Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Serial Killers Parte V - Aspectos Gerais e Psicológicos do Serial Killer 2




As motivações dos serial killers

Um dos aspectos mais estudados dos assassinatos em série é o "por quê?". Várias teorias foram anunciadas como explicações em potencial. Mas "esclarecer como um serial killer é criado é como resolver um cubo mágico". Em outras palavras, não existe resposta. Vejamos então três teorias possíveis: negligência e abuso na infância, doença mental e danos cerebrais.

Negligência e abuso

Uma teoria gira em torno da negligência e do abuso sofridos por muitos serial killers quando crianças. Robert Ressler e Tom Shachtman descrevem um estudo conduzido pelo FBI, que incluiu entrevistas com dezenas de assassinos (a maioria deles serial killers). Em cada caso, eles descobriram "padrões similares de negligência infantil grave". Durante o desenvolvimento de uma criança, há períodos importantes durante os quais elas aprendem sobre o amor, a verdade, a empatia, e regras básicas para interagir com outros seres humanos. Se estes traços não são ensinados para a criança durante aquele período, pode ser que ela não os aprenda durante a vida.

Serial Killers frequentemente sofreram abuso físico ou sexual quando crianças, ou testemunharam o abuso de membros da família. Este padrão de negligência e abuso, dizem alguns pesquisadores, leva Serial Killers a crescerem sem a percepção de ninguém além deles mesmos. Mas ao mesmo tempo, muitas crianças crescem sofrendo negligência e abuso, mas não se tornam criminosos violentos ou serial killers.


A Terrível Tríade/ A tríade

Existem vários aspectos psicológicos que os serial killers têm em comum, tanto no que diz respeito à sua ação quanto ao passado.
Na infância, nenhum aspecto isolado define a criança como um serial killer em potencial, mas a chamada “terrível tríade” parece estar presente no histórico de todos os serial killers: incontinência urinaria sem conhecimento, micção involuntária, inconsciente em idade avançada, abuso sádico de animais ou outras crianças, destruição de propriedade e mania de atear fogo.

A tríade Macdonald ( também conhecido como a tríade de sociopatia ou tríade homicida ) é um conjunto de três características comportamentais presentes, associadas a indivíduos que mais tarde podem apresentar tendência à violência. A concepção tríade foi proposta pela primeira vez pelo psiquiatra JM Macdonald em "The Threat to Kill " , um artigo de 1963 no American Journal of Psychiatry. Estudos de pequena escala realizados pelos psiquiatras Daniel Hellman e Nathan Blackman , e em seguida, pelos agentes do FBI John E. Douglas e Robert K. Ressler , juntamente com o Dr. Ann Burgess, trouxeram provas substanciais com relação a associação destes padrões de infância com o comportamento predador no futuro. Embora permaneça como uma teoria influente e amplamente ensinada, pesquisas posteriores geralmente não validam esta linha de pensamento.

A tríade liga crueldade com os animais , a obsessão com o fogo , e a incontinência urinária persistente (nesse caso após a idade comum para o aparecimento desse fenômeno), a comportamentos violentos, particularmente comportamento homicida e comportamento sexual predatório. Alguns outros estudos afirmam não ter encontrado ligações significativas entre a tríade e criminosos violentos .

Outros estudos têm sugerido que estes comportamentos são realmente mais ligados à experiência da infância de negligência parental , brutalidade ou abuso. Alguns argumentam que a Tríade por sua vez resulta em " propensão homicida” . 

Comportamento insuportável 

Em Singer e Hensley (2004), a teoria de comportamento insuportável é citada como uma forma mais leve na liberação de agressão. Extensos períodos de humilhação foram encontrados presente na infância de vários assassinos adultos . Estes episódios repetitivos de humilhação podem levar a sentimentos de frustração e raiva, que de alguma forma precisam ser liberados para voltar a um estado normal de auto-estima . No entanto , a combinação da tríade tem sido questionada a esse respeito também , e uma avaliação sugere que este comportamento é apenas aquele que pode ocorrer no contexto do comportamento antissocial infância e não é necessariamente preditiva da violência posterior .


Crueldade com animais 

O Agente especial do FBI Alan Brantly acreditava que alguns infratores matar animais como um ensaio para matar vítimas humanas . A crueldade com animais é usada principalmente para desabafar a frustração e a raiva. Grandes quantidades de humilhação também foram encontrados na infância de crianças que se envolveram em atos de crueldade contra os animais . Durante a infância , os serial killers não podem se voltar contra aqueles que lhes causaram humilhação , por isso eles escolhem os animais, porque são vistos como fracos e vulneráveis ​​. A seleção da futura vítima já está em processo. Estudos descobriram que aqueles que se envolveram em atos de crueldade contra os animais na infância, usaram o mesmo método para matar suas vítimas humanas.

Wright e Hensley (2003) nomearam três temas recorrentes em seu estudo de cinco casos de assassinos em série : Quando crianças, eles reprimiam as suas frustrações , porque a pessoa que lhes causava raiva ou humilhação era muito poderosa para derrubar ; eles se sentiam como se recuperassem algum controle e poder sobre suas vidas através da tortura e morte dos animais; eles ganhavam poder e controle que eles precisavam para causar dor e sofrimento de um animal mais fraco, mais vulnerável - escalada para os seres humanos no futuro.

Em um estudo de 45 presos do sexo masculino que foram considerados criminosos violentos, McClellan (2003) constatou que 56 % admitiu ter cometido atos de violência contra os animais. Constatou-se também que as crianças que abusavam de animais eram mais frequentemente vítimas de abuso dos pais do que crianças que não abusavam de animais. 

Tallichet e Hensley (2004) postulou que os estudos têm sido incertos em relação à crueldade contra os animais e a violência contra os seres humanos mais tarde. Além disso , o excesso de generalizar as possíveis ligações entre a violência animal e violência humana pode ter consequências indesejáveis, tais como diminuir o foco de outros preditores possíveis ou causas. 


Enurese 

A enurese é o " xixi na cama durante o sono não-intencional , persistente após cinco anos de idade " . A enurese deve continuar duas vezes por semana por pelo menos três meses consecutivos.

A ideia de que a enurese nada tem a ver com desajuste psicológico , e certamente com tendências antissociais ou posteriormente violentas, tem sido descrita como um mito totalmente desacreditado. Alguns autores continuam a especular que a enurese pode estar relacionada ao comportamento insuportável e com a contra o crueldade animal de alguma forma. Um argumento é que, por causa persistente enurese além da idade de cinco anos pode ser humilhante para uma criança, especialmente se ele ou ela é desprezada por uma figura paternal ou outro adulto, como resultado isso poderia fazer a criança usar o comportamento insuportável ou ser cruel com os animais como uma saída para sua frustração. A enurese é um ato " inconsciente e involuntário , não-violento .

Outras características comuns na infância desses indivíduos são: devaneios diurnos, masturbação compulsiva, isolamento social, mentiras crônicas, rebeldia, pesadelos constantes, roubos, baixa auto-estima, acesso de raivas exagerados, problemas relativos ao sono, fobias, fugas, propensão a acidentes, dores de cabeça constantes, possibilidade destrutiva, problemas alimentares, convulsões e automutilações, todas elas relatadas pelos próprios serial killers em entrevistas com especialistas.

Apesar de não fazer parte da “terrível tríade”, o isolamento familiar e/ou social é relatado pela grande maioria deles. Quando uma criança é isolada ou deixada sozinha por longos períodos de tempos e com certa freqüência, a fantasia e os devaneios passam a ocupar o vazio da solidão. A masturbação compulsiva é conseqüência altamente previsível. 
Para as pessoas normais, as fantasias podem ser usadas como fuga no entretenimento. É temporário, e existe a compreensão por parte do individuo de que é completamente irreal. Para os Serial Killers a fantasia é compulsiva e complexa. Acaba se transformando no centro de seu comportamento, em vez de ser uma distração mental. O crime é a própria fantasia do criminoso, planejado e executado por ele na vida real. A vítima é apenas o elemento que reforça a fantasia.

A escalada da fantasia, ao exigir constante reforço e, para todos, sucessão de vítimas, acaba se tornando o motivo do crime e estabelecendo a “assinatura” do criminoso.
O comportamento fantástico do Serial Killer serve a muitos objetivos aplaca sua necessidade de controle, dissocia a vitima tornando os acontecimentos mais reais, dá suporte à sua “personalidade para fins sociais” e é combustível para futuras fantasias.

Controle

Para o Serial Killer, a fantasia provê sua necessidade de controle da situação. Em homicídios seriais, o assassinato aumenta a sensação de controle do criminoso sobre a vítima. Ele estabelece um comportamento que demonstra, sem sombra de duvida, que esta no controle.
Um dos meios que permitem que o Serial Killers se sinta no controle é degradar e desvalorizar a vitima por longos períodos de tempo. Esse objetivo pode ser alcançado fazendo a vítima seguir um roteiro verbal, através de sexo doloroso e/ou forçado pela tortura.
Alguns Sseriais Killers não se sentem no controle da situação ate a vítima estar morta, então as matam mais rapidamente. Uma vez morta, começam as mutilações Post Mortem, a desfeminização (grande estrago ou retirada dos órgãos femininos) e disposição do corpo de maneira peculiar, em geral humilhante (nua, por exemplo). Esse comportamento estabelece claramente o controle do Serial Killer sobre a vítima.

Um exemplo que pode exemplificar bem a questão de fantasia e controle é o caso de Dayton Leroy Rogers. [Crimes ocorridos na cidade de Ortland, Oregon, nos EUA]
Quando estava recém-casado com sua primeira esposa, Rogers atacou uma garota de 15 anos com uma faca. Foi imediatamente colocado em um programa de reabilitação sexual para transgressores sexuais. Ali, suas fantasias cresceram e tornaram-se cada vez mais violentas. Ele passou a usar narcóticos, álcool e a masturbar-se compulsivamente. Durante o período de seu segundo casamento, admitiu já ter fantasias sexuais violentas de escravidão durante as relações sexuais do casal. Declarou que essas fantasias aumentavam sua excitação.

Quando fantasiar já não era suficiente, passou a pegar prostitutas tarde da noite com seu caminhão, levando-as a lugares remotos na floresta de Molalla.
Uma vez no local escolhido, ele coagia a prostituta a deixar-se amarrar e iniciava-se um ritual de escravidão metódico e extremo. Em algum momento desse ritual, ele começava a masturba-se com os pés das vítimas. Torturava-as intermitentemente fatiando seus pés ou cortando seus mamilos.

O procedimento se estendia até as primeiras horas da manhã. De acordo com algumas vítimas sobreviventes, ele regulamente pausava o ataque e as deixava sozinhas no caminho enquanto ia urinar do lado de fora, uma vez que consumia álcool durante toda a provação por que passavam suas vítimas.
Rogers as mantinham amarradas de forma apertada e dolorosa e as ameaçava estrangular se elas não se submetessem às suas exigências, que incluíram “falas” do texto que estava em sua imaginação. A menos que escapasse, a vítima não tinha a menor chance: seria assassinada e jogada na floresta.

Rogers procurava sua vitima ideal, levava-a para um local onde ele estaria no controle total da situação e a forçava a um papel, uma personagem dentro de sua fantasia.
Constata-se também a procura de controle por parte do Serial Killer a partir da observação do local onde ele vai realizar sua fantasia, do roteiro ao qual ele submete a vítima, das armas que ele eventualmente usa ou traz consigo e do tipo de mutilação que ele inflige à vítima . O agressor faz aquilo que acredita que o manterá no controle, alimentando e reforçando sua fantasia.


Dissociação 

Para parecer uma pessoa normal e misturar-se aos outros seres humanos, o Serial Killer desenvolve uma personalidade para contato, ou seja, um fino verniz de personalidade completamente dissociado do seu comportamento violento e criminoso.
A dissociação não é anormal, todos nós temos um comportamento social mais “controlado” do que aquele que temos com nossos familiares mais íntimos.
No caso do Serial Killer, a dissociação de sua realidade e fantasia é extrema. Muitos têm esposas, filhos e empregos normais, mas são extremamente doentes. Mutilar a vítima, dirigir sua atenção como em um teatro ou sua desumanização também ajudam o serial killer a dissociar-se.

O real e violento comportamento do agressor é suprimido socialmente. Pode soar como amnésia temporária ou segunda personalidade, mas não é o caso.
A fantasia capacita a dissociação. Quando mais intrincada, maior distância é mentalmente criada entre o comportamento criminoso do Serial Killer e o verniz superficial de personalidade para contato. Sem esse verniz, Serial Killers não poderiam viver na sociedade sem ser presos instantaneamente.

O fato de controlar seu comportamento para que isso não aconteça mostra que o criminoso sabe que seu comportamento não é aceito pela sociedade e que seu verniz é deliberado e planejado com premeditação. É por esse motivo que a maioria deles é considerada sã e capaz de discernir entre o certo e o errado.
A dissociação que fazem dos seus crimes enquanto estão num contexto social é tão profunda que muitos Serial Killers, quando são presos, negam sua culpa e alegam inocência com convicção. Seu verniz é tão perfeito que as pessoas na prisão confiam nele e em seu comportamento, sem entender como aquela pessoa tão educada, calma e comportada, possa ter cometido crimes tão numerosos e violentos. 

Empatia

Quando uma criança começa a provocar outra, notamos imediatamente um novo estagio em seu desenvolvimento: significa que ela já é capaz de se colocar no lugar de outra pessoa, concluir qual atitude sua vai irrita-la e então se utilizar desse raciocínio para aborrecer outro.
Estendendo essa mesma lógica para mente do Serial Killer, se ele precisa da vítima humilhada e amedrontada, ele tem que saber como obter esse resultado.
É um erro pressupor que o Serial Killer não sabe fazer empatia, uma vez que ele compreende exatamente o que é humilhante, degradante ou doloroso para vítima e planeja sua ação para obter desta o que necessita e deseja.

Segundo John e Douglas [Ex-Agente da Unidade de Apoio à Investigação do F.B.I], enquanto o maior medo das mulheres é serem atacadas quando estão sozinhas, o dos homens é serem humilhados, principalmente na frente de outras pessoas. A maioria dos criminosos violentos tem historias de humilhação publica na sua infância, praticada em parte pelos pais ou pelos colegas da escola. Sabem exatamente como é a sensação de passar por essa tortura.
Seu comportamento não é puramente egocêntrico, seu prazer é. Sente-se bem na mesma medida em que a vítimas sentem-se mal. 

Intimidade 

A intimidade é assunto de grande preocupação para todo Serial Killer. É desejada por todos eles, mas não sabem como obtê-la pelas vias normais, uma vez que são antissociais.
O ritual a que submete a vítima acaba sendo para ele o máximo de intimidade; sob seu controle, desnuda-a em todos os sentidos. A forçada intimidade sexual acaba sendo para o criminoso, o máximo de proximidade que consegue em termos espirituais e emocionais.
Para o Serial Killer, a intimidade está em “dividir” com a vítima seus secretos desejos e sentimentos pessoais. Mas não se iluda: o agressor não é parceiro da vítima, ela é apenas o objeto da fantasia.













Reações:

0 comentários:

Postar um comentário