muito perigosas. Existem pessoas que as utilizam e depois dizem 'Não vou prová-las mais. Dão medo'", acrescentou Carreno.

A "Cloud Nine" é uma das muitas substâncias sintéticas com nomes sugestivos - como "Ivory Wave", "Vanilla Sky" ou "White Lightning" - conhecidas como "sais de banho", que contêm derivados de um estimulante cerebral.

Proibida em vários estados do país e na lista de drogas controladas pela DEA desde outubro de 2011, a "Cloud Nine pode ser comprada legalmente em lojas ou postos de gasolina, além da internet.

"Era vendida por entre US$ 18 e 40 a unidade", contou TG, uma fonte que pediu o anonimato e que vendia esta droga em uma loja de Washington.

Quem a comprava? "Mendigos, advogados, qualquer um entre 18 e 75 anos", acrescentou. "Esta era a parte estranha. Pensavam que era algo que podia agitar suas mentes sem violar a lei", acrescentou.

TG afirmou jamais ter consumido "Cloud Nine", mas, por outros que o fizeram, assegurou que produzia "vários efeitos, do relaxamento a leves apoplexias".

Em um documento, o DEA alerta que esta substância pode produzir "agitação, insônia, irritação, enjoo, depressão, paranoia, delírios, pensamentos suicidas, apoplexias e ataques de pânico".

Canibalismo, no entanto, não aparece na lista da agência americana. Mas a polícia de Miami suspeita que Eugene, de 31 anos, tenha consumido "sais de banho" antes de comer o rosto de um mendigo quase inconsciente, antes de morrer baleado por um agente.

Em outro incidente, também ocorrido em Miami, um jovem de 21 anos invadiu um restaurante gritando obscenidades e tentou comer a mão de um policial. Acredita-se que também estava sob os efeitos de "Cloud Nine".

"Por favor, tenham cuidado ao lidar com a população sem teto", advertiu o departamento de polícia de North Miami Beach aos seus agentes. Também pediu que os cidadãos informem imediatamente se suspeitam que alguém possa ter tomado esta droga.

Mark Ryan, diretor do Centro de Desintoxicação Estatal da Louisiana (sul) e especialista em drogas sintéticas, explicou que os "sais de banho" - feitos com produtos importados - apareceram pela primeira vez nos Estados Unidos em 2010, "e, em 2011, se propagaram incontroladamente".

"Passamos de 300 casos diagnosticados em todos os Estados Unidos em centros de desintoxicação em 2010 para cerca de 6.000 em 2011", disse em uma entrevista à AFP.

"Todos os casos não são declarados a centros de dependência de drogas, e talvez representem 25% dos que realmente existem", disse.

Ryan lembrou casos nos quais a substância "Cloud Nine" levou "pessoas nuas a saltar por uma janela e depois escalar mastros de bandeiras" ou um suicida a atirar contra si mesmo um dia depois de tentar se enforcar.
Fonte: France Presse



07/06/2012

- Filha de casal dormia em quarto durante morte de executivo, diz polícia
 Elize Matsunaga confessou ter matado e esquartejado diretor da Yoki.
Advogado diz que babá estava no imóvel na manhã do esquartejamento.


A filha do casal Matsunaga, de 1 ano, estava no apartamento na noite em que ocorreu a morte do diretor-executivo da Yoki Marcos Kitano Matsunaga, em 19 de maio, de acordo com a Polícia Civil. A criança estava dormindo em um dos quartos quando o executivo levou um tiro na cabeça após discutir com sua mulher, a bacharel em direito Elize Araújo Kitano Matsunaga, segundo confissão dela à polícia. Peritos realizaram uma reconstitução do crime na noite desta quarta-feira (6).

A babá havia sido dispensada por Elize horas antes do crime. "A nova babá chegou às 5h e não percebeu nada", afirmou nesta quinta-feira (7) o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carlos Carrasco. Em nenhum momento os vizinhos foram procurados pela bacharel em direito, afirma Carrasco.

A criança acordou por volta das 6h30, segundo o advogado da família da vítima, Luiz Flávio D'Urso. Neste horário, a nova babá já havia chegado e estava no quarto para cuidar da menina. "No momento em que houve o disparo, estavam os três no apartamento”, disse D’Urso, referindo-se ao casal e à filha.

“Depois que chegou essa babá, na manhã do dia seguinte, é que a Elize foi para o quarto onde estava Marcos [diretor da Yoki]. Foi aí que, até segundo a própria confissão, ela começou o esquartejamento”, disse D'Urso.

A criança ficou com a babá no apartamento durante as 12 horas em que Elize esteve fora do prédio, no dia 20 de maio, afirma o advogado. A bacharel, que também é técnica em enfermagem, saiu levando três malas contendo as partes do corpo do diretor-executivo.

A polícia não divulgou se já colheu o depoimento das duas babás - a que foi dispensada no dia 19 de maio e a que chegou na manhã do dia 20. Nesta quinta-feira (7), ainda de acordo com o advogado D'Urso, a filha do casal estava no apartamento onde ocorreu o crime, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de
São Paulo. “Como já houve a perícia, o apartamento foi liberado”, disse. A criança estava no local sob os cuidados de uma tia materna e passava bem.

O advogado afirmou que os familiares de Marcos ainda não pararam para discutir se irão pedir a guarda da criança. Segundo D’Urso, eles estão aguardando o final das investigações policiais para pensar no assunto.

Reconstituição

Após prestar depoimento durante oito horas na sede do DHPP e ter confessado ser autora do homicídio e esquartejamento, Elize foi levada ao edifício onde morava com Marcos e a filha. Ela chegou ao local por volta das 20h55 de quarta-feira (6). Peritos já estavam no apartamento para seguir com o trabalho iniciado na noite de segunda (5), quando utilizaram o luminol, um reagente químico, para procurar manchas de sangue na cozinha, no quarto do casal e na área de serviço. Desta vez, os reagentes foram utilizados nos cômodos apontados por Elize.

Os peritos levaram um boneco para auxiliar na reconstituição do crime, que teve início pouco depois das 21h e terminou às 0h30, de acordo com o delegado do DHPP, Mauro Dias. Aos peritos, Elize indicou o local onde alvejou o marido, por onde o arrastou e onde realizou o esquartejamento. Em todos os pontos indicados, os peritos encontraram vestígios de sangue humano, segundo o perito criminal Ricardo da Silva Salada.

"Todos os locais estavam coerentes com os vestígios encontrados. Ela atirou nele na sala e depois o arrastou até um quarto de hóspede, uma distância de 15 metros. O luminol indicou por onde ela foi arrastado e depois onde o esquartejou, no banheiro da empregada. A versão dela foi comprovada com reagentes. Um destes reagentes comprovou que se trata de sangue humano. Agora o exame de DNA deverá comprovar que é o sangue do Marcos. Com a simulação, temos a comprovação de toda a dinâmica do crime", disse Salada.

Segundo o perito criminal, a arma utilizada no crime, uma pistola .380, estava em uma gaveta na sala onde ocorreu o homicídio. Elize teria se emocionado em alguns momentos da reconstituição. "Mas creio que muito mais por preocupação do que vai ocorrer com a filha. Em termos de arrependimento, não me pareceu", disse. Pouco antes da 1h da madrugada de quinta, Elize saiu em um carro da Polícia Civil e foi levada para a delegacia de Itapevi, na Grande São Paulo.

O delegado do DHPP Mauro Dias acompanhou a reconstituição e a conclusão do trabalho da perícia, finalizado totalmente às 2h30, no apartamento. "Ela apontou e detalhou tudo sobre o que ocorreu no dia dos fatos. Inclusive, carregou malas com pesos aproximados com os dias do crime. Agora vamos em busca de provas que confirmem ou não a versão dela", disse Dias.

A polícia retirou do apartamento 30 armas, entre elas pistolas, fuzis e até submetralhadora, que faziam parte da coleção do diretor-executivo da Yoki, por uma medida de segurança. "É para a tranquilidade dos moradores. As armas vão ser guardadas no cofre do DHPP e consultaremos o Exército sobre qual o procedimento a ser tomado. As armas são todas regularizadas e autorizadas para uso de colecionador", afirmou Dias.

Imagens divulgadas

Polícia Civil divulgou na noite desta quarta as imagens das câmeras de segurança de um prédio na Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulo, que mostram o que aconteceu antes e após a morte do diretor-executivo da Yoki.

As imagens do edifício onde o casal morava mostram Marcos entrando no prédio no dia 19, mas não registram sua saída. No dia seguinte, a gravação mostra Elize saindo do elevador, levando três malas com rodinhas. E mostra também a volta dela, 12 hora depois, sem as malas (confira a cronologia na arte ao lado).

Traição

Durante o interrogatório nesta quarta, que durou cerca de oito horas, Elize disse à polícia que matou o marido com um tiro na cabeça após discutir com ele por causa de uma suposta traição, segundo Carrasco, diretor do DHPP. A mulher afirmou ainda que foi agredida pelo executivo e que, por isso, atirou.

"Não houve premeditação, houve uma briga”, disse o diretor do DHPP. Questionado sobre o fato de nenhum vizinho ter ouvido o som do disparo, Carrasco respondeu que o apartamento, além de ter uma área grande (é um triplex), tem janelas antirruído.

A Justiça concedeu a prorrogação da prisão de Elize por mais 15 dias. A mulher contou em depoimento que, após atirar no executivo, arrastou o corpo até um quarto, onde usou uma faca de 30 centímetros para esquartejá-lo. “Por ser conhecedora de anatomia humana, por ter feito um curso de enfermagem, ela pegou uma faca e cortou nas juntas, nas cartilagens”, disse Carrasco.

A ausência de sangue, segundo o delegado, deveu-se ao tempo passado entre a morte e o desmembramento. “Ele já estava com rigidez cadavérica. O sangue estava coagulado.” Segundo relato dela à polícia, as partes foram colocadas em três malas e espalhadas em uma área de mata em
Cotia, na Grande São Paulo.

A pistola 380 usada no crime vai ser periciada e já está com os policiais. Segundo Carrasco, a mulher contou que a arma foi um presente do marido. Ambos praticavam tiro e o empresário tinha uma coleção de armamentos. O delegado acrescentou que Matsunaga, assustado com as notícias de arrastões em condomínios, deixava por precaução armas espalhadas pelo apartamento e que uma delas foi a que o matou.

Em depoimento, Elize disse ter feito tudo sozinha. Para Carrasco, sua versão é convincente. “Não tenho dúvida da autoria nem da materialidade. Acredito que ela agiu sozinha." A babá da filha do casal que havia sido dispensada também deve depor.

Desde o dia em que foi presa, o G1 tenta contato com o advogado de Elize. Nesta tarde, o advogado José Beraldo informou que chegou a conversar com a bacharel, mas que ela afirmou que seu defensor será um professor do curso de direito onde ela estudou.

Detetive particular

A polícia tenta identificar o detetive particular que foi contratado por Elize para investigar se o excutivo a traía. Ele é procurado para que seja intimado a prestar depoimento sobre seu trabalho. Policiais informaram à equipe de reportagem do G1 que o profissional seguiu o executivo e comprovou a infidelidade dele. Fotos e relatórios sobre três supostas amantes foram enviadas para a bacharel. No computador da vítima, peritos da Polícia Técnico-Científica identificaram acessos a sites de prostituição.
Fonte: G1/SP




- Suspeito de assassinato, ator pornô deve ser extraditado para o Canadá
Luka Rocco Magnotta teria esquartejado estudante em Montreal.
Ele fugiu para a Europa após crime, mas acabou detido na Alemanha.


O canadense Luka Rocco Magnotta, suspeito de esquartejar um estudante chinês em Montreal, será provavelmente extraditado para o Canadá antes do final de junho, declarou o porta-voz do procurador de Berlim, Martin Steltner.

"Esperamos que possa ser extraditado até o final do mês" para o Canadá, disse Steltner, referindo-se ao homem de 29 anos detido na segunda-feira na capital alemã.

A primeira etapa jurídica do procedimento de extradição de Rocco Magnotta estava prevista para esta quinta-feira, acrescentou. "A Procuradoria de Berlim encarregará o tribunal regional superior de Berlim de examinar se uma extradição estará em conformidade com o direito", disse.

Se este tribunal superior responder afirmativamente, a Procuradoria deverá pedir a extradição ao governo alemão. Em seguida, as autoridades alemãs analisarão se o Canadá oferece garantias de respeito aos direitos de Rocco Magnotta.

Ator de filmes pornográficos, Rocco Magnotta (também conhecido como Eric Clinton Newman ou Vladimir Romanov) é acusado de assassinato premeditado e de violação de cadáver.

Rocco Magnotta teria cometido o crime na noite de 24 de maio, antes de fugir para a França no dia 26 para permanecer 10 dias em Paris.
Fonte: France Presse



- Elize participa de reconstituição em apartamento onde executivo foi morto
Ela confessou à polícia que matou e esquartejou Marcos Matsunaga.
Polícia retirou do local 30 armas da coleção do diretor da Yoki.

A bacharel em direito e técnica em enfermagem, Elize Araújo Kitano Matsunaga, de 38 anos, participou na noite desta quarta-feira (6) e madrugada desta quinta-feira (7) da reconstituição da morte e esquartejamento do marido dela, o diretor-executivo da Yoki Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, no apartamento onde ocorreu o crime, na Vila Leopoldina, na Zona Oeste da capital.

Ela confessou à polícia nesta quarta-feira ser a autora do homicídio e esquartejamento da vítima.

Depois de prestar depoimento durante oito horas na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Elize foi levada à noite ao edifício onde morava com Marcos e a filha de pouco mais de 1 ano. Ela chegou ao local por volta das 20h55. Peritos já estavam no apartamento para dar continuidade ao trabalho de complementação da perícia que se iniciou na noite de segunda-feira (5), quando utilizaram o luminol, um reagente químico, para tentar encontrar manchas de sangue na cozinha, no quarto do casal e na área de serviço. Desta vez, os reagentes foram utilizados nos cômodos apontados por Elize.

Para a sequência dos trabalhos nesta quarta-feira, os peritos levaram um boneco para auxiliar na reconstituição do crime, que teve início pouco depois das 21h e terminou às 0h30, de acordo com o delegado do DHPP, Mauro Dias. Aos peritos, Elize indicou o local onde alvejou o marido, por onde o arrastou e onde realizou o esquartejamento. Em todos os pontos indicados, os peritos encontraram vestígios de sangue humano, segundo o perito criminal Ricardo da Silva Salada.

"Todos os locais estavam coerentes com os vestígios encontrados. Ela atirou nele na sala e depois o arrastou até um quarto de hóspede, uma distância de 15 metros. O luminol indicou por onde ela foi arrastado e depois onde o esquartejou, no banheiro da empregada. A versão dela foi comprovada com reagentes. Um destes reagentes comprovou que se trata de sangue humano. Agora o exame de DNA deverá comprovar que é o sangue do Marcos. Com a simulação, temos a comprovação de toda a dinâmica do crime", disse Salada.

Segundo o perito criminal, a arma utilizada no crime, uma pistola .380, estava em uma gaveta na sala onde ocorreu o homicídio. Elize teria se emocionado em alguns momentos da reconstituição. "Mas creio que muito mais por preocupação do que vai ocorrer com a filha. Em termos de arrependimento, não me pareceu", disse. Pouco antes da 1h da madrugada de quinta, Elize saiu em um carro da Polícia Civil e foi levada para a delegacia de Itapevi, na Grande São Paulo.

O delegado do DHPP Mauro Dias acompanhou a reconstituição e a conclusão do trabalho da perícia, finalizado totalmente às 2h30, no apartamento. "Ela apontou e detalhou tudo sobre o que ocorreu no dia dos fatos. Inclusive, carregou malas com pesos aproximados com os dias do crime. Agora vamos em busca de provas que confirmem ou não a versão dela", disse Dias.

A polícia retirou do apartamento 30 armas, entre elas pistolas, fuzis e até submetralhadora, que faziam parte da coleção do diretor-executivo da Yoki, por uma medida de segurança. "É para a tranquilidade dos moradores. As armas vão ser guardadas no cofre do DHPP e consultaremos o Exército sobre qual o procedimento a ser tomado. As armas são todas regularizadas e autorizadas para uso de colecionador", afirmou Dias.

Imagens divulgadas

Polícia Civil divulgou na noite desta quarta-feira as imagens das câmeras de segurança de um prédio na Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulox, que mostram o que aconteceu antes e após a morte de Marcos Kitano Matsunaga.

As imagens do edifício onde o casal morava mostram Marcos entrando no prédio no dia 19, mas não registram sua saída. No dia seguinte, a gravação mostra Elize saindo do elevador, levando três malas com rodinhas. E mostra também a volta dela, 12 hora depois, sem as malas (confira a cronologia na arte abaixo).

Traição

Durante o interrogatório nesta quarta, que durou cerca de oito horas, Elize disse à polícia que matou o marido com um tiro na cabeça após discutir com ele por causa de uma suposta traição, segundo o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carlos Carrasco. A mulher afirmou ainda que foi agredida pelo executivo e que, por isso, atirou.

"Não houve premeditação, houve uma briga”, disse o diretor do DHPP. Questionado sobre o fato de nenhum vizinho ter ouvido o som do disparo, Carrasco respondeu que o apartamento, além de ter uma área grande (é um triplex), tem janelas antirruído.

Elize tinha uma filha de 1 ano com o executivo da Yoki. Ela é bacharel em direito e técnica em enfermagem e está presa desde segunda-feira (4) por suspeita de assassinato. A Justiça concedeu a prorrogação da prisão dela por mais 15 dias.

O delegado informou que Elize confessou que o crime foi passional e provocado por uma traição. A arma usada no assassinato é calibre 380 e já está com a polícia, segundo Carrasco.

A mulher contou em depoimento que, após atirar no executivo, arrastou o corpo até um quarto, onde usou uma faca de 30 centímetros para esquartejar o cadáver. “Por ser conhecedora de anatomia humana, por ter feito um curso de enfermagem, ela pegou uma faca e cortou nas juntas, nas cartilagens”, disse Carrasco.

A ausência de sangue, segundo o delegado, deveu-se ao tempo passado entre a morte e o desmembramento. “Ele já estava com rigidez cadavérica. O sangue estava coagulado.” Segundo relato dela à polícia, as partes foram colocadas em três malas e espalhadas em uma área de mata em
Cotia, na Grande São Paulo.

A pistola 380 usada no crime vai ser periciada e já está com os policiais. Segundo Carrasco, a mulher contou que a arma foi um presente do marido.

Ambos praticavam tiro e o empresário tinha uma coleção de armamentos. O delegado acrescentou que Matsunaga, assustado com as notícias de arrastões em condomínios, deixava por precaução armas espalhadas pelo apartamento e que uma delas foi a que o matou.

Agora, a polícia irá buscar a faca e as malas usadas no crime. Policiais do DHPP retornarão ao apartamento para novos testes com reagente químico para localizar manchas de sangue. Uma das babás da filha do casal também deve depor. Ela e a empregada foram dispensadas por Elize horas antes do desaparecimento de Matsunaga, em 19 de maio.

Em depoimento, Elize disse ter feito tudo sozinha. Para o delegado, sua versão é convincente. “Não tenho dúvida da autoria nem da materialidade. Acredito que ela agiu sozinha."

Desde o dia em que foi presa, o G1 tenta contato com o advogado de Elize. Nesta tarde, o advogado José Beraldo informou que chegou a conversar com a bacharel, mas que ela afirmou que seu defensor será um professor do curso de direito onde ela estudou.

Advogado da família da vítima, Luiz Flávio D'Urso elogiou a investigação da polícia. “Quero fazer um reconhecimento público do trabalho de investigação do DHPP. A confissão é uma prova importante do processo, mas ela ganha relevo ainda maior quando está em perfeita sintonia com todo o conjunto probatório colhido nesta investigação.”

Detetive particular

A polícia tenta identificar o detetive particular que foi contratado por Elize para investigar se o excutivo a traía. Ele é procurado para que seja intimado a prestar depoimento sobre seu trabalho. Policiais informaram à equipe de reportagem do G1 que o profissional seguiu o executivo e comprovou a infidelidade dele. Fotos e relatórios sobre três supostas amantes foram enviadas para a bacharel. No computador da vítima, peritos da Polícia Técnico-Científica identificaram acessos a sites de prostituição.
Fonte: G1/SP



- Polícia prende suspeito de atentado em escola na Itália
Homem de 68 anos confessou ataque ocorrido em 19 de maio.
Bomba matou Melissa Bassi, de 16 anos, e feriu mais cinco jovens.


A polícia deteve na noite desta quarta-feira (6) o suspeito de colocar a bomba que no dia 19 de maio matou uma jovem de 16 anos e feriu outros cinco alunos de uma escola de Brindisi, em um ataque que comoveu a Itália.

Segundo a imprensa italiana, o detido foi identificado como Giovanni Vantaggiato, de 68 anos, morador da aldeia de Cupertino, na região de Lecce..

Emocionadas, pessoas se abraçam no local onde atentado matou uma aluna em Brindisi. (Foto: AP Photo)


Os meios de comunicação haviam informado que um suspeito era interrogado há várias horas na promotoria de Lecce e que os investigadores acreditavam em uma "vingança pessoal", cuja origem permanece obscura.

Vantaggiato é proprietário de um depósito de combustíveis em Cupertino e confessou o ataque após horas de interrogatório.

"É uma reviravolta importante e definitiva na investigação e o resultado representa um grande trabalho do poder judiciário, com colaboração esplêndida da polícia e dos carabineiros", disse o chefe da polícia italiana, Antonio Manganelli.

Segundo a investigação, Vantaggiato queria atacar o Palácio da Justiça de Brindisi, mas ao perceber que o local estava muito protegido, optou pelo centro escolar Morvillo Falcone.

A agência de notícias "Agi" informa que Vantaggiato queria se vingar da Justiça por não ter conseguido indenização em uma ação de fraude.

Vantaggiato foi localizado graças a imagens de câmeras de vigilância que filmaram seu carro, informa o site do jornal "La Repubblica".

A bomba artesanal explodiu pouco antes do início das aulas na escola Francesca Morvillo Falcone, em Brindisi, matando a jovem Melissa Bassi e ferindo gravemente outros cinco alunos.

Pessoas prestam homenagem a Melissa Bassi, estudante morta em Brindisi (Foto: AFP Photo)

A tragédia comoveu a Itália e reavivou o fantasma dos atentados terroristas dos anos 70 e das ações da máfia, devido ao nome da escola, já que Francesca Morvillo era mulher do célebre juiz antimáfia Giovanni Falcone. Os dois morreram em um atentado em 1992.
Fonte: France Presse


- Homem armado com facão mantém filhos presos dentro de casa, em GO
Segundo a PM, pai teve um surto psicótico e dizia ser Jesus Cristo.
Bombeiros, Samu, PRF e promotor auxiliaram na ocorrência, em Uruaçu.

Um homem de aproximadamente 40 anos, armado com um facão, manteve os filhos, de 13 e 14 anos, presos em casa na manhã desta quinta-feira (7), em Uruaçu, a 277 quilômetros de Goiânia. Segundo a Polícia Militar (PM), que foi acionada às 7h, ele teve um surto psicótico.

“Ele não estava ameaçando as crianças, nem as mantendo em cárcere privado, porque elas circulavam livremente pelo quintal da casa. Mas também ele não deixava que elas ficassem distantes dele. Ele dizia que era Jesus e que estavam querendo matar Jesus de novo”, conta o major da PM que acompanhou o caso, Vagner Borges de Lima.

Familiares disseram para a polícia que o homem tem problemas mentais. Após ser rendido, por volta das 11h, ele foi imobilizado pelo Corpo de Bombeiros e deve ser encaminhado para uma clínica psiquiátrica.

Além da PM e dos bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e promotor de Justiça auxiliaram na ocorrência.
Fonte: G1 GO, com informações da TV Anhanguera


- Cobrador de ônibus é preso suspeito de estuprar 12 mulheres em Goiás
Prisão aconteceu nesta semana em Águas Lindas, Entorno de Brasília.
Segundo a polícia, vítimas eram obrigadas a rezar por ele após crime.


Um cobrador de ônibus, de 25 anos, foi preso nesta semana em Águas Lindas, cidade do Entorno de Brasília, suspeito de estuprar pelo menos 12 mulheres nos últimos seis meses. Segundo a polícia, após a consumação do crime, o homem mandava que a vítima rezasse por ele, demonstrando arrependimento e preocupação.

O homem atacava as mulheres próximo às paradas de coletivo da cidade e a Polícia Civil chegou até ele com a ajuda de um morador que teria testemunhado seu último ataque e por meio de um crachá que foi pego por uma das vítimas durante um ataque. De acordo com a polícia, no momento da prisão ele confessou dois estupros, mas o delegado responsável pelo caso acredita que o número de vítimas pode chegar a 12 mulheres, entre elas, duas menores.

O cobrador foi levado para a cadeia do município e deve ser indiciado por dois crimes. “Ele vai responder por estupro de vulnerável, cuja pena varia entre oito a 15 anos de reclusão. Em relação às maiores, que até agora três já o reconheceram, seria crime de estupro, com pena de seis a dez anos”, explica o delegado Fernando Gama.
Fonte: G1 GO, com informações da TV Anhanguera


- Corpo de gêmea morta após agressão será enterrado nesta quinta
Pai das crianças de dois anos está detido sob suspeita de cometer crime.
Meninas foram agredidas e violentadas em Vera Cruz, na Bahia.


O corpo da garota gêmea de dois anos que morreu após ser agredida e violentada sexualmente em Vera Cruz, na Bahia, será enterrado na tarde desta quinta-feira (7), no cemitério Quinta dos Lázaros, em Salvador, de acordo com informações de familiares. O velório está sendo realizado nesta manhã em uma igreja do bairro de San Martin, também na capital baiana.

Por telefone, um tio das crianças informou que a menina que sobreviveu passa bem, embora não tenha dormido com facilidade durante a noite. "Ela sofreu traumas, mas
está com a avó e passa bem", diz.

Antes receber alta médica na quarta-feira (6), a sobrevivente das agressões esteve internada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Vera Cruz, além de ter passado por exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML) em Salvador.

O crime ocorreu na terça-feira (5) e as duas crianças apresentavam hematomas e marcas de violência sexual. O pai delas, apontado como principal autor dos crimes, foi preso e transferido para uma delegacia na capital. A medida visa preservar sua integridade física, já que ele teria recebido ameaças de outros detentos e da comunidade local, informou a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP).

O delegado titular da 24ª Delegacia Territorial de Vera Cruz, Lúcio Ubiracê, se
emocionou ao falar com a imprensa sobre o caso das gêmeas. "Tenho 28 anos de polícia, sinceramente, isso daí realmente me balançou muito. Já vi de tudo, mas uma barbaridade como essa não", disse.

O suspeito vai responder por homicídio, estupro de vulnerável, lesão corporal e tortura. Um laudo com a causa da morte da criança deve ser divulgado nos próximos dias.

Morte

A Secretaria de Saúde de Vera Cruz, por meio da assessoria de imprensa, informou que a médica de plantão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) tentou reanimar a criança morta, mas não conseguiu salvá-la. O órgão acrescenta que ela sofreu mutilações e o atendimento foi feito na noite de terça-feira (5). "Ele mesmo levou as crianças para o hospital dizendo que elas tinham caído da escada", afirma o delegado Lúcio Ubiracê.

Agressões

Segundo a polícia, o suspeito havia se mudado para Vera Cruz há um mês. Familiares informaram que ele estava sozinho com as crianças em casa, quando começou a sessão de agressões.

"Ele diz que cometia os maltratos porque as crianças eram desobedientes. Havia marcas de queimaduras e agressões antigas", revela o delegado Lúcio Ubiracê. “Ele nunca tinha feito isso. Pelo menos a gente nunca soube. Não sei o que aconteceu. É uma situação horrorosa”, relata um familiar que prefere não revelar o nome.

De acordo com a delegacia de Vera Cruz, o suspeito não apresentou documentos na delegacia, mas ele é conhecido da polícia por autoria de furtos e assaltos na região. A mãe das crianças está presa em Salvador.
Fonte: G1/BA


06/06/2012

- Polícia divulga imagens de câmeras de prédio onde executivo foi morto
Elize Matsunaga confessou morte de marido, Marcos Matsunaga.
Diretor da Yoki foi atingido por tiro na cabeça e teve corpo esquartejado.

A Polícia Civil divulgou na noite desta quarta-feira (6) as imagens das câmeras de segurança de um prédio na Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulo, que mostram o que aconteceu antes e após a morte do diretor-executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos. A mulher dele, Elize Araújo Kitano Matsunaga, de 38 anos, confessou o crime à polícia.

As imagens do edifício onde o casal morava mostram Marcos entrando no prédio no dia 19, mas não registram sua saída. No dia seguinte, a gravação mostra Elize saindo do elevador, levando três malas com rodinhas. E mostra também a volta dela, 12 hora depois, sem as malas (confira a cronologia na arte abaixo).

Traição
Durante o interrogatório nesta quarta, que durou cerca de oito horas, Elize disse à polícia que matou o marido com um tiro na cabeça após discutir com ele por causa de uma suposta traição, segundo o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carlos Carrasco. A mulher afirmou ainda que foi agredida pelo executivo e que, por isso, atirou.

"Não houve premeditação, houve uma briga”, disse o diretor do DHPP. Questionado sobre o fato de nenhum vizinho ter ouvido o som do disparo, Carrasco respondeu que o apartamento, além de ter uma área grande (é um triplex), tem janelas antirruído.

Elize tinha uma filha de 1 ano com o executivo da Yoki. Ela é bacharel em direito e técnica em enfermagem e está presa desde segunda-feira (4) por suspeita de assassinato. A Justiça concedeu a prorrogação da prisão dela por mais 15 dias.

O delegado informou que Elize confessou que o crime foi passional e provocado por uma traição. A arma usada no assassinato é calibre 380 e já está com a polícia, segundo Carrasco.

A mulher contou em depoimento que, após atirar no executivo, arrastou o corpo até um quarto, onde usou uma faca de 30 centímetros para esquartejar o cadáver. “Por ser conhecedora de anatomia humana, por ter feito um curso de enfermagem, ela pegou uma faca e cortou nas juntas, nas cartilagens”, disse Carrasco.

A ausência de sangue, segundo o delegado, deveu-se ao tempo passado entre a morte e o desmembramento. “Ele já estava com rigidez cadavérica. O sangue estava coagulado.” Segundo relato dela à polícia, as partes foram colocadas em três malas e espalhadas em uma área de mata em
Cotia, na Grande São Paulo.

A pistola 380 usada no crime vai ser periciada e já está com os policiais. Segundo Carrasco, a mulher contou que a arma foi um presente ganho do marido.

Ambos praticavam tiro e o empresário tinha uma coleção de armamentos. O delegado acrescentou que Matsunaga, assustado com as notícias de arrastões em condomínios, deixava por precaução armas espalhadas pelo apartamento e que uma delas foi a que o matou.

Agora, a polícia irá buscar a faca e as malas usadas no crime. Policiais do DHPP retornarão ao apartamento para novos testes com reagente químico para localizar manchas de sangue. Uma das babás da filha do casal também deve depor. Ela e a empregada foram dispensadas por Elize horas antes do desaparecimento de Matsunaga, em 19 de maio.

Em depoimento, Elize disse ter feito tudo sozinha. Para o delegado, sua versão é convincente. “Não tenho dúvida da autoria nem da materialidade. Acredito que ela agiu sozinha." O crime deverá ser reconstituído. A Polícia Civil, porém, não sabe ainda quando a reprodução simulada será realizada.

Desde o dia em que foi presa, o G1 tenta contato com o advogado de Elize. Nesta tarde, o advogado José Beraldo informou que chegou a conversar com a bacharel, mas que ela afirmou que seu defensor será um professor do curso de direito onde ela estudou.

Advogado da família da vítima, Luiz Flávio D'Urso elogiou a investigação da polícia. “Quero fazer um reconhecimento público do trabalho de investigação do DHPP. A confissão é uma prova importante do processo, mas ela ganha relevo ainda maior quando está em perfeita sintonia com todo o conjunto probatório colhido nesta investigação.”

Detetive particular
A polícia tenta identificar o detetive particular que foi contratado por Elize para investigar se o excutivo a traía. Ele é procurado para que seja intimado a prestar depoimento sobre seu trabalho. Policiais informaram à equipe de reportagem do G1 que o profissional seguiu o executivo e comprovou a infidelidade dele. Fotos e relatórios sobre três supostas amantes foram enviadas para a bacharel. No computador da vítima, peritos da Polícia Técnico-Científica identificaram acessos a sites de prostituição.
Fonte: G1/SP


- Polícia diz que mulher confessou ter matado e esquartejado empresário
Elize Matsunaga confessou envolvimento na morte do marido.
Ela está presa temporariamente por determinação da Justiça.

Policiais que acompanham o depoimento de Elize Araújo Kitano Matsunaga, de 38 anos, dizem que ela confessou nesta quarta-feira (6) ter matado e esquartejado o empresário Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, com quem era casada e tem uma filha. Elize, que é bacharel em direito, era ouvida desde 11h no Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Nesta manhã, a polícia pediu a prorrogação da prisão temporária por 30 dias para a Justiça em
Cotia. Segundo a polícia informou ao Jornal Hoje, ela confessou ter atirado no marido e esquartejado o corpo. De acordo com o depoimento, ela informou ter feito tudo sozinha.

Os policiais relataram que ela contou que atirou no executivo dentro do apartamento do casal, levou o corpo para o quarto da empregada e fez no local o esquartejamento. Ainda segundo os policais, ela também informou ter sido a única responsável por descartar os sacos plásticos com as partes do corpo.

Desde o dia em que Elize foi presa, O G1 tenta contato com o advogado da bacharel. Nesta tarde, o advogado José Beraldo informou que chegou a conversar com Elize, mas que ela afirmou que seu defensor será um professor do curso de direito onde ela estudou.

A mulher, que teve a prisão temporária decretada pela Justiça, passou a última noite na cadeia de Itapevi, na Grande São Paulo. Por volta das 11h desta quarta, ela foi levada para o DHPP para ser ouvida formalmente sobre o caso.

Detetive particular
A polícia tenta identificar o detetive particular que foi contratato por Elize para investigar se o excutivo a traía. Ele é procurado para que seja intimado a prestar depoimento sobre seu trabalho. Policiais informaram à equipe de reportagem que o profissional seguiu o executivo e comprovou a infidelidade dele. Fotos e relatórios sobre três supostas amantes foram enviadas para a bacharel. No computador da vítima, peritos da Polícia Técnico Científica identificaram acessos a sites de prostituição.

Suspeita do crime, viúva foi detida na segunda.
Nesta manhã, prestou depoimento pela primeira
vez (Foto: Nilton Fukuda/AE)
Também deverão prestar depoimento nesta quarta a empregada e a babá da filha do casal. As duas foram dispensadas por Elize horas antes do desaparecimento de Marcos, no dia 19 de maio. Partes do corpo do executivo foram encontradas dentro sacos plásticos espalhados em uma área de mata em Cotia, na Grande São Paulo, no dia 27 do mês passado.

A polícia suspeita de crime passional, mas motivação financeira não está descartada. Segundo informou na terça-feira (5) o delegado Jorge Carrasco, diretor do DHPP, Elize é suspeita de assassinar o marido por ciúmes após descobrir a traição. Ela e a filha teriam direito a receber R$ 600 mil no caso de morte do empresário.

Também é apurado pela polícia se Elize teve a ajuda de alguém para se desfazer do corpo da vítima. Uma testemunha ligou para a Guarda Civil Municipal de Cotia afirmando que um motociclista estava jogando sacos por uma estrada. Dentro deles haviam membros humanos.

Morte no apartamentoPara a polícia, Elize matou o empresário no apartamento do casal, na Zona Oeste de São Paulo, com um tiro na nuca. Ela havia feito de curso de tiro, assim como o marido.

As imagens das câmeras do edifício não foram divulgadas, mas, segundo a investigação, mostram Marcos entrar no prédio no dia 19, mas não registraram sua saída. “A gente sabe que ele entrou no apartamento e não saiu. Em tese, o homicídio aconteceu lá”, disse o delegado Mauro Gomes Dias na terça.

Em seguida, a gravação mostra Elize saindo do elevador, levando três malas com rodinhas. E mostra também a volta dela, 12 horas depois, sem as malas. Além das câmeras de segurança, que registraram a saída dela sozinha do prédio, e das sacolas plásticas apreendidas na residência do casal serem idênticas as encontradas com o corpo da vítima, um terceiro indício é levado em conta pela polícia para suspeitar de Elize.

No mesmo dia em que foi presa ela tinha entregado três armas para a Guarda Municipal, para que fossem destruídas. Uma delas usa balas do mesmo calibre que matou o empresário.


Elize chegou por volta das 11h para depor no DHPP (Foto: Nilton Fukuda/AE)

Fonte: G1/SP


- 'Nunca vi barbaridade como essa', diz delegado sobre gêmeas torturadas
Pai das vítimas é suspeito de cometer abuso sexual e agressão.
Para preservar sua integridade física, ele vai ser transferido.


O delegado titular da 24ª Delegacia Territorial de Vera Cruz, Lúcio Ubiracê, se emocionou ao falar com a imprensa sobre o caso das gêmeas de dois anos que foram agredidas e violentadas sexualmente, tendo o pai como principal suspeito.

"Tenho 28 anos de polícia, sinceramente, isso daí realmente me balançou muito. Já vi de tudo, mas uma barbaridade como essa não", emociona-se.

Uma criança morreu e a irmã gêmea dela está internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Mar Grande desde terça-feira (5).

O suspeito vai ser transferido da 24ª Delegacia Territorial de Vera Cruz para uma delegacia em Salvador, de acordo com informações divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP). Segundo a Secretaria, a medida visa preservar a integridade física do suspeito, que já estaria recebendo ameaças de outros detentos, além da própria comunidade local.

Atendimento às vítimas
A Secretaria de Saúde de Vera Cruz, por meio da assessoria de imprensa, informou que a médica de plantão tentou reanimar a criança morta, mas não conseguiu salvá-la. O órgão acrescenta que ela sofreu mutilações e o atendimento foi feito na noite de terça-feira.

"Ele mesmo levou as crianças para o hospital dizendo que elas tinham caído da escada", afirma o delegado Lúcio Ubiracê.

Agressões
Segundo a polícia, o suspeito havia se mudado para Vera Cruz há um mês. Familiares informaram que ele estava sozinho com as crianças em casa, quando começou a sessão de agressões. As duas crianças apresentavam hematomas e marcas de violência sexual.

"Ele diz que cometia os maltratos porque as crianças eram desobedientes. Havia marcas de queimaduras e agressões antigas", revela o delegado Lúcio Ubiracê.

“Ele nunca tinha feito isso. Pelo menos a gente nunca soube. Não sei o que aconteceu. É uma situação horrorosa”, relata um familiar que prefere não revelar o nome.

De acordo com a delegacia de Vera Cruz, o suspeito não apresentou documentos na delegacia, mas ele é conhecido da polícia por autoria de furtos e assaltos na região. A mãe das crianças está presa em Salvador.
Fonte: G1/BA


- Cinco suspeitos de esquartejar duas mulheres são presos na Paraíba
Polícia diz que outros dois suspeitos continuam foragidos.
Duas mulheres foram encotradas esquartejadas em bairro da capital.


Polícia iniciou a perícia no local onde corpos teriam
sido cortados (Foto: Walter Paparazzo/G1)


Cinco homens foram presos no fim da manhã desta quarta-feira (6) suspeitos de assassinar e esquartejar duas mulheres durante a madrugada. A Polícia Militar efetuou a prisão na comunidade Boa Esperança, no bairro do Cristo, em João Pessoa. Todos foram levados para a Delegacia de Homicídios.

O tenente-coronel Lívio Delgado, comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar (BPM), disse que “pegamos cinco dos suspeitos, mas sabemos que dois ainda estão foragidos. Os que estão aqui arquitetaram, executaram e deram guarda. Sabemos também que o mandante, o cabeça desse crime, está em um dos nossos presídios”.

De acordo com o comandante do 5º BPM, alguns dos suspeitos já confessaram o crime. O militar ainda informou que conseguiram efetuar a prisão através de uma denúncia anônima que receberam na manhã desta quarta-feira.

O coronel ainda fez referência a um outro crime ocorrido na semana passada em que a vítima foi um homem e também foi encontrado esquartejado dentro de uma sacola plástica, na comunidade Jardim Guaíba, no bairro Funcionários I. No entanto, ele disse que não havia nenhuma informação que ligasse o crime de hoje ao da semana passada, quando foi encontrado junto com o corpo, um papel com a frase “estuprador morre assim”.
Corpos foram encontrados em comunidade de
João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Esquartejadas
As duas mulheres foram encontradas mortas na madrugada desta quarta-feira (6) no bairro Funcionários I em João Pessoa. De acordo com a polícia, os corpos das vítimas estavam esquartejados e dentro de um saco plástico.

Dentro da saco foi encontrado um bilhete: “deveu, não pagou, morreu”. Por conta desse recado, a polícia suspeita que o crime aconteceu por acerto de contas. No local havia marcas de um carrinho de mão, usado, possivelmente para carregar os corpos e deixá-los no local onde, posteriormente, foram encontrados.
Fonte: G1/PB


- Game 'World of Warcraft' é analisado no julgamento de atirador da NoruegaAnders Breivik havia dito que dedicou 1 ano ao jogo, mas agora desmentiu.
Ultradireitista é julgado pelas mortes de 77 pessoas em ataques em Oslo.

O tribunal responsável pelo processo de Anders Behring Breivik, julgado pela morte de 77 pessoas no ano passado na Noruega, analisou longamente nesta quarta-feira (6) o RPG online "World of Warcraft", que o extremista jogava de maneira intensiva antes do massacre, mas sobre o qual ele se mostrou pouco eloquente diante da justiça em Oslo.

Em diversas oportunidades, a acusação tentou fazer Breivik falar de seu vício pelos jogos nos anos que antecederam os ataques de 22 de julho de 2011, parando com frequência no silêncio do réu.

"World of Warcraft não tem nada a ver com o dia 22 de julho", disse o acusado. "A promotoria tenta apenas me ridicularizar", acrescentou, chegando a desligar o seu microfone em um momento, incomodado com as perguntas insistentes do procurador Svein Holden.


O ultradireitista Anders Behring Breivik nesta quarta-feira (6) no tribunal de Oslo, na Noruega (Foto: AFP)


No passado, Breivik explicou ter tirado um ano sabático em 2006 para se dedicar inteiramente a esse jogo online, passado em um universo medieval fantástico e, geralmente, considerado não-violento, para jogá-lo por até 16 ou 17 horas por dia.

Nesta quarta-feira, foram apresentadas provas de que ele havia jogado intensivamente "Warcraft" até fevereiro de 2011, apenas alguns meses antes de colocar uma bomba perto da sede do governo em Oslo, e depois abrir fogo contra jovens trabalhistas reunidos na ilha de Utoeya.

Esses dois ataques deixaram 77 mortos, a maioria adolescentes.

Sem fazer referência ao jogo, o procurador explicou à imprensa após a audiência que suas perguntas tinham como objetivo mostrar incoerências nas explicações de Breivik e ajudar a determinar seu estado de saúde mental.

Breivik afirma que se dedicou a escrever "o tempo todo" seu manifesto ideológico a partir de 2007, uma atividade pouco compatível com a prática assídua de "World of Warcraft". No entanto, em 2008, ele escreveu que tinha se dedicado "non stop" ao jogo.

Diante desta contradição aparente, o extremista de 33 anos se defendeu explicando ter dividido o seu tempo entre seu manifesto e os jogos.

"Você é procurador em tempo integral e, portanto, tem certamente 'hobbies' quando chega em casa à noite", respondeu a Holden.
Fonte: AFP



- Homem decapita esposa enquanto filhos estão em casa, na AlemanhaOrhan S., 32, será internado em uma clínica psiquiátrica, relata jornal.
Crianças foram trancadas em um cômodo pela mãe, informou a polícia.
Um homem confessou ter matado e desmembrado sua esposa em Berlim,
Alemanha, e será internado em uma clínica psiquiátrica, relata o “The Local”. Ele jogou a cabeça e partes do corpo da mulher no pátio do prédio onde moravam, no centro da cidade, ao ser confrontado pela polícia no terraço do edifício neste domingo (3). Seus seis filhos estavam no apartamento durante o crime, informa o jornal.

Segundo a polícia, Orhan S., 32, de origem turca, matou sua mulher Semanur, 30, a facadas e então desmembrou o corpo da vítima. Vizinhos chamaram a polícia após ouvirem barulhos muito altos no começo do dia e alguns relataram ter visto o marido segurando a cabeça da mulher pela janela, diz o jornal.

Os seis filhos do casal, que têm entre um e 13 anos, estavam no apartamento na hora do crime e não se machucaram porque foram trancados em um cômodo pela mãe, relatou a polícia ao jornal.


Foto de Semanur S., 30, mulher morta e desmembrada pelo marido na Alemanha (Foto: Reprodução)


“Há motivos para acreditar que ele é psicologicamente desequilibrado. Ele provavelmente irá para uma clínica psiquiátrica”, disse um detetive ao “Berliner Zeitung”.

Nesta quarta-feira (6), centenas de pessoas, a maioria de ascendência turca, se concentraram nas redondezas do apartamento para se solidarizar com a família, informou o “The Local”.
Fonte: G1/SP


-Suspeito de dois estupros em Minas é preso no Espírito SantoPrisão aconteceu em Praia Grande, após cumprimento de mandado.
Segundo a polícia, abusos foram cometidos em Governador Valadares.

Um homem suspeito de cometer estupros em Governador Valadares, na Região Leste de
Minas Gerais, foi preso em Praia Grande distrito de Fundão, no Espírito Santo, nesta terça-feira (5). De acordo com a Polícia Civil, ele abusou de dois adolescentes e, em abril deste ano, as mães dos garotos denunciaram o suspeito na Delegacia de Mulheres de Governador Valadares. O acusado vai ser apresentado na cidade mineira na tarde desta quarta-feira (6).

Segundo a polícia, o suspeito conhecia os meninos, os presenteava para ganhar a confiança deles e chegou a trocar mensagens por meio de uma rede social. A Polícia Civil investiga também se outros três adolescentes sofreram abuso. Durante a investigação, o homem foi chamado para prestar depoimento, mas preferiu ficar em silêncio. Na data, ele informou que ficaria em uma casa de veraneio no Espírito Santo.

Nesta sexta-feira (1º), foi expedido um mandado preventivo de prisão e a polícia começou a procurá-lo. Após ser detido no Espírito Santo, ele foi encaminhado para a delegacia regional de
Governador Valadares. Em seguida, será levado para o presídio da cidade.
Fonte: G1/MG



05/06/2012

- Mulher de executivo esquartejado é presa em SP
Partes do corpo de Marcos Matsunaga foram encontradas em mata.
Polícia investiga crime passional; vítima desapareceu no dia 20 de maio.

A mulher do executivo da Yoki Marcos Kitano Matsunaga, cujas partes do corpo foram encontradas em região de mata de cidades da Grande São Paulo no dia 27, foi presa pela polícia após ter sua prisão temporária por cinco dias decretada, segundo o Bom Dia São Paulo. Elise Matsunaga passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML) na madrugada desta terça-feira (5). Segundo a polícia, ela nega participação na morte do marido.

O diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carrasco, disse na noite desta segunda (4) que a polícia está investigando a possibilidade de o executivo da Yoki, uma das maiores empresas do ramo alimentício do país, ter sido atingido por um tiro antes de ter sido morto e esquartejado.

A polícia fez diligências na noite desta segunda-feira no apartamento do casal, na Zona Oeste da capital, onde utilizou luminol, um reagente químico, para localizar manchas de sangue.

No local, a polícia encontrou sacos da mesma cor dos que foram utilizados para colocar as partes do corpo esquartejado do executivo. Segundo Carrasco, a vítima era colecionador de armas e algumas delas teriam sido entregues nesta segunda-feira à Guarda Civil Metropolitana para serem destruídas. Entre estas armas, estaria uma pistola 765, mesmo calibre da arma com a qual o executivo pode ter sido atingido antes de ser esquartejado, segundo o delegado. "Ela nega, mas há fortes indícios (contra ela)", disse o delegado.

De acordo com o delegado, a família do executivo havia, inicialmente, registrado um boletim de ocorrência por desaparecimento no DHPP. O empresário foi considerado desaparecido no dia 20 de maio. Depois de as partes do corpo da vítima terem sido encontradas, a família fez o reconhecimento e o inquérito passou a ser de homicídio, segundo Carrasco.

Os policiais têm imagens de câmeras de segurança que mostram o executivo entrando em um prédio na capital paulista, mas não registram a saída dele - não foi divulgado qual é esse edifício para não atrapalhar as investigações. Imagens também registram a mulher da vítima deixando o prédio dias depois, carregando malas. A polícia já confirmou que o corpo ficou armazenado em um refrigerador antes de ter as partes espalhadas na mata.

Segundo o delegado, ainda não é possível apontar quem são os executores do crime. Ao ser questionado sobre a possibilidade de envolvimento de policiais militares, ele negou. “Nem sei se ele tinha segurança e não sei se estes seguranças dele eram policiais militares. O que posso dizer é que estamos investigando todas as possibilidades. Uma delas é a de crime passional", afirmou.

Luiz Flávio D'Urso, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo, disse ao G1 que foi contratado pelo irmão e pelo pai do empresário morto e esquartejado para acompanhar o inquérito junto à Polícia Civil. "A partir do reconhecimento (da vítima), o pai e o irmão entraram em contato comigo para que acompanhasse todas as investigações. Eles estão abalados a tal ponto, justamente pela forma como se deu o crime, com o esquartejamento, por essa brutalidade fora do comum, que não sabem o que pensar. Eles querem apenas que a polícia trabalhe e que investigue todas as possibilidade", disse D'Urso. O advogado da família disse que as partes do corpo do executivo foram encontrados em uma mata na região de Cotia, na Grande São Paulo.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar, que também responde pela Corregedoria da corporação, informou em nota que "o caso citado é investigado pelo DHPP e encontra-se com sigilo para divulgação de informações, com fulcro em não prejudicar o andamento da apuração."

YokiNo dia 24 de maio, a companhia norte-americana de alimentos General Mills confirmou a compra da Yoki, com o objetivo de expandir os negócios no Brasil. No entanto, os termos do acordo, que deve ser fechado no primeiro semestre do próximo ano fiscal, que começa em 28 de maio, não foram revelados. O valor do negócio pode chegar a R$ 2,2 bilhões.
Fonte: G1/SP


- Suspeito de queimar 80% do corpo de ex-namorada é preso, diz polícia
Adolescente teve queimaduras de 2º e 3º graus e está internada na UTI.
Caso ocorreu na noite de sábado (2), em Foz do Iguaçu, no oeste do PR.

O suspeito de atear fogo na ex-namorada de 16 anos, na noite de sábado (2), na região de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, foi preso na noite de segunda-feira (4), em Cascavel, também no oeste. Segundo o delegado que cuida do caso, Marcos Araguari de Abreu, o ciúme pode ter motivado a ação. A adolescente teve queimaduras de segundo e terceiro graus e foi socorrida por populares.

"A garota tem um filho com outro rapaz e os familiares contaram que o casal já vinha recebendo ameaças do ex-namorado por telefone. O crime ocorreu nas proximidades da estação de tratamento da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). O ex a amarrou com cordas, jogou gasolina e depois ateou fogo. Ele confessou a ação informalmente à Polícia Militar (PM) no momento da prisão, mas ainda não foi interrogado aqui na delegacia", explicou o delegado.

Depois que o jovem fugiu do local, a garota conseguiu se soltar das cordas e pulou em um rio próximo para conseguir apagar as chamas. Por volta das 10h desta terça, o hospital informou que ela está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e respira com a ajuda de aparelhos.
Fonte: G1/PR

  
- Alemanha inicia processo para extraditar esquartejador canadense
Luka Rocco Magnotta foi preso na véspera em Berlim.
Ele é acusado de matar chinês, gravar tudo e enviar pedaços pelo correio.


A
Alemanha deve dar nesta terça-feira (5) o primeiro passo rumo à extradição de um canadense acusado de matar um estudante chinês no Canadá e de divulgar um vídeo com detalhes macabros, além de enviar partes do corpo da vítima para partidos políticos pelo correio.

O ator pornô Luka Rocco Magnotta, de 29 anos,
foi preso na segunda-feira em um cybercafé de Berlim. Ele é acusado de ter matado Jun Lin, de 32 anos, em maio, em Montreal.

"Hoje o homem será levado perante um juiz de instrução que irá confirmar sua detenção", disse Martin Steltner, porta-voz do Ministério Público de Berlim, à TV Reuters.

Alemanha e
Canadá têm tratado de extradição, e, pelas regras da Interpol, o suspeito deve permanecer detido até que sua transferência de país seja decidida. Mas Steltner disse não haver previsão de data para a extradição.

"O processo judicial é muito complicado", afirmou.

Magnotta foi preso depois de ser reconhecido pelo dono do café onde estava, no bairro multicultural de Neukoelln, na zona sul da capital alemã. Ele estava lendo notícias sobre a caçada policial a si próprio. O fato de falar francês reforçou as suspeitas do proprietário.

A polícia francesa já havia recebido muitas denúncias sobre a presença de Magnotta na França, e alertou na segunda-feira as autoridades alemãs de que ele havia viajado a Berlim de ônibus.
Fonte: Da reuters


- Trio de Garanhuns é indiciado pela morte de jovem em Olinda, PE
Polícia Civil apresentou conclusão do inquérito nesta terça-feira (5).
Mais um caso dos três suspeitos de canibalismo será remetido à Justiça.

Delegado Osvaldo Moraes apresentou a conclusão
do inquérito (Foto: Katherine Coutinho/G1)

A Polícia Civil apresentou nesta terça-feira (5), no Recife, as conclusões do inquérito que investigava três suspeitos de canibalismo em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. Eles vão ser indiciados por três mortes: das duas mulheres cujos corpos foram encontrados em Garanhuns, Alexandra da Silva Falcão e Giselly Helena da Silva, e da jovem de 17 anos desaparecida desde 2008 em Olinda.

De acordo com o delegado Osvaldo Moraes, o caso de Garanhuns já foi remetido à Justiça. O de Olinda será encaminhado após a coletiva desta terça. "O inquérito já foi encaminhado para a Justiça, eles vão ser indiciados pelas duas mortes. Após encontrada parte da ossada lá em Rio Doce, foi encaminhado para a Polícia Científica. Hoje estamos concluindo o procedimento do crime de Olinda, que será encaminhado à Justiça após essa coletiva", explica o delegado. Em Olinda, o inquérito foi instaurado no dia 20 de abril.

Paulo Berenguer projetou páginas do diário
(Foto: Katherine Coutinho/G1)


O exame de DNA confirmou que os ossos encontrados na casa em Olinda eram da jovem que estava desaparecida, de acordo com o delegado Paulo Berenguer. A filha dela estava sendo criada pelos suspeitos. "Comprovadamente, aqui em Pernambuco, nós temos três vítimas", afirma Berenguer. "Eles confessam os três crimes. O da menor, em Olinda, eles negaram no começo, depois acabaram por admitir", acrescenta o delegado.
Paulo Berenguer detalhou como os suspeitos praticaram o crime em Olinda. "Usando uma certidão de nascimento da jovem morta em Olinda, a suspeita de 25 anos passou a tirar documentos como ela. Eles planejaram o homicídio antes, durante e após a execução. O suspeito se apoderou da certidão de nascimento do irmão para retirar R$ 79 mil, e depois a do outro irmão para poder tirar outro RG na Paraíba. Eles registraram a criança com outro nome na Paraíba também, a fim de apagar o rastro", explica.
A partir do diário da suspeita de 25 anos, a polícia estima que a jovem foi assassinada no dia 25 de maio de 2008. Vizinhos reconheceram a vítima como moradora da casa em Olinda a partir de uma foto apresentada pela polícia. "Eles faziam uma seita, seita imaginária, criada pelo próprio suspeito. Eles planejaram a subtração da menor, o livro prova a premeditação do caso. Ele enterrou os restos mortais da jovem em forma de crucifixo. O suspeito escreveu oito livros, mas o que interessava para nós era o 'Revelações de um esquizofrênico'", conta Berenguer.
Com relação a suspeita de que o trio comia a carne das vítimas e utilizava para rechear salgados e vender na cidade de Garanhuns, o delegado não confirma a informação. "É muito difícil a polícia confirmar a história das coxinhas, quase impossíve", diz. Paulo Berenguer também não acredita na possibilidade dos suspeitos serem portadores de doença mental. "Nós acreditamos que eles não têm nenhum problema. É muito pouco provável que os três fossem portadores da mesma debilidade. O comportamento deles [sobre o caso de Olinda] foi muito frio, convictos de que o que fizeram era correto", cita.
Perita criminal Sandra Maria dos Santos
(Foto: Katherine Coutinho/G1)

Além do exame de DNA do material biológico coletado da vítima em Olinda, a perícia trabalhou com material biológico doado pelo pai. "Recebemos fragmentos de omoplata e clavícula da vítima. Já sabíamos que não era um material fácil de extrair DNA. Os ossos estavam bem ressecados, o que dificultou a ação, mas depois conseguimos outra amostra. As falanges estavam dentro de um tijolo, foi dessas amostras que conseguimos extrair o DNA", informa a perita criminal Sandra Maria dos Santos. "Colocamos toda a tecnologia disponível hoje para se fazer o exame de DNA desse caso. Esse exame foi repetido inúmeras vezes para termos certeza de que era a vítima", complementa.

Outras vítimas

O delegado Paulo Berenguer também explica sobre outras possíveis vítimas do trio. "Em resumo, aqui em Pernambuco, sete vítimas foram verificadas. Inicialmente, houve a notícia que poderiam haver oito vítimas, sete em Pernambuco e uma na Paraíba. Em Garanhuns, foram investigados os homicídios de Alexandra da Silva Falcão e Giselly Helena da Silva, que foram realmente assassinadas. A terceira vítima fatal foi a do caso que investigamos em Olinda", comenta. Outras três supostas vítimas foram citadas em depoimentos ou a partir de documentos encontrados na residência em Garanhuns. As três foram encontradas vivas. "Uma estava sendo já recrutada e seria a próxima vítima, uma moradora de Lagoa do Ouro. Outra, estava sendo investigada pelo trio e seria também uma posível outra vítima. A identidade de um delas foi encontrada na casa em Garanhuns", explica Paulo.

O caso

O homem, de 51 anos, e as duas mulheres, de 52 e 25, viraram réus pela morte de duas de suas vítimas, em Garanhuns, de acordo com o promotor de Justiça do caso, Itapuan Vasconcelos. Segundo o representante do Ministério Público, o trio confessou mais seis mortes no inquérito, que totalizariam nove vítimas. Essas outras mortes, incluindo a da mãe da criança criada pelos suspeitos que foi apresentada nesta terça, estavam sob investigação da polícia.

De acordo com o MP, o trio responderá pelos crimes de duplo homicídio triplamente qualificado, falsidade ideológica, estelionato, ocultação de cadáver e falsificação de documentos. A denúncia foi recebida integralmente pelo juiz José Carlos Vasconcelos Filho, da 1ª Vara Criminal do município do Agreste, no dia 10 de maio, que também decretou a prisão preventiva dos réus.

O crime foi descoberto em abril deste ano, quando a polícia encontrou os corpos enterrados no quintal dos acusados, que formavam um triângulo amoroso. O homem e a mulher de 52 anos, que seriam casados, e a jovem de 25, estão presos. Ainda segundo a polícia, uma das suspeitas afirmou que vendia salgados com a carne das vítimas na região.

DNA

Exames de DNA, divulgados no dia 18 de maio pelo Instituto de Criminalística (IC) de Pernambuco, confirmaram que os dois corpos encontrados enterrados na casa do trio suspeito de canibalismo, em Garanhuns, no Agreste, são realmente das duas mulheres que estavam desaparecidas na cidade: Alexandra da Silva Falcão e Giselly Helena da Silva. Os exames dos restos de uma terceira possível vítima do trio, encontrados em Olinda, ainda não foram finalizados. Entretanto, de acordo a perita Sandra Santos, o IC já conseguiu identificar que os ossos são femininos.

Essa possível vítima teria sido assassinada pelo trio em 2008, antes deles irem para Garanhuns. A filha dela, de cinco anos, teria sido levada pelos suspeitos e criada com eles. No dia 16 de maio, foram divulgados os exames da DNA da menina, que comprovaram o parentesco. A informação foi confirmada pela juíza Maria Betânia Duarte Rolim, que estava respondendo cumulativamente pela Vara Regional da Infância e Juventude de Garanhuns. O avô da criança disse que iria lutar pela guarda da neta. Uma tia também estaria interessada.
Fonte: G1/PE


- Mulher é presa por queimar o filho com água quente, diz polícia na BA
Garoto de 16 anos está no Hospital do Oeste, na cidade de Barreiras.
Polícia efetuou flagrante após agressão na noite de segunda-feira (4).Uma mulher de 33 anos foi presa em flagrante na noite de segunda-feira (4) por ter queimado o rosto do filho de 16 anos com água quente. Segundo a polícia da cidade baiana de Barreiras, onde ocorreu o crime, a agressão aconteceu porque mãe e filho se desentenderam. De acordo com testemunhas, a mulher estava alcoolizada.

O garoto permanece internado no Hospital do Oeste nesta terça-feira (5). A unidade de saúde ainda não informou o estado de saúde do paciente.
Fonte: G1 BA, com informações da TV Oeste


- Suspeito de tentar estuprar menina é preso na Baixada Fluminense
Homem tentou abusar de jovem de 12 anos no Centro de Nilópolis.
Pedestres capturaram o suspeito e o agrediram antes da chegada da PM.

Um homem de 29 anos suspeito de tentar estuprar uma adolescente de 12 anos foi preso no final da noite de segunda-feira (4) depois de ser agredido por pedestres no Centro de Nilópolis, na Baixada Fluminense. Segundo testemunhas, o suspeito teria agarrado a jovem e a levado para a margem da linha férrea. A mãe da menor presenciou a cena e pediu socorro.

Policiais que faziam um patrulhamento de rotina na região foram acionados. No entanto, o suspeito foi capturado por pedestres que o agrediram.

"Quando eles (policiais) chegaram, encontraram uma grande concentração de populares que estavam linchando o homem", disse o comandante do 20º BPM (Mesquita), tenente-coronel Marcos Silva.

Segundo o comandante, o homem sofreu ferimentos na cabeça e foi levado para a 54ª DP (Belford Roxo), onde o caso foi registrado.
Fonte: G1/RJ


- Polícia Civil investiga caso de necrofilia em município do Ceará
Homem violou túmulo e foi preso no sábado em um bar.
'Tenho 12 anos de polícia e nunca tinha visto algo parecido', diz o delegado.

Corpo estava despido e com sinais de violência
(Foto: Polícia Civil)

Um homem de 27 anos foi preso em flagrante após violar um túmulo e ter relações sexuais com o corpo de uma idosa de 86 anos enterrada no cemitério público no distrito de Sucesso no município cearense de Tamboril. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito assumiu os crimes e foi preso em um bar no sábado (2) alcoolizado.

Uma parente da idosa foi a primeira a ver o corpo fora do caixão na manhã do sábado (2) e denunciou à polícia.“Tenho 12 anos de polícia e nunca tinha visto algo parecido”, afirma o delegado Ricardo Salvoti. Segundo o policial, o corpo estava nu e apresentava marcas de sangue na região pelvica.

Segundo a polícia, o homem afirmou no depoimento que conhecia a morta e que, inclusive, tinha ido ao sepultamento da idosa na segunda-feira (28). De acordo com o delegado, o preso confessou que era alcoólatra. “Ele assumiu que estava bebendo na madrugada de sábado (2), pulou o muro do cemitério e foi em busca do túmulo da mulher sem nenhuma justificativa”, diz Salvoti.

De acordo com a polícia, o inquérito foi encerrado e enviado para a Justiça nesta segunda-feira (4). O homem está preso na Cadeia Pública de Tamboril e vai responder pelos crimes de violação de sepultura e vilipêndio a cadáver, quando há um desrespeito ou ultraje a um corpo. Cada crime tem pena que varia de um a três anos.
Fonte: G1/CE


- Em PE, homem é preso com material pornográfico envolvendo menores
Fotos e vídeos mostravam crianças e adolescentes em cenas de sexo.
Segundo a PF, ele é guarda municipal e compartilhava arquivos na internet

.
Um homem foi preso, na segunda-feira (5), em Olinda, na Região Metropolitana do Recife, com material contendo fotografias e vídeos pornográficos de crianças e adolescentes, segundo informações da Polícia Federal (PF). O suspeito de 35 anos, natural de Guarulhos, em São Paulo, é guarda municipal e foi preso no apartamento onde morava, no bairro de Rio Doce, ainda de acordo com a PF.

A ação da polícia cumpriu mandados de busca e apreensão, expedidos pela 13ª Vara Criminal Federal da Seção Judiciária de
Pernambuco. Na casa do suspeito detido, foram localizados diversos arquivos no interior de três discos rígidos, contendo cenas de sexo explícito e envolvendo menores.

Ainda segundo informações da PF, o suspeito, no momento da abordagem, estaria disponibilizando na internet parte do material pornográfico em um programa de compartilhamento de arquivos. O preso teria confessado aos policiais a posse das imagens e vídeos. Um inquérito foi instaurado para saber se o suspeito teria envolvimento na produção do material.

O homem será levado para fazer exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife e, em seguida, será conduzido para o Centro de Triagem (Cotel), em
Abreu e Lima.
Fonte: G1/PE



04/06/2012

- Acusação apresenta provas em audiência de estupro coletivo na PB
Exame de balística prova autoria do crime, segundo os advogados.
Cinco pessoas já foram ouvidas, inclusive as três mulheres vítimas.

Os advogados de acusação do caso do estupro coletivo da cidade de Queimadas apresentaram exames da perícia que comprovam a participação dos acusados na audiência desta segunda-feira (4). Essa é a primeira audiência do crime em que cinco mulheres foram estupradas e duas delas mortas em fevereiro deste ano na Paraíba.

O advogado Félix Araújo apresentou o exame de balística durante a audiência a fim de provar a culpa dos acusados. "O exame comprova que os tiros que atingiram e mataram as meninas saíram mesmo da arma que foi encontrada com Eduardo dos Santos Pereira. É uma prova cabal do envolvimento deles no caso", disse. Ainda segundo ele, os adolescentes envolvidos confessaram a versão da polícia. Ele acredita que Eduardo, acusado de planejar a ação, será levado a júri popular.

Até as 12h, cinco pessoas tinham sido ouvidas. Entre elas, as três mulheres que foram estupradas. As outras duas pessoas que prestaram depoimento foram dois maridos de vítimas. Uma sexta testemunha seria ouvida, mas os advogados de acusação dispensaram a fala da esposa de um dos acusados. A maratona de depoimentos foi interrompida para o almoço e deve voltar no início da tarde.

A juíza Flávia Baptista Rocha começou a ouvir testemunhas, vítimas e os adolescentes envolvidos às 9h desta segunda-feira (4) no Fórum da cidade. Ao todo, devem ser ouvidas 16 pessoas, mas os adultos acusados de envolvimento no caso não estão participando. De acordo com a juíza, os acusados seriam levados para assistir a audiência, mas não iriam depor nesta segunda por recomendação da direção do Complexo Penitenciário de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes, PB1 e PB2. A direção orientou que eles não fossem retirados do presídio por causa da
rebelião no local na semana passada.

Os adolescentes, que apenas assistiriam à essa primeira fase, devem depor ainda nesta segunda. Essa primeira audiência é de instrução e os adultos acusados só participarão da próxima, quando serão ouvidos. Nas duas audiências serão avaliados laudos e provas das participações de cada acusado. Depois da qualificação dos réus, a juíza decide se os eles serão levados a júri popular ou não.

A audiência dos adultos acusados será marcada ao fim da que está acontecendo nesta segunda. "Vai demorar muito em função da complexidade do caso. Geralmente, as audiências acontecem em um dia, mas devido ao número de pessoas e do perfil dos crimes, não faremos em um só", disse a juíza. O promotor de acusação do caso, Márcio Teixeira, disse que a próxima audiência deve acontecer na segunda-feira (11).

Todos os depoimentos serão filmados para agilizar a captação das informações. Segundo o promotor, depois que essa fase for concluída, o próximo passo do processo é o julgamento. O promotor também acredita que Eduardo vá a júri popular. Todos os outros acusados serão julgados pela juíza Flávia Baptista, segundo ele. Os depoimentos estão acontecendo no Tribunal do Júri do Fórum e a audiência só deve terminar no início da noite de hoje.

AcusaçãoConforme as investigações da Polícia Civil e a denúncia feita pelo Ministério Público da Paraíba, cinco mulheres foram estupradas e duas delas assassinadas durante uma festa. Para a polícia, os estupros teriam sido planejado pelos irmãos Luciano e Eduardo dos Santos Pereira, que teriam convidado amigos para abusar sexualmente de mulheres convidadas de uma festa promovida por eles.

Os irmãos teriam simulado a chegada de assaltantes na casa e usado máscaras e capuzes para não serem reconhecidos. Duas das vítimas teriam conseguido ver as pessoas que as violentavam e por isso foram tiradas da casa e executadas.

Os dez rapazes estão sendo acusados por estupro, cárcere privado, lesão corporal, formação de quadrilha. Eduardo, no entanto, está sendo acusado isoladamente também por duplo homicídio e posse ilegal de arma.

Os adolescentes podem passar até três anos internados no Lar do Garoto, em Lagoa Seca, mas a cada seis meses poderão ser reavaliados. Dependendo do comportamento dos menores de idade, o tempo de internação pode ser reduzido.
Fonte: G1/PB


- Juíza deve ouvir 16 em audiência de acusados de estupro coletivo na PBAudiência acontece no Fórum de Queimadas, no Agreste da Paraíba.
Estupro de cinco mulheres com duas mortes aconteceu em fevereiro.

A primeira audiência com os envolvidos no estupro coletivo da cidade de Queimadas, em que cinco mulheres foram estupradas e duas mulheres mortas em fevereiro deste ano, começou às 9h desta segunda-feira (4) no Fórum da cidade. Serão ouvidas 16 pessoas, mas os adultos acusados de envolvimento no caso não participarão. Os menores de idade, as vítimas sobreviventes e as testemunhas estão depondo no Tribunal do Júri do Fórum e a audiência só deve terminar no início da noite de hoje.

De acordo com a juíza Flávia Baptista Rocha, os acusados seriam levados para assistir à audiência, mas não iriam depor nesta segunda. Segundo ela, os acusados não comparecerão ao Fórum por recomendação da direção do Complexo Penitenciário de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes, PB1 e PB2. A direção orientou que eles não fossem retirados do presídio por causa da
rebelião no local na semana passada.

Os adolescentes, que apenas assistiriam à essa primeira fase, devem depor ainda nesta segunda. Além deles, das vítimas e das testemunhas, os advogados de defesa e acusação também falarão. Essa primeira audiência é de instrução e os adultos acusados só particparão da próxima, quando serão ouvidos. Nas duas audiências serão avaliados laudos e provas das participações de cada acusado. Depois da qualificação dos réus, a juíza decide se os eles serão levados a júri popular ou não.

A audiência dos adultos acusados será marcada ao fim da que está acontecendo nesta segunda. "Vai demorar muito em função da complexidade do caso. Geralmente, as audiências acontecem em um dia, mas devido ao número de pessoas e do perfil dos crimes, não faremos em um só", disse a juíza. O promotor de acusação do caso, Márcio Teixeira, disse que a próxima audiência deve acontecer na segunda-feira (11).

Todos os depoimentos serão filmados para agilizar a captação das informações. Segundo o promotor, depois que essa fase for concluída, o próximo passo do processo é o julgamento. Ele acredita que Eduardo, acusado de planejar a ação, será levado a júri popular. Todos os outros acusados serão julgados pela juíza Flávia Baptista, segundo ele.

AcusaçãoConforme as investigações da Polícia Civil e a denúncia feita pelo Ministério Público da Paraíba, cinco mulheres foram estupradas e duas delas assassinadas durante uma festa. Para a polícia, os estupros teriam sido planejado pelos irmãos Luciano e Eduardo dos Santos Pereira, que teriam convidado amigos para abusar sexualmente de mulheres convidadas de uma festa promovida por eles.

Os irmãos teriam simulado a chegada de assaltantes na casa e usado máscaras e capuzes para não serem reconhecidos. Duas das vítimas teriam conseguido ver as pessoas que as violentavam e por isso foram tiradas da casa e executadas.

Os dez rapazes estão sendo acusados por estupro, cárcere privado, lesão corporal, formação de quadrilha. Eduardo, no entanto, está sendo acusado isoladamente também por duplo homicídio e posse ilegal de arma.

Os adolescentes podem passar até três anos internados no Lar do Garoto, em Lagoa Seca, mas a cada seis meses poderão ser reavaliados. Dependendo do comportamento dos menores de idade, o tempo de internação pode ser reduzido.

O crime


Michele e Isabela foram estupradas e mortas durante
festa (Foto: Reprodução/TV Globo)

No dia 12 de fevereiro de 2012 duas mulheres foram assassinadas na cidade de Queimadas, no Agreste da Paraiba. Segundo a Polícia Militar, elas estariam em uma festa de aniversário em uma casa com dez homens e outras três mulheres. Os homens são acusados de estupras as cinco e matar duas delas. As mortes teriam acontecido porque as vítimas reconheceram os criminosos. Uma delas foi morta com quatro tiros em uma rua central da cidade e a outra foi assassinada com três tiros na estrada para Campina Grande.
Fonte: G1/PB

- Adolescente sofre abuso sexual dentro de escola do DF, diz políciaMenina teria sido empurrada para sala de aula e obrigada a fazer sexo oral.
Um maior de idade está preso; 3 menores foram apreendidos e liberados.

Uma adolescente de 13 anos foi abusada sexualmente na última sexta-feira (1º) por sete jovens numa escola pública de Ceilândia Norte, a cerca de 26 quilômetros de Brasília, de acordo com informações da polícia. A vítima teria relatado que os abusos ocorreram durante o intervalo, dentro de uma sala de aula vazia.

O delegado da Delegacia da Criança e do Adolescente, Fernando Fernandes, informou que três menores chegaram a ser apreendidos, mas já foram liberados. Um rapaz, maior de idade, está preso e outros três adolescentes estão sendo identificados.

Fernandes disse ainda que a menina teria sido empurrada para dentro de uma sala na hora do intervalo e obrigada a fazer sexo oral em dois rapazes. Os outros teriam ficado na porta, vigiando. Os alunos que cometeram o abuso eram mais velhos. A polícia informou que um deles teria filmado a cena com o celular.

A Secretaria de Educação não quis gravar entrevista. Por meio de nota, o órgão informou que só vai decidir que medidas serão tomadas depois da conclusão do inquérito da polícia.

O pai da menina disse que a ela é aluna especial e tem dificuldade de aprendizagem. Em entrevista ao Bom Dia DF, ele afirmou que a filha já teria sido abusada por três vezes na escola. "Ela disse que travou, ficou preocupada de falar na escola e falar com os pais", declarou.

A polícia aguarda o resultado do exame feito no Instituto Médico Legal para saber se também houve outras formas de abuso. O delegado Fernando Fernandes disse que a investigação prosseguirá para identificar a participação de mais jovens no abuso.

"Um segundo relato da vítima indica que há a participação de outros jovens que ainda não foram totalmente qualificados, identificados. Nós prosseguiremos com as investigações, no intuito de investigar esses jovens e apresentá-los, se menores, à Vara da Infância, e, se maiores, à vara criminal competente", disse o delegado.

Segundo Fernandes, como o crime teria ocorrido durante três dias seguidos em horário de aula, a escola pode ser responsabilizada. "O diretor ou servidor responsável pela segurança dos alunos na escola poderá responder, sim, pela omissão, se ficar caracterizado que ele podia e devia agir para evitar que o resultado ocorresse", afirmou Fernandes.

O pai da menina também contou que a adolescente está constrangida e não quer tocar no assunto. A família pretende mudar de endereço e trocar a menina de escola.

Os suspeitos podem responder por estupro de vulnerável. O maior de idade pode pegar até 15 anos de reclusão. Os menores podem ter de cumprir medida sócioeducativa de até 3 anos de internação.
Fonte: G1/DF


-  Ator pornô acusado de esquartejar namorado é preso em BerlimLuka Rocco Magnotta foi detido em cybercafé, segundo a polícia.
Ele teria matado e desmembrado corpo de estudante chinês de 32 anos.

O ator pornô canadense Luka Rocco Magnotta, suspeito de ter matado com um picador de gelo e de ter desmembrado o corpo de um estudante chinês em Montreal, no Canadá, foi preso nesta segunda-feira (4) em um cybercafé em Berlim, na Alemanha, segundo a polícia.

Um porta-voz policial confirmou a informação divulgada um pouco antes pelo jornal alemão "Bild".

O detido é suspeito de ter matado e esquartejado Jun Lin e de ter divulgado um vídeo que mostra o crime na internet.

Fuga para a EuropaSegundo os investigadores canadenses, Magnotta teria embarcado em um avião em Montreal com destino à França no dia 26 de maio. "Depois do aeroporto, nós recebemos informações que vamos manter para nós no momento", havia afirmado na sexta-feira Ian Lafrenière, porta-voz da Polícia de Montreal.

Nesse mesmo dia, a polícia francesa havia afirmado não ter "certeza alguma quanto a sua presença na França".

Ator de filmes pornográficos canadenses, Luka, nascido em Toronto, conhecido também pelos nomes de Eric Clinton Newman e Vladimir Romanov, é acusado de assassinato premeditado e de violação de cadáver.

Ele usa perucas e pode se disfarçar de mulher. Muito ativo nas redes sociais, ele teria aderido a teses de supremacia da raça branca.

"Gosto de sangue"Suas fotos e até a sua voz foram amplamente difundidas pela imprensa canadense, que recuperou parte de uma entrevista concedida em dezembro passado a um jornalista do tabloide britânico "Sun", Alex West, que investigava um vídeo em que um homem dava um gato vivo a uma cobra que se preparava para devorá-lo.

O jornalista informou que, dois dias após o seu encontro, o jornal recebeu uma mensagem eletrônica anunciando que seu interlocutor pretendia produzir um filme "onde seria possível ver seres humanos, e não gatos", acrescentando que "depois de matar e sentir o gosto do sangue, é impossível parar".

Entrevistada pela rede de televisão pública canadense CBC, a transexual Nina Arsenault, que afirma ter tido um relacionamento com Magnotta, o descreveu como "manipulador, mentiroso, irascível e, frequentemente, autodestrutivo".

Sua vítima é o estudante chinês Jun Lin, de 32 anos, oriundo de Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, que tinha chegado a Québec em julho passado para estudar na universidade anglófona de Concordia, segundo a polícia de Montreal. "Tudo nos leva a crer que essas pessoas se conheciam", disse Lafrenière.

A Interpol emitiu uma ordem de captura internacional contra Magnotta depois de um pé humano ter sido enviado à sede do Partido Conservador do
Canadá na terça-feira. Horas depois, uma mão foi encontrada em um posto dos correios de Ottawa, e um tronco foi achado dentro de uma maleta em uma lixeira de Montreal.

A polícia canadense acredita que o crime ocorreu na noite entre 24 e 25 de maio, e que Magnotta é culpado.
Fonte: G1 com Agências Internacionais


- Mulher mata cunhado por quebrar tubulação d'água em MT, diz políciaSegundo a polícia, suspeita disparou três tiros contra o cunhado.
A vítima teria quebrado a tubulação de água da casa da suspeita.


Uma mulher de 34 anos foi presa neste domingo (3) suspeita de matar o cunhado dela em Juína, a 737 quilômetros de Cuiabá, durante uma briga por causa de uma tubulação d'água que a vítima teria quebrado, provocando vazamentos. Segundo a Polícia Militar, ela disparou três tiros contra o cunhado, que não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O crime ocorreu no sábado (2) e a suspeita encontrava-se foragida. Até que a polícia recebeu uma denúncia anônima informando que ela estava escondida na chácara de um parente dela no município. Conforme PM, além de um revólver calibre 38 usado no crime, foi apreendida uma espingarda calibre 22 na casa da suspeita.

A polícia informou ainda que testemunhas contaram que a vítima e a suspeita já tinham alguns problemas de relacionamento e que no sábado o cunhado teria quebrado a tubulação de água da residência dela, o que teria motivado o crime.
Fonte: G1/MT


- Polícia vai investigar mulher que matou ex-marido em Rio Preto, SPHomem sequestrou e estuprou a mulher, que atirou contra ele.
Crime aconteceu em uma chácara, na zona rural na cidade.
A polícia de
São José do Rio Preto (SP) abriu inquérito para investigar o caso da mulher que matou o ex-marido neste domingo (3).

Ela foi raptada e estuprada. Em um momento de distração do possível agressor, a mulher pegou a arma que ele usava para ameaçá-la e fez quatro disparos.

O crime foi em uma chácara, na estrada que liga Rio Preto a Mirassolândia (SP). A mulher, com vários ferimentos, recebeu atendimento no Hospital de Base e foi liberada. Ela vai responder processo em liberdade.
Fonte: G1 Rio Preto e Araçatuba


- Mãe é detida suspeita de queimar filho com colher no Rio, diz delegadaMenino recebeu 'castigo' por ter pego R$ 2 que seriam para comprar pão.
Polícia informou que a denúncia do crime foi feita pelo pai da criança.

Uma mulher foi detida, nesta segunda-feira (4), suspeita de queimar o filho, de 9 anos, com uma colher quente na Zona Oeste do
Rio de Janeiro. Segundo a delegada adjunta da 35ª DP (Campo Grande), Tatiana Damaris, o menino recebeu o “castigo” porque teria pego a quantia de R$ 2 que seriam usados para comprar pão.

A polícia informou que a denúncia do crime foi feita pelo pai do menino. De acordo com a delegada, a mãe da criança foi liberada e encaminhada para o Conselho Tutelar com o filho.

Ainda de acordo com a delegada, agentes da 35ª DP aguardavam, por volta das 14h20, o resultado do exame de corpo de delito para pedir a prisão preventiva da mãe.
Fonte: G1/RJ


- Moradoras de rua são suspeitas de esfaquear e queimar homem em MG Vítima teve 40% do corpo queimado e passou por cirurgia em Patrocínio.
Elas foram conduzidas à Delegacia, onde permanecem presas.

Duas mulheres, de 26 e 50 anos, foram presas neste domingo (3), em
Patrocínio, no Alto Paranaíba, suspeitas de tentativa de homicídio. De acordo com a Polícia Militar, uma testemunha informou que elas colocaram fogo em um homem de 40 anos. Todos são moradores de rua e viviam em um galpão abandonado no Bairro São Cristóvão.

Quando os militares chegaram ao local se depararam com o Corpo de Bombeiros prestando socorro à vítima, que apresentava um corte de faca na região lombar e estava em chamas nos ombros, nas pernas e na região genital. As mulheres, supostas autoras, também estavam no galpão e assistiram a agonia da vítima.

Questionadas pelos policias, as suspeitas não souberam explicar o que faziam no local e porque não ajudaram a vítima. Elas foram conduzidas à Delegacia, onde permanecem presas.

De acordo com a Santa Casa, o homem teve queimaduras de 3º grau em 40% do corpo. Ele passou por cirurgia para fazer drenagem do pulmão, em virtude da facada. O estado de saúde dele é grave, apesar de estável.
Fonte: G1 Triângulo Mineiro


02/06/2012
- Site divulga chamadas para o 911 sobre ataque canibal nos EUA
 Site da ABC publicou alertas feitos por três testemunhas.
Homem comeu partes do rosto de outro em Miami no dia 26 de maio.

"Ele está batendo no outro homem. É um homem pelado batendo em outro. Ele vai matá-lo. Eu juro." O alerta está numa das três chamadas recebidas pelo 911, o serviço de emergência dos Estados Unidos, relatando o ataque canibal ocorrido no dia 26 de maio em Miami. Naquele sábado, Rudy Eugene, 31, comeu o rosto do morador de rua Ronald Poppo, 65. Eugene foi morto a tiros por policiais, e Poppo está internado em estado grave.


Polícia dos EUA divulga três chamadas denunciando ataque canibal em Miami, diz ABC (Foto: Reprodução/ABC News)


As chamadas foram publicadas no site da emissora ABC neste sábado (2). O texto diz que a polícia divulgou o conteúdo nesta sexta-feira (1). "Vocês não podem perdê-lo, ele está pelado!", diz outra chamada, também reproduzida na reportagem da ABC. Segundo o texto, a pessoa que fazia o telefonema buscava facilitar a localização do agressor. Uma terceira teria ainda dito: "Ele está batendo no outro homem 'até os ossos'".

A ABC lembra ainda de outros recentes casos de canibalismo, como o envolendo o estudante Alexander Kinyua, 21, acusado de ter comido o coração e partes do cérebro do homem com quem dividia a casa.  Essas ocorrências levaram o órgão americano de controle e prevenção de doenças a afirmar nesta sexta que zumbis não existem. 
Fonte: G1/SP


Reações:

1 comentários:

Postar um comentário