Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

segunda-feira, 5 de maio de 2014

ÚLTIMAS NOTÍCIAS! (03/05/2014 - 09/05/2014)


07/05/2014

- Estudo aponta que 72% das crianças americanas levam armas para a escola
Pesquisadores afirmam que ameaças, roubos, brigas e inseguranças são principais motivos.

Um estudo realizado nos Estados Unidos apontou que 72% de crianças americanas levaram uma arma para a escola em abril de 2014.

De acordo com os pesquisadores, 200 mil estudantes do ensino médio americano portavam armas de fogo e facas na escola para se defender contra ataques de bullying, violência física e roubo.

Os números de 2013 indicam que 9% das crianças que sofreram algum tipo de violência, mas 5% de crianças que não sofreram nenhum tipo de problema também portavam as mesmas armas.
Segundo o jornal The Huffington Post, o autor do estudo, Dr. Andrew Adesman, considerou os números como “surpreendentes”. Ele é chefe de desenvolvimento comportamental na ala de pediatria do Centro Médico de Nova York.
O estudo baseou-se em dados coletados por uma pesquisa em 2011, no qual 15 mil alunos do ensino médio nos Estados Unidos foram questionados se haviam sofrido algum tipo de violência e se, em decorrência dessa violência, teriam levado armas para a escola.
Os pesquisadores apontaram que as quatro principais razões pelas quais jovens agem desta forma são insegurança, roubo, ameaças e brigas físicas. Para eles, quanto mais atingida por formas de preconceitos e bullying dentro das escolas, mais chances de portar armas a criança apresentava.
— Acredito que não devemos apenas interferir a ação dos “valentões”, mas ficar atentos ao fato de que as vítimas também representam uma ameaça grave para a segurança do ambiente escolar.
Adesman afirmou que é preciso garantir a inviolabilidade das escolas.
Fonte: R7.


06/05/2014

- Um quarto dos presos na Europa está em prisão temporária
Relatório divulgado pelo Conselho da Europa revelou que as medidas alternativas à prisão temporária ainda têm sido pouco exploradas no continente. Em 2012, por exemplo, um quarto do total de presos ainda não tinha uma condenação definitiva. A cultura do prende-e-só-depois-condena tem contribuído para a superlotação carcerária, problema encontrado em 21 dos 47 países europeus. Entre eles, estão a Bélgica e a Itália, além de boa parte dos Estados do Leste Europeu.

População carcerária
Em 2012, a Europa tinha uma média de 150 presos para cada 100 mil habitantes e estava com 98% da sua capacidade prisional preenchida. É claro que, com a diversidade dos países, essa média do continente reflete pouco a realidade local. Nos países da Escandinávia, por exemplo, há menos de 100 presidiários para cada 100 mil cidadãos. Já na Rússia, na Ucrânia e nos países bálticos, o total de presos ultrapassa os 250 para cada grupo de 100 mil habitantes.

Peso no bolso
A disparidade também acontece nos gastos que cada governo tem para manter uma pessoa atrás das grades. Quanto menos presos, mais gastos são registrados por cabeça. A Suécia é onde cada presidiário custa mais caro: quase R$ 1 mil por dia. Já a Ucrânia e a Bulgária são os Estados com o menor custo per capita nos presídios: nem R$ 10 por dia. A média do continente é de R$ 320 gastos diariamente para cada preso.

Aline Pinheiro é correspondente da revista Consultor Jurídico na Europa.
Fonte: Revista Consultor Jurídico



05/05/2014


- PEC acaba com auxílio-reclusão e cria benefícios para vítimas de crimes
Novo benefício será pago à pessoa vítima de crime que ficar afastada da atividade que garanta seu sustento

A Câmara analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 304/13, da deputada Antônia Lúcia (PSC-AC), que acaba com o auxílio-reclusão e cria um benefício mensal no valor de um salário mínimo para amparar vítimas de crimes e suas famílias.

Pelo texto, o novo benefício será pago à pessoa vítima de crime pelo período em que ela ficar afastada da atividade que garanta seu sustento. Em caso de morte, o benefício será convertido em pensão ao cônjuge ou companheiro e a dependentes da vítima, conforme regulamentação posterior.

A PEC deixa claro que o benefício não poderá ser acumulado por vítimas que já estejam recebendo auxílio-doença, aposentadoria por invalidez ou pensão por morte.

Vítimas sem amparo
Para a autora, é mais justo amparar a família da vítima do que a família do criminoso. “Hoje não há previsão de amparo para vítimas do criminoso e suas famílias”, afirma. Além disso, segundo ela, o fato do criminoso saber que sua família não ficará ao total desamparo se ele for recolhido à prisão, pode facilitar na decisão em cometer um crime.

“Por outro lado, quando o crime implica sequelas à vítima, impedindo que ela desempenhe a atividade que garante seu sustento, ela enfrenta hoje um total desamparo”, argumenta a deputada.

Auxílio aos dependentes de criminosos
Em vigor atualmente, o auxílio-reclusão é um benefício devido aos dependentes de trabalhadores que contribuem para a Previdência Social. É pago enquanto o segurado estiver preso sob regime fechado ou semiaberto e não receba qualquer remuneração.

O cálculo do benefício é feito com base na média dos salários-de-contribuição do preso, e só é concedido quando esse salário for igual ou inferior a R$ 971,78, em atendimento ao preceito constitucional de assegurar o benefício apenas para quem tiver baixa renda.

Conforme a autora, o objetivo é destinar os recursos hoje usados para o pagamento do auxílio-reclusão à vítima do crime, quando sobreviver, ou para a família, no caso de morte.

Tramitação
Inicialmente, a proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania quanto à admissibilidade. Se aprovada, será encaminhada para comissão especial criada especialmente para sua análise. Depois será votada em dois turnos pelo Plenário.


- Novo cadastro de adolescentes em conflito com a lei está disponível
O novo Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei (CNACL) está disponível a partir de hoje (1º) para juízes que atuam nas Varas de Infância e Juventude de todos os tribunais. Com o novo sistema, os magistrados deverão cadastrar os dados dos adolescentes em conflito com a lei. Com a medida, o Judiciário passará a contar com informações seguras e abrangentes sobre os adolescentes.

Com o novo sistema, os magistrados deverão incluir nome dos jovens; data de nascimento; data de entrada no sistema penitenciário, número de internações provisórias e definitivas ocorridas, além do tipo de infração cometida. Atualmente, o Judiciário não tem dados globais sobre adolescentes em conflito com a lei.
Fonte: ABR/Informe Jurídico


- PE: Justiça proíbe revista íntima em visitantes de presídios
A 1ª Vara de Execuções Penais do Recife, em Pernambuco, determinou o fim das revistas íntimas em familiares e visitantes nos presídios da capital e região metropolitana do Recife. A decisão vale a partir desta segunda-feira.

A Secretaria Executiva de Ressocialização de Pernambuco, responsável pelos presídios no Estado, disse que já não trabalha com a revista íntima em nenhum dos 20 presídios de Pernambuco para preservar a dignidade das pessoas que visitam os presos, e que a decisão só corrobora esse entendimento.
Fonte: Site Terra




















Reações:

0 comentários:

Postar um comentário