Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Caso da semana 2: Anthony Sowell - O Estrangulador de Cleveland



Introdução

Residência de Anthony Sowell na Avenida Imperial, 12205
Vizinhos diziam que o mau cheiro no bloco 12200 da Avenida Imperial de Cleveland podia ser insuportável, especialmente em dias quentes. Cheirava a sangue, como se algo estivesse se decompondo. Cheirava a morte. Alguns pensavam que era o esgoto da cidade; outros culparam a Fábrica de Salsichas local, uma das poucas empresas que restaram na rua degradada.

Enquanto a fonte do mau cheiro continuava a ser um mistério, pelo menos onze mulheres desapareceram em Cleveland. Todas eram negras e pobres. A maioria delas era sem teto ou vivia sozinha. Muitas delas tinham histórias de abuso de drogas e álcool. Os membros da família diriam mais tarde que essas circunstâncias levaram a polícia a ignorar esses casos de pessoas desaparecidas.
As mulheres continuaram a desaparecer e o horrível fedor de morte continuou a se espalhar por aquela parte de Cleveland, quando em 29 de outubro de 2009, a polícia respondendo a uma alegação de estupro, visitou a casa de Anthony Sowell na Avenida Imperial. Sowell de 50 anos não estava lá, mas a polícia encontrou uma sepultura recém-cavada e dois cadáveres. Nos dias seguintes, encontraram mais corpos na sala de estar, no quintal e sob uma escada de porão. Eles até encontraram um crânio em um balde. E depois de muitas chances perdidas, eles finalmente prenderam Anthony Sowell.

Até então, a polícia e o F.B.I. haviam se armado com plantas, dispositivos infravermelhos e arquivos de casos antigos para ver se Sowell tinha matado ainda mais mulheres.


1959-1978: Menino tímido, casa problemática


Anthony Sowell foto do livro do ano, 8º série1972-1973.
Os vizinhos se lembram que a espaçosa casa de dois andares entre a Avenida Euclid e Forest Hill Park tinha um belo quintal. E naquela época, era um bairro predominantemente branco, em sua maioria de classe trabalhadora, apenas começando sua lenta corrediça para a miséria.
Casa onde Sowell passou sua infância/juventude
"Essa era uma casa linda", disse Katie L. Tabb, que criou seus filhos na mesma rua.
Dentro dessas paredes, Anthony viveu muito de sua infância com sua meia-irmã e sete primos. Os primos se mudaram para casa depois que sua mãe morreu.
"Nós estávamos sempre muito inseguros quanto ao layout [da família]", disse Chip Fleshman, que cresceu com Sowell.

Nascido em 19 de agosto de 1959, sua mãe Claudia Benson Garrison e sua avó materna, Irene Justice eram responsáveis pela casa. Seu pai, Thomas Sowell, estava ausente.
"Eu nunca vi um pai, não", recordou Tabb. Na verdade, disse Ramona Davis de 49 anos, uma das primas de Anthony, o Sr. Sowell era ausente e seu nome nem sequer era falado. "Por alguma razão, [Anthony] e seu pai nunca se deram bem."

Sowell não só não tinha uma figura paterna em sua infância, como também testemunhou abuso, disseram dois dos primos de Sowell em entrevistas separadas. Ramona Davis e sua irmã gêmea, Leona, dizem que um adulto os forçava tirar a calça, depois os amarrava e os vendava. Os cabos de extensão elétrico muitas vezes eram usados ​​para ligar e chicotear, disseram os primos.

"Foi um psicopata", disse Ramona Davis sem citar o nome desse adulto.
Anthony não era espancado, as gêmeas disseram, mas ele assistia as surras. Mas segundo Leona, ele trazia problemas para seus primos. Anthony bebia secretamente o refrigerante de sua avó ou começava uma briga, e então a culpava, e Leona era punida, segundo o próprio relato.
Se a infância de Anthony era tão disfuncional como seus primos descreveram, Tabb não viu isso refletido em seu comportamento.
"Ele era a criança mais amável com quem você ia lidar", disse Tabb. "Ele sempre foi muito respeitável."

Anthony era tímido e magro, disse Cavana Faithwalker, artista e membro do pessoal no Museu de Arte de Cleveland. Faithwalker o conheceu no início dos anos 1970, quando Anthony assistiu Kirk Junior High.

"Ele era um pouco quieto e nunca iniciava uma conversa", Faithwalker escreveu em um e-mail. "Se você dissesse, 'Oi', ele diria, 'Oi'. Se você fizesse uma pergunta, ele responderia, ele era amigável e meio que sorriria sempre que eu olhasse em sua direção."
A família de Anthony, embora não fosse rica, não era pobre, disse Fleshman. Mas quando ele teve idade para ir à escola, ele não podia pagar um carro.

- Ele era um andador, sabe? - disse Fleshman. "Ter um carro sendo um garoto de uma escola secundária era um grande negócio." Anthony na adolescência, não era um garoto que vivia cercado de mulheres, tampouco, Fleshman disse: "Eu nunca soube se ele tinha alguma amiga".

Conhecidos submetiam Tony a um "ritual constante de provocação", especialmente sobre uma suposta falta de experiência sexual, Faithwalker disse. Ocasionalmente, ele ficova com raiva.
"Lembro-me de uma vez nas quadras de basquete, de ter visto um grupo provocando com relação as meninas, dizendo que ele era virgem, coisas do tipo", disse Faithwalker, lembrando de um incidente mais tarde na década de 1970, em Forest Hill Park.

"Ele tentou ter tipo de conversa, mas realmente não fazia parte dele, então um cara atirou a bola nele, Anthony estava tão louco, que ele instintivamente pegou a bola e jogou com raiva no cara. O cara partiria pra cima de Anthony caso um outro cara não tivesse entrado em cena para acalmar a situação".
Mas um de seus primos disse que Anthony não era virgem.

Sowell, de acordo com Leona, regularmente a levava para um quarto na casa e a forçava a ter relações sexuais com ele quando eram pré-adolescentes.
"Estava acontecendo quase todos os dias", disse Leona.
Ramona disse que nunca tinha testemunhado sua irmã sendo estuprada, mas ela disse que acreditava em Leona. Leona Davis disse que tentou denunciar as violações às autoridades, mas ninguém acreditou nela.

Talvez eles devessem ter acreditado, Leona Davis disse: "Eu não acho que [os assassinatos da Avenida Imperial] teriam acontecido se alguém tivesse me escutado".



1978-1987: Os fuzileiros navais, uma criança, um casamento

Se você tinha 18 anos no final dos anos 1970 e você queria sair da deterioração de East Cleveland, e se você queria sair rápido, você sempre poderia se juntar aos fuzileiros navais.
Que é o que Anthony Sowell fez em 24 de janeiro de 1978, em Parris Island, S.C. Ele tinha pelo menos três boas razões para sair da cidade, ingressando aos 18 anos na Marinha Americana.

Ele era um garoto tímido que poderia ter achado o slogan "The Few, The Proud" um impulso tentador.
Ele não tinha créditos suficientes para terminar o ensino médio, disse ele em uma avaliação psicológica de 2005. (Sowell também disse que frequentou o Ensino médio na escola de nome Shaw, mas os oficiais de East Cleveland disseram que não têm nenhum registro que fez).

O que ele tinha feito mesmo foi engravidar uma estudante desse colégio. Sua filha nasceu 8 meses e meio depois que Sowell se juntou aos fuzileiros navais. Uma mulher não identificada que estava com a filha de Sowell disse quando dois repórteres da Plain Dealer se aproximou: "Você deve conversar com os fuzileiros navais".

O Corpo de Fuzileiros Navais não iria liberar muito sobre Sowell além do nome padrão, classificação e número de série. Mesmo os advogados de Sowell reconheceram que sabiam pouco sobre sua carreira militar.
Uma coisa é clara: os Marines ensinaram a Sowell como subjugar e matar usando as mãos, e como manejar objetos cotidianos como armas improvisadas.

Depois do acampamento, Sowell reportou ao Acampamento Lejeune, na Carolina do Norte em 24 de abril de 1978, para o curso de treinamento básico de combate de 22 dias.
Isso incluiu um combate corpo a corpo e próximo para desenvolver o que o corpo chamaria de "ethos guerreiro". O programa incluiu "bobagens básicas" e "armas básicas de oportunidade".
Sowell passou mais de um mês nesse lugar aprendendo a manusear fiação elétrica. Ele foi então designado para o Marine Corps Air Station Cherry Point em Havelock, N.C., para atuar como eletricista.

Sowell passou quase cinco de seus sete anos nos fuzileiros navais em Cherry Point, e viveu pelo menos parte daquele tempo em um reboque - azul com uma faixa branca - junto com sete outros reboques em uma área isolada.
Cinco meses depois de retornar a Cherry Point depois de um período de um ano no Pacífico, Sowell se casou em setembro de 1981 com uma colega Marine. Foi uma cerimônia civil realizada por um magistrado em um tribunal histórico em New Bern, N.C. Ele tinha 22 anos.

A mulher, nomeada Kim Yvette Lawson, morreu em 1998 quando Sowell estava cumprindo pena em uma penitenciária de Ohio. Sua sogra disse que a esposa havia revelado que Sowell estava bebendo em excesso, e que casou-se com ele para ajudá-lo.

"Ela não queria que ele recebesse uma menção desonrosa", disse Norma Lawson em sua casa na Califórnia. "Ela estava tentando dar um jeito nele através do Corpo de Fuzileiros Navais. Ela se divorciou dele no dia em que ele saiu", em 1985.
Depois de um ano no Acampamento Butler em Okinawa, Japão, Sowell também deixou os Marines, em 15 de janeiro de 1985, acampamento Pendleton, na Califórnia.

Embora os fuzileiros navais dissessem que ele foi passivo por dois meses em alguns aspectos, o então Sargento Sowell partiu com um “currículo” cheio de elogios, incluindo um prêmio de atirador de rifle, medalha de boa conduta, um certificado de elogio e duas cartas de apreciação.
Ele voltou para casa em Page Avenue, onde os registros da corte mostram que ele retomou um velho hábito - beber demais. E dentro dos próximos anos, ele começaria a alimentar uma longa ficha na prisão.


1985-1990: Álcool, drogas, violência, prisões

Sowell voltou para East Cleveland depois de deixar os fuzileiros navais em janeiro de 1985, e viu tudo completamente alterado.
Assim como muitos outros, Sowell se ocupava ficando muito bêbado, e vivia muito irritado (de acordo com sua própria admissão e seu registro policial).

A população de East Cleveland era agora 90% negra. Um quarto de East Clevelanders viviam abaixo do nível de pobreza, e as finanças da cidade eram um caos.
Grande parte da área de Cleveland foi inundada por crack - uma forma nova, fumante e potente de cocaína que varreu as áreas urbanas do país em 1985. Os índices de criminalidade aumentaram e um novo subconjunto de viciadas - mulheres tão desesperadas para ficarem altas que venderiam tudo o que tinham, ou venderiam seus corpos para obter algumas pedras de crack – dominavam as ruas.

Em meio este caos, chegou um homem de 25 anos, em liberdade após um regime militar de sete anos. Ele se divorciou depois de quatro anos casado com uma mulher preocupada com sua bebida, e - documentos da corte indicam - ele foi acusado de não cumprir com as suas responsabilidades como pai de um menino de 7 anos.

Sowell recorreu à bebida de maneira preocupante; ele bebia pelo menos seis garrafas quase todos os dias durante esse período de sua vida, ele mesmo admitiu esse fato aos seus avaliadores psicológicos em 2005. Às vezes ele começava a primeira pela manhã, e ocasionalmente apagava.
"Ele reconheceu ter problemas familiares e apresentar uma maior agressividade ao beber", disse um dos avaliadores.

Essa agressão surgiu em 1988, quando a polícia prendeu Sowell sob a acusação de violência doméstica, e ele serviu oito dias na cadeia, disse a polícia de East Cleveland.
A avaliação não menciona drogas ilegais, mas seu registro de prisão lista uma acusação de 1988 de possuir drogas perigosas, embora não especifique qual droga. Outras prisões de 1986-1989 incluíram acusações de conduta desordenada, DUI(?) e embriaguez pública. Os registros estão incompletos, tornando impossível determinar os resultados desses casos.

Enquanto isso, o terror perseguia East Cleveland.



 Ataque de 1989, Prisão e Liberdade

Os corpos de três mulheres - duas delas suspeitas de serem usuárias de drogas - apareceram perto da casa de Sowell.

Em maio de 1988, o corpo de Rosalind Garner de 36 anos, foi encontrado em sua própria casa na avenida Hayden. Tinha sido estrangulada.

Carmella Karen Prater, de 27 anos, residente de Page Avenue e suspeita de usar drogas, foi encontrada em uma casa abandonada na 1º Avenida, perto de Hayden em 27 de fevereiro de 1989. A causa da morte é desconhecida.

Um mês depois, em 28 de março, o corpo de outra suspeita de ser usuária de drogas, Mary Thomas de 27 anos, foi encontrado perto de um prédio abandonado, novamente na primeira avenida.
A fita vermelha usada para estrangular Thomas ainda estava em volta do pescoço.
Nenhum dos casos foi resolvido.

A polícia de East Cleveland reabriu os casos após a prisão de Sowell, e nenhuma conexão foi feita.


A polícia ligou Sowell à tentativa de estupro de uma mulher de 21 anos que estava grávida de três meses. Ela contou sua história às autoridades quatro meses depois que o corpo de Thomas foi descoberto.
Em 22 de julho de 1989, Sowell conheceu a mulher em um motel entre a Euclid Avenue e a Lee Road, disse a mulher à polícia. A mulher, que tem um registro criminal de uso de drogas, temia que a polícia chegasse ao motel e a prendesse, por isso não fez a denúncia de imediato;

A mulher que estava grávida de três meses foi para a casa de Sowell voluntariamente. Quando ela tentou sair, ele amarrou suas mãos com uma gravata e seus pés com um cinto, e depois a amordaçou com um pano. A vítima disse à polícia: "Ele me sufocou com força porque meu corpo começou a formigar. Pensei que ia morrer”. Disse a ela que ninguém a ouviria gritar. Então Sowell, que estava bebendo, adormeceu. Ela se afastou e escapou pela janela.

Um grande júri acusou Sowell no caso de 22 de julho. Ele não compareceu, e em 8 de dezembro, o tribunal emitiu um mandado de prisão. Mas Sowell estava longe de ser encontrado.

Sete meses depois e quatro milhas de distância, outra mulher disse que Sowell também a havia estuprou.
À 1 da manhã de domingo, 24 de junho de 1990, a mulher de 31 anos disse à polícia que ela foi a uma casa na East 71st Street em Cleveland. Ela se sentou ao lado de Sowell e começou a beber.

Sowell disse à polícia que se levantou, foi atrás dela e começou a sufocá-la, dizendo obscenidades, além de como e onde ele iria violá-la, e anunciando que "ela era sua cadela, e ela deveria aprender a melhorar”.
Ele a levantou pelo pescoço e a estuprou oralmente e vaginalmente, - mesmo depois que a mulher lhe disse que estava grávida de cinco meses e pediu que ele parasse.

Em vez disso, Sowell a forçou a dizer: "Sim, senhor, eu gosto disso", dizia o relatório da polícia.
Sowell voltou a dormir e a mulher partiu. Quando voltou com a polícia às 8 da manhã, ele ainda estava dormindo.

A polícia prendeu Sowell, mas as provas nunca foram arquivadas depois que a polícia disse que a mulher não pode ser encontrada para testemunhar.
Mas a polícia finalmente o prendeu pelo caso do estupro de 1989, e Sowell ficou na cadeia, aguardando julgamento por essas acusações, dizem documentos judiciais.

Em uma audiência de condicional, ele culpou a bebida pelo seu comportamento. Sowell foi acusado de seqüestro, estupro e tentativa de estupro. Ele finalmente se declarou culpado da acusação de tentativa de estupro e como resultado, cumpriu 15 anos de prisão.
Oito dias após a sentença, Sowell foi levado para a prisão do Departamento de Reabilitação e Correção de Ohio em Lorain. Foi libertado em 2005.

O garoto tímido de East Cleveland tinha agora 31 anos e era um condenado.


1990-2005: Um Delinquente Sexual Conhecido



O quinto passo dos programas de auto ajuda em 12 passos é o seguinte: "Admitimos a Deus, a nós mesmos e a outro ser humano a natureza exata de nossos erros".
Na prisão, Anthony Sowell foi às reuniões de pelo menos dois programas de 12 passos, Alcoólicos Anônimos e Crianças Adultas de Alcoólicos, disseram funcionários da prisão.
Mas o passo 5 aparentemente não se prolongou quando se tratou de Sowell tentar obter ajuda atrás das grades por suas obsessões sexuais.

Em 1993, Sowell se inscreveu para o tratamento de delitos sexuais, mas foi recusado, observou um oficial de condicional. A razão: Ele não admitia que era um criminoso sexual.
Apesdar isso, Sowell foi um prisioneiro modelo por seus 15 anos em quatro diferentes penitenciárias de Ohio, disseram as autoridades. Não teve nenhuma infração de regra principal em seu registro, e somente quatro violações menores.

Ele participou de cursos chamados "Living Without Violence", "Cage Your Rage", "Positive Personal Change" e "Drug Awareness Prevention". Usou seu treinamento marinho para trabalhar como eletricista, e aperfeiçoou suas habilidades culinárias na cozinha da prisão, habilidades que depois de sua libertação em 2005 o ajudaram a ganhar a reputação de lançar bons churrascos.

"Ele costumava gostar muito de cozinhar", disse Tanja Doss, que costumava ir para casa da Sowell na Imperial Avenue em 2005. "Ele era um chef".
Sowell teve que lidar com as atitudes de outros prisioneiros em relação à sua tentativa de estupro.

Carlton Pope, que serviu 30 anos em prisões de Ohio; disse que conheceu Sowell na Grafton Correctional Institution, onde Sowell passou os últimos nove anos e três meses de sua pena.
"Eu o rejeitei porque não só porque ele parecia um demente e um pervertido psicótico, mas porque ele carregava o estigma de um estuprador convicto", disse Pope.

Apesar do seu bom comportamento, a violência do crime de Sowell persuadiu os funcionários de liberdade condicional a negarem repetidamente o seu pedido de libertação. Ele cumpriu a pena máxima. Ele ainda estava preso em 2002 quando soube que seu pai, Thomas Sowell, havia morrido.

Sowell ganhou duas pequenas vitórias na prisão.
Um era um ensino médio. Em 17 de setembro de 2002, Sowell fez um exame de GED em Grafton e passou com 2.820 pontos, superando facilmente o limite de 2.250 pontos.
O segundo, segundo Doss, era o seguinte: Sowell desistiu do álcool e de quaisquer outros intoxicantes que ele pudesse estar usando.

Mas em retrospectiva, os esforços de educação e reforma de Sowell na prisão não o prepararam para lidar com seus problemas de fora quando, em 20 de junho de 2005, aos 45 anos, ele saiu da prisão como um homem livre. 


2005-07: Um salvador? Ou um assassino em preparação?

Fora da prisão em 2005, Anthony Sowell podia ter colocado em sua cabeça que tentaria "ajudar" as mulheres que vendiam seus corpos em troca de cocaína ou crack.
Ele ofereceu licor de malte, companheirismo e abrigo contra os perigos das ruas do lado leste de Cleveland, disseram quatro mulheres com problemas de drogas que tiveram encontros com Sowell.

Mas se Sowell se sentisse traído por aquelas que ele pensava estar ajudando, ele iria aterrorizá-las, atacá-las ou estuprá-las, de acordo com os relatórios policiais feitos por duas mulheres que disseram que Sowell fez amizade com eles e depois se virou contra eles.

A teoria do "ajudante", uma pessoa próxima à investigação do caso disse, é um motivo que a polícia perseguiu em seus interrogatórios e investigações sobre Sowell.
Quando foi libertado da prisão, Sowell estava aparentemente limpo e sóbrio. Uma avaliação psicológica considerou improvável que ele estuprasse de novo.

Ele teve que se registrar como um ofensor sexual, reportando-se ao Escritório do xerife do Condado de Cuyahoga uma vez por ano até que uma lei federal de 2008 determinasse que ele tinha que fazer check-in a cada 90 dias.

Anthony Sowell mudou-se de volta para a casa branca de três andares na Avenida Imperial 12205 em 2005. Era um bairro localizado no lado leste de Cleveland; onde casas bem cuidadas eram ocupadas em sua maioria pela classe trabalhadora local, e estavam situadas ao lado de casas construídas com tábuas e negócios abandonados. A casa, que tinha pertencido a seu falecido pai era barata. Sua madrasta, Segerna Sowell morava lá com ele até ela ser hospitalizada em 2007.

Ele completou "NETworks 4 Sucesso", um programa para ex-condenados oferecidos pela Towards Employment, uma agência sem fins lucrativos.
E ele começou a namorar mulheres que viviam ou ficavam no pobre bairro montanhoso de Mount Pleasant, que ele agora chamava de lar, segundo relatos de duas mulheres.
Tanja Doss de 43 anos, é uma das mulheres que disse ter se envolvido  - e, segundo ela, eventualmente foi atacada por - Sowell. Doss disse que conheceu Sowell em 2005, quando viveu do outro lado da rua.

Naquela época, disse Doss, Sowell não usou crack. Mas ela e "Tone" bebiam cerveja, jogavam xadrez e faziam churrascos. Ele disse a Doss que estava na prisão, mas que ele havia aceitado pagar por um crime cometido por outra pessoa.

"Eu costumava ir até lá e ficar tipo, 'Tone, o que há?' Disse Doss. "Ele parecia ser um ser humano normal."
Nem todo mundo pensava assim.

Reginald McKay, que se encontrou com Sowell em 2005, descreveu Sowell na época como: "Não é louco, mas estranho, era um tipo de cara silencioso, com olhar estranho”.
Foi nessa época que Sowell começou a namorar Lori Frazier, disse Frazier a um repórter de televisão de Cleveland. Lori Frazier era sobrinha do prefeito de Cleveland, Frank Jackson. Frazier esteve em manchetes depois da prisão de Sowell, e ela se recusava a falar dessa história.
Prefeito Frank Jacson
Mas tanto o prefeito quanto Frazier, disseram que Sowell e Frazier tinham um relacionamento. O relacionamento durou de 2005 até 2007 ou início de 2008, de acordo com Doss e as declarações de Frazier na televisão.

- Ele cuidou bem de mim - disse Frazier.

Frazier morava com Sowell, no que parecia ser um relacionamento monogâmico, disse Doss.
Doss disse que mudou-se para Nova York em 2006, mas voltaria para visitar a Imperial Avenue. Ocasionalmente, ela batia na porta de Sowell.

"Ele dizia:" Eu tenho uma mulher agora, então você não pode vir me visitar ", disse Doss. Aquela mulher era Frazier, disse Doss. "Eu os vi caminhando juntos e tudo isso."

Em outro sinal de estabilidade externa, Sowell conseguiu um emprego estável em março de 2006, por meio de NETworks 4 Success.
"Ele era um funcionário muito bom", disse o presidente da empresa, Charlie Braun.

E em 2007, a vida pessoal e profissional de Sowell começou a desandar.  
O que ninguém sabia é que durante essa época ele já atraia outras mulheres para sua casa, oferecendo-lhes álcool ou drogas. Algumas ele assaltou, mas quando elas relataram o ocorrido para a polícia pouco foi feito.
E mulheres que moravam perto da Avenida Imperial começaram a desaparecer, mulheres cujos corpos em decomposição seriam mais tarde encontrados dentro e em volta da casa de Sowell.


2007-09: O cheiro da morte

2007 foi um ano ruim para Anthony Sowell. Ele se divorciou antes de sua condenação e teve uma filha, mas uma vez livre não fez nenhum esforço para entrar em contato com a sua ex-mulher ou sua filha. Em 2005 logo após sair da prisão, ele abriu uma conta em um site fetichista chamado Alt.com para procurar parceiros sexuais. Descrevendo-se como um homem alto, de 160 quilos e com uma cicatriz facial, ele dizia ser um "mestre" à procura de um "submisso”.

Enquanto isso, o fedor durou. Em junho também marca a primeira vez que um vizinho da Avenida Imperial chamou o Conselheiro Zack Reed para queixar-se do odor da carne em decomposição, disse Reed.
O fedor ficou mais forte. E mais mulheres desapareciam, e a uma taxa ficava cada vez maior.

Sowell transferiu a culpa pelo mau cheiro para a fábrica de salsichas localizada do outro lado da rua. O dono da fábrica chegou a gastar US$ 20.000 em novas canalizações e linhas de esgoto, sem sucesso. O proprietário da fábrica, Ray Cash manteve seu negócio limpo. O cheiro no bairro era tão ruim que os trabalhadores de Ray não podiam suportar, a menos que mantivessem as janelas fechadas, uma vez que o interior do local cheirava muito bem.

Em julho de 2007, após Sowell não aparecer por dois dias seguidos, a Custom Rubber Products Corp o despediu, disse o presidente da empresa Charlie Braun. Após seu seguro desemprego acabar, fez uma mudança vendendo sucatas e produtos reciclados. Quando isso não era suficiente, ele ia às lojas da esquina para escolher e “comprar” sua bebida barata favorita; geralmente pegava 40 garrafas de King Cobra Malt Liquor, e pagava por elas com um churrasco.

Na mesma época, a mulher que se acredita ser a primeira vítima de estrangulador da Avenida Imperial, Crystal Dozier, desapareceu, segundo a polícia.
Sowell era uma figura familiar entre os homens e mulheres que empurravam carrinhos de compras cheios de sucata de cobre e metais menos preciosos entre as casas abandonadas e demolidas na decadência do centro de Cleveland.

Scrapper Kim Kemp vendia com frequência suas sucatas para a Ohio Metal Recycling Inc. na Grande Avenida, uma das únicas empresas da cidade que abria aos Domingos.
"Todo mundo o conhecia", disse Kemp, que disse que uma amiga foi convidada para fumar crack na casa de Sowell.

"Ele fumava [crack]. Acho que ele fez o que pode para arrumar confusão."
E entre as mulheres da vizinhança que desejavam, Sowell era conhecido por ter um lugar de festa fora do alcance de sua madrasta / senhoria, cuja deficiência a impediu de subir os dois degraus até o terceiro andar.

"Ele era legal - deveria ser uma pessoa legal", disse Doss, um ex-amiga de Sowell de 2005, que retornou a Cleveland em 2007 depois de morar em Nova York. - Como eu disse, vamos beber uma cerveja. - Tudo bem, legal. - Vamos fumar uma juntos. 'Legal.' "
Sowell já tinha envolvimento com drogas no final da década de 1980, diz seu registro policial de East Cleveland.

Sowell começou a fumar cocaína e crack pouco depois de sua libertação da prisão em 2005, disse Allen Sowell, seu meio-irmão.
Em 2007 disse Doss, Sowell tinha a aparência magra e o olhar típicos de um usuário crack crônico. E em 2009, disse Doss, ela fumou crack com Sowell enquanto consumia álcool, uma combinação perigosa segundo estudos médicos sobre agressão.

E o próprio Sowell admitiu a uma equipe médica de emergência, que ele estava fumando crack e bebendo o dia todo quando uma ambulância apareceu em sua casa em um incidente ocorrido em 20 de outubro de 2009.



Um Crime Reportado

Em uma noite de Dezembro de 2008, uma mulher acenou para a polícia para entre a Kinsman Road e a East 116th Street. Ela estava coberta de sangue.
Gladys Wade agora com 41 anos, disse aos agentes que Anthony Sowell a convidou para beber quando ela passou por um dos pequenos supermercados de esquina do bairro. Quando ela recusou, Sowell a atacou. Ela disse que ele a levantou, estrangulando-a com tanta força que ela desfaleceu. Quando voltou a si, ela disse descobriu que ele tinha tirado a sua roupa, e estava e tentando estuprá-la.

Ela lutou, conseguiu fugir e tentou obter ajuda em um restaurante nas proximidades. Ela implorou para que as pessoas ligassem para o 911, mas pediram para que saísse e usasse o telefone público. Sowell a encontrou, mas com raiva disse aos vizinhos que ele a pegou tentando roubar sua casa.

Quando Wade finalmente conseguiu entrar em contato com os policiais, eles a mandaram para o hospital em uma ambulância. Ela tinha cortado seu polegar em um fragmento de vidro de uma janela que quebrou durante sua luta com Sowell e precisava de pontos.
Os policiais foram ver o local onde o ataque ocorreu, pistas na neve em torno da entrada da casa de Sowell sugeriram uma luta. Havia um fragmento de pele, e sangue cobria os degraus. Eles detiveram Sowell.

Depois de receber os cuidados necessários, Wade conversou com o detetive George Hussein. Ela contaria mais tarde que Hussein lhe havia dito que era apenas a palavra de Wade contra a de Sowell, e que para todos, era possível que Wade tivesse sido a única a atacar Sowell.

Sowell foi libertado dois dias depois, e nenhuma busca em sua residência foi feita. Pelo menos mais cinco mulheres desapareceriam antes de sua prisão em 2009.


Uma oportunidade perdida

O incidente com Wade se tornaria a oportunidade perdida que voltaria para assombrar a comunidade e seus funcionários policiais. Depois da prisão de Sowell em 2009, as autoridades divergiram em suas explicações sobre a razão pela qual a queixa de Wade recebeu tão pouca investigação.

O porta voz do Departamento de Polícia de Cleveland, Tenente Thomas Stacho, disse que Wade não quis cooperar com os investigadores. Ela finalmente concordou em conversar com a polícia novamente, mas depois não apareceu para a entrevista.
Stacho insiste que Hussein apresentou o caso a um promotor que decidiu não acusar Sowell.


Os promotores concordaram que não havia provas suficientes para acusar Sowell. Mas detetives e promotores continuam discutindo quem classificou a mulher como "pouco confiável", sugerindo que seu testemunho não seria crível.

O chefe de polícia de Cleveland, Michael McGrath, foi comandante do 4º distrito policial onde está a casa de Sowell, até se tornar chefe em 2005. Ele defendeu os oficiais no caso de 2008, observando que os policiais de patrulha muitas vezes não têm tempo para executar verificações de antecedentes. Ele nega acusações de que, por causa dos antecedentes das vítimas, a polícia tardou em reagir aos desaparecimentos. McGrath acrescenta que a resposta lenta da polícia não tinha nada a ver com o fato de que a sobrinha do prefeito Frank Jackson tinha vivido com Sowell. Frazier diria mais tarde que estava chocada com as alegações contra Sowell.

Michael McGrath
Explicações de lado, o incidente com Wade não foi a única oportunidade que a polícia teve de investigar o criminoso condenado.


E então outro

Em abril de 2009, Tanja Doss de 43 anos, concordou em ir para a casa de Anthony Sowell para beber uma cerveja. Embora Doss soubesse que Sowell havia sido preso, ela não sabia o motivo. Na verdade, a maioria das pessoas em seu bairro não sabia que este cara aparentemente agradável era um criminoso sexual condenado. Uma vez que entrou em seu quarto, Sowell se transformou, ela disse mais tarde. Segundo Doss, Sowell a sufocou e ameaçou matá-la.

Ele exigiu que ela batesse três vezes no chão se ela quisesse viver. Ele disse a ela que ninguém iria sentir falta dela, e que ninguém perceberia que ela tinha ido embora. Ele a fez se despir, mas não a estuprou porque ambos desmaiaram.
Na parte da manhã ele parecia normal e perguntou se poderia usar qualquer coisa da loja. Ela casualmente chamou sua filha, então mentiu para Sowell dizendo a ele que sua neta tinha gripe e que tinha que chegar em casa. Ele foi para a loja sozinho, e a deixou ir no meio do caminho.

Doss tinha medo de chamar a polícia, por causa de uma acusação de droga antiga em seu registro, uma decisão na qual mais tarde se arrependeu. Mais tarde, em Abril sua melhor amiga, Nancy Cobbs desapareceu. Doss e outros vasculharam edifícios abandonados em busca dela e colocaram panfletos, nos quais, vale a pena notar, pareciam desaparecer, mas nunca lhe ocorreu suspeitar de Anthony Sowell - até sua prisão em Novembro.



Sob seus narizes

Os funcionários da Ray's Sausage Company não eram as únicas que sabiam que havia algo errado no bairro.

Fawcett Bess de 57 anos, possuia um restaurante que ficava bem em frente à Ray's. Ele sempre achou Anthony Sowell educado e respeitoso, mesmo que às vezes cheirasse muito mal. Em Setembro de 2009 no entanto, Bess conversou com uma mulher que disse ter sido atacada por Sowell, e que a polícia não tinha feito nada além de tomar notas quando ela relatou o incidente.

Algumas semanas mais tarde, Bess disse que viu Sowell nu nos arbustos que cercam sua casa, em cima de uma mulher despida e que ele estava batendo nela. Bess chamou o 911, e disse que ambulância levou a mulher ao hospital, mas a polícia, que não chegou ao local até horas mais tarde, nem sequer tentou falar com Sowell, que ainda estava dentro de sua casa.

Lt. Stacho negou a alegação dizendo que a polícia investigou completamente cada relatório relacionado à Sowell. Ele sustenta que a polícia investigou completamente todos os relatos de pessoas desaparecidas. As famílias das vítimas discordam, dizendo que foram afastadas dos respectivos casos.

Quando Barbara Carmichael tentou denunciar que sua filha Tonia Carmichael, estava desaparecida, ela disse que a polícia desviou do assunto, dizendo que sua filha voltaria quando ela estivesse sem drogas.

A polícia teria afastado Sandy Drain de 65 anos, quando tentou arquivar um relatório de desaparecimento de sua sobrinha, Gloria Walker. Ela colocou folhetos, organizou grupos de busca, e até contratou um médium. Drain disse que ela conseguiu exatamente o que ela esperava de policiais em seu bairro.
Mary Mason, cuja irmã Michelle Mason também desapareceu, diz que a polícia estava ignorando as queixas de vizinhos sobre mulheres desaparecidas há anos, e que eles não se preocupava, com o desaparecimento de mulheres negras usuárias de drogas.

Stacho insiste em dizer que os policiais seguiram as pistas, incluindo a obtenção de registros dentários e rastreamento de placas. Defensores da polícia apontam que a aplicação da lei normalmente investiga os adultos desaparecidos quando há uma indicação clara de crime, mas não perseguem usuários de drogas conhecidos, pois nestes casos, eles acham que a pessoa pode apenas estar em algum ponto de drogas.


Se os medos e as queixas expressas pelas famílias das vítimas não fizeram nada para induzir a polícia a investigar Sowell, tampouco as precauções existentes sobre os agressores sexuais registrados.



Finalmente Pego
Em 2 de setembro de 2009, Anthony Sowell entrou no escritório do xerife do condado, conforme o necessário. Em 22 de setembro, oficiais fizeram uma visita surpresa para verificar seu endereço. Sowell os encontrou na porta e respondeu suas perguntas, após isso eles saíram como de costume.

A polícia disse que horas depois que os oficiais partiram, Sowell arrastou uma mulher para dentro de sua casa, sufocando-a com uma extensão e depois a violentando. Ela disse à polícia que conseguiu fugir prometendo que não iria à polícia e que voltaria com 50 dólares.
No dia seguinte, ela foi ao hospital e falou com a polícia. Mas a polícia disse que Sowell resistiu às tentativas de interrogatório, ignorando um acordo de verificação marcado para 11 de outubro, comparecendo apenas no dia 27 de outubro. Isso retardou o caso e a polícia não obteve um mandado para pesquisar Sowell, por até 36 dias após o suposto ataque.

Durante esse tempo, outro incidente chamou a atenção para a residência de Sowell. Vizinhos viram uma mulher nua saltar ou cair, de uma janela do segundo andar e ligar para 911. Uma ambulância levou a mulher para o MetroHealth Medical Center. Ela estava supostamente sob a influência de drogas, e disseram que ela estava "festejando" o dia todo. Ela se recusou a falar com a polícia no hospital. Policiais foram até a casa de Sowell, mas ninguém atendeu a porta.

Em 29 de outubro a polícia estava de volta, com um mandado na mão, pronto para prender Anthony Sowell que não estava em casa. Ao entrarem na residência, encontraram dois corpos em decomposição. No dia seguinte, eles encontraram mais três. Eles não alcançaram Sowell até o Dia das Bruxas, quando o prenderam a uma milha de sua residência. Poucos dias depois, a polícia acusou Sowell de cinco assassinatos - e encontrou mais seis corpos na casa.

Naquela época, ainda havia duas dúzias de mulheres desaparecidas do lado leste de Cleveland.

Fotos das Buscas (retiradas do site Murderpedia):



















 As Mulheres


Em meados de novembro de 2009, a polícia havia encontrado e identificado os restos de dez vítimas.

- Vítimas da esquerda para a direita: ToniaCarmichael, Nancy Cobbs, Tishana Culver, Crystal Dozier:

 Tonia Carmichael de 52 anos, da cidade vizinha Warrensville, desapareceu no outono de 2008 depois de dizer a uma amiga que estava saindo para "alguma diversão", essa amiga disse que essa diversão significava uso de crack. Sua família relatou seu desaparecimento, mas disseram que a polícia não pareceu levar o caso a sério mesmo após seu carro ter sido encontrado abandonado. A polícia verificou os edifícios abandonados da área e mostrou sua foto aos moradores e donos de bares locais em fevereiro de 2009. Seu corpo foi encontrado enterrado no quintal de Sowell. Tinha sido estrangulada.


Nancy Cobbs de 43 anos trabalhava em construção. Ela teve três filhos e cinco netos - e uma história de abuso de drogas. Cobbs morava na Avenida Griffing a meia milha de Sowell, com uma de suas filhas. Ela desapareceu em abril de 2009. Em junho, sua família relatou seu desaparecimento para a Autoridade de Habitação Metropolitana de Cuyahoga, que não entrou em contato com a polícia até Agosto.

Tishana Culver de 31 anos, tinha trabalhado como esteticista e morava a poucos quarteirões de Sowell. Ela tinha um histórico de abuso de drogas e uma série de condenações por drogas, o que talvez explique porque sua família pensava que Culver estava na cadeia ou talvez vivendo com seu namorado em Akron. Eles nem sabiam que ela estava morta.

Crystal Dozier, mãe de sete crianças, vivia no mesmo bloco de Sowell. Ela desapareceu em 2007, mas ninguém relatou seu desaparecimento. Sua mãe, Florence Bray, acha que Sowell rasgou os folhetos que sua família distribuiu.


Vítimas da esquerda para a direita: Telacia Fortson, Michelle Mason, Kim Yvette Smith, Janice Webb: 


Telacia Fortson, uma mãe de 31 anos de Cleveland, mãe de três filhos, desapareceu em junho de 2009. Ela frequentava a igreja regularmente e gostava de arranjos florais. Um problema com drogas custou a custódia de seus três filhos, e talvez sua vida. Seu desaparecimento não foi relatado até que a publicidade sobre os corpos na casa de Sowell chegou à sua família. Sua mãe, Inez "Brownie" Fortson, esmagada pelo sofrimento, teve que ser hospitalizada após uma hiperventilação no funeral da filha.

Amelda "Amy" Hunter de 47 anos, desapareceu em abril de 2009. Ela tinha três filhos e gostava de ler e de fazer palavras cruzadas. Ela costumava tomar drinques com Sowell em sua casa. Ela não foi considerada desaparecida até que as autoridades começaram a remover os corpos da casa de Sowell. De acordo com registros da polícia, uma investigação completa foi realizada quando sua família relatou seu desaparecimento.
A polícia não encontrou o corpo de Leshanda Long, apenas seu crânio. Ela tinha 25 anos.

Michelle Mason de 45 anos morava perto da de Sowell, ela desapareceu em outubro de 2008. Sua família distribuiu folhetos, folhetos que a mãe de Michelle, Adlean Atterberry, acha que Sowell pegou. Mãe de dois filhos, Mason gostava de artes e de viajar. Ela tinha um registro de prisão, e Atterberry acredita, que foi por que a polícia desconsiderou o desaparecimento de Mason, mesmo quando ela parou de descontar seus cheques da segurança social.

Kim Yvette Smith de 44 anos, era uma artista e uma cosmetologista, que trabalhava como cantora de apoio para Gerald Levert. Como a maioria das vítimas de Sowell, ela tinha uma história de abuso de drogas. Entretanto, Smith não foi considerada desaparecida em até 2 de novembro, dia em que as autoridades terminaram de remover corpos da casa de Sowell.
Janice Webb de 48 anos teve um filho e três netos. Amigos a chamavam de comediante natural. Ela visitou o bairro muitas vezes antes de desaparecer em junho de 2009. Sua família relatou seu desaparecimento em agosto.


A polícia e o F.B.I. lançaram investigações sobre outras potenciais vítimas de Sowell.




Apenas o começo?

À luz de sua conexão com as mulheres desaparecidas, o F.B.I. investiga se Anthony Sowell pode ser responsável por crimes não resolvidos nas Carolinas, na Califórnia ou no Japão durante seu alistamento entre 1978-1985 na Marinha. Uma mulher da Califórnia alegou que ele a estuprou em 1979, mas o caso nunca chegou a julgamento, e a polícia já não tem registros.

A polícia reabriu três casos de assassinatos não resolvidos no Leste de Cleveland nos anos 80. Rosalind Garner foi estrangulada em sua casa na Avenida Hayden. Duas outras mulheres, Carmella Prater e Mary Thomas foram encontradas estranguladas em prédios abandonados na East First Street. Prater vivia na rua de Sowell, na Avenida Page. Em 2010, Sowell disse à polícia que não as conhecia.

Relatórios de vizinhos indicaram que pode haver mais corpos lá fora. Eles disseram aos investigadores que às vezes viam Sowell arrastando grandes sacos de lixo pela rua. Eles também disseram que o lixo atrás de sua casa às vezes cheirava mal - como o ar podre e morto em torno da casa. A polícia e o F.B.I. continuaram ao longo de novembro de 2009, usando imagens térmicas, raios-x e radar de penetração no solo para examinar a propriedade de Sowell, e um lote abandonado ao lado.

Em 15 de novembro, a polícia fez outra busca no interior da de Sowell, depois que uma menina de 9 anos encontrou uma peça ainda não identificada como uma possível prova. Em 18 de novembro, o F.B.I. voltou a cavar na casa de Sowell e na casa ao lado. Eles levaram vários sacos de provas.

13 de novembro de 2009 - Anthony Sowell foi acusado de estupro e outras acusações sob forte segurança onde se declarou não culpado. (John Kuntz / The Plain Dealer)
Sowell foi denunciado por uma corte comum no condado de Cuyahoga em 16 de novembro de 2009, sob acusações de tentativa de assassinato, estupro, sequestro e agressão criminosa.

Depois de encontrar os corpos, a polícia montou uma estação perto da casa e pediu que os membros da família das vítimas possíveis se apresentassem. Poucos fizeram. O Centro de Crises e de Estupro de Cleveland criou uma linha direta, na esperança ouvir outras mulheres que escaparam de Sowell. O tenente Stacho disse que a polícia ouvirá todas as vítimas e familiares, independentemente de suas histórias criminosas ou envolvendo drogas.
Loss: Sandy Drain holds a picture of Gloria Walker who was identified as one of Anthony Sowell's victims
Sandy Drain segura uma foto de Gloria Walker que mais tarde foi identificada como uma vítima de  Anthony Sowell


Julgamento e condenação

Anthony Sowell entra na sala de audiências para o início de seu julgamento Segunda-feira, 27 de junho de 2011, em Cleveland. (Gus Chan, The Plain Dealer)



Sowell foi a julgamento em junho e julho de 2011, sendo condenado em 82 acusações: homicídio qualificado, sequestro, abuso de cadáver e adulteração de provas.

O advogado de defesa John Parker, à esquerda, conversa com Anthony Sowell durante os procedimentos judiciais em 28 de junho de 2011.

Aos jurados foram apresentadas fotografias de cadáveres esqueléticos enegrecidos, em mesas de autópsias e ouviram policiais descreverem como seus corpos foram deixados a apodrecer em Cleveland, no quintal da casa de Sowell.

As luzes são diminuídas enquanto o interrogatório de vídeo de Anthony Sowell é mostrado.

Detetive da polícia de Cleveland RIchard Durst testemunha a respeito de uma foto tirada na casa
do assassino em série Anthony Sowell

Sgt. Ronald Ross testemunha

O detetive da polícia de Cleveland Melvin Smith, no carrinho da testemunha, prende uma imagem da avenida imperial- 07/07/2011

Médica legista Dr. Elizabeth Balraj testemunha. Ela realizou autópsias
  Em 5 das 11 vítimas. (Marvin Fong / The Plain Dealer)

Erik Carpenter, examinador forense do FBI, testemunha.
  (Gus Chan / The Plain Dealer)

Dr. Nasir Butt, supervisor do laboratório de DNA no escritório do Examinador Médico do Condado de Cuyahoga, testemunha
  Durante o julgamento de Anthony Sowell quarta-feira, julho 13, 2011.

Detetive de Cleveland Lem Griffin apresenta uma foto do quarto de Anthony Sowell. O testemunho de Griffin envolveu os órgãos que foram descobertos na casa. Ele também foi um dos dois detetives interrogando
Sowell em vídeo que foi apresentado como prova.

Vanessa Gay não controla a emoção durante seu testemunho de quando ela foi estuprada e espancada por Anthony Sowell.

Gladys Wade demonstra como Anthony Sowell a agarrou pela garganta durante um suposto ataque contra ela

Gladys Wade testemunhando


Sowell apenas se desculpou: “A única coisa que eu quero dizer é que sinto muito... eu sei que pode não parecer muito, mas eu realmente sinto muito do fundo do meu coração”.

 Sowell pedindo desculpas por suas ações.

Sowell permaneceu sereno durante todo o julgamento e sorriu apenas quando um meio-irmão falou sobre suas lembranças de infância e quando a mãe de sua madrasta, de 88 anos de idade, acenou para ele do banco das testemunhas mostrando-se surpresa ao vê-lo.

Sowell ouvindo as testemunhas

Juiz Dick Ambrose.
(Marvin Fong / The Plain Dealer)


Após o veredito de culpado ser dado o juiz abriu uma sessão antes de recomendar a pena de morte ou a vida na prisão sem a possibilidade de liberdade condicional; que incluiu debates entre defesa e acusação, além de testemunhos de familiares tanto de Sowell como das vítimas dele; além da permissão da citação de evidências que foram proibidas de serem usadas durante o julgamento 

Sowell durante a leitura do seu veredito

Sowell é um assassino em série que escondeu os restos mortais de 11 mulheres em sua casa, sofre de compulsões sexuais e imitava atos sexuais com uma boneca de brinquedo quando ele era um menino, disse um especialista em saúde mental aos jurados.

Anthony Sowell sofre de várias doenças mentais, incluindo transtorno obsessivo-compulsivo e transtorno de estresse pós-traumático resultado do abuso que sofreu durante a infância, disse o Dr. George Woods, um especialista contratado pela defesa.

Sowell cresceu em uma família que tinha uma história de abuso físico que vinha de gerações, Woods disse que Sowell se lembra de morder a cabeça de alguém que estava atacando-o sexualmente quando tinha menos de 5 anos, mas ele não se lembra dos detalhes do ataque.

Sowell também descreveu " que quando ele era muito jovem, fingia ter relações sexuais com sua boneca",  "E também espalhava fezes nessa boneca." Sowell tinha 3 ou 4 anos quando isso aconteceu, disse Woods.

Woods também descreveu os comportamentos "obsessivos" de Sowell, como sua predileção por contar o número de presos e membros da equipe quando ele foi preso. Na prisão, Sowell ficou muito agitado e "quase impossível de se acalmar" quando não conseguiu encontrar um de seus pertences pessoais, disse Woods.

Woods também diagnosticou Sowell com psicoses não especificadas e uma desordem cognitiva não especificada.

A meia-irmã de Sowell apelou ao júri para salvar sua vida - mas admitiu durante um interrogatório que ele às vezes se irritava, e atacava qualquer garota que agia "agressivamente" com ela durante alguma discussão.

"Tudo o que ele fazia causava danos imediatos", Tressa Garrison de 44 anos disse ao júri. - As pessoas começavam a sangrar por todos os lugares.

Garrison e Sowell estavam sorrindo enquanto a história era relatada.

Sowell e seu advogado de defesa Rufus Sims sorriem ao ouvir uma das histórias

Garrison foi chamada pela defesa para retratar Sowell favoravelmente e ajudá-lo a escapar da pena de morte, mas ela testemunhou contra através da promotora-assistente Pinkey Carr, dizendo que seu irmão ficava com raiva se ele bebesse álcool e fumasse maconha ao mesmo tempo.

Durante o testemunho de Garrison, Sowell estava mais animado do que o habitual, balançando a cabeça "sim" ou "não" de acordo. Em um ponto, ele fez um comentário - inaudível pelo público - que atraiu um olhar penetrante do juiz e levou um deputado a mudar de posição.

Garrison afirmou que muitos fatores contribuíram com os 11 assassinatos: uma ex-namorada que o deixou, uma história familiar de depressão, os fuzileiros que não conseguiram detectar um problema cardíaco mais de 20 anos antes de ele ter sofrido um ataque cardíaco, e policiais que falharam para reconhecer o fedor na casa de Sowell como sendo de corpos apodrecendo.

"Acho que foi culpa minha, acho que foi culpa da minha mãe, acho que foi culpa da polícia", disse ela. "Todo mundo tem certa culpa."

Se Sowell tivesse obtido a ajuda de que precisava ao longo dos anos, Garrison testemunhou: "Isso nunca teria acontecido."

- Algo o levou a isso - respondeu Carr. - Não seria culpa dele, não é?

Pinky Carr aponta para um par de botas de trabalho no quarto de Anthony Sowell, 14 de julho de 2011. Nas solas, que acreditava-se ter vermes mortos de dois dos corpos apodrecendo.

Nesse momento o júri ouviu pela primeira vez que Sowell tinha uma condenação anterior por agressão sexual em 1989 por tentativa de estupro, pela qual ele foi preso até 2005. Qualquer menção desse caso foi retida durante o julgamento para evitar prejudicar os jurados.

Quando Garrison queixou-se de que a polícia não tinha investigado adequadamente aquele ataque de 1989, Carr usou a abertura para extrair um detalhe chave previamente desconhecido para o júri: que a vítima estava parcialmente nua e amarrada nos punhos, semelhante a algumas de suas vítimas de assassinato.

Garrison gritou e Sowell enxugou as lágrimas enquanto ela testemunhava sobre seu relacionamento íntimo.

Anthony Sowell says goodbye to his half sister. (Scott Shaw / The Plain Dealer)

"Eu ainda preciso dele", disse Garrison.

Anthony Sowell, 51 anos, foi condenado à morte no dia 12 de agosto de 2011.

"O tribunal não leva em consideração a manifestação de arrependimento do acusado", disse o juiz Ambrose ao pronunciar a sentença.


Anthony Sowell ouvindo a sentença de pena de morte.
(Marvin Fong / The Plain Dealer)

Sowell, de 51 anos, permaneceu sentado com os olhos fechados e em silêncio enquanto duas mulheres que havia violentado e parentes das vítimas mortas acompanhavam o julgamento.

"Você vai para o inferno por seus atos", exclamou Donnita Carmichael, filha de Tonia Carmichael, uma das vítimas de Sowell.

Sua execução foi marcada para o dia 29 de agosto de 2012, o que nunca aconteceria – como não aconteceu, pois seus advogados ingressaram com apelação e segundo os mesmos, levaria de 3 anos à 3 anos e meio para serem julgados os recursos ou, na pior das hipóteses, até 10 anos (ou mais).

Referências:






http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2011/08/12/eua-pena-de-morte-para-serial-killer-que-guardou-corpos-de-11-vitimas/

https://br.noticias.yahoo.com/expert-ohio-serial-killer-sexual-compulsions-212259704.html











Reações:

0 comentários:

Postar um comentário