Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

terça-feira, 15 de novembro de 2016

CRIMES DA SEMANA- 12/11/2016 ATÉ 18/11/2016


- 17/11/2016

Mãe suspeita de acorrentar filho de 9 anos perde a guarda da criança no TO
Juiz considerou que o menino correria riscos na companhia da mãe.
Caso foi em Paraíso do TO; mãe disse que tomou a atitude por desespero.

Menino foi encontrado acorrentado em Paraíso do Tocantins (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar)
Menino foi encontrado acorrentado em Paraíso do Tocantins (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar)
Uma mãe suspeita de acorrentar o filho de 9 anos em Paraíso do Tocantins, a 66 km de Palmas, perdeu a guarda da criança. Conforme o juiz Océlio Nobre, o menino ficará sob a guarda provisória da Associação Ágape por um prazo de seis meses. A decisão foi tomada após a mãe ser presa no dia 31 de outubro por suspeita de tortura. Na época, a criança foi encontrada na casa da família com os pés acorrentados e com marcas de espancamento pelo corpo.

Na decisão, o juiz também retira a guarda do pai por causa do abandono. O menino vivia com a mãe e o padrasto.

O pedido para que o abrigo ficasse com a guarda foi feito pelo Ministério Público. Segundo consta na decisão, em apenas um dia, no mês de outubro, o serviço tutelar chegou a ser acionado por pelo menos três vezes para atender ocorrências de espancamento por pauladas e acorrentamento, cometido pela mãe contra o filho.

Embora o magistrado relate que o menino correria riscos na companhia da mãe, ele afirma também que a mulher não aplicava os golpes por maldade ou desamor, mas por desespero, já que o menino tinha sido expulso da escola e era suspeito de cometer pequenos furtos.

Na decisão, Nobre também reconhece que a situação é consequência do fracasso das políticas públicas de prevenção da violência, que provoca medo e insegurança nas famílias.

Por causa disso, ele também requisita à Secretaria Municipal de Ação Social, informações sobre as políticas públicas disponíveis que possam contemplar esta família e, caso não existam, que o órgão elabore, no prazo de 10 dias, um plano de intervenção visando a preservação dos laços afetivos e de guarda entre a criança e sua genitora.

O juiz também manda que um ofício seja encaminhado para a Secretaria Estadual de Ação Social para que o órgão saiba do caso e informe as políticas disponíveis no Estado
que possam contemplar a família.

Em nota, a Secretaria Estadual do Trabalho e da Assistência Social disse que ainda não recebeu o ofício. Mas informou que caberá ao Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) de Paraíso do Tocantins conceder à família e à criança orientaçõe e suportes adequados para que sejam prevalecidos os direitos do menor.

O G1 entrou em contato com a Secretaria de Ação Social do Município, mas até a publicação desta reportagem não recebeu retorno.

Entenda
O menino de 9 anos foi resgatado pelo Conselho Tutelar no dia 31 do mês passado. Ele foi encontrado acorrentado e com várias marcas de agressão pelo corpo. O flagrante foi feito na casa da família após denúncia anônima.
Fonte: Do G1 TO


Síndico mata morador e se suicida dentro de prédio, em Caldas Novas
Segundo major, empresário, de 33 anos, foi morto a tiros durante discussão.
Ele já havia sido síndico do condomínio e tinha rixa com atual gestor, diz PM.

O síndico de um condomínio residencial matou a tiros um morador e se matou em seguida, na manhã desta quinta-feira (17), em Caldas Novas, na região sul de Goiás. Segundo a Polícia Militar, Luiz Carlos Pimentel, de 68 anos, atirou contra o empresário Leonardo da Costa Machado, de 33 anos, durante uma discussão. De acordo com a PM, Leonardo era ex-síndico do prédio e já tinha tido várias discussões com o atual gestor do condomínio.

O comandante do 26º Batalhão da Polícia Militar, o major Wellington Monteiro Guimarães, disse ao G1 que o empresário chegou a ser socorrido e levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas morreu ao chegar ao local. Segundo o policial, o síndico se matou no momento em que a corporação chegou ao condomínio.

“Nossas equipes foram acionadas para atender uma ocorrência em que o síndico e o morador se desentenderam. Segundo os moradores do local, o síndico foi tirar satisfação do homem com relação a algum problema no condomínio. Chegando lá, nos deparamos com o empresário baleado no abdômen e no pescoço. Com a chegada da PM, o autor foi até uma casa de máquinas e se matou”, afirmou.

O crime aconteceu no fim desta manhã no Edifício San Rafael, no Setor Olegário Pinto, região central de Caldas Novas. De acordo com a Polícia Militar, Leonardo e Luiz Carlos estavam no subsolo do condomínio no momento do crime. Leonardo foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu após chegar na UPA.

De acordo com o major, o empresário e o síndico já tinham tido outros conflitos. “A vítima foi alvejada por quatro disparos, um no pescoço e três no abdômen. Segundo levantamentos feitos por nossas equipes, a vítima e o autor já tinham uma rixa antiga. Leonardo tinha sido síndico antes de Luiz Carlos assumir a gestão do condomínio”, afirmou.

Segundo a PM, o local do crime foi isolado e o corpo do idoso aguarda a conclusão da perícia da Polícia Técnico-Científica para ser recolhido e levado ao Instituto Médico Legal (IML).
Segundo PM, empresário Leonardo da Costa Machado tinha rixas com síndico Luiz Carlos Pimental, em Caldas Novas, Goiás (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
Segundo PM, empresário tinha rixas com síndico (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
Fonte: Murillo Velasco - Do G1 GO



Parentes entregam roupas usadas por assassino da sobrinha-neta de Sarney
Roupas estavam em apartamento no mesmo condomínio de Lucas.
Prazo para concluir o inquérito vai até a próxima quarta-feira (23).

Imagens da câmera de segurança revelam Lucas Porto esteve no dia do crime de Mariana Costa (Foto: Reprodução/G1MA)
Imagens revelam as roupas de Lucas Porto no dia do crime (Foto: Reprodução/G1MA)
As roupas usadas pelo empresário Lucas Porto, 37 anos, no dia do homicídio contra a sobrinha-neta de Sarney, a publicitária Mariana Costa, 33 anos, foram entregues, na tarde dessa quarta-feira (16), à Polícia Civil do Maranhão pelos próprios parentes do assassino confesso. Desde segunda-feira (14), os policias estavam à procura deste material para reforçar as provas na investigação. Ele é cunhado da vítima.

Mariana Costa, 33 anos, foi encontrada morta na tarde de domingo (13) no quarto de seu apartamento, no bairro Turu, em São Luís. Ela ainda chegou a ser socorrida e levada para um hospital, mas não resistiu e morreu. A filha do ex-deputado estadual Sarney Neto e sobrinha-neta do ex-presidente da República e senador José Sarney foi morta asfixiada com um travesseiro. Principal suspeito do caso, Lucas Porto foi preso logo depois do crime. Logo no início das investigações, ele negou ser o autor do crime. No entanto, acabou confessando na quarta-feira (16) em depoimento na Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoa (SHPP). A motivação seria uma atração que ele tinha por Mariana.

As peças, uma camisa branca e uma calça jeans azul, estavam no próprio condomínio onde Lucas Porto mora e é o síndico, no bairro Ponta d’Areia, em São Luís (MA). Desde segunda-feira os policiais buscavam as roupas, mas sem sucesso. Parentes de Lucas Porto disseram que as encontraram em um apartamento que não está sendo utilizado e pertence ao pai do acusado.

“A própria atitude do Lucas em esconder as roupas demonstra sua culpabilidade. Ele escondeu as roupas num apartamento que pertence a sua família e que ficava no andar superior ao que ele reside. Esse imóvel estava desocupado”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo.

Condomínio onde Lucas Porto morava e escondeu as roupas usadas no dia do homicídio de Mariana Costa, em São Luís (MA) (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Condomínio onde Lucas Porto escondeu as roupas usadas no homicídio (Foto: Reprodução/TV Mirante)
De acordo com as investigações policiais, depois de sair do apartamento de Mariana Costa, ele trocou de roupa e voltou para junto da família para demonstrar apoio. Chegou a levar uma psicóloga para as filhas da vítima e, antes de conseguir sair novamente do condomínio no Turu, foi impedido pelos policiais, ainda na noite de domingo (12), dia do crime.

“As roupas se somam a todo o conjunto probatório. Serão periciadas em busca de vestígios. Os exames periciais realizados também tem grande importância na formação da convicção jurídica dos fatos”, disse o delegado.

O delegado-geral Lawrence Melo disse ainda que há possibilidade de que haja reconstituição dos fatos do dia do crime. “Depende da avaliação que os delegados que presidem o inquérito farão sobre a análise de todas as provas”, concluiu Lawrence Melo.

O prazo para concluir o inquérito vai até a próxima quarta-feira (23). Antes, os investigadores devem receber laudos para que tenham o reforço das provas periciais para elucidar por completo o crime.
Fonte: Do G1 MA



- 16/11/2016

Mãe fica chocada ao ver que marido matou filho em Goiânia; vídeo
Mulher ouviu os tiros da própria casa e lamentou: 'Por que ele fez isso?'.
Pai não aceitava ligação do jovem com ocupações de escolas, diz delegado.

Um vídeo mostra que a mãe do estudante de matemática Guilherme Silva Neto, de 20 anos, que foi morto a tiros pelo pai, chegou ao local do crime minutos depois, no Setor Aeroporto, em Goiânia. O marido dela se matou após atirar no filho. Na gravação, a delegada aposentada Rosália de Moura Rosa Silva diz desesperada: ”Meu filho. Por que ele fez isso?”.

O crime aconteceu na terça-feira (15), na esquina da Rua 25-A com a Avenida República do Líbano, na quadra acima de onde a família mora. Segundo vizinhos, Rosália ouviu da prórpia casa os tiros que atingiram o filho e o marido, o engenheiro civil Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos.
Jovem Guilherme Silva Neto foi perseguido antes de ser morto a tiros pelo pai, diz delegado  em Goiás (Foto: Reprodução/Facebook)
Guilherme Silva Neto foi perseguido antes de ser morto a tiros pelo pai (Foto: Reprodução/Facebook)
















Segundo a Polícia Civil, o pai não aceitava a ligação do jovem com ocupações de escolas. “Parentes disseram que os dois tinham conflitos recorrentes, mas o que culminou na tragédia foi uma briga pelo fato do pai tentar impedir que o filho participasse da ocupação de uma escola”, relatou ao G1 o delegado Hellynton Carvalho, que esteve no local do crime.

Ainda segundo o delegado, o engenheiro tinha problemas psicológicos. “Os familiares disseram que o pai sofria de depressão, mas ele e o filho sempre discutiam por conta do estilo de vida do rapaz, que participava de movimentos sociais e movimentos estudantis, e o homem não aceitava”, destacou.

Familiares disseram em entrevista à TV Anhanguera que o pai era possessivo e já havia ameaçado o filho de morte caso não abandonasse os movimentos sociais. No entanto, os parentes não acreditaram que o engenheiro seria capaz de matar o estudante porque ele sempre demonstrou muito amor pelo jovem.

O jovem estudava matemática na Universidade Federal de Goiás (UFG). Na manhã desta quarta-feira (16), estudantes que ocupam o campus Samambaia fazem um protesto e aproveitaram para homenagear o estudante. Em uma das paredes do campus foi pichada a frase: “Guilherme eterno. Lutar sempre, desistir jamais!”.
Estudantes estendem faixas com homenagem a Guilherme Neto, morto pelo pai, em Goiânia, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Estudantes estendem faixas em homenagem a Guilherme em campus ocupado da UFG (Foto: Vitor Santana/G1)


Perseguição
A mãe do jovem disse à polícia que, na manhã do crime, pai e filho tiveram uma discussão motivada pela reintegração de posse em uma unidade ocupada por estudantes. O jovem queria ir, mas o pai não permitiu. O engenheiro, no entanto, saiu de casa, e Guilherme também, logo em seguida. Quando o idoso retornou e não viu o filho, foi à sua procura.

"O pai surpreendeu o filho próximo à Praça do Avião. Segundo testemunhas, nesse momento, ele teria efetuado quatro disparos. Mesmo ferido, o jovem chegou a correr, mas o pai entrou no carro e o perseguiu até alcançá-lo. Foi quando ele atirou outras vezes", contou o delegado.

Após matar Guilherme, Alexandre se debruçou sobre ele e atirou contra si. O engenheiro foi socorrido e levado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), mas também morreu.

Um homem, que não quis se identificar, chegou ao local no momento do crime. "De início, escutei três disparos. Eu escutei uma gritaria, aí a hora que eu cheguei perto do portão vi o senhor recarregando a arma", contou.
Pai mata filho durante discussão e depois comete suicídio, diz polícia em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Pai matou filho durante discussão e depois cometeu suicídio, diz polícia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
O corpo de Guilherme é velado desde o início da manhã desta quarta-feira no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. O enterro está previsto para as 17h.

Já o corpo de Alexandre só foi liberado do Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia no final da manhã. Ele foi enterrado nesta tarde no Cemitério Vale da Paz, na capital.

Comportamento alternativo
Conforme consta no registro de ocorrência, Alexandre não concordava com o comportamento e o modo de ser do filho, considerado "alternativo e revolucionário". Guilherme era ligado a movimentos sociais, incluindo as ocupações de escolas contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que estabelece teto para o aumento dos gastos públicos.

Em uma conta nas redes sociais, Guilherme demonstrava interesse em assuntos ligados a questões sociais e política. Além disso, ele também participava de comunidades de assuntos como o fim da cultura do estupro, legalização do aborto e se posicionava contra a gestão de Organizações Sociais (OSs) na Educação.

Em nota, a União Nacional dos Estudantes (UNE) afirmou que "lamenta profundamente" as mortes de Guilherme e de Alexandre e que presta solidariedade e respeita o luto da família e amigos. O órgão ressalta que, embora o caso tenha relação com a relação entre pai e filho, "enxerga com preocupação" o fato de que a briga tenha sido motivada por discussões sobre preferências políticas.

A UNE destacou ainda que é necessário "reafirmarmos o diálogo e a democracia como principal saída para os diferentes pensamentos existentes na sociedade".
Guilherme Neto, morto pelo pai, fazia posts na web sobre movimentos sociais, Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/Facebook)
Guilherme fazia posts em rede social sobre ocupações em escolas (Foto: Reprodução/Facebook)
Guilherme Neto, morto pelo pai, fazia posts na web sobre movimentos sociais, Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/Facebook)
Jovem também mostrava apoio a outros movimentos sociais (Foto: Reprodução/Facebook)

Do G1 GO

Cunhado confessa que matou sobrinha-neta de Sarney
Lucas Porto disse que motivação foi 'paixão incontida' pela vítima.
Depoimento dado à Polícia Civil terminou na madrugada desta quarta.

O empresário Lucas Porto, de 37 anos, confessou que matou a sobrinha-neta de Sarney, a publicitária Mariana Costa, 33 anos. Porto era cunhado da vítima. A motivação seria uma atração que ele tinha por Mariana. As informações foram divulgadas pelo secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, em São Luís(MA).

“Ele disse que tinha uma atração muito forte pela Mariana. Disse que foi ao quarto e a encontrou sem roupa. Lá, resolveu consumar seu desejo sexual”, disse o secretário.

A polícia suspeita que, depois da violência sexual, a mulher foi morta asfixiada com um travesseiro. O caso ocorreu na noite de domingo (14), no apartamento da vítima.

Logo no início das investigações, o empresário negou ser o autor do crime. Nesta quarta, acabou confessando em depoimento prestado na Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoa (SHPP), onde estava acompanhado por três advogados.

O empresário está preso desde segunda-feira (14), quando a Justiça determinou a prisão preventiva (sem prazo para terminar). Ele divide cela com outros presos no Centro de Triagem, em Pedrinhas.

“Houve violência de natureza sexual. Esta foi à manifestação dele. Negou no primeiro momento a autoria do crime, mas declinou agora. Contudo, não muda nada na ação da polícia. Tudo que estava previsto para ser feito vai ser feito. Ele disse que tinha paixão incontida pela cunhada. Mas seguimos com as investigações”, afirmou o secretário.

O objetivo da polícia agora é confirmar se o depoimento de Lucas Porto tem procedência. Vizinhos e familiares também estão sendo ouvidos pelos investigadores.

"Este caso é difícil, pois envolve a subjetividade dele e o respeito em memória à vítima e à dor da família. Não estamos entrando em detalhes do depoimento dele, que foi madrugada adentro”, afirmou o secretário.
Mariana Costa foi encontrada morta em casa (Foto: Arquivo pessoal/ Facebook)
Fonte: Do G1 MA


- 15/11/2016

Vídeo mostra suspeito no apartamento da sobrinha-neta de Sarney
Empresário Lucas Porto esteve com a vítima no dia do crime.
Imagens foram utilizadas pela polícia para prender suspeito.

A Polícia Civil do Maranhão divulgou nesta terça-feira (15), em São Luís, as filmagens do circuito interno das câmeras de segurança do condomínio onde morava Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto, filha do ex-deputado estadual Sarney Neto e sobrinha-neta do ex-presidente da República e senador José Sarney. Mariana foi assassinada no domingo (13) em seu apartamento e o cunhado dela, Lucas Porto, é apontado como o principal suspeito.


Em um primeiro momento, por volta das 14h30, as imagens das câmeras de segurança mostram o carro de Lucas vindo do almoço depois da igreja com a sogra, Mariana e as crianças. Após deixar Mariana e as crianças no condomínio, Lucas e a sogra dele saem do condomínio.

Lucas Porto esteve por duas vezes no condomínio no dia em que a vítima foi morta (Foto: Reprodução/G1 MA)Lucas Porto esteve por duas vezes no condomínio no dia em que a vítima foi morta (Foto: Reprodução/G1 MA)

No segundo momento, por voltas 15h14, as imagens revelam Lucas no elevador. O suspeito mexe no seu aparelho celular tranquilamente e aperta o bota do nono andar, onde residia a vítima.
Minutos mais tarde, por volta das 15h54, Lucas aparece nas imagens do circuito de segurança saindo pelos fundos e utilizando as escadas de emergência do condomínio que ficam situadas ao lado do elevador de serviço. Pelas imagens é possível perceber que o suspeito está aparentemente nervoso.





















Comoção em enterro
O enterro foi acompanhado por parentes, amigos de Mariana e da família. Sob forte comoção, os presentes fizeram várias orações e canções antes do sepultamento. O corpo foi velado em uma igreja evangélica no bairro Olho D’água, após liberação do Instituto Médico Legal (IML).

Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto, foi morta dentro do condomínio em que morava, no bairro do Turu. Após ter sido encontrada, Mariana chegou a ser socorrida e levada para um hospital particular, mas não resistiu e teve morte confirmada na casa de saúde.
Fonte: G1- MA


Suspeito de matar a ex a facadas na frente da filha é preso no DF
Ronaldo Almeida foi detido 48h após crime; mulher tinha ido buscar criança.
Crime foi caracterizado como feminicídio; até julho foram 12 casos no DF.

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu nesta segunda-feira (14) o homem suspeito de matar a ex-mulher a facadas em frente às filhas no último sábado (12) em Samambaia, no Distrito Federal. A 26ª Delegacia de Polícia determinou a prisão preventiva de Ronaldo Almeida dois dias depois do crime e mantinha ele na carceragem do Departamento de Polícia Especializada, próximo ao Parque da Cidade, até a tarde desta terça (15).

A ex-mulher de Almeida, Tatiane Leal Ribeiro, de 38 anos, foi morta na casa do suspeito, quanto tentava buscar a filha de 3 anos. A criança tinha sido levada da residência dela à força, horas antes. A filha mais velha da vítima, de 12 anos, a acompanhava no momento das agressões e testemunhou o homicídio. A Polícia Civil qualificou o crime como feminicídio.

De acordo com a investigação, o ex esteve na casa de Tatiane Leal Ribeiro por volta de 2h. Ele arrombou a porta e levou a filha em comum do casal. Cerca de uma hora e meia depois, a mulher e a filha adolescente foram à casa do suspeito pedir pela devolução da criança. O homem se dirigiu ao portão e abriu a grade. Quando Tatiane entrou, ele sacou a faca e a agrediu diversas vezes.

Ainda segundo a polícia, a garota de 12 anos tentou fazer com que o ex da mãe parasse de esfaqueá-la, sem sucesso. O homem fugiu de carro depois do homicídio e continua foragido. Em redes sociais, familiares lamentaram o crime e postaram imagens de luto.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Paz Social, entre janeiro e julho de 2016 foram registrados 12 casos de feminicídio pelas polícias do DF. Depois desse período, houve pelo menos mais três ocorrências: o de uma mulher assassinada a tiros em 12 de setembro no Itapoã, depois de ser xingada de “vagabunda”; o de uma mulher de 42 anos agredida pelo marido a facadas em Ceilândia no dia 20 de setembro e o deste sábado.

Familiar lamenta em rede social morte de Tatiane Leal Ribeiro, que foi esfaqueada pelo ex-marido no Distrito Federal quando buscava filha levada à força por ele (Foto: Facebook/Reprodução)
Familiar lamenta em rede social morte de Tatiane Leal Ribeiro, que foi esfaqueada pelo ex-marido no Distrito Federal quando buscava filha levada à força por ele (Foto: Facebook/Reprodução)
A lei que qualifica o feminicídio entrou em vigor em março de 2015 e, a partir daquele mês, foram contabilizados cinco casos até dezembro. Os casos de feminicídio contabilizados pelo GDF registram apenas as ocorrências policiais em que há a qualificação do crime, não a totalidade das ocorrências.

O feminicídio é o homicídio cometido contra uma mulher que tenha como motivação discriminação ou violência doméstica e familiar. O Código Penal prevê de 12 a 30 anos de prisão pelo crime – tempo maior do que para homicídio. A punição pode ser aumentada se a vítima for gestante, menor de 14 anos ou maior de 60.

Casos de repercussão
A primeira condenação por feminicídio no Distrito Federal aconteceu em dezembro do ano passado, no Riacho Fundo. Um homem foi condenado a 34 anos de prisão por assassinar a companheira e o vizinho do casal a tiros.

Em março, dados do Atlas da Violência 2016 mostraram que o número de feminicídios subiu 15,4% entre 2004 e 2014 no Distrito Federal. Naquele mesmo mês, dois casos de feminicídio no DF ganharam destaque.

Em 10 de março, a estudante de biologia da Universidade de Brasília (UnB) Louise Ribeiro morreu em um laboratório da instituição. O ex-namorado – outro aluno da universidade – teria dopado a jovem com clorofórmio. Segundo a Polícia Civil, Louise morreu após ser forçada a ingerir o tóxico dentro do laboratório do curso.

Dois dias depois, um homem de 23 anos matou a ex-namorada, de 20, em Samambaia. Segundo a polícia, uma criança de 13 anos, primo da vítima, estava no local do crime, mas não sofreu ferimentos. O jovem atirou na mulher com um revólver calibre 38 no banheiro da casa dela, segundo a polícia. Depois, ele teria cometido suicídio.

Fonte: G1- DF



- 14/11/2016

Sobrinha-neta de Sarney foi morta por asfixia, diz polícia
Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto foi encontrada morta em casa.
Lucas Leite Ribeiro Porto, cunhado da vítima, é o principal suspeito.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) confirma que a sobrinha-neta do ex-presidente da República e senador José Sarney, Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto, foi vítima de uma tentativa de estrangulamento e morreu por asfixia na noite de domingo (13) em seu apartamento no bairro Turu, em São Luís. Segundo a polícia, Mariana sofreu estrangulamento e foi sufocada pelo suspeito com a ajuda de um travesseiro.

Segundo informações do delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo, a investigação aponta o cunhado da vítima, Lucas Leite Ribeiro Porto, de 37 anos, casado com a irmã de Mariana, como o principal suspeito e está preso no Centro de Triagem do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. O advogado de defesa nega as acusações.

Lawrence acrescenta que o próximo passo da investigação é tentar descobrir a motivação do crime. “A investigação vai precisar que ela tenha continuidade, inclusive, para se esclarecer posteriormente a motivação desse fato. Posso afirmar com precisão já que houve sim um homicídio; que a causa da morte foi inicialmente uma tentativa de esganadura, mas possivelmente uma sufocação e isso corrobora com provas testemunhais, considerando que a pessoa que encontrou a vítima disse que ela estava despida na cama de seu quarto com o travesseiro sobre o seu rosto. Outras evidências apontam o seu Lucas como sendo a única pessoa que esteve na companhia da vítima no período que é apontado como o momento de sua morte”, revelou o delegado-geral.

Ainda conforme Lawrence Melo, imagens do circuito interno do condomínio também estão sendo utilizadas na investigação e, de acordo com ele as imagens demonstram o suspeito bastante nervoso, o que leva crer para a polícia a sua participação na morte de Mariana.

“Câmeras que são localizadas na residência da vítima, no condomínio onde ela morava, apontam isso, mostram o seu Lucas chegando e posteriormente descendo do nono andar pelas as escadas. Ele não utiliza o elevador. Ele desce correndo e está com uma aparência de estar transtornado com algum evento grave que teria acontecido. Ao chegar no térreo ele passa a mão no rosto, faz uma ligação. Essa ligação posteriormente ele nega.

O delegado diz também que o suspeito tentou apagar evidências de sua possível participação na morte de Mariana. "Ficou demonstrada é que o senhor Lucas tenta apagar diversas evidências que tanto colocam ele no local do crime como, por exemplo, ele apagou registros do celular, ele se desfez das roupas que ele utilizava no momento em que ele visita o apartamento da vítima e se negou a entregar as imagens do condomínio no qual ele é sindico, no qual ele reside para que se fique demonstrado o horário em que ele chega nesse condomínio. O fato é que a investigação aponta que ele não foi diretamente para o seu apartamento. Ele foi para a sauna do condomínio onde ele reside como se tentasse limpar e apagar, mais uma vez, evidências aí que ligam ele a esse evento trágico”, contou Lawrence Melo.
Lucas Leite Ribeiro Porto foi preso como suspeito da morte de Mariana Costa, em São Luís (MA) (Foto: Foto montagem:G1)
Lucas Porto foi preso como suspeito da morte de Mariana Costa, em São Luís (MA) (Foto: montagem:G1)
O delegado-geral também diz que foram constatadas lesões pelo o corpo de Lucas Leite, o que demonstra que ele se envolveu em uma luta corporal. “Além disso, ele tinha lesões no pulso, tórax e no rosto. Lesões essas que demonstram que ele esteve envolvido em uma luta corporal. Lesões que são apontadas pela a perícia como lesões de defesa. Então, há uma possibilidade maior é que no evento no qual ele pé apontado como o principal suspeito. A vítima ao tentar se defender tenha lesionado o senhor Lucas e ele não dá nenhum esclarecimento, não dá nenhuma outra possibilidade explicando o motivo dessas lesões”, finalizou.

Defesa
O advogado Jonilton Santos Lemos Júnior, que defende o suspeito de matar Mariana Costa disse que Lucas Porto nega veementemente o crime. “Bom, essa é a chave da questão nesse caso. Até agora a Secretaria de Segurança não apresentou qual teria sido a motivação desse crime. O Lucas nega veementemente que ele tenha assassinado a vítima. Ele não teria nenhum motivo para isso. É preciso que não se descarte outras linhas de investigação”.

O advogado disse ainda não ter tido acesso as imagens do circuito interno do condomínio. “Essas imagens que eles estão comentando que ele teria saído um tanto transtornado é preciso ter cautela. A defesa ainda não teve acesso a essas imagens. Todo condomínio apresenta vulnerabilidades, existem inúmeros prestadores de serviços também, funcionários, outros moradores. Então o que a defesa pede é cautela, serenidade e que outras linhas de investigação não sejam descartadas”.

Ainda conforme o advogado, Lucas Porto afirma ter retornado ao condomínio para conversar com a família. “Ele alega que teria retornado para conversar assunto de família como a cunhada como já fez inúmeras vezes”.

Mariana Costa foi encontrada morta em sua residência (Foto: Arquivo pessoal)

Entenda o caso

A suspeita é de que a morte tenha sido por asfixia, mas o laudo pericial ainda não foi divulgado. O cunhado de Mariana, Lucas Leite Ribeiro Porto, é o principal suspeito de praticar o crime. Ele está detido no Centro de Triagem do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A polícia investiga o que pode ter motivado o crime.

O velório de Mariana ocorre na Igreja Batista do Olho d'Água (IBOA), no bairro Olho d'Água. O sepultamento será no cemitério Parque da Saudade, no bairro Vinhais, às 16h desta segunda-feira (14). Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto era casada e tinha duas filhas, ainda crianças.
Fonte: G1- MA



Corpo de goiana morta em SP é enterrado em cemitério de Goiânia
Edna da Silveira e homem foram baleados em apartamento; ele sobreviveu.
Ex-companheiro da vítima é suspeito de cometer o crime e está foragido.

Edna Amaralina da Silveira, de 28 anos, foi morta a tiros dentro de casa na Zona Sul de São Paulo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Corpo de Edna da Silveira, 28, foi enterrado em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Globo)
O corpo da goiana Edna Amaralina da Silveira, de 28 anos, morta a tiros dentro do apartamento onde morava em São Paulo, foi enterrado nesta segunda-feira (14) no Cemitério Parque Memorial, em Goiânia. O ex-marido da mulher é suspeito do crime. Ainda abalados com o crime, os familiares não quiseram conversar com a imprensa.

Natural de Catalão, na região sudeste de Goiás, Edna foi morta em um apartamento na Zona Sul de São Paulo, no sábado (12). Um homem que estava com ela também foi baleado. O suspeito de cometer o crime é o ex-companheiro da jovem, Hugo Alexandre Gabrich, que morou com a ela por quase seis anos.

De acordo com a Polícia Civil, quando a equipe chegou ao local, Edna estava caída no chão da sala. A jovem ainda estava viva, apesar de ter sido atingida por oito tiros. Ao lado dela estava um homem de 42 anos, gravemente ferido. Ele contou aos policiais que o autor dos disparos foi o ex-marido de Edna.

A jovem foi levada para o Hospital das Clínicas, mas não resistiu aos ferimentos. O homem encontrado com ela está internado no Hospital Samaritano, na Zona Oeste da cidade, e corre o risco de ficar paraplégico. Por questão de segurança, a família pediu para que a identidade dele não fosse revelada.

Hugo está foragido. À reportagem do SPTV, o advogado do suspeito contou que o cliente e Edna moraram juntos em Goiás e tinham se separado há pouco tempo.

A jovem, que tinha se mudado para São Paulo, chegou a entrar com uma medida protetiva contra o ex-marido na Justiça de Goiás. No entanto, a medida foi revogada há três dias, a pedido da própria vítima.

O crime foi registrado na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). Em nota, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP) afirma que pedirá à Justiça a prisão temporária de Hugo Alexandre Gabrich.

O texto diz ainda que as equipes solicitaram imagens do circuito de segurança do prédio e estão em busca de outras câmeras que auxiliem no trabalho policial. Familiares de Edna serão ouvidos. Ainda de acordo com a SSP, a vítima não registrou nenhuma queixa contra o ex-companheiro em unidades policiais de São Paulo.
Fonte: Do G1 GO



- 13/11/2016


Mulher é encontrada degolada em Manaus e marido é suspeito do crime
Ciúme da esposa teria motivado assassinato, segundo polícia.
Crime ocorreu na Zona Sul da capital, neste domingo (13).

Corpo foi encontrado dentro de residência por familiares  (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Corpo foi encontrado dentro de residência por familiares (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Raimunda Brandão de Azevedo Filha, de 28 anos, foi encontrada morta no final da tarde deste domingo (13), em Manaus. A mulher foi degolada na residência onde morava, situada na avenida Leonardo Malcher, entre os bairros Cachoeirinha e Praça 14, na Zona Sul da capital. Segundo a polícia, o principal suspeito do assassinato o marido da vítima, um vendedor ambulante de 30 anos. O homem fugiu após o crime, que teria sido motivado por ciúmes.

Segundo relatos dados por familiares à Polícia Civil, por volta das 17h, um sobrinho de Raimunda foi até a casa da tia, que morava há duas semanas com o marido no local. O sobrinho teria chamado a vítima, mas a mulher não respondeu e o menino entrou no imóvel.

O garoto, que não teve a idade revelada, achava que a tia estivesse dormindo e teria puxado um carregador de celular que estava embaixo dela. De acordo com a polícia, o sobrinho percebeu que havia muito sangue perto da mulher e chamou uma outra tia, que foi até local e constatou a morte de Raimunda. Os vizinhos disseram que não ouviram gritos ou pedidos de socorro.

A família acionou a Polícia Militar que isolou o imóvel até chegada da perícia. Raimunda Filha teve o pescoço degolado por faca e morreu no local. O corpo foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML) e passará por necropsia no órgão.

O principal suspeito do homicídio é o marido da vítima, com quem Raimunda tinha um relacionamento amoroso há mais de cinco anos. Familiares relataram para polícia que o homem teria tentado matar a mulher outras vezes.

No dia anterior, Raimunda tinha saído de casa e retornado às 2h da madrugada, o que teria provocado ciúmes no marido. O ciúme pode ter sido a motivação do crime.

O caso foi registrado no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP). O suspeito do assassinato foi identificado e é procurado pela polícia. Os familiares da vítima não quiseram falar sobre o crime.
Fonte: G1- AM


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário