Essa comunidade é o reduto das pessoas interessadas nessas duas especialidades da ciência criminal, que até então não tinham como discutir, trocar informações e novidades sobre a criminologia e psicologia forense.

Postagem em destaque

Serial Killers - Parte XI - Mitos Sobre Serial Killers Parte 6

#6: ELES SÃO TODOS BRANCOS Contrariando o mito popular, nem todos os serial killers são brancos. Serial killers existem em todos os gr...

domingo, 15 de junho de 2014

Caso da Semana: Joachim Geog Kroll- O Cannibal de Ruhr



 Criança Desaparecida

Laar é um subúrbio de Duisburg, uma cidade no Vale do Ruhr industrializada e situada na parte noroeste da Alemanha. As crianças que brincavam nas proximidades do número onze Friesenstrasse (# 24 de acordo com John Dunning, autor de mortes estranhas) falaram sobre um homem careca conhecido como "tio Joachim," porque ele lhes dava mimos. Ele morava sozinho, mas tinha uma coleção de bonecas e sempre comprava as mais recentes novidades em aparelhos eletrônicos. Ele mantinha as bonecas especificamente para as meninas, porque elas gostavam de bonecas, e ele gostava das meninas. Ele era um homem estranho, com um rosto redondo, orelhas grandes e óculos, mas as crianças pareciam gostar dele. Ele tinha um grande senso de humor e sabia como fazê-las rir.
Onde Kroll viveu em Friesenstrasse
O que elas não viram foram as bonecas infláveis sinistras que ele mantinha para fins sexuais, bonecas que sufocava para obter prazer sexual. Ele tinha dificuldade para se aproximar das mulheres adultas, e sabia que causava uma má impressão. Ele só teve um relacionamento, que rapidamente fracassou. Por isso, mesmo jovem, ele começou ater fantasias envolvendo estupro.

Ele parecia não ter interesse nas reportagens sobre as duas décadas passadas sobre as mulheres e meninas que tinham sido assassinadas na região, possivelmente por um indivíduo desconhecido que chamaram de "Ruhr Hunter." Ele próprio sabia de mais de uma dúzia. Geralmente ele vagava para longe de seu próprio bairro, quando um desses casos viravam uma sensação da mídia, mas como é frequente em casos de assassinos com impulsos compulsivos, ele finalmente cometeu um erro que terminou com sua longa (e sorte) onda de violência.

Marion Ketter
No sábado, dia 03 de julho de 1976, Marion Ketter de 4 anos de idade desapareceu de um parque infantil em Duisburg (algumas fontes referem-se a ela como Monika). Ela era uma menina loura pequena e doce, que muitas vezes brincava com outras crianças, e os pais dela nunca tinham se preocupado quando ela foi brincar com eles. Mas naquele dia, ela não tinha voltado para casa. Sua mãe histericamente a procurou em todos os lugares, mas não conseguiu encontrar alguém que a tinha visto. Ela e seu marido foram à polícia, e no dia seguinte, um grupo de oficiais estavam no bairro entrevistando as pessoas  para saber o que eles poderiam ter visto. Nenhuma informação foi obtida, então eles começaram a ir de porta em porta para angariar toda a área. Foi só nesse momento que alguém no nº 11 da Friesenstrasse surgiu para procurar um oficial.

As histórias sobre essa série de assassinatos, muitas vezes entram em conflito sobre detalhes específicos, de modo que a seguinte narrativa vai fazê-los notar que detalhes significativos permanecem obscuros.



Uma Dieta Estranha



Moira Gamarra conta a história mais completa do que aconteceu, de maneira semelhante ao que aconteceria na Inglaterra com o serial killer Dennis Nilsen, seis anos depois em 1983. Os moradores do prédio em Friesenstrasse compartilhavam um lavatório, e um deles, Oscar Muller, estava em indo usá-lo. No corredor, ele encontrou o seu vizinho Joachim Kroll, que lhe advertiu que o banheiro estava todo entupido. E disse que não deveria ser utilizado.



"O que está acontecendo?" Muller perguntou ele, Kroll respondeu que estava ligado em cima. Muller não tinha certeza de que ele tinha ouvido corretamente quando Kroll acrescentou que ele estava cheio de "carne".


Muller pensou que era uma piada, então ele foi para o banheiro. Para seu horror, ele viu que a água na tigela era vermelho-sangue e tinha um odor estranho. Segurando o nariz e olhando mais de perto, Muller acreditava que poderia ver algum tipo de tecido molhado flutuante ao topo, mas se o seu vizinho não tivesse feito um comentário tão estranho, ele não teria reconhecido esse emaranhado que se assemelhava a carne, e ele não poderia imaginar que seu vizinho deixaria seus restos de açougueiro ali. Se isso é o que era. A cor vermelho-sangue parecia perturbadoramente fresca.

Correu descendo as escadas e saiu para a rua com a intenção de ir à polícia, Muller encontrou um dos oficiais em busca de Marion. Muller gaguejou o que ele tinha visto na casa de banho e vários oficiais o acompanharam até o banheiro para ver por si mesmos o que estava no banheiro. Sabendo que tinha uma criança desaparecida e ciente de que várias crianças tinham sido mortas na área geral, eles temiam o pior.

Parecia que algo vivo certamente havia sido cortado e jogado no vaso sanitário, e foi parar em cima dos tubos, mas a água escura tornou difícil de ver, então eles selaram a sala, desligaram a água e chamaram um encanador e o médico legista, apenas por precaução. Quando o pessoal chamado chegou, vários oficiais ajudaram a levar um grande balde para o lugar. Levantaram o vaso sanitário,  e então despejaram o conteúdo no balde, e pela primeira vez foram capazes de ver o que estava nele. Junto com a água estavam o que pareciam ser os órgãos internos de uma criança: pulmões, rins, intestinos e coração. Havia também pedaços de carne que pareciam ter sido cortados da parte gordurosa da vítima.

Muller disse à polícia o que o homem pouco agradável conhecido como "Tio Joaquim" lhe dissera sobre "carne" no banheiro, então após a descoberta os policiais foram imediatamente até o seu apartamento e bateram na porta. Muller parecia não se incomodar com a presença deles. Perguntaram-lhe o que sabia sobre o banheiro e ele admitiu que tinha matado e esfolado um coelho para seu guisado e tinha jogado os órgãos internos dentro da tigela. Ele tinha a intenção de se livrar dos restos, mas aparentemente foi demais para o banheiro. Eles podiam sentir o cheiro do guisado na cozinha, mas sabiam que o que eles tinham achado no banheiro não tinha vindo de um coelho. Com a criança desaparecida em suas mentes, eles insistiram em entrar para olhar ao redor.

Kroll lhes permitiu procurar seu apartamento de três quartos. Quando eles foram para a cozinha, ele mostrou-lhes o guisado, admitindo que continha pedaços da menina desaparecida. Os investigadores ficaram horrorizados com sua confissão, e com a sua indiferença. Quando um detetive usou uma colher para mexer a panela, ele pescou o que acabou por ser uma pequena mão que tinha cozinhado entre as cenouras e as batatas. Apesar deste achado repulsivo, a polícia continuou a busca. Na geladeira em placas, encontraram mais peças de "carne", que Kroll aparentemente guardava para consumir em um futuro próximo. O congelador continha mais alguns desses pacotes, todos muito bem embrulhados para a preservação. Tio Joachim, o vizinho amado a quem os pais locais confiavam seus filhos, tinha muito a responder, sobre o seu apetite bizarro. Como ele estava preparado para ser levado para o interrogatório, ele não resistiu.
Cozinha de Kroll

Tornando-se um assassino

Joachim Georg Kroll nasceu no dia 17 de abril de 1933 em uma família de mineração no Hindenburg, na área da Alta Silésia da Alemanha (agora parte da Polônia). Segundo alguns relatos, ele foi o último de oito filhos. Ele sofria de enurese e tinha uma constituição fraca. Ele nunca conseguiu ter uma boa resistência e tinha um QI de 76, considerado bem abaixo da média e quase no ponto de corte para ser rotulado como deficiente mental.

Seu pai tornou-se um prisioneiro de guerra na Rússia durante a Segunda Guerra Mundial, e nunca mais voltou para casa. Depois da guerra, a família se mudou para a Alemanha Ocidental (Renânia do Norte) em 1947, para encontrar uma casa de dois quartos para oito deles para compartilhar. Jovem Joachim teve de lidar com seis irmãs (algumas fontes dizem quatro), porque seus irmãos já tinham saído de casa. Ele foi para a escola por cerca de cinco anos (Gamarra indica que ele tinha três anos), e recebeu o resto de sua educação na fazenda. Na verdade, ele mais tarde atribuiu seu comportamento terrível para as coisas que ele tinha testemunhado lá.

No início de 1955, quando tinha 22 anos e Kroll ainda vivia em casa, sua mãe faleceu. Isto pode ou não pode ter sido traumático para ele, mas provavelmente está relacionado ao fato de que apenas três semanas depois, Kroll cometeu seu primeiro estupro e assassinato. Talvez ele estivesse reagindo a sua raiva e tristeza, mas poderia muito bem ser possível que ele tinha finalmente se sentiu livre o suficiente para agir e dar vazão as suas fantasias sexuais violentas.

Em 1957, mudou-se para Duisburg, onde atacou várias mulheres. Encontrou emprego como atendente de lavatório para a Mannesmann e Thyssen Industries, se estabelecendo em Laar, um bairro de Duisburg. Ele costumava fazer viagens para cidades periféricas para caçar vítimas, geralmente durante a caminhada dessas vítimas em áreas arborizadas. Ele usou diferentes métodos para subjugar suas vítimas e apagá-las como testemunhas, mas geralmente preferia o estrangulamento.


O Caçador de Ruhr

Após sua prisão, disse Michael Newton, a polícia acreditava que eles poderiam ter finalmente capturado o indescritível e brutal Ruhr Hunter, um homem de quarenta e três anos de idade, suspeito de alguns dos assassinatos da região. Ele admitiu o que ele tinha feito para Marion Ketter, mas inicialmente não disse mais nada, então foi colocado em uma cela para aguardar novas ações judiciais. Os guardas pareciam gostar dele e ele também parecia apreciar onde ele estava. Ele manteve seu bom senso de humor. Após alguns dias,  se sentiu mais confortável e revelou que foi responsável por uma série de crimes semelhantes, mesmo que o crédito de alguns assassinatos tenham sido atribuídos a outros homens - mesmo condenados. Kroll mostrou à polícia onde alguns crimes haviam ocorrido, aparentemente surpreendê-los, pois eles não tinham ligação diversos como o trabalho de um único infrator. Sua confissão foi longa, complicada e na maioria das vezes bastante chocante.
Kroll com a polícia em uma das cenas de crime
Kroll começou a estuprar e matar mulheres e meninas quando tinha 22 anos. Ele acreditava que tinha matado ou tentado matar cerca de catorze pessoas, mas não se lembrava bem. O primeiro assassinato havia ocorrido em 8 de Fevereiro de 1955. A mulher, identificada como Irmgard Strehl, tinha apenas 19 anos de idade, e seu corpo foi descoberto cerca de cinco dias depois de ter sido morta.

Irmgard Strehl
Kroll lembrava dela como uma loira que estava vestindo um casaco verde e carregando uma mochila. Ela estava fugindo, ele lembrou, e ele a encontrou enquanto caminhava ao longo da estrada. Ele a convidou para andar com ele até a floresta, aparentemente, prometendo-lhe alguma coisa, e em seguida tentou beijá-la. Quando ela lutou contra ele, ele a arrastou para um celeiro e a esfaqueou no pescoço, e em seguida a estuprou. Este incidente ocorreu perto da cidade de Walstedde (algumas fontes dizem Lüdinghausen). Para garantir que ela estava morta, Kroll a estrangulou e deixou seu corpo lá (algumas fontes dizem que ela foi deixada sob arbustos,várias centenas de metros de uma estrada). Ele também usou a sua dobradura, uma faca de lâmina longa para estripar. No entanto, uma autópsia indicou que enquanto ele a estuprou em um frenesi, ele a estripou depois de morta.

Um ano se passou antes que ele matasse mais uma vez, na cidade de Kirchhellen, e desta vez a vítima era mais jovem: Erika Schuletter de doze anos de idade. Kroll abordou ela, e depois a estuprou e matou. Então em 1959, depois de se mudar para Duisburg, Kroll matou duas mulheres com cerca de cinco semanas de intervalo, em diferentes cidades. Uma fonte indica que em Março desse ano antes dos assassinatos, ele atingiu uma mulher sem-teto de vinte e três anos de idade chamada Erika, depois de segui-la de uma taberna Duisburg ao Rheinbrucke em Rheinhausen. Ela ficou inconsciente e parecia estar morta, mas sobreviveu à tentativa de homicídio.
Klara Frieda Tesmer
Em 16 de junho, no mesmo local, ele foi atrás de uma outra mulher que tinha quase a mesma idade: Klara Frieda Tesmer foi encontrada morta não muito longe do rio Reno, estuprada e estrangulada. Kroll disse que quando ela reagiu afastando-se, ele bateu com força na sua cabeça. Ela continuou a lutar, enquanto ele tentava tirar suas roupas, e eles caíram. Ele agarrou-a pelo pescoço para impedi-la de resistir, e a estrangulou até ela parar de se mover. Em seguida, ele terminou de despi-la e estuprou seu cadáver, deixando a lá para um grupo de rapazes horrorizados descobri-la no dia seguinte. Não seria a última.


A Caça Continua 

Manuela Knodt 
   A vítima mais jovem foi Manuela Knodt de 16 anos, a quem Kroll estrangulou e jogou em um parque arborizado em Essen, dia 26 de julho. Mas com este assassinato, acrescentou uma emoção extra. Depois de tirar suas roupas ele a estuprou, então usou sua faca de lâmina longa para remover pedaços de carne de suas coxas e nádegas. Ele também havia se masturbado sobre ela, deixando um depósito significativo de sêmen no rosto e na região pubiana, o que levou a polícia a acreditar que um bando de pervertidos tinham atacado. Ninguém sabia até então, que Kroll tinha cortado e levado as partes mais carnudas para cozinhar e consumir. Enquanto ele diria que a escassez e o custo da carne tinham sido suas motivações, ele também disse que queria que ter a experiência de degustação de carne humana. (Ele confessou este assassinato,seis meses depois,  porém logo se retratou, mesmo assim ele foi condenado e recebeu uma sentença de oito anos de prisão, dos quais ele cumpriu apenas cinco.)

Kroll desenvolveu uma rotina que acreditava ter poucos riscos: ele tomaria um trem ou ônibus para uma área que parecia isolada, e então ele iria sair e andar até que avistasse uma mulher solitária que queria abordar. Enquanto ele manteve esse mesmo padrão de atacar e matar, o seu timing de assassinatos conhecidos se tornou um pouco irregular. Newton sugeriu que ele fez isso para confundir a polícia, mas há poucas evidências que apoiam a ideia. Também poderia ser o caso de que ele tenha matado mais do que ele admitiu, por isso o seu padrão, parece ser mais errático do que realmente era.

Barbara Bruder


  Uma menina de doze anos de idade chamada Barbara Bruder, estava a caminho de um campo de jogos perto de sua casa em Burscheid-Klein-Hamberg no início de 1962, quando Kroll a viu e rapidamente escolheu como uma vítima viável. Apesar de seus restos mortais terem sido localizados, Kroll admitiu ter abusado sexualmente e assassinado ela depois de arrastá-la para um campo onde ninguém podia ver. Ele tinha deixado ela lá, mas sua confissão foi feita quatorze anos mais tarde, tarde demais para voltar ao local para procurar vestígios.

Pietra Giese

Também nesse ano, ele estuprou e matou treze anos de idade, Petra Giese, bem como um outro de treze anos de idade, Monika Tafel. No dia depois da Páscoa, Kroll estrangulado Giese com seu próprio lenço, a remoção de grandes pedaços de carne de suas nádegas, junto com seu antebraço esquerdo e mão. Outro suspeito cumpriu seis anos por este crime.






Monika Tafel
Tafel foi morta em 4 de junho, Kroll a tinha agarrado em Walsum enquanto ela estava indo para a escola; e depois que terminou com ela, ele tirou pedaços de suas nádegas e coxas. Uma fonte, clubmoral.com, indica que ele poderia ter comido partes de seu corpo "no local." Estas duas mortes haviam ocorrido com cerca de dois meses de intervalo em diferentes cidades, para que eles não pudessem ser ligados a um único predador, apesar dos aspectos obviamente semelhantes de perversão. Na verdade, um suspeito local de Walsum se enforcou na mata, o que indica a algumas pessoas de que ele era culpado do crime. 


Em seguida, o padrão de Kroll radicalmente mudou.


Mais Vítimas 

Hermann Schmitz
Três anos se passam, e em 22 de agosto de 1965, Kroll se aproximou de um casal namorando em seu Volkswagen perto de um lago fora de Duisburg. Hermann Schmitz de 25 anos de idade, estava com a sua namorada Rita (outras fontes dão o nome de Marion), quando Kroll usou uma faca para achatar um pneu e tirar Schmitz do carro. Em seguida, ele o atacou, apunhalando Schmitz várias vezes diretamente no coração. Enquanto os espionava, Kroll  aparentemente decidiu se livrar de Schmitz como uma maneira de obter Rita, já que ele não tinha o hábito de matar homens e seu ataque tinha sido tão abrupto - indicativo de uma ação de oportunidade. No entanto, ao invés de mostrar impotência, a garota reagiu imediatamente, pulando para o banco do motorista para buzinar em um apelo constante por ajuda e para pisar no acelerador. Ela quase bateu  em Kroll e conseguiu assustá-lo afastado ele. Ela sobreviveu, pois Kroll  fugiu para a floresta. Apesar da descrição da menina, ninguém desenvolveu ligações para o assassino de Schmitz.

Kroll pode ter ficado assustado por sentir que a sua captura estava próxima, então se manteve quieto por mais um ano (pelo menos de acordo com a sua confissão), mas sua próxima vítima teria repercussões trágicas. Outros assassinos de crianças haviam iniciado na área, o que fez com que o acompanhamento de um único assassino fosse ainda mais difícil para a polícia. 

Ursula Rohling 
   Em 15 de setembro de 1966, também perto de Duisburg, o corpo de Ursula Rohling de 20 anos foi encontrado em meio aos arbustos, ela foi estrangulada. Ela estava morta há quase dois dias, despida da cintura para baixo de maneira provocativa. Por ela estar com o namorado dela na noite em que havia sido morta, a suspeita caiu sobre ele. Ele alegou que eles haviam se visto para discutir planos de casamento naquela noite, e depois seguiram caminhos separados, ele tinha visto Ursula caminhando em direção ao parque onde seu corpo havia sido deixado. A pressão da polícia sobre este jovem foi tão grande, pela humilhação de ser um suspeito, somado a perda da sua noiva de uma forma tão violenta, que se jogou no rio Maine. Kroll mais tarde admitiu que a assassinou, descreveu como ele a conhecera no parque, disse que conversou com ela e que em seguida a arrastou para o mato, onde a esganou e estuprou. O ato o deixou tão animado que ele quando ele voltou para casa, usou a sua boneca inflável se masturbar. 


Graças a ele, o namorado de Rohling morreu também. Porque ele tinha sido falsamente acusado, sua morte foi um terrível efeito colateral do trabalho desonesto da Kroll. Na verdade, graças à forma como a polícia o havia tratado, os moradores da área havia lhe condenado ao ostracismo, mas tudo o que ele tinha feito era levar sua garota para tomar sorvete. Nada disso significou nada para Kroll. Ele só se preocupava com o que alimentou seu desejo, então ele continuou a rondar a área, e dentro de três meses, ele atacou novamente.



Satisfazendo a Curiosidade 


Ilona Harke 
 Ilona Harke de 5 anos foi descoberta nas águas geladas de um pequeno riacho, em Wuppertal. Uma autópsia mostrou que ela havia sido estuprada. Sobre este assassinato, Kroll disse que tinha encontrado a criança em Essen e decidiu usá-la para satisfazer a sua curiosidade sobre como seria afogar alguém. Pareceu-lhe que ela seria fácil de subjugar. Ele levou-a com de trem para Wuppertal, e em seguida, encontrou uma área isolada naquele dia frio de inverno. Ele a fez caminhar com ele até que encontrasse uma vala que tinha água suficiente para executar o seu ato horrível, e então forçou a cabeça da criança dentro da água até que ela parou de se debater. Depois disso, ele achou que ela teria um sabor doce, então também cortou partes do seu corpo para levar para casa e cozinhar. Desta vez, ele cortou seu ombro, como se quisesse experimentar o sabor da carne de diferentes áreas do corpo. 

Cerca de seis meses depois, Kroll tentou matar novamente, mas desta vez ele foi interrompido e quase pego. Ele havia se mudado temporariamente para Grafenhausen, e em junho de 1967, ele avistou Gabriele P. de 10 anos. Algumas fontes indicam que isso ocorreu em um campo e alguns dizem que foi em um banco do parque. Kroll tinha alguma pornografia com ele, e ele conseguiu convencer a menina a acompanhá-lo, onde ele prometeu mostrar-lhe um coelho, mas em vez disso ele mostrou seu livro de fotos eróticas. Alarmada, ela tentou ir embora mas ele a deteve. Levando-a para uma área privada, ele a sufocou. No entanto, uma mina de carvão próxima soou a sirene de uma mudança de turnos, o que assustou Kroll, que viu homens correndo. Ele fugiu deixando a menina lá, acreditando que ela estava morta. No entanto, ela foi encontrada e levada para um hospital, onde permaneceu em coma por mais de uma semana. Ao acordar, ela contou aos pais o que tinha acontecido, mas eles se recusaram a relatar o incidente, talvez com medo de que o homem voltasse para a sua obra e tentasse eliminar a testemunha. (Gamarra indica que a menina escapou ilesa, o que parece mais provável, uma vez que seria estranho para os pais recusarem-se a relatar um ataque da magnitude que fontes como clubmoral.com descrevem). 
     
Maria Hettgen 
    Entre 1969 e 1970, Kroll estuprou e matou mais duas vítimas. Maria Hettgen foi a sua vítima mais velha, com sessenta e um anos de idade. (Este é o único caso em que há desacordo significativo. Uma fonte indica que ela tinha dez anos de idade, e Newton e Gamarra ambos afirmam que ela foi atacada no corredor de dentro de sua casa). Clubmoral.com descreve o cenário assim: Ela estava fora de casa, para uma caminhada em uma área turística do sul de Essen, quando ela encontrou Kroll, também caminhando (seu MO típico, e portanto, a forma mais provável de encontro). Kroll relatou mais tarde que ele tinha experimentado uma "sensação de cócegas no corpo todo", quando ele parou para conversar com ela. Ela não queria ficar conversando, ele lembrou, então ele bateu nela. Quando ela caiu, ele arrastou-a para alguns arbustos, onde a estrangulou e estuprou, deixando-a lá para ser encontrada um dia depois, em 13 de julho. 

 
Jutta Rahn 
 Dez meses depois, Kroll seguiu Jutta Rahn de 13 anos de idade, quando ela desembarcou de um trem em Breitscheid e começou a caminhar para casa através de uma área arborizada. Como vários casos iguais a esse, o namorado dela se tornou um suspeito, e como resultado até mesmo passou algum tempo na prisão. Então, pouco antes de 1976, Kroll estuprou e estrangulou Karin Toepfer  de 10 anos em outra cidade no mesmo ano. 




Karin Toepfer 
Finalmente com a sua prisão, os vinte e um anos de reinado de violência de Kroll chegaram ao fim - e ele ganhou a reputação duvidosa como o assassino sexual que atuou com o maior período de crimes sádicos na Alemanha Ocidental. Gamarra observa que "foi realmente surpreendente que em uma área de menos de cinqüenta quilômetros de comprimento por 20 milhas de largura, Kroll poderia fugir de seus crimes por vinte anos." Ele não era brilhante, e os crimes tinham muitos aspectos semelhantes e distintos, mas a polícia não conseguiu ligá-los. É verdade que ele selecionou principalmente estranhos e que suas viagens eram imprevisíveis, por isso mesmo sem uma análise de ligação sofisticada, ele provavelmente teria permanecido não identificado. Ainda assim, com a sua confissão e provas, a sua carreira como um assassino sexual tinha acabado. No entanto, para a polícia, a tentativa de entender o que está por trás de seu comportamento perturbador tinha apenas começado.


A Compulsão em Consumir 

O "Canibal de Ruhr" ou "Duisburg Man-Eater", como Kroll foi muitas vezes chamado na imprensa, foi apenas um de uma série de assassinos em série que consomem partes de suas vítimas, um bom número deles estão na Alemanha. Entre os canibais alemães estão Karl Denke, que massacrou e consumiu mais de trinta pessoas; Georg Grossman, que desmembrou, consumiu e vendeu a carne de várias mulheres (número desconhecido, talvez cinqüenta); e Fritz Haarman, que vendeu a carne de jovens (entre 20 e 47) que ele estuprou e assassinou, além de mastigar o seus pescoços. Nos Estados Unidos, Jeffrey Dahmer consumiu as partes da maioria das suas dezessete vítimas, todos jovens, e muitos dos quais ele tinha atraído para seu apartamento para drogá-los, matá-los e desmembrá-los. Quando a polícia entrou em sua casa, encontraram uma variedade de cabeças e partes de corpos na geladeira, no freezer, e dentro de uma grande banheira azul. Para Dahmer, o ato de consumir a carne tinha sido uma experiência sexual. 
Jeffrey Dahmer
Na verdade, o canibalismo é contado entre os parafilias listadas no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, quarta edição, e aparece nas listas de a maioria dos especialistas em crimes desviantes. Nos séculos anteriores, essas pessoas muitas vezes eram vistos como lobisomens, mas na verdade, eles estavam sofrendo de um transtorno erótico. Embora seus mecanismos causais ainda são pouco conhecidos, alguns especialistas estão tentando. 
Vernon Geberth 
No Departamento de  Homícidios Sexuais Relatados, Vernon Geberth, um ex-oficial NYPD e atualmente um dos maiores especialistas do mundo no protocolo para investigação de homicídio, discute a natureza do desvio sexual. Ele afirma que os comportamentos sexuais são classificados de acordo com as normas sócio culturais ou como aceitável ou inaceitável, o que torna o rótulo, "desviante", essencialmente um julgamento subjetivo. Em algumas culturas, por exemplo, considerar o ato de se esfregar em um estranho para a gratificação marginalmente aceitável, enquanto que os outros vêem esse comportamento como abuso sexual. Os seres humanos desenvolvem uma grande variedade de necessidades sexuais, e assim eles desenvolvem uma variedade de comportamento sexual. Não importa o que uma cultura pode ditar sobre o que é aceitável, o desejo sexual muitas vezes substitui essas sanções, embora o comportamento desviante é amplamente praticado em segredo. 

Durante uma investigação criminal que envolve o comportamento desviante, a polícia fica atenta a tais atos como mordidas, padrões de apunhaladas e de esganadura, e abuso sexual de um cadáver para a ligação desses crimes a um único infrator. O comportamento perverso é considerado um sinal para o tipo de psicopatologia que o infrator pode sofrer, e porque preenche uma necessidade do indivíduo, que muitas vezes se torna ritualístico, repetitivo, e imutável. 

"As sementes da perversão sexual são plantadas no início da psique de um agressor sexual", Geberth. "No entanto, as perversões sexuais não se manifestam até que o infrator atinja a puberdade. A semente é nutrida através da fantasia, as atividades masturbatórias que reforçam e alimentam o imaginário particular, parafilias, bem como a situação" de agir "baseado nessas perversões com um parceiro." No momento em que o infrator realmente comete um crime, a sua orientação temática pode ter sido ensaiada mentalmente e fisicamente, muitas vezes. "O evento sexual é o culminar de condicionamento e desenvolvimento psicossocial e psicossexual de um criminoso." 


Durante sua confissão, Kroll admitiu que por um capricho, ele provou a carne de uma das suas primeiros vítimas e descobriu que gostava disso. Depois disso, que ele começou a perseguir mulheres ou meninas que pensou que teria a carne macia. Ele aceitou que tinha algum tipo de doença e pediu uma cura para que ele pudesse voltar para casa. Ingenuamente, ele acreditava que, agora que ele foi pego, seria uma simples questão de mudar os seus hábitos. Ele não esperava nada menos e nada mais.


Sem Remorso 


Mesmo que Kroll aparentemente não fosse muito brilhante, ele não delirante a ponto de  ser considerado insano no momento de seus crimes. Ele não mostrou vergonha ou remorso sobre o que ele tinha feito para suas vítimas, o que o coloca na categoria de Psicopata, com a adição de ser sexualmente sádico. Vários trabalhos estão em andamento a respeito das nuances de manifestações psicopatas, pois há mais do que os modelos psicológicos anteriores têm revelado. 

Em The Psicopath: Emotion and the Brain, Mitchell e Blair resolvem os problemas com os sistemas cognitivos que parecem estar envolvidos no tipo de aprendizagem emocional implicado na agressão repetitiva. Eles propõem que algo deu errado, no desenvolvimento, com a capacidade do cérebro para aprender e enviar as respostas emocionais para o mundo (que suporta a evidência de que os psicopatas não conseguem aprender com as consequências). Se o sistema neuro cognitivo de um indivíduo foi prejudicada em uma idade adiantada, afirmam, ele ou ela "vai apresentar-se com as dificuldades emocionais associadas com a psicopatia." Porque essas deficiências interferem com o processamento de socialização adequada, essas pessoas correm risco em níveis elevados de apresentarem um tipo de agressão que serve as suas necessidades. 

No entanto, a psicopatia não é uma explicação para o comportamento de Kroll, é apenas um quadro. Gamarra indica que Kroll justifica seu desvio baseado em uma experiência que ele teve durante a puberdade, quando ele estava sexualmente excitado ao testemunhar o abate de suínos. Como ele não foi educado ou não era inteligente o bastante para inventar uma explicação para agradar os psiquiatras forenses, sobre uma experiência que ligava seu desejo sexual a sangue, carnificina e morte, essa poderia ser pelo menos, uma influência em seu comportamento aberrante. 

Algo está errado certamente, quando as pessoas se tornam assassinas compulsivas, especialmente com tais comportamentos adicionados como beber sangue, desmembramento, necrofilia e canibalismo. Schlesinger retoma a noção de morte compulsiva em Homicídios Sexuais. Ele faz uma distinção entre os assassinos seriais impulsivos, que geralmente são desorganizados e sem um padrão claro para seus homicídios e assassinos compulsivos, que atuam a partir de uma unidade intensa e tem um plano e um senso de propósito. Assassinatos compulsivos, ele indica, "são determinados exclusivamente por fontes internas psicogênicas, com pouca influência do meio ambiente. A vontade de cometer o ato é poderoso, e o infrator pode sentir desconforto interior e ansiedade, se ele tenta resistir a ação." Pela compulsão ser semelhante ao vício, assassinos compulsivos tendem a repetir os seus crimes, além de manter um método similar. Em parte, isso ocorre porque a fusão de sexualidade e agressividade erotizam a violência. Uma vez que a movimentação do sexo masculino tende a ser mais forte do que a de mulheres, este é um padrão de crime quase exclusivo para homens. 

Além disso, Schlesinger acrescenta, "criminosos compulsivos têm uma perturbação do instinto sexual que resulta em fantasias sexuais aberrantes em que a gratificação é obtida através de várias formas de agressão Sua satisfação não pode ser alcançada com o assassinato isolado;. Também exige de alguns a promulgação de sua fantasia . "Geralmente, o assassinato compulsivo se torna uma questão de dominar as vítimas e se sentir no controle. 

No entanto, a própria fantasia não é uma explicação suficiente. Muitas pessoas têm fantasias violentas e não agem baseado nelas. O que está faltando em tais pessoas, Schlesinger explica, é "um estado correspondente de tensão." Atuar liberta os  assassinos compulsivos dessa pressão. Eles podem exercer a contenção se necessário, mas eles preferem a gratificação, então eles vão planejar um crime, bem como irão agir quando surgir uma oportunidade. No entanto, dada a baixa incidência de assassinos compulsivos em todo o mundo em comparação com outros tipos de assassinatos, parece que muitas coisas deram errado em uma série de áreas (biológica, psicológica, ambiental), para gerar este tipo de criminoso perigoso .



O Julgamento 
Kroll sendo escoltado até a corte
Pouco tem sido escrito sobre o julgamento real de Joachim Kroll, mas parece que devido a sua longa duração deve ter havido falhas. Enquanto estava em custódia, Kroll afirmou que ele esperava passar por um procedimento cirúrgico que o curasse de suas compulsões sexuais, porque ele esperava ser seguro o bastante para ser libertado da prisão. No entanto, ele se esqueceu de punição e castigo, e ele logo sofreu oito acusações de assassinato e uma acusação de tentativa de homicídio. Embora ele tivesse confessado treze assassinatos e uma tentativa (apesar de ser suspeito em mais), era difícil trabalhar com as evidências desses incidentes tanto tempo após os fatos. Alguns crimes tinham duas décadas de idade. 

O julgamento, com toda a sua pompa durou 151 dias, desde as declarações iniciais do advogado até a conclusão do júri. Tudo começou em 4 de outubro de 1979, em Saal 201, em Duisburg, e terminou em Abril de 1982. Apesar de sua esperança de cura e libertação, Kroll foi condenado por todas as acusações. Já que a pena capital foi abolida depois da guerra, ele só pode ser condenado a apenas no máximo a prisão perpétua. Mesmo assim ele recebeu nove sentenças, para serem servidas na prisão de Rheinbach. 



O Legado do Caçador

Em 1 º de julho de 1991, com a idade de cinqüenta e oito anos, o notório Ruhr Hunter morreu de um ataque cardíaco. No entanto, apesar de ser um serial killer pouco conhecido, mencionado em apenas algumas enciclopédias dedicadas a assassinos em série, ele conseguiu inspirar algumas pessoas que sabem sobre ele para manter a memória de seus feitos vivos. 

O músico Chet Scott, por exemplo, oferece um projeto musical inspirado em Kroll. O Caçador Ruhr, com CDs tendo títulos como rasgada de Este, supostamente baseando suas letras sobre os aspectos dos crimes verdadeiros na cultura industrializada. A Instrumentação do Ruhr Hunter tem sido descrita como rica e sombria, combinando "drones lustmordian" com "harmonias fantasmagóricas" e "delicadas melodias de piano." Um revisor observou que a música "inflige uma extrema sensação de desolação, quase depressivo, se não fosse pelo fato de que a potência eletrônica se sobressai através da atmosfera ressonante para mantê-lo atualizado e ansioso." Ruhr Hunter é aparentemente, um favorito entre os fãs de música "black metal". 

Há também um outro tipo de empreendimento artístico dedicado a Kroll. O autor do site, "clubmoral.com" criou um "verdadeiro projeto de arte crime" inteiramente dedicado à série de assassinatos de Kroll. Sua bibliografia de revistas alemãs e fontes de jornal é impressionantemente grande (provavelmente o mais extenso do mundo), e sua dedicação ao projeto é clara. Este artista belga, que também criou exposições do serial killer Ed Gein e da Família Manson (representando-os como máquinas armadas de facas), diz no site que ele espera colocar todas as informações em um CD para uma eventual distribuição. Trabalhando sob suas próprias imagens ampliadas de Kroll, pintado nas paredes de um estúdio remoto na Alemanha, ele passou meses no "Projeto Jockel". Clubmoral fornece uma biografia de Kroll, uma descrição do projeto, informações sobre as cenas de crime, uma exposição de arte, e um extenso estudo na forma como as informações sobre Kroll foram adquiridas. O artista ainda fotografou a si mesmo nu em um local e levou lembranças de onde algumas das mulheres assassinadas e crianças haviam morrido. 

Apesar do relativo anonimato de Kroll como um serial killer, seus crimes tiveram efeitos de longo alcance sobre os amigos e as famílias de suas vítimas.



Fonte: Artigo inteiramente traduzido do site: http://www.crimelibrary.com/serial_killers/weird/joachim_kroll/biblio.html
Reações:

1 comentários:

Postar um comentário