Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

CRIMES DA SEMANA- 19/11/2016 ATÉ 25/11/2016




- 23/11/2016

Homem que matou ex-namorada em apartamento em SP vira réu em ação
Hugo Gabrich responde por homicídio qualificado. Denúncia diz que ele estava inconformado com fim do relacionamento e tinha ciúme e posse exacerbados.

O empresário Hugo Alexandre Gabrich, acusado de matar a ex-companheira Edna Silveira em São Paulo em 12 de novembro e denunciado à Justiça pelo Ministério Público, se tornou réu em processo que corre na 1ª Vara do Júri no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista.

O promotor responsável pelo caso denunciou Gabrich por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e feminicídio) contra Edna e por tentativa de homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima) contra um amigo de Edna que estava na casa dela na hora do crime. O homem ficou gravemente ferido, sob risco de ficar paraplégico.

A denúncia do Ministério Público foi aceita pela Justiça nesta terça-feira (22). O crime ocorreu no apartamento de Edna, no Paraíso, Zona Sul de São Paulo. A mulher, que tinha 29 anos, levou quatro tiros. Um entregador de bebidas que foi rendido pelo suspeito e foi usado para entrar no apartamento não ficou ferido.

O inquérito da Polícia Civil sobre o caso aponta que Gabrich cometeu o crime por estar "insatisfeito com o término do relacionamento" com Edna e por "vingança" devido à tentativa fracassada de reconciliação. Hugo, aponta a denúncia, "tinha um sentimento exacerbado de ciúme e posse" em relação a Edna.

Não há nos autos a defesa do empresário, que foi preso em Minas Gerais e trazido para São Paulo, quando a prisão foi determinada pela Justiça. Ate o momento, ele não prestou depoimento sobre o caso.

Em Belo Horizonte, onde o suspeito foi preso, a Polícia Civil afirmou que ele chegou a confessar o crime. Antes de ser detido, o empresário chegou a se internar em uma clínica psiquiátrica, na Região Centro-Sul da cidade.

“Ele [Gabrich] confessou o crime. Ele disse que, após o crime, a arma foi dispensada por ele em local incerto. Ele disse que tudo foi motivado por problemas financeiros, problemas depressivos, familiares e de relacionamento, claro. Por isso, trata-se aí de um crime passional”, disse o delegado Matheus Cobucci Salles em Minas Gerais.


Jovem é preso suspeito de estuprar adolescente de 13 anos em Uberlândia
Vítima foi abordada em farmácia, rapaz ofereceu carona e praticou crime.
Amiga da adolescente foi detida por suspeita de auxiliar no estupro.

Um jovem de 26 anos foi preso nesta terça-feira (22), no Bairro Pacaembu, suspeito de estuprar uma adolescente de 13 anos em Uberlândia. Segundo a Polícia Militar (PM), a vítima estava em uma farmácia na companhia de uma amiga de 22 anos, no Bairro Presidente Roosevelt, quando ao sair do estabelecimento foi abordada pelo suspeito.

Os militares contaram que a adolescente entrou no carro do rapaz após ele dizer que era conhecido da amiga dela e que estava ali para dar uma carona. Após a abordagem, o suspeito levou a vítima até um local que ela não soube explicar e a obrigou manter relação sexual com ele.

Ainda de acordo com a PM, a garota foi levada para o Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) onde recebeu atendimento. A jovem de 22 anos que estava com a adolescente na farmácia, foi levada para a Delegacia de Polícia Civil suspeita de participar do crime.
Fonte: Do G1 Triângulo Mineiro

Polícia indicia suspeito de matar mãe e filho em Betim, na Grande BH
Ele deve responder por homicídio, cárcere privado e abandono de incapaz.
Corpos foram encontrados no último dia 4 dentro de casa.

A Polícia Civil informou, nesta quarta-feira (23), que indiciou o homem preso por suspeita de matar a companheira e filho dela no início do mês em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Charles da Silva Moura, de 31 anos, deve responder pelos crimes de homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, cárcere privado e abandono de incapaz.

Os corpos de Cristiana Bezerra dos Santos, de 37 anos, e de Guilherme Halley de Assis dos Santos, de 8, foram encontrados no dia 4 de novembro dentro de casa, no bairro Industrial São Luiz. Segundo a perícia, o garoto estava com um corte profundo no pescoço, e a mãe teve ferimentos no pescoço, na barriga, na mão e no braço.

O crime teria sido motivado por ciúmes. De acordo com a polícia, o homem acusa a mulher de infidelidade.

Antes de matar as vítimas, o suspeito teria discutido com Cristina. Segundo as investigações, Charles buscou uma faca na cozinha, enquanto a mulher tentava se trancar no banheiro da casa. Entretanto, ela não conseguiu e o homem a esfaqueou.

Durante a discussão, o filho de Cristina chegou a pedir para que o casal parasse de brigar. Porém, no momento em que Cristina foi atacada, o garoto tentou defender a mãe e também acabou sendo atingido

Segundo a polícia, o suspeito ainda ameaçou a outra filha de Cristiana, de 3 anos. Ao fugir, ele deixou a menina trancada em casa e em estado de abandono.

Ao ser preso dois dias após o crime, de acordo com a Polícia Militar (PM), o homem confessou ser o autor dos assassinatos. Segundo a Polícia Civil, o suspeito, que não tinha antecedentes criminais, está detido no Presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, também na Grande BH.
Fonte: Do G1 MG



- 21/11/2016

Tatuagem de suspeito de matar a própria mulher dá pistas sobre crime
 Tatugem mostra nome da vítima com datas de nascimento e morte e a frase "Obrigado por tudo" (Foto: Policia Nacional)
Tatugem mostra nome da vítima com datas de nascimento e morte e a frase "Obrigado por tudo" (Foto: Policia Nacional)

Na Espanha, a polícia prendeu um suspeito de homicídio foragido e encontrou uma pista importante sobre o crime em uma tatuagem sua.

O homem estava sendo procurado pela polícia alemã após o assassinato de sua namorada na Baviera, no sudeste da Alemanha.

As autoridades não sabem a data exata da morte, mas uma tatuagem do homem mostra seu nome, Lisa, e data de falecimento - 27 de outubro de 2016.

O homem foi preso em Lloret de Mar, na Catalunha, com o filho de 18 meses do casal, que estava em boas condições de saúde.

O corpo da mulher fora encontrado por sua mãe na semana passada em um bloco de apartamentos na cidade alemã de Freyung, perto da fronteira checa.

Uma autópsia inicial apontou que a mulher morrera cerca de três semanas antes de ser encontrada.

A polícia federal da Espanha disse que o telefone celular da vítima tinha sido levado pelo suspeito com a intenção de usar suas redes sociais, enganando investigadores.

O homem, identificado na Alemanha como Dominik R, foi rastreado na Espanha depois de ter retirado dinheiro no país.

A polícia da Espanha, que o deteve após a emissão de um mandado europeu de prisão, acredita que ele estava a caminho do norte da África.

Em nota, a polícia federal espanhola disse que a tatuagem "pode ser interpretada como a data de morte (da vítima)". Agora, o suspeito aguarda extradição para a Alemanha.
Fonte: Da BBC


Suspeito de matar ex-companheira será transferido para penitenciária
Hugo Gabrich foi preso na última sexta e trazido para SP no fim de semana. Empresário estava internado em clínica psiquiátrica de Belo Horizonte.




Hugo Gabrich é transferido de Belo Horizonte para São Paulo e vai prestar depoimento (Foto: Reprodução/TV Globo)


O empresário Hugo Alexandre Gabrich, apontado como assassino da ex-companheira Edna Silveira, deve ser transferido na manhã desta segunda-feira (21) para uma penitenciária de São Paulo para cumprir a prisão preventiva.

Ele foi preso na última sexta-feira (18) em uma clínica psiquiátrica de Belo Horizonte, em Minas Gerais e foi transferido para São Paulo de avião no início da noite deste sábado (19).

Pela primeira vez, a família da empresária assassinada pelo ex-marido, em São Paulo, se reuniu para falar sobre o crime. A mãe de Edna Amaralina já temia pela vida da filha. São oito dias sem Mara, como era carinhosamente chamada por amigos e pela família. No sábado passado, ela morreu assassinada pelo ex-marido, Hugo Gabrich.

“É ruim demais. Os piores dias da minha vida. Os piores dias que eu venho passando são esses. Chora. É muito triste”, disse Hélio Pereira da Silva, pai de Mara. “Era uma maravilha, tratava minha filha como rainha. Flores todos os dias. Ele era um marido qualquer mulher queria.”

Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que Hugo Gabrich invadiu o apartamento de Mara, em São Paulo. É possível ver o clarão do último disparo. Mara levou quatro tiros e morreu. Duas balas atingiram um amigo que estava com ela. Ele sobreviveu, mas corre o risco de ficar paraplégico.

Dias antes, o irmão de Mara esteve com Hugo para tratar de negócios. E percebeu uma mudança no comportamento do ex-cunhado. “Ele já estava um pouco mais frio. Não estava tão intenso como era antigamente”, disse Altamiro da Silva Neto, irmão da vítima.

O irmão conta que Hugo queria as chaves do apartamento para buscar os cães que eram do casal. Chegou a pedir ajuda para o ex-cunhado. “Pra gente não estragar o que a gente iniciou vê com ela lá. É problema de vocês dois. Ele falou: então eu vou para Belo Horizonte e depois eu vejo com ela.”

Hugo Gabrich e Mara viveram juntos por seis anos. Começaram o processo de separação em março. A mãe de Mara conta que chegou a alertá-la.

“O último contato que nós tivemos eu ainda repeti esse temor que eu tinha, né? E pedi para que ela tomasse cuidado em relação a ele, se fosse pra separar que o meu desejo é que ela fosse pra longe.”

Mara resolveu vir para São Paulo, onde tinha amigos. Mas dias depois ela me ligou e falou "mãe, ele já me descobriu, ele pôs detetive, ele sabe tudo, ele sabe onde eu moro, onde eu vou trabalhar ele sabe de tudo."

Nesta sexta-feira (18), o advogado dele procurou uma delegacia em Belo Horizonte para informar que o cliente queria se entregar e que estava internado em uma clínica por causa de depressão. No fim da tarde, ele foi preso.

Segundo o delegado, Hugo Gabrich confessou o crime. “Disse que após o crime a arma foi dispensada por ele em local incerto. Ele disse que tudo foi motivado realmente por problemas financeiros, problemas depressivos, familiares. E de relacionamento, claro”, disse o delegado Matheus Cobucci.

A família de Mara só quer justiça. “Eu, mãe, eu vou chorar por muitos meses. Vou lembrar dela muitas em tudo o que eu for fazer. Então o Hugo precisa pagar. Nós confiamos na Justiça, nós sabemos que vai ser feito justiça e ele precisa pagar.”

“Eu não quero que ninguém venha, nenhum deles, venha sentir a dor que eu sinto. Porque essa dor só quem passa por ela para saber o tamanho”, disse o pai.

Confissão
O empresário Hugo Alexandre Gabrich, suspeito de matar a ex-namorada Edna da Silveira em São Paulo, confessou o crime, de acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais. Ele foi preso em Belo Horizonte, nesta sexta-feira (18), e encaminhado para um presídio da capital mineira. Antes de ser detido, o empresário chegou a se internar em uma clínica psiquiátrica, na Região Centro-Sul da cidade.

Edna foi morta na madrugada do último sábado (12) após ser vítima de disparos dentro de seu apartamento, no bairro do Paraíso, na Zona Sul de São Paulo. Ela levou quatro tiros. O amigo que estava com a vítima levou dois tiros e corre o risco de ficar tetraplégico. Um entregador de bebidas que foi rendido pelo suspeito não ficou ferido.

“Ele [Gabrich] confessou o crime. Ele disse que, após o crime, a arma foi dispensada por ele em local incerto. Ele disse que tudo foi motivado por problemas financeiros, problemas depressivos, familiares e de relacionamento, claro. Por isso, trata-se aí de um crime passional”, disse o delegado Matheus Cobucci Salles.

Gabrich foi preso depois de o advogado dele procurar a polícia mineira nesta sexta-feira. O empresário estava internado com quadro de depressão em uma clínica no bairro Anchieta. Segundo o delegado, Gabrich veio para Minas Gerais no início da semana, e, primeiramente, hospedou-se na casa de parentes em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“Ele disse que, após ter cometido o crime, ele se hospedou em um hotel em São Paulo, sem se identificar, permaneceu nesse hotel até a segunda-feira. Segunda-feira, em seu próprio veículo, ele se deslocou para [a região de] Belo Horizonte, já que ele tem parentes que moram em Santa Luzia. E hoje [sexta-feira] pela manhã, já ciente da possibilidade da expedição de mandado de prisão preventiva pela Justiça de São Paulo, ele tentou se internar, já que ele apresentava um quadro já depressivo, mesmo antes do crime”, afirmou o delegado.

Entre a tarde e o início da noite de sexta, Gabrich ficou internado sob escolta policial. De acordo com Cobucci, foi o próprio suspeito quem pediu autorização da clínica para deixar o tratamento.

Depois, ele foi levado para uma delegacia, passou por exames no Instituto Médico-Legal (IML) e foi encaminhado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) da Gameleira.
Fonte: G1- SP


Corpo em decomposição é localizado dentro de poste em Goiânia
Objeto, que é oco e usado em redes de alta tensão, foi serrado por bombeiros. 
Vizinhos sentiram odor e pediram ajuda; vítima morreu há cerca de 15 dias.

Corpo em decomposição é localizado dentro de poste em Goiânia, Goiás (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Um corpo, ainda não identificado, foi encontrado dentro de um poste de ferro, no Setor Jardim Europa, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, vizinhos sentiram um forte odor e acionaram os bombeiros, que encontraram o corpo no local já em avançado estado de decomposição.

O cadáver foi achado na noite de domingo (20), no canteiro central da Avenida Viena. Segundo o delegado Francisco Costa Júnior, que esteve no local, o poste é usado em redes de alta tensão. Como ele é oco, possui uma abertura embaixo. "O poste estava deitado no canteiro central. Agora como essa pessoa entrou lá dentro eu ainda não sei", disse ao G1.

Ainda conforme Costa Júnior, a suspeita é que a pessoa tenha morrido há cerca de 15 dias. Há alguns dias, moradores da região já tinham acionado os bombeiros diante do cheiro forte.

"Como o odor ficou ainda mais evidente, a corporação foi acionada novamente e teve que serrar o poste para ver o que havia dentro dele. Quando isso ocorreu, eles encontraram o corpo", disse o delegado.

Peritos estiveram no local para recolher os restos mortais, o corpo encontrado dentro de um poste de ferro é de um homem, segundo o Insituto Médico Legal (IML) de Goiânia. O órgão concluiu o exame de necropsia que não conseguiu apontar a causa da morte. 

O supervisor administrativo do órgão, Daniel de Carvalho disse ao G1 que o fato do corpo ter ficado dentro de uma estrutura metálica pode ter avançado o estado de decomposição.

“A causa da morte ainda é indeterminada. Os papilocopistas tentam fazer a identificação por meio da impressão digital. Caso não consigam, isso só será possível por meio de um exame de DNA. A dificuldade para identificar as causas e identificar este homem se devem ao estado muito avançado de decomposição, provavelmente causado pelo calor a que ele foi submetido dentro do poste. Até então não se sabe nada além do sexo”, afirmou ao G1.
Fonte: Sílvio Túlio - Do G1 GO


- 20/11/2016

Vídeo mostra confissão de Elize Matsunaga, acusada de matar marido
Elize matou e esquartejou o marido, em São Paulo, em 2012, e vai a júri popular no dia 28 deste mês. O julgamento pode durar até cinco dias.

Quatro anos e meio após matar o marido, a bacharel em direito Elize Matsunaga será julgada a partir do próximo dia 28, no Fórum da Barra Funda, em São Paulo. Um vídeo divulgado no domingo (20) pelo Fantástico traz o depoimento de Elize a polícia em junho de 2012, 17 dias depois que ela matou o marido.

A gravação mostra que Elize foi questionada pelo delegado sobre um possível receio de morar com Marcos, que era colecionador de armas e que teria tentado matar a primeira mulher, segundo Elize. Ela respondeu que teve "um pouco". "Tive, mas eu quis porque o amava. E ele falou que me amava muito e que não era para eu ter medo", afirmou.

A defesa da bacharel em Direito Elize Matsunaga, que matou o marido Marcos Matsunaga em 2012, afirmou em entrevista ao Fantástico que a ré disparou contra a vítima após uma discussão na qual levou um tapa. O advogado Luciano Santoro disse ainda acreditar que Elize poderá ser absolvida da acusação de homicídio doloso (quanto há intenção de matar), mas não confirmou que irá pedir isso no tribunal do júri. A defesa poderia assim solicitar a condenação da ré por até três anos pelo crime de ocultação de cadáver, que ela mesmo admite.

 O julgamento pode durar até cinco dias.

Em depoimento à polícia, em 2012, Elize disse que o casamento com o diretor da Yoki, Marcos Matsunaga, começou a ruir depois que ela descobriu a primeira traição. Na véspera do crime, ela descobriu que o marido tinha outra amante e disse que o matou durante uma discussão. Para a acusação, o crime foi premeditado e ela deve ser condenada a pelo menos 25 anos de cadeia.

Fonte; Fantástico/ G1 







.
    Reações:

    0 comentários:

    Postar um comentário